“Lute como uma menina”: gênero e processos de formação na experiência das ocupações secundaristas

Isabella Batista Silveira | OUTRAS

“LUTE COMO UMA MENINA”: GÊNERO E PROCESSOS DE FORMAÇÃO NA EXPERIÊNCIA DAS OCUPAÇÕES SECUNDARISTAS Este trabalho é fruto de uma pesquisa de Mestrado em Educação que teve como objetivo aprofundar as reflexões sobre as ocupações estudantis secundaristas que se alastraram pelo país nos anos de 2015 e 2016. O foco investigativo e o recorte temporal escolhidos para a produção dos dados são as ocupações que ocorreram no último trimestre de 2016. A partir da apresentação do panorama político e apoiada nos conceitos de classe e experiência do historiador inglês Edward Thompson buscou-se investigar como aconteceram os processos formativos no interior das ocupações e como estas práticas permitiram a construção de um novo olhar sobre o espaço escolar, movimentos estudantis e as relações interpessoais estabelecidas no contexto desta experiência. Para tanto, considerou-se as relações de gênero estabelecidas no interior das ocupações como o principal medidor dos impactos desta vivência nos sujeitos ocupantes. Como resultados, percebeu-se que o exercício da autonomia, da autorganização e do fazer-se político foram fundamentais para que as ocupações não se limitassem ao papel de ser só uma ferramenta pragmática de luta política. PALAVRAS CHAVE: ocupação; formação; experiência; gênero.

GT03 - Movimentos Sociais
“A FRONTEIRA TEM SUAS QUESTÕES”: DOCÊNCIA E RELAÇÕES INTERCULTURAIS NA FRONTEIRA BRASIL-VENEZUELA

Viviane Inês Weschenfelder | Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS

“A FRONTEIRA TEM SUAS QUESTÕES”: DOCÊNCIA E RELAÇÕES INTERCULTURAIS NA FRONTEIRA BRASIL-VENEZUELA O trabalho aborda a constituição da docência em uma escola marcada por relações interculturais, mediante análise de narrativas de professores do município de Pacaraima, na fronteira Brasil-Venezuela. Esse espaço caracteriza-se pela coexistência, muitas vezes conflituosa, de diferentes culturas, etnias e nacionalidades. A partir da perspectiva pós-estruturalista, estudos sobre interculturalidade e docência são tomados como basilares para a construção argumentativa aqui desenvolvida. Como parte da investigação, foram realizadas oito entrevistas com professores da escola pesquisada, material que é analisado por meio da ferramenta foucaultiana do discurso. Os excertos evidenciam a pluralidade de olhares sobre as relações culturais na escola de fronteira. A presença de alunos estrangeiros pode ser entendida tanto como um empecilho, quanto como uma oportunidade potente de aprendizagem para todos. O texto discute a possibilidade de uma docência constituída por um ethos fronteiriço que permita a existência da diferença e da produção de subjetividades dos sujeitos que habitam a escola. Palavras-chave: Docência. Interculturalidade. Diferença. Escola de Fronteira.

GT13 - Educação Fundamental
“DEIXA EU ABRIR A JANELA” – ENCONTROS E DESENCONTROS COM A LINGUAGEM NA CRECHE

Rachel Martins Arenari Razuk | UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro

“DEIXA EU ABRIR A JANELA” – ENCONTROS E DESENCONTROS COM A LINGUAGEM NA CRECHE Resumo Este trabalho discute a interação professor-bebê como prática pedagógica com a linguagem na creche. Como as práticas docentes colaboram com a ampliação da simbolização, da fala e do pensamento verbal das crianças pequenas? Como se colocam como possibilidades de interação dialógica? Trata-se de resultados de uma pesquisa qualitativa realizada numa turma da creche de uma Escola de Educação Infantil, localizada em uma capital brasileira. Como estratégias metodológicas foram realizadas: observações participantes; entrevistas semiestruturadas; análise documental. Os estudos de Vigotski (1996, 2000, 2010) e Bakhtin (2002, 2011, 2012, 2014) sustentam respectivamente as concepções desenvolvimento infantil, fala e pensamento verbal bem como linguagem, formação dos sujeitos e pesquisa. Com Corsino (2003, 2015, 2017, 2018), Guimarães (2008, 2017), Schmitt (2014), discutimos questões que abarcam linguagem, Educação Infantil e trabalho docente na creche. O artigo está organizado em três partes: i) breves considerações teóricas; ii) análises de eventos do campo; iii) conclusões sobre a interação professor-bebê na creche. Palavras-chave: educação infantil, linguagem, docência, creche, bebê.

GT07 - Educação de Crianças de 0 a 6 anos
“Eu não dei conta de continuar”: itinerários escolares de jovens de camadas populares

Joel Austin Windle | UFOP - UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

A pesquisa analisou o abandono escolar e eventual volta aos estudos de jovens na faixa etária de 18 a 29 anos. Os jovens estudados são majoritariamente de origem popular e enfrentam instituições educacionais precárias, além de serem submetidos a outros problemas próprios as suas condições de vida. Objetivou-se compreender, por meio de uma metodologia mista, quantitativa e qualitativa, as perspectivas e práticas de 275 jovens de origem popular que manifestam o desejo e/ou tomam a iniciativa de reintegrar a escola, no contexto da Região dos Inconfidentes, em Minas Gerais. Os resultados mostram que os motivos do abandono escolar pelos jovens estão ligados, de modo geral, à contingência de mudanças dramáticas na situação familiar, provocando a necessidade de assumir responsabilidades financeiras ou de cuidados com familiares. Uma segunda mudança nas circunstâncias, aliviando a pressão na família, é frequentemente a condição para uma volta aos estudos. Portanto, a dependência dos familiares – que têm o jovem como principal apoio social e econômico -, na ausência do estado ou de empregos estáveis que permitam “condições dignas”, é o fato social que mais pesa na dinâmica de evasão e retomada dos estudos, no escopo do universo pesquisado.

GT14 - Sociologia da Educação
“MINAS NA SEMI”: (re)significações de narrativas das adolescentes em cumprimento da medida socioeducativa Semiliberdade.

Rebeca Cristina Nunes Lloyd Gonçalves | FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

“MINAS NA SEMI”: (re)significações das narrativas das adolescentes em cumprimento da medida socioeducativa de semiliberdade. Resumo A pesquisa analisou as peculiaridades da medida socioeducativa buscando compreender como as meninas em cumprimento de medida de semiliberdade constroem/construíam (re)significações a respeito de si e dos processos educativos que permeavam suas vivências. Caracterizou-se por uma abordagem qualitativa, utilizando observação, entrevistas, intervenção mediada por processos circulares (MINAYO, 2010; LAKATOS, 2000; AGUIAR, 2003 e PRANIS, 2010). Para dialogar com as narrativas adolescentes acerca de suas experiências, propusemos reflexões teóricas que discutem as medidas socioeducativas no contexto da implementação do Estatuto da Criança e do Adolescente (BRASIL, 1990), narrativas estas permeadas por processos de institucionalização vivenciados numa Casa de Semiliberdade (GOFFMAN, 1971, 1999; FOUCAULT, 1997, 2007). Noutra mirada, trouxemos autores que analisam a condição juvenil e as relações de gênero impressas no ser-menina em cumprimento de medida socioeducativa (SCOTT, 2001; LOURO 2008). Palavras-chave : Adolescentes. Processos Circulares. Medida Socioeducativa. Casa de Semiliberdade. Gênero.

GT03 - Movimentos Sociais
“NOSSA ESCOLA TEM LIVROS, BRINQUEDOS E BURACO NO CHÃO”: ruralidades esgarçadas e os modos de grafar a escola pelas crianças

Mariana Martins de Meireles | UNEB - Universidade do Estado da Bahia

“NOSSA ESCOLA TEM LIVROS, BRINQUEDOS E BURACO NO CHÃO”: ruralidades esgarçadas e os modos de grafar a escola pelas crianças Resumo: O texto resulta de uma investigação realizada em uma comunidade rural no sertão da Bahia. Para tanto, moveu-se a partir da seguinte pergunta: o que narram as crianças sobre a experiência de habitar Canudos Velho? Ao longo do estudo buscamos compreender como as crianças tecem suas experiências, atribuem sentidos aos lugares e grafam espaços vividos. Do ponto de vista metodológico, o estudo ancorou-se em pressupostos da pesquisa (auto)biográfica, na vertente da pesquisa narrativa, utilizando-se de narrativas orais de três estudantes dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental e de observações. A pesquisa revelou que, no contexto investigado, a experiência de habitar o rural é marcada por processos de exclusão e marginalização social, associados à negação de direitos e à ausência de políticas públicas que assegurem melhores condições de vida para os sujeitos. Tal cenário, que exibe o esgarçamento do rural, apresenta elementos emblemáticos para pensar o papel do estado e de políticas que atuem para a transformação dessa realidade, especificamente no tange à escola/educação. Palavras-chave: Ruralidades, Narrativas infantis, Escola rural, Ensino Fundamental.

GT13 - Educação Fundamental
“Novo Ensino Médio” quem conhece, NÃO aprova!!

Suzane da Rocha Vieira Gonçalves | FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RIO GRANDE

“Novo Ensino Médio” quem conhece, NÃO aprova!! Neste trabalho discutimos a proposta do “Novo Ensino Médio”, analisando as percepções de estudantes secundaristas de duas escolas públicas estaduais no RS. Motivados pela propaganda do governo federal que afirma que quem conhece, aprova a Reforma do Ensino Médio, realizamos uma pesquisa com estudantes matriculados nesta etapa da Educação Básica com a intenção de verificar se eles conheciam a proposta do “Novo Ensino Médio” e se eles aprovavam a mesma. Para tanto, aplicamos questionários com 143 estudantes, matriculados nos três anos do EM. A análise dos dados nos permite inferir que a maioria dos jovens não aprova o “Novo Ensino Médio”, mesmo possuindo pouco conhecimento sobre as mudanças previstas com a implementação da reforma. A participação na pesquisa deu acesso aos estudantes a muitas informações sobre a reforma. Ao tomarem conhecimento da proposta de implementação dos itinerários e da mudança na oferta das disciplinas os estudantes manifestaram preocupação com o futuro dos estudantes que frequentarem a nova organização curricular, uma vez que percebem o foco em conteúdos de Português e Matemática e o esvaziamento das demais áreas do conhecimento. Palavras-chave: Ensino Médio, Políticas Educacionais, Reforma do Ensino Médio.

GT09 - Trabalho e Educação
“O CELULAR É MEIO QUE O MUNDO”: VIVÊNCIAS NA CIBERCULTURA POR ADOLESCENTES

Sebastião Gomes de Almeida Júnior | FADEPE / PPG em Educação da UFJF

“O CELULAR É MEIO QUE O MUNDO”: VIVÊNCIAS NA CIBERCULTURA POR ADOLESCENTES A presente pesquisa de doutorado, concluído em 2019, que é fundamentada nos estudos de cibercultura e na abordagem histórico-cultural, parte da questão: Como os adolescentes constituem suas vivências nas tecnologias digitais? Busca-se compreender de que modo esses sujeitos potencializam seu desenvolvimento na apropriação de instrumentos e signos culturais, em meio às redes sociotécnicas da atualidade. Para aproximação de campo, foi elaborado um survey para conhecer práticas e opiniões de estudantes de 8º e 9º anos do Ensino Fundamental de uma rede municipal de ensino, realizado com 930 adolescentes com idades entre 12 e 17 anos, de 32 estabelecimentos escolares. No desenvolvimento teórico-metodológico, com base no conceito de vivência ( perejivanie ) de L. S. Vigotski, são explorados mapas vivenciais com 12 adolescentes de quatro escolas que haviam aderido ao questionário online . Mediante entrevistas dialógicas, na perspectiva da escuta dos sujeitos, os participantes apresentam suas vivências na cultura digital, envolvendo seus espaços-tempos cotidianos. Palavras-chave: adolescentes; cibercultura; teoria histórico-cultural; vivência; mapas vivenciais.

GT16 - Educação e Comunicação
“O futuro é uma caixinha de sonhos ” … campo, mulheres, formação e trabalho

Ludmila Oliveira Holanda Cavalcante | UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA

“O futuro é uma caixinha de sonhos ” … campo, mulheres, formação e trabalho RESUMO O texto apresenta o processo de produção de um registro fílmico como produto da pesquisa sobre estudantes do ensino médio subsequente realizada entre 2016-2018 com financiamento do CNPQ. A pesquisa aponta para um cenário de educação profissional comprometido com a formação técnica de seus estudantes, no trabalho voltado para a área da agropecuária e o seu possível desenrolar em formações do ensino superior em áreas correlatas. O texto lida com as categorias: juventude, trabalho e campo, busca ilustrar a riqueza do trabalho realizado e o potencial discursivo e analítico que tal recurso didático poderá ter em espaços formativos em torno do debate da Educação do Campo. O filme foi realizado com mulheres jovens sobre suas condições de vida, percepções de trabalho, juventude, campo, presente e futuro. O fato de estarmos diante das “câmaras” trazia um elemento diferenciado para os sujeitos de pesquisa, jovens atentas às capturas de imagens, equilibrando-as com narrativas de si e dos arredores que “ganhariam mundo”. As narrativas apontam para as contradições existentes na condição juvenil rural e seus desafios na sociedade contemporânea. Palavras Chaves: campo – juventude rural – formação – trabalho

GT03 - Movimentos Sociais
“OUVINDO OS CONSELHOS DOS YOUTUBERS, EU SINTO QUE POSSO SER UM LEITOR”: OS SENTIDOS QUE OS JOVENS DAS CLASSES POPULARES ATRIBUEM AOS CANAIS DE RESENHAS LITERÁRIAS NO YOUTUBE

Alessandra da Costa Abreu | UERJ/PROPED - Universidade do Estado do Rio de Janeiro

“OUVINDO OS CONSELHOS DOS YOUTUBERS, EU SINTO QUE POSSO SER UM LEITOR”: OS SENTIDOS QUE OS JOVENS DAS CLASSES POPULARES ATRIBUEM AOS CANAIS DE RESENHAS LITERÁRIAS NO YOUTUBE Resumo: Este artigo tem como objetivo apresentar alguns resultados de uma pesquisa de doutorado em andamento que venho construindo pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, sob a perspectiva dialógica e alteritária da produção de conhecimento de Mikhail Bakhtin. Este estudo tem se constituido a partir das rodas de conversas com jovens do Ensino Fundamental de uma escola pública da rede municipal de São Gonçalo, em diálogo com os canais literários do YouTube. Levando em consideração que existe hoje uma discreta produção acadêmica que discute a produção literária em espaços não escolares, mais do que respostas essa investigação vem trazendo novas perguntas. O debate sobre como a literatura vem sendo encarada pelos jovens dentro e fora da escola nos convida à reflexão sobre a desconfortável relação de estranhamento que tem se colocado entre professores e alunos na complexidade do cotidiano, entendendo que essas aproximações podem se constituir espaços potentes, reveladores de significados para o debate educacional. Palavras chave : leitura, literatura, juventude e YouTube.

GT13 - Educação Fundamental
“TIA, QUERO SER NEGRO”: DIFERENÇAS ÉTNICO-RACIAIS NA CRECHE

Adriana do Carmo Corrêa Gonçalves | 3ª CRE - Coordenadoria Regional de Educação do Rio de Janeiro

“TIA, QUERO SER NEGRO”: DIFERENÇAS ÉTNICO-RACIAIS NA CRECHE RESUMO Como professora-reflexiva associou-se teoria e prática na Educação Infantil a partir da observação das interações das crianças. Essa discussão assume o escopo de pesar diversidades e diferenças étnico-raciais na creche. A pesquisa exploratória se ancorou na observação participante, no caderno de registro e na enquete realizada com os responsáveis. Mignot e Cunha (2006) tratam da escrita ordinária como referenciais para organização teórico-metodológica. Considera-se os marcos legais que ressignificaram a condição da criança na sociedade brasileira. Para fundamentar a temática educação infantil e relações étnico-raciais, Abramowicz e Oliveira (2010) foram incorporadas à teoria, assim como Trinidad (2012). Embora as crianças apresentassem dificuldades para reconhecer seus marcadores identitários afro-brasileiros, não manifestavam qualquer forma de preconceito e discriminação. Com o processo de docência-pesquisa, percebeu-se que ações em prol da valorização e reconhecimento da afro-brasileira contribuíram para uma visão mais abrangente das crianças acerca das diferenças, diversidades e respeito às especificidades. Palavras-chave : Educação Infantil. Docência-pesquisa e Identidades

GT07 - Educação de Crianças de 0 a 6 anos
“Todo o mundo vai aplaudir as bichas”: produção das diferenças e reconhecimento a partir das fanfarras escolares da fronteira Brasil-Bolívia

Tiago Duque | UFMS - PPGE CPAN - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Este artigo analisa como a escola está inserida no processo de diferenciação e reconhecimento de homens jovens efeminados que participam das fanfarras na fronteira Brasil/Bolívia. Através de etnografia e entrevista semiestruturadas, a partir da perspectiva teórico metodológica pós-crítica, observou-se ensaios e apresentações das fanfarras escolares na cidade de Corumbá, entrevistou-se direção de escola, instrutor e componentes de diferentes fanfarras. A partir da compreensão de um regime de visibilidade que permite a cidade ser reconhecida por muitos como “sem preconceito”, o reconhecimento dos jovens efeminados é compreendido a partir do espaço de agenciamento da escola. O contexto fronteiriço de diferenciação identitária é levado em consideração na análise. Conclui-se que, entre outras coisas, a visibilidade e atuação dos efeminados na cidade se dá via um contexto de preconceito e violência contra as experiências de gêneros e sexualidades dissidentes, no entanto, a fanfarra, via a sua constituição de gênero e sexualidade, permite que efeminados se destaquem e ganhem reconhecimento nos termos inteligíveis locais, isto é, de maneira binária, ainda que dissidentes, sem pôr em risco a imagem da escola e o lugar de masculinidade dos demais membros da fanfarra.

GT23 - Gênero, Sexualidade e Educação
(DES)CAMINHOS E DILEMAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: COMPORTAMENTO DOGMÁTICO E METAMORFOSE REVERSA

Filipi Vieira Amorim | FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RIO GRANDE

(DES)CAMINHOS E DILEMAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: COMPORTAMENTO DOGMÁTICO E METAMORFOSE REVERSA Resumo: Este ensaio trata de elementos conceituais que perpassam os princípios teóricos e práticos da Educação Ambiental. De modo geral, apresenta uma análise dos caminhos, descaminhos e dilemas que compõem os Fundamentos da Educação Ambiental, com especial atenção ao modo como tem sido compreendido o conceito de Natureza. Com o auxílio de duas personagens literárias, Gregor Samsa e Chance, o texto apresenta uma crítica ao desejo de regresso à uma suposta unidade, caracterizada pela relação perdida entre humanidade e Natureza, que é, hipoteticamente, a causa para a manutenção do comportamento dogmático reforçado pelos Fundamentos da Educação Ambiental. Palavras-chave: Fundamentos. Educação Ambiental. Natureza. Comportamento dogmático.

GT22 - Educação Ambiental
(Proble)matiz-ar pesquisas e(m) educações: fissuras metodológicas (em via)gem

Alda Regina Tognini Romaguera | UNIVERSIDADE DE SOROCABA

(Proble) matiz -ar pesquisas e(m) educações: fissuras metodológicas (em via)gem RESUMO Propomos, neste texto, problematizar pesquisas e(m) educações em suas dimensões metodológicas, apresentando algumas de nossas vivências com trabalhos acadêmicos, seja como estudiosas, orientadoras ou membros de bancas. Apostamos na intensidade da invenção de múltiplos artefatos sensíveis como cartões postais, vídeo poemas, vídeo cartas, cartas, contos, fotografias, poemas, danças, performances, instalações. Trazemos as potências desses fluxos desde dentro de uma formatação metodológica estudada, concretizada e expressa pelas normas acadêmicas e que, mesmo assim, fraturam os caminhos ao abrirem mão das certezas, mas não do planejamento; resistem a uma vontade exclusiva de explicação e interpretação, sem abandonar a análise da/na produção dos dados, eventos e conhecimentos. Nossa proposta é arrastar o conceito de devir para escapar de uma concepção monolítica sobre o lugar e o funcionamento da metodologia de pesquisa em educação; fissurar metodologias por uma poética da produção de sentidos; deslocar o ‘mesmo lugar’, no encontro entre pessoas e objetos e sensações, com composições à deriva, mutantes a cada acontecimento. Palavras chave: Metodologia de pesquisa. Arte. Devir.

GT24 - Educação e Arte
50 anos da Pedagogia do oprimido: educação popular, saber/poder diante da onda neoconservadora

Márcio Penna Corte Real | UFG - Universidade Federal de Goiás

50 ANOS DA PEDAGOGIA DO OPRIMIDO : EDUCAÇÃO POPULAR, SABER/PODER DIANTE DA ONDA NEOCONSERVADORA Resumo Pedagogia do oprimido é o livro de Paulo Freire de maior repercussão. Ao completar 50 anos, contrariamente à atualidade e ao vigor do texto, o autor e sua obra vêm sendo atacados. A comunicação exorta contribuições freireanas para a concepção de educação popular. Destaca o saber/poder e a epistemologia, como desafios da educação popular. A concepção de Freire tem os alicerces de seu edifício epistemológico nos textos Educação e atualidade brasileira e Educação como prática da liberdade ; que conceituam a educação no desafio da inserção do povo na sociedade brasileira; preludiando a Pedagogia do oprimido como marco organizativo e epistemológico das práticas educativas. A discussão toma a problemática da epistemologia em Freire e sua pertinência à trajetória do GT6 da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. Conclusivamente, consiste em ato político-pedagógico trazer ao centro dos debates a Pedagogia do oprimido mediante à onda neoconservadora que assola a vida pública e as disputas da educação no país. Palavras-chave: Pedagogia do oprimido ; Paulo Freire; educação popular; epistemologia; saber poder.

GT06 - Educação Popular
A APRENDIZAGEM MATEMÁTICA DE PROFESSORAS DOS ANOS INICIAIS NA LUTA PARA SUPERAREM INCERTEZAS

Patricia Bastos Fosse Peres | UNESA - Universidade Estácio de Sá

A APRENDIZAGEM MATEMÁTICA DE PROFESSORAS DOS ANOS INICIAIS NA LUTA PARA SUPERAREM INCERTEZAS. Resumo O objetivo deste estudo foi investigar elementos singulares na significação da aprendizagem matemática por professoras dos anos iniciais do Ensino Fundamental e as possíveis implicações desses elementos nas práticas. Tomamos como referência Teoria da Argumentação. Foram entrevistadas 10 professoras e as análises realizadas segundo o Modelo da Estratégia Argumentativa. Revelou-se uma forte tensão entre marcadores da Pedagogia Tradicional e de uma Pedagogia Nova. A necessidade de acomodar “o novo” desencadeou um processo de ressignificações e mudanças nas práticas. Para falarem sobre a aprendizagem matemática dos alunos, as professoras reportaram-se aos processos vivenciados enquanto alunas, revelando desconforto, dor e medo. As práticas encontram-se relacionadas ao processo de ressignificação da aprendizagem matemática. Palavras-chave : Teoria da argumentação, práticas docentes, aprendizagem matemática, educação matemática

GT19 - Educação Matemática
A ATUAÇÃO DA BURGUESIA BRASILEIRA NA REFORMA DO ENSINO MÉDIO

Sérgio Feldemann de Quadros | UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas

A ATUAÇÃO DA BURGUESIA BRASILEIRA NA REFORMA DO ENSINO MÉDIO Resumo Compreender a relação entre os interesses comuns e distintos das frações da burguesia na orientação das políticas educacionais é uma tarefa complexa. Este trabalho analisa a participação do empresariado nas audiências da medida provisória 746/2016 que reformou o ensino médio. A análise aqui presente faz parte de uma pesquisa de mestrado que procura compreender a influência do empresariado nesta reforma. Neste texto, serão analisados as falas e os posicionamentos do empresariado nas audiências públicas da reforma, com a finalidade de compreender sua atuação no contexto político do golpe parlamentar de 2016. Os resultados, neste momento da pesquisa, apontam que o empresariado que atua na indução das políticas educacionais, por mais que no âmbito econômico possa fazer parte das frações da burguesia interna, com interesses oras distintos do imperialismo, não distingue seus posicionamentos da fração da burguesia a ele associada, legitimando no território nacional as orientações dos organismos multilaterais. Palavras-Chave: Reforma do Ensino Médio. Imperialismo. Burguesia brasileira. Audiências Públicas MP746/2016.

GT05 - Estado e Política Educacional
A ATUAL FASCISTIZAÇÃO DO BRASIL: UMA APROXIMAÇÃO DE SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

Fernando de Oliveira Leal | UFES - Universidade Federal do Espírito Santo

A ATUAL FASCISTIZAÇÃO DO BRASIL: UMA APROXIMAÇÃO DE SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS RESUMO: O Brasil vive hoje um processo de fascistização que deve ser investigado para a compreensão de seu funcionamento e suas consequências para a democracia e seus desdobramentos na restrição no provimento dos direitos sociais. Tendo em vista a experiência europeia e latino-americana, o presente artigo busca aprofundar o debate sobre o fascismo à luz da contribuição teórica de Nicos Poulantzas e Florestan Fernandes. No debate sobre a relação entre a conjuntura atual e os processos históricos percebemos que para além das mudanças de concepções e disputas ideológicas, o contexto político de fascistização enseja graves consequências econômicas e profundos retrocessos nas bases do contrato social no Brasil. Palavras-chave: fascistização, impacte popular, Estado autocrático burguês, totalitarismo de classe.

GT09 - Trabalho e Educação
A autoeficácia dos diretores escolares no sistema estadual de ensino de Minas Gerais: o uso do SIMADE e de seus dados no contexto escolar

Carla da Conceição de Lima | PUC Rio - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Resumo Este estudo propõe como objetivo investigar a influência da percepção de autoeficácia dos diretores escolares no uso do sistema de gestão escolar SIMADE e de seus dados na rede pública estadual de Minas Gerais. Com esse intuito, foram utilizados dados de um questionário aplicado aos 3.644 diretores que atuavam em 2017 e 2018. Esse instrumento nos permitiu realizar, a partir dos 586 questionários que retornaram respondidos, análises descritivas sobre o perfil dos gestores e criar um indicador de autoeficácia do diretor, através de análise fatorial. Os principais resultados indicam que, entre os 586 respondentes, há diretores que ser percebiam com autoeficácia adaptativa (393), autoeficácia alta (102) e baixa autoeficácia (91), sendo que em todos eles predomina o uso administrativo do SIMADE, voltado para o cumprimento de normas e controle das escolas. Por outro lado, o uso dos dados do SIMADE é voltado para o planejamento de ações pedagógicas nas escolas, principalmente nos níveis de autoeficácia adaptativa e alta. Concluí-se que no uso do SIMADE não há diferença entre os níveis de autoeficácia, mas no uso dos dados quanto maior a autoeficácia mais se usa os dados para o pedagógico. Palavras-chave: Autoeficácia do diretor. Diretor escolar. SIMADE

GT20 - Psicologia da Educação
A AUTOFORMAÇÃO DAS PROFESSORAS ALFABETIZADORAS E A QUALIDADE DO ENSINO

Maria Gerlaine Belchior Amaral | UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE

A AUTOFORMAÇÃO DAS PROFESSORAS ALFABETIZADORAS E A QUALIDADE DO ENSINO RESUMO O presente texto focaliza a autoformação de professoras que atuam no 1º ano do Ensino Fundamental (alfabetização). Tem por objetivo aprofundar análises sobre os impactos da autoformação na prática de ensino das professoras que exercem a docência no âmbito do processo de alfabetização e letramento das crianças. Busca investigar se essas profissionais vivenciam intencionalmente práticas autoformativas e, se tal prática lhes propicia apreender metodologias inovadoras. Trata-se de uma pesquisa em curso, em nível pós-doutoral a qual busca não apenas conhecer, mas também intervir por meio da pesquisa-ação. A problemática da investigação incide, portanto, sobre a necessidade de melhorias no padrão de qualidade do ensino na Educação Básica. O estudo apoia-se no Plano Nacional de Pós-Graduação (2011-2020) que aponta a Educação Básica como um assunto estratégico e digno da atenção de todo Sistema Nacional de Educação, inclusive do Sistema Nacional de Pós-Graduação e, também em achados de pesquisas que apontam a imperiosa necessidade de uma interlocução mais propositiva entre a universidade e a escola. Palavras-chave: Autoformação Docente. Alfabetização. Ensino. Qualidade Social

GT10 - Alfabetização
A AVALIAÇÃO FORMATIVA NAS AULAS DE MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL 1

Luiza Cristina Gatti Peralta | UNIRIO - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

A AVALIAÇÃO FORMATIVA NAS AULAS DE MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL 1 RESUMO Esse trabalho toma como referência dados construídos em uma pesquisa de mestrado que teve o objetivo de analisar como os processos da avaliação formativa contribuem para a construção de práticas pedagógicas que visam as aprendizagens dos alunos. Como nossos estudos sobre avaliação estavam voltados para o ensino da matemática, foi preciso investigarmos alguns aspectos relativos à concepção histórica do trabalho desta área na escola e como os professores polivalentes dos anos iniciais se organizam para lecioná-la. Buscamos diálogos com Boaventura de Sousa Santos (2000; 2017), Paulo Freire (1987), entre outros. A concepção de avaliação formativa discutida toma as ideias de Fernandes, C. (2012, 2014, 2017), Fernandes, D. (2009), Perrenoud (1999) e Hadji (1994, 2001). A investigação, de natureza qualitativa, inspirou-se em pressupostos metodológicos de pesquisas participativas, com estudos de Thiollent (2011) e Brandão & Streck (2006). O estudo apontou que os processos avaliativos podem favorecer as aprendizagens dos alunos no cotidiano da sala de aula. PALAVRAS-CHAVE: Avaliação Formativa. Ensino de Matemática. Anos Iniciais do ensino fundamental. Pesquisa Participativa

GT13 - Educação Fundamental
A BNCC E A EDUCAÇÃO INFANTIL: ALGUMAS PROVOCAÇÕES E UM PONTO DE ANCORAGEM

Maria Renata Alonso Mota | FURG - Universidade Federal do Rio Grande

A BNCC E A EDUCAÇÃO INFANTIL: ALGUMAS PROVOCAÇÕES E UM PONTO DE ANCORAGEM Resumo: O texto apresenta reflexões que estão vinculadas a uma pesquisa em andamento, que tem como objetivo compreender os efeitos das atuais políticas públicas educacionais para a Educação Infantil no Brasil, analisando de que forma essas políticas produzem (re)configurações nas práticas pedagógicas para as creches e pré-escolas. O trabalho apresenta alguns aspectos acerca da BNCC, no que diz respeito à etapa da Educação Infantil, procurando compreender alguns dos efeitos para o currículo e a prática pedagógica, e ainda, para o trabalho do(a) professor(a) que atua com as crianças de zero a cinco anos e onze meses. Também aponta um possível ponto de ancoragem a partir do foco nos campos de experiência como possibilidade de abertura para pensar os currículos da Educação Infantil. Para o desenvolvimento das análises foram utilizadas a segunda e a terceira versões da BNCC. As análises apontam para uma forte imbricação da BNCC com a racionalidade neoliberal, configurando-se como uma proposta curricular que prioriza determinadas competências que serão comuns a todos. Palavras-chave: Educação Infantil; BNCC; campos de experiência

GT07 - Educação de Crianças de 0 a 6 anos
A BNCC e a educação integral: política curricular que nega direitos?

Ocimar Munhoz Alavarse | FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - FEUSP

A BNCC e a educação integral: política curricular que nega direitos? Resumo Neste trabalho é analisada a concepção de educação integral veiculada pela BNCC como política curricular que, apesar das menções à ampliação da formação dos alunos – indistintamente nomeada como desenvolvimento integral e educação integral –, restringe direitos no processo de escolarização. Embora a discussão sobre educação integral no Brasil esteja, historicamente, ligada à articulação entre formação intelectual e prática, ao acesso a bens culturais normalmente à margem do conhecimento escolar, à ampliação do tempo de contato com os desafios do conhecimento, em novas configurações de tempos, espaços e saberes, a opção expressa nesse documento se restringe a uma ideia de integralidade do indivíduo destacado do contexto no qual se desenvolve e aprende. Destaca-se que a democratização da escola, entre outros atributos, indica o acesso a conhecimentos escolares e para isso políticas públicas de educação, especialmente no Brasil, foram elaboradas, não sem pressões sociais, no sentido de garantir condições materiais para o desenvolvimento do trabalho escolar, o que a menção vaga à educação integral não garante em absoluto. Palavras-chave : política curricular; BNCC; educação integral; conhecimento escolar.

GT05 - Estado e Política Educacional
A CENTRALIDADE DA PRODUTIVIDADE NAS TRAMAS DA ARTICULAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA COM A INCLUSÃO

Priscila Turchiello | INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

A CENTRALIDADE DA PRODUTIVIDADE NAS TRAMAS DA ARTICULAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA COM A INCLUSÃO Este artigo resulta de uma pesquisa de doutoramento, cujo objetivo voltou-se a compreender como a educação profissional e tecnológica investe na constituição de sujeitos produtivos na racionalidade neoliberal de matriz inclusiva. Com inspiração no pensamento de Michel Foucault buscou-se empreender um exercício de análise da articulação da educação profissional e tecnológica com a inclusão na Contemporaneidade, elegendo-se como materialidade políticas públicas, documentos de programas de Governo e produções que circulam com o objetivo de apresentar ações e princípios que norteiam a educação profissional e tecnológica e a inclusão. A partir do empreendimento analítico realizado, foi possível compreender que, articuladas, a educação profissional e tecnológica e a inclusão funcionam como tecnologias de governamento das condutas da população na esteira da racionalidade neoliberal, investindo na produtividade dos sujeitos com deficiência de modo a desenvolver as condições de concorrência e competição para sua entrada e permanência no jogo econômico neoliberal. Palavras-chave: Educação profissional e tecnológica. Inclusão. Pessoas com deficiência. Produtividade.

GT15 - Educação Especial
A chegada do discurso “ideologia de Gênero” no contexto educacional brasileiro.

Thais C M Gava | FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS

Resumo: Este trabalho apresenta os resultados parciais da pesquisa sobre a construção do discurso da “ideologia de gênero” no cenário educacional brasileiro. A partir de autores que exploram a capilaridade desse discurso no cenário internacional, o objetivo deste trabalho foi buscar os elementos constituintes para o cenário brasileiro. A ligação e o fortalecimento de movimentos conservadores, em especial do Escola Sem Partido, é um ponto a ser explorado e complexificado para que se possa ter dimensão do impacto dessas falas no cotidiano escolar. Todavia, pode-se dizer que esse não é um discurso linear, daí a necessidade de se explorar os possíveis ecos, de que maneira esse discurso reverbera para e entre os professores e professoras e suas consequências no cotidiano escolar, com possibilidade de identificar possíveis descontinuidades e diversidade de sentidos. PALAVRAS CHAVES: gênero, ideologia de gênero, educação.

GT23 - Gênero, Sexualidade e Educação
A CONCEPÇÃO DE FORMAÇÃO DOCENTE DO PNAIC SEGUNDO AS AÇÕES EFETIVAS NO MUNICÍPIO DE CAMETÁ-PÁ

Delcilene Furtado Teles | UFPA - Universidade Federal do Pará

A CONCEPÇÃO DE FORMAÇÃO DOCENTE DO PNAIC SEGUNDO AS AÇÕES EFETIVAS NO MUNICÍPIO DE CAMETÁ-PÁ Resumo: Esse texto apresenta os resultados finais da pesquisa que teve como objetivo analisar a concepção de formação docente contida no PNAIC e sua materialização no contexto local mediante as ações efetivas promovidas pela Secretaria Municipal de Educação de Cametá-Pá. Utilizou-se de análise documental e entrevistas semiestruturadas como instrumento para coleta de dados e a análise de conteúdo para sistematização e análise das informações. Os principais autores utilizados podem ser citados: Arce (2000), Duarte (2010a, 2010b, 2010c), Goulart (2014). Os resultados apontam que a formação em seu processo de materialização apresentou, com maior ênfase, a lógica do modelo da racionalidade prática. Embora tenha-se identificado a presença de elementos característicos da racionalidade técnica e da racionalidade crítica, estes se tornaram secundários na medida em que, as práticas formativas valorizavam a experiência docente como instrumento para produção de novos conhecimentos para ajudar o professor, no processo formativo, a enfrentar os problemas na sua prática docente. Palavras-chave : Formação docente. Concepção de formação docente. PNAIC.

GT08 - Formação de Professores
A CONCEPÇÃO NEUROPSICOLÓGICA COMO TENDÊNCIA À FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL

Soraya Cunha Couto Vital | UFMS/Campus de Campo Grande - Universidade Federal do Mato Grosso do Sul

A CONCEPÇÃO NEUROPSICOLÓGICA COMO TENDÊNCIA À FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL Resumo O presente artigo configura-se como parte de pesquisa realizada em processo de doutoramento em Educação, que analisa as propostas de formação continuada de professores considerando as condições objetivas para a educação e a formação para a emancipação humana na sociedade contemporânea. O objetivo é analisar a inserção da abordagem neuropsicológica como tendência formativa em expansão. A Psicologia Histórico-Cultural, em Vygotsky e Luria, é referencial teórico-metodológico para este texto. Para tal, foram identificadas propostas de formação por meio de marketing digital, sendo 04 selecionadas e 01 analisada. Como resultado, compreende-se que é importante pensar no processo formativo docente para o qual a tendência neuropsicológica tem contribuído, e que é preciso ir além do entendimento de como o cérebro aprende. Faz-se necessário considerar também a influência dos pressupostos neoliberais sobre tal tendência e seu antagonismo aos fundamentos histórico-culturais. Palavras-chave: Neuropsicologia. Formação Continuada. Professores. Psicologia Histórico-Cultural.

GT20 - Psicologia da Educação
A CONFIGURAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NO PROCESSO DE INCLUSÃO ESCOLAR: COLABORAÇÃO ENTRE O/A PROFESSOR/A DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO – (AEE) E OS/AS PROFESSORES/AS DA SALA DE AULA COMUM

Gercineide Maia de Sousa | UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE

Este artigo apresenta o resultado da pesquisa, de abordagem qualitativa, que analisou em que medida e em quais circunstâncias o trabalho docente realizado pelos professores de Atendimento Educacional Especializado – (AEE) é colaborativo ao trabalho docente desenvolvido pelos professores de Sala Comum – (SC), de forma a contribuir com o processo de escolarização e desenvolvimento dos alunos do Ensino Fundamental Inicial, público-alvo do AEE, matriculados nas escolas municipais de Rio Branco-Acre. Os resultados da pesquisa documental apontam que a legislação vigente no país, por si não garante inclusão escolar, mas a política pública. Ademais, mostrou que o trabalho docente tem se organizado, sobretudo, na Resolução nº 4 CNE/CEB/2009. O estudo empírico evidenciou que o trabalho desses professores tem se configurado como colaborativo na medida em que suas práticas docentes procuram responder às necessidades educacionais dos alunos público-alvo do AEE, necessitando, portanto, ser reorganizado diante das dificuldades e desafios que esses profissionais têm em desenvolver a aprendizagem das crianças. Palavras-chave: Trabalho docente. Trabalho colaborativo. Professores de Atendimento Educacional Especializado. Professores da Sala de Aula Comum. Inclusão Escolar.

GT15 - Educação Especial
A CONSCIENTIZAÇÃO DO RACISMO E SUA INSERÇÃO COMO OBJETO DE ESTUDO EM TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO – CONTRIBUIÇÕES DE DISCIPLINAS SOBRE A QUESTÃO ÉTNICO-RACIAL.

Verônica Moraes Ferreira | FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - FEUSP

título: A CONSCIENTIZAÇÃO DO RACISMO E SUA INSERÇÃO COMO OBJETO DE ESTUDO EM TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO – CONTRIBUIÇÕES DE DISCIPLINAS SOBRE A QUESTÃO ÉTNICO-RACIAL Resumo: Esse texto é fruto de uma pesquisa de doutorado concluída, que buscou averiguar em que medida o tratamento dado a questão étnico-racial nos cursos de Pedagogia de quatro universidades federais do Estado do Rio de Janeiro conseguiam preparar os professores em formação para combater o racismo presente em nossa sociedade, baseando-se para isso nos estudos de Sacristán (2008) sobre currículo prescrito e adaptado pelos professores e na Lei 10.639/2003. Nesse trabalho procurou-se discutir até que ponto a contribuição das disciplinas específicas sobre a questão étnico-racial nos trabalhos de conclusão de curso, apontada pelos professores entrevistados como um ponto positivo das disciplinas sobre a temática étnico-racial no currículo dos cursos de pedagogia pesquisados, ajuda os futuros docentes não somente na luta antirracista mas também em relação a possibilidade de enriquecimento do currículo escolar no que tange a esse tema, Palavras-chave : Trabalho de conclusão de curso; curso de Pedagogia, Questão étnico-racial, Formação inicial de professores, Racismo.

GT21 - Educação e Relações Étnico-Raciais
A CONSTITUIÇÃO DE UMA VERDADE SOBRE A EDUCAÇÃO DE SURDOS: UMA APROXIMAÇÃO AOS DOCUMENTOS DO CONGRESSO DE MILÃO (1880)

Eliane Telles de Bruim Vieira | UFES - Universidade Federal do Espírito Santo

RESUMO: Este texto é um recorte de uma pesquisa que tem como objetivo retomar as discussões sobre a história da educação de surdos por meio da releitura dos documentos dos congressos ocorridos no final do século XIX. O congresso de Milão (1880) permanece como monumento sobre o qual pesquisadores da educação de surdos podem sempre encontrar novas problematizações. A partir de uma leitura do corpus documental deste congresso, procuramos retomar como em Milão se deu a construção de uma verdade a ser implementada. Objetivamos problematizar como as bases religiosas e filosóficas da época, aliadas a outros elementos práticos, permitiram normatizar o melhor método para a educação de surdos. A aproximação ao conjunto de documentos referentes ao Congresso de Milão favorece discutir questões ainda hoje subjacentes em muitos debates acerca da educação de surdos e se apresenta como tarefa necessária, pois tal evento é, sem dúvida, o mais conhecido acerca da educação de surdos.

GT15 - Educação Especial
A CRIANÇA INDÍGENA NAS PESQUISAS EM EDUCAÇÃO: BALANÇO DE UMA DÉCADA DE ESTUDOS

Rogerio C Silva | UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais

Resumo No presente texto, investigamos o lugar da criança indígena nas pesquisas em Educação. Como as pesquisas abordam a educação da criança indígena? Como tratam dos processos de transmissão de conhecimento? Como as pesquisas em Educação abordam temas como a construção da noção de pessoa, a corporalidade ou a dimensão cosmológica do grupo na educação da criança? Como tratam o ponto de vista das crianças indígenas e das suas produções? Analisamos 51 trabalhos (dissertações e teses) de Programas de Pós-Graduação em Educação, produzidos entre 2007 e 2018. Utilizamos como palavras-chave : “criança”, “indígena”, “infância” e “educação”. A quantidade de pesquisas sobre a criança indígena ainda é pequena e dispersa. A maior parte orbita em torno de temas como a Educação indígena e a Educação Escolar. Identificamos um movimento crescente de trabalhos mais conectados aos estudos e discussões da Antropologia da criança. Ainda assim, as pesquisas pouco exploram o lugar das crianças indígenas no plano político, religioso e cosmológico de seu grupo. Selecionamos algumas etnografias para aprofundar a análise. Palavras-Chave: Criança indígena. Infância. Educação.

GT07 - Educação de Crianças de 0 a 6 anos
A DIDÁTICA NO CONTEXTO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE ARTES VISUAIS EM MOJU-PA: A CULTURA MATERIAL DA DIDÁTICA E O FAVORECIMENTO DO TRABALHO DOCENTE

Ricardo Augusto Gomes Pereira | GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM EDUCAÇÃO DO CAMPO/UFPA/ ICED

A DIDÁTICA NO CONTEXTO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE ARTES VISUAIS EM MOJU-PA: A CULTURA MATERIAL DA DIDÁTICA E O FAVORECIMENTO DO TRABALHO DOCENTE RESUMO Este texto reflete a problemática da didática no contexto do trabalho docente, desenvolvido a partir da experiência vivenciada no trabalho tempo educativo da disciplina Fundamentos da Didática na Licenciatura em Artes Visuais do PARFOR/ UFPA no município de Moju-Pa, cujo o objetivo foi analisar a cultura material da didática e sua influência na prática pedagógica de professores de Artes Visuais em formação e o favorecimento do trabalho docente. Os escritos de Marx (2008), Williams (1969, 1992) e Pimenta (1995, 2002) colaboraram com a compreensão da problemática da utilização da didática na formação e no trabalho docente, a partir do qual observou-se o apego a cultura material com a criação de recursos que ajudaram na concretização de conteúdos de arte e sua comunicação em escolas ribeirinhas da Amazônia paraense, os quais foram favorecidos pela cultura do povo dos rios e florestas. Palavras-Chave : Trabalho. Trabalho docente. Cultura material. Didática.

GT04 - Didática
A DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA NAVAL NA FORMAÇÃO SUPERIOR DA MARINHA DO BRASIL

Hercules Guimaraes Honorato | ESCOLA NAVAL

A DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA NAVAL NA FORMAÇÃO SUPERIOR DA MARINHA DO BRASIL RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar como foi o processo de construção da disciplina de Introdução à Logística Naval (ILN), que passou a fazer parte do currículo da Escola Naval (EN) a partir de 2016. O estudo é uma pesquisa teórica, de cunho qualitativo, com pesquisas bibliográfica e documental. O artigo é apresentado em duas seções principais: a primeira trata do marco teórico e dos principais conceitos envolvidos na construção da disciplina, a saber: o currículo, as disciplinas escolares, a Logística, as metodologias ativas e a aprendizagem significativa; a segunda seção apresenta a disciplina, sua ementa, suas metodologias de ensino e a avaliação. A conclusão não é fácil, quando pretendemos incluir uma disciplina em uma matriz acadêmica de nível superior e militar, caracterizada por um ensino tradicional e tecnicista, de aprendizagem mecânica e com foco no docente. Os caminhos iniciais, contudo, foram abertos para uma formação em que os discentes se tornassem sujeitos ativos da própria aprendizagem e sintonizados também com o tempo em que estamos vivendo. Palavras-chave: Disciplina Acadêmica. Ensino Superior Militar. Escola Naval. Introdução à Logística Naval.

GT04 - Didática
A DOCÊNCIA E A AÇÃO PEDAGÓGICA NOS PROCESSOS ESCOLARES INCLUSIVOS: UMA AULA DE MATEMÁTICA NOS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL COM A PRESENÇA DE ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

Clarissa Haas | UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul

A DOCÊNCIA E A AÇÃO PEDAGÓGICA NOS PROCESSOS ESCOLARES INCLUSIVOS: UMA AULA DE MATEMÁTICA NOS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL COM A PRESENÇA DE ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL RESUMO: No presente artigo, a nalisa-se a complexidade da ação docente para os processos escolares inclusivos a partir de um cotidiano “real” – uma turma de 7º ano do Ensino Fundamental com a presença de estudantes com deficiência intelectual de uma escola pública municipal em Caxias do Sul (RS) -, selecionada a partir do Censo Escolar da Educação Básica (BRASIL, 2017). O foco metodológico tratou-se da pesquisa-intervenção, com a realização de uma oficina de aprendizagem na turma. O objetivo da oficina foi propor estratégias de aprendizagem capazes de envolver a todos os estudantes, conforme suas possibilidades, em torno da construção de um conteúdo matemático comum , pois observou-se que o currículo desenvolvido pelos estudantes com deficiência era totalmente distinto do restante da turma. Questiona-se as simplificações curriculares feitas para os estudantes com deficiência e a precarização do trabalho docente na figura do ” cuidador educacional” como apoio pedagógico no âmbito dessa rede de ensino. PALAVRAS-CHAVE: Ação docente. Deficiência intelectual. Inclusão escolar. Currículo. Matemática.

GT15 - Educação Especial
A educação autônoma zapatista: um experimento cosmopolítico de democracia radical

Ana Paula Massadar Morel | UFF - Universidade Federal Fluminense

A educação autônoma zapatista: um experimento cosmopolítico de democracia radical Resumo O movimento zapatista é conhecido mundialmente por construir um modo de existência anti-capitalista e autogestionário chamado autonomia zapatista. Neste trabalho, pretendemos explorar um de seus pilares fundamentais: a educação autônoma zapatista. Esta se constitui como uma proposta de descolonização e democracia radical que articula um denso aparato conceitual dos indígenas do movimento. As escolas são organizadas pelas assembleias comunitárias visando a educação verdadeira ( chanel ), isto é, um aprendizado constante com a comunidade e o cosmos baseada na arte do caminhar perguntando. Palavras-chave: Educação autônoma, Movimento zapatista, Antropologia e educação, Cosmopolítica.

GT03 - Movimentos Sociais
A educação emocional e a vivência da tristeza em estudantes com deficiência intelectual

Taísa Caldas Dantas | UFPB - Universidade Federal da Paraíba

Resumo: Este artigo tem o objetivo de analisar os principais estímulos geradores da emoção da tristeza em estudantes com deficiência intelectual. As emoções sempre foram vistas com muita desconfiança e opostas da razão, sendo a tristeza comumente considerada uma emoção negativa e que deve ser evitada. Todavia, refletir sobre os fatores que levam um indivíduo a vivenciar a tristeza pode possibilitar o seu autoconhecimento e a ressignificação dessas situações, principalmente em indivíduos que vivem sujeitos a vulnerabilidades, como é o caso das pessoas com deficiência. A pesquisa possui natureza qualitativa e foi realizada com 27 jovens com deficiência intelectual da Educação de Jovens e Adultos (EJA). Os instrumentos de coleta de dados utilizados foram a observação direta e um roteiro de entrevista semiestruturada. Os resultados da pesquisa apontam que a educação emocional contribui para uma vivência sadia da emoção da tristeza, a qual tem função de renovo, de abrir espaço para o novo, sendo fundamental para a superação dos obstáculos paralisantes impostos às pessoas com deficiência, pois, esta emoção pode proporcionar novas experiências, aprendizagens e empoderamento no cotidiano destes sujeitos. Palavras-Chave: Deficiência Intelectual; Educação Emocional; Tristeza.

GT15 - Educação Especial
A EDUCAÇÃO ESCOLAR NA AMAZÔNIA MARAJOARA: HISTÓRIA, MEMÓRIA E PRÁTICA DA EDUCAÇÃO DO CAMPO NO MAPUÁ, BREVES, PA

Eliane Miranda Costa | UFPA - Universidade Federal do Pará

A EDUCAÇÃO ESCOLAR NA AMAZÔNIA MARAJOARA: HISTÓRIA, MEMÓRIA E PRÁTICA DA EDUCAÇÃO DO CAMPO NO MAPUÁ, BREVES, PA RESUMO: O texto faz uma abordagem histórica da educação escolar do campo na Amazônia Marajoara, a partir da realidade do rio Mapuá, município de Breves, de 1979 a 2017. O objetivo é registrar e conhecer parte da história e memória da escola pública entre rios e floresta na Amazônia. Verifica-se ainda a relação da prática escolar com à tradição cultural dos povos da floresta. A metodologia ancora-se na história oral temática e na pesquisa documental. Os dados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas e análise da Proposta Curricular do Ensino Fundamental das escolas do campo de Breves. Os resultados indicam que a educação escolar no Mapuá iniciada com classes multisseriadas em fevereiro de 1979, foi (e continua) conduzida por uma prática sustentada em um pseudo fazer para uma pedagogia das águas e floresta. Apesar disso, a educação escolar é, para o Mapuá e a Amazônia Marajoara, tática para valorizar a tradição cultural e questionar as barreiras da invisibilidade imposta pela episteme urbanocêntrica. Fechar uma escola significa, portanto, emudecer as vozes dos povos da floresta. PALAVRAS-CHAVE : História da educação. Escola do Campo. Amazônia Marajoara.

GT02 – História da Educação
A EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO RIO DE JANEIRO: AS DIFERENÇAS CULTURAIS EM QUESTÃO

Ana Paula da Silva Santos | UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro

A EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO RIO DE JANEIRO: AS DIFERENÇAS CULTURAIS EM QUESTÃO R esumo A questão das diferenças vem apresentando cada vez mais visibilidade e se manifesta de diversas formas, desde questões étnicas, de gênero, de raça, orientação sexual, classe social, religiosas, entre outras. Neste contexto, a Educação Física pode ser responsável por reproduzir visões hegemônicas que privilegiam modelos homogeneizados de corpos, atitudes e comportamentos. Esta pesquisa buscou compreender como as questões relacionadas às diferenças culturais são tratadas por professores/as de Educanbção Física e alunos/as do ensino médio de uma escola pública do Rio de Janeiro. Para tanto, foram realizadas entrevistas e observações das aulas ao longo de um semestre. Compreendemos que, embora as diferenças culturais estejam presentes na escola investigada, é grande a dificuldade por parte dos/as professores/as em lidar positivamente com elas. Defendemos que a Educação Física em uma perspectiva intercultural pode favorecer a construção de relações democráticas e justas no espaço escolar, o que implica na ressignificação de seus processos educativos. Palavras-chave : Educação física. Diferenças culturais. Educação intercultural. Ensino médio

GT04 - Didática
A EJA NO ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO: PERFIS, ESPACIALIDADES E MOBILIDADE

Marcelo Andre de Souza | UFF - Universidade Federal Fluminense

A EJA NO ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO: PERFIS, ESPACIALIDADES E MOBILIDADE Este artigo visa apresentar alguns resultados obtidos na dissertação defendida em 2018, que teve como questão central o território e as características dos alunos da EJA no ensino médio da rede estadual no território Zona Norte do município do Rio de Janeiro, a fim de contribuir para as discussões no campo da diversidade, desigualdade social e educação. Com a hipótese de que estes discentes apresentam regularidades que podem variar de acordo com o território, este artigo traz como resultados a análise desta modalidade como política pública, após 1988; as diferentes espacialidades do território em estudo e a análise de 27 variáveis cujo foco deu-se especialmente na busca de tendências e diferenças espaciais presentes no território. Em resumo, a pesquisa ressalta que as diferenças espaciais revelam diversidades, que por estarem associadas a indicadores como sexo, cor, idade e renda, evidenciam desigualdades sócio-espaciais intra-urbana no território municipal que em última instância ecoam dentro das escolas. Palavras-chave: EJA, Ensino Médio, Território, Diversidades.

GT18 - Educação de Pessoas Jovens e Adultas
A escola e o futuro nas vozes de jovens-estudantes do Ensino Médio: contribuições etnográficas à educação

Luís Paulo Cruz Borges | UERJ - PROPED - Universidade do Estado do Rio de Janeiro

A ESCOLA E O FUTURO NAS VOZES DE JOVENS-ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO: CONTRIBUIÇÕES ETNOGRÁFICAS À EDUCAÇÃO Resumo A presente pesquisa tem como objeto de estudo a relação dos alunos e das alunas do Ensino Médio com o conhecimento escolar na contemporaneidade. Pauta-se na abordagem teórico-metodológica etnográfica, situada na fronteira entre a antropologia e a educação. Assim, foram utilizados o caderno de campo, notas etnográficas, descrição densa, entrevistas, fotografias, observação participante e produções textuais como formas de apreender um recorte da realidade social. Articulam-se as categorias juventudes e futuro privilegiando uma abordagem pós-crítica para pensar a escola e seus atores sociais. Questiona-se como jovens estudantes do Ensino Médio de uma escola pública da rede estadual do Rio de Janeiro se relacionam com o conhecimento socializado pela escola. Opera-se numa lógica de que há uma polifonia nas vozes discentes que podem ser escutadas como forma de uma produção curricular. Dessa forma, são pensados os dissensos como caminhos possíveis a partir da ideia de juventudes em trânsito, abordando a relação dos jovens com seus processos educacionais e suas imagens, tendo o futuro como horizonte. Palavras-chave : juventudes; etnografia; futuro; escola.

GT14 - Sociologia da Educação
A escola, o Ensino Superior e o mundo do trabalho: elementos para o Ensino Médio ideal na perspectiva dos jovens

Ana Lara Casagrande | UNESP - CAMPUS RIO CLARO

A escola, o Ensino Superior e o mundo do trabalho: elementos para o Ensino Médio ideal na perspectiva dos jovens Resumo Tendo como eixo de análise a relação entre o ensejo dos jovens e o Ensino Médio, são trazidos dados da pesquisa de pós-doutorado realizada, no ano de 2018, junto a 238 estudantes do terceiro ano, de 4 escolas públicas e 3 escolas privadas, localizadas em um município do interior de São Paulo. Neste estudo, aprovado pelo Comitê de Ética, foram adotados métodos da abordagem quantitativa e qualitativa, sendo o instrumento de coleta de dados o questionário escrito. Os resultados indicam que os estudantes que vislumbram mudanças para o Ensino Médio enxergam, predominantemente, a necessidade de a etapa dedicar-se mais a prepará-los para o ingresso no Ensino Superior, revelando uma função mais próxima do ciclo da Educação Superior do que do fechamento da Educação Básica. Em seguida, grande parte considera necessário que a escola os prepare para o mercado de trabalho, seja por necessidade ou desejo, evidencia o trabalho como um momento privilegiado de transição para a vida adulta, bem como uma preocupação em tempos de reestruturação produtiva. Os estudantes não acreditam que a educação a distância seja uma opção viável. Palavras-chave : Ensino Médio. Trabalho. Juventude.

GT09 - Trabalho e Educação
A ESCOLARIZAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA EM UM MUNICÍPIO BRASILEIRO: aspectos da municipalização e suas relações entre o público e o privado.

Flávia Pedrosa de Camargo | PUC-Rio - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

A ESCOLARIZAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA EM UM MUNICÍPIO BRASILEIRO: aspectos da municipalização e suas relações entre o público e o privado. Resumo: Este trabalho propõe-se a investigar a escolarização de pessoas com deficiência na rede municipal de ensino de um município localizado no interior do país, considerando a implementação de políticas educacionais voltadas às pessoas com deficiência. A partir dos microdados do Censo Escolar de 2013 a 2018 e com posterior análise da quantidade de matrículas por etapa de ensino no ano de 2018 verificamos que o acesso dos alunos com deficiência apresentou crescimento, no entanto, tais alunos encontram-se retidos nos anos iniciais do Ensino Fundamental. Tal fato relaciona-se, sobretudo, ao sombreamento de ações da iniciativa privada em detrimento do setor público, por meio da utilização de verbas públicas e na oferta de atendimentos voltados às pessoas com deficiência sendo realizados amplamente em instituição privada de caráter filantrópico. Palavras-chave: Educação Especial; Educação Inclusiva; Políticas educacionais.

GT15 - Educação Especial
A FILOSOFIA E A FORMAÇÃO DOCENTE: TRANSFORMANDO SABERES E PRÁTICAS

Liliane Barreira Sanchez | UFRRJ - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

A FILOSOFIA E A FORMAÇÃO DOCENTE: TRANSFORMANDO SABERES E PRÁTICAS Resumo: Este trabalho é fruto de uma pesquisa sobre formação docente inicial e continuada através da experimentação de um projeto de extensão de oficinas filosóficas, desenvolvido em parceria entre uma universidade federal e uma escola da rede pública municipal. Trata-se da investigação acerca da influência desse projeto na formação dos licenciandos e docentes nele envolvidos, considerando o potencial reflexivo-crítico da filosofia e as características democráticas, dialógicas e criativas do programa “filosofia para crianças”, idealizado pelo filósofo norte-americano Matthew Lipman. Tal pesquisa foi realizada através de entrevistas com os sujeitos investigados, submetidas à análise categorial, cujas respostas e conclusões foram aqui apresentadas sinteticamente, com foco na temática da formação docente a partir dos pressupostos da “comunidade de investigação”, metodologia utilizada para o desenvolvimento das oficinas do referido projeto. Ressaltamos que foi mantido o anonimato dos sujeitos investigados e o respeito às normas éticas de pesquisa com seres humanos. Palavras-chave: Formação docente, Filosofia, Comunidade de investigação.

GT08 - Formação de Professores
A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES NO ENSINO FUNDAMENTAL: um estudo sobre a percepção dos professores dos projetos Expertise e Alfamat em Belém

Nila Luciana Vilhena Madureira | UFPA-PPGEDUC – UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES NO ENSINO FUNDAMENTAL: um estudo sobre a percepção dos professores dos projetos Expertise e Alfamat em Belém Resumo O trabalho foi elaborado a partir de resultados de pesquisas já desenvolvidas em dissertações e teses, concluídas, sobre a formação continuada de professores da Rede Municipal da cidade de Belém – Pará. Analisa os projetos Expertise e Alfamat que compõem a política de formação continuada da Secretaria Municipal de Educação. Os procedimentos metodológicos incluem revisão da literatura, análise dos principais documentos em nível nacional e municipal, levantamento da produção científica no que tange a teses e dissertações, que permitiu analisar a percepção dos professores. Compreendemos a relevância dos projetos na definição do trabalho e formação docente, considerando que sua origem está relacionada com as avaliações em larga escala, as quais têm refletido na definição dos conteúdos e orientações pedagógicas. Os resultados apontam que os projetos de formação continuada nem sempre estão associados às políticas de valorização docente, além de fomentar responsabilização sobre o desempenho dos alunos aos professores, para além das condições de trabalho existentes. Palavras-Chave: Formação continuada. Expertise. Alfamat. Professores.

GT13 - Educação Fundamental
A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CONTEXTO DA ESCOLARIZAÇÃO HOSPITALAR: PRINCÍPIOS E CONSTRUTOS

Francisca Maria de Sousa | APC PUCPR Campus Curitiba

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CONTEXTO DA ESCOLARIZAÇÃO HOSPITALAR: PRINCÍPIOS E CONSTRUTOS O escolar pode se afastar da escola por motivo de doenças, em busca de tratamento de saúde e, muitas vezes, permanece longos períodos no hospital. Defende-se a atuação do professor junto ao escolar hospitalizado, em alguns casos, o paciente fica internado por meses no hospital. A formação de professores também precisa subsidiar estes profissionais, assim buscou-se investigar: quais os construtos necessários para a formação de professores que atuam com os alunos que se encontram em tratamento de saúde no hospital? O objetivo geral foi identificar e analisar construtos que possam subsidiar a docência no contexto hospitalar. Na pesquisa de abordagem qualitativa, estudo de caso, os dados foram evidenciados a partir de observações em dois hospitais no estado do Paraná e de entrevistas semiestruturadas. Apoiou-se em autores como: Covic (2011) Vaillant e Marcelo Garcia (2012), e dentre outros. Como resultado elaborou-se dois indicadores para formação destes docentes como: (i)caracterização do perfil do professor que atua no hospital; (ii) os construtos como definidores da qualidade da formação do professor. Palavras chave: Formação de professores. Hospital. Aluno. Escolarização Hospitalar.

GT08 - Formação de Professores
A FORMAÇÃO EM CONTEXTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE GOIÂNIA: EM BUSCA DA PRÁXIS

Luciene Batista | UFG - Universidade Federal de Goiás

A FORMAÇÃO EM CONTEXTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE GOIÂNIA: EM BUSCA DA PRÁXIS Resumo Na pesquisa, analisou-se a proposta de “formação em contexto” de dois Centros Municipais de Educação Infantil. A Política de Formação Continuada em Rede da Secretaria Municipal de Educação e Esporte de Goiânia realiza-se mediante Projetos e Ações Formativas, nas quais se insere a formação em contexto, visando o redimensionamento da práxis pedagógica. Adotou-se o método materialista dialético e a abordagem qualitativa. As informações foram obtidas por meio de entrevista semiestruturada e questionários respondidos por 14 professoras. Evidenciou-se que as profissionais, nas condições de trabalho que lhes são oferecidas, têm buscado modificar a prática pedagógica por meio de sua problematização. No entanto, são necessárias políticas públicas, que promovam a valorização profissional e sobretudo a melhoraria das condições de trabalho, a fim de que a “formação em contexto” seja realizada de forma mais significativa e possa, assim, contribuir para transformar a realidade social e educacional. Palavras-chave: Formação Docente; Formação em Contexto; Práxis Pedagógica; Educação Infantil.

GT08 - Formação de Professores
A FORMAÇÃO PEDAGÓGICA NOS CURSOS DE LICENCIATURA: o Curso de Letras da Universidade Federal do Maranhão

Lucinete Fernandes Vilanova | UFMA - Universidade Federal do Maranhão

A FORMAÇÃO PEDAGÓGICA NOS CURSOS DE LICENCIATURA : o Curso de Letras da Universidade Federal do Maranhão RESUMO Este artigo resulta da pesquisa de mestrado que analisou “A Formação Pedagógica no Curso de Letras da Universidade Federal do Maranhão”. Fundamentou-se na abordagem crítica e qualitativa e articulou pesquisa bibliográfica, análise documental, entrevista semi-estruturada e questionário semi-estruturado. Alguns aportes teóricos que sustentaram o presente estudo foram: Minayo (1994), André (2013), Diniz-Pereira (1999), Saviani (2009), Candau (1997), Nóvoa (2009), Romanowski (2012), Guidini (2017), Tardif (2014), Gauthier et al. (1998), Pimenta (2002), dentre outros. Os resultados dessa análise revelaram que embora o Curso de Letras reconheça a importância da formação pedagógica, a formação do pesquisador em Linguagem é mais valorizada que a formação do professor e que há uma dicotomia entre as disciplinas da área específica e as disciplinas da área pedagógica, o que acaba por evidenciar uma desarticulação entre ambas. Palavras-chave: Formação inicial docente. Saberes docentes. Formação pedagógica. Curso de Letras.

GT08 - Formação de Professores
A FORMAÇÃO PERMANENTE DO ARTISTA-DOCENTE DE TEATRO: É PRECISO EXPERIENCIAR ARTE PARA ENSINAR ARTE?

Janaína Meira Russeff | UNIRIO - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Resumo: Este artigo, de cunho qualitativo e etnográfico, problematiza e enfatiza a necessidade de voltarmos a atenção para a formação permanente do artista-docente de Teatro, visto que raras são as políticas públicas e projetos pedagógicos específicos para tais profissionais. Consubstanciado por referências teórico-documentais e respaldado na escuta de professores de Teatro que atuam na educação básica, o presente estudo reflete sobre a relevância da experiência artística (fazer, fruir e pesquisar) permanente na formação do artista-docente. A pretensão é a de que esta escuta sirva de parâmetro para análise das condições atuais da formação continuada e assim contribua para a construção do caminho, ainda pouco pavimentado, da formação permanente do artista-docente de Teatro. Palavras-chave: formação de professor; ensino do Teatro; formação permanente.

GT24 - Educação e Arte
A GESTÃO DA EDUCAÇÃO E A PERSPECTIVA DEMOCRÁTICA NAS ESCOLAS DA REDE DE ENSINO DE MANAUS-AM

Arminda Rachel Botelho Mourão | UFAM - Universidade Federal do Amazonas

RESUMO: Este artigo é decorrente de uma pesquisa de mestrado. Trata sobre a gestão escolar democrática nas escolas da rede pública da cidade de Manaus (AM). O objetivo principal é compreender o processo da gestão escolar democrática das escolas municipais de Manaus. Utilizou-se a pesquisa de campo, de natureza qualitativa com utilização da entrevista semiestruturada, com uso de gravador para coleta de dados, em quatro escolas, de quatro divisões distritais, das sete que compõem a organização estrutural da SEMED, com gestores, professores e pais de alunos. Com base na análise, observou-se que as respostas manifestadas pelos entrevistados foram bastante confusas e inconsistentes, não havendo um entendimento claro de como esse tema tem sido materializado nas escolas públicas, além de uma confusão que os mesmos fazem do termo gestão, relacionando-o diretamente com normas, disciplinas e regras que devem ser imprescindíveis na organização escolar, levando a concluir haver a necessidade de um diálogo constante com o todo social que rodeia a escola na perspectiva de compreender qual o sentido real da gestão escolar democrática.

GT09 - Trabalho e Educação
A governança eletrônica na Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais: entre informação e participação

Alexia Padua Franco | UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA

RESUMO: Este trabalho objetiva analisar a relação entre a disponibilização de informação proporcionada pela governança eletrônica e a participação cidadã na configuração de políticas públicas educacionais. O foco da análise serão as mídias digitais da Secretaria de Estado de Minas Gerais (SEE/MG), entre os anos de 2008 e 2019. Inicialmente, é apresentado o contexto de elaboração e implementação da Lei de Acesso a Informação (LAI) no Brasil, a partir de 1988, e o processo de implementação do governo eletrônico no contexto da WEB 2.0, com base nos dados coletados pelo Cetic.br. Em seguida, investe-se na compreensão da relação entre o governo eletrônico e as políticas públicas educacionais em Minas Gerais, por meio da identificação das mídias digitais utilizadas pelas SEE-MG para divulgar suas ações e programas, da análise de indícios de interação dos internautas e gestores nestas mídias, e do movimento de socialização, avaliação e proposição de políticas públicas para a educação em Minas Gerais. Por fim, são apontadas fragilidades da participação online dos cidadãos para a elaboração e encaminhamento de programas e ações da SEE-MG, e indicadas possibilidades para tornar as mídias digitais efetivos espaços de sociabilidade e cibercidadania.

GT16 - Educação e Comunicação
A GOVERNANÇA FILANTRÓPICA E SUA INFLUÊNCIA NA EFETIVIDADE DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL EM ESTADOS BRASILEIROS

Debora Cristina Jeffrey | UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas

A GOVERNANÇA FILANTRÓPICA E SUA INFLUÊNCIA NA EFETIVIDADE DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL EM ESTADOS BRASILEIROS Resumo A educação integral no Brasil, enquanto política nacional, tem se configurado como uma proposição e iniciativa de caráter pedagógico, que objetiva favorecer tanto a ampliação da jornada escolar como a formação integral de crianças e jovens da educação básica. Com base nessa afirmação, realizou-se um mapeamento das iniciativas de educação integral em Estados brasileiros, entre os anos de 2007 e 2017. Nesse período, constatou-se uma participação considerável de Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público em assessorias, formação continuada dos profissionais da educação e indicação de propostas de educação integral. O conceito de governança filantrópica orienta o estudo metodologicamente, que pauta-se em uma pesquisa documental. Evidenciou-se que as parcerias público-privadas, no que tange à política de educação integral nos Estados estão presentes em todas as regiões do Brasil, em 23 Estados, através da atuação de 26 Oscip/fundações, constituindo uma rede política de educação integral, com influência direta na efetividade da referida política. Palavras-chave: Educação Integral. Governança. Arranjo de Desenvolvimento da Educação.

GT05 - Estado e Política Educacional
A imagem da mulher nas experiências pedagógicas com cinema

Maíra Norton Silva | UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro

A imagem da mulher nas experiências pedagógicas com cinema Resumo: Este trabalho busca refletir sobre como o sexismo e a branquitude atravessam as experiências pedagógicas com cinema. Que imagens da mulher projetamos nas oficinas? Quais diversidades de olhar compõem o repertório de filmes exibidos nas aulas? Como percurso para realizar tal reflexão partimos do questionamento sobre o olhar universal masculino branco que incide na produção cinematográfica hegemônica a partir da desigualdade sexual e racial das equipes de realização dos filmes. Avançamos para a reflexão sobre a importância da auto imagem no processo de construção de subjetividades e a potência pedagógica da criação feminina que amplia o espectro de representação do sujeito mulher. Abordamos então a discussão sobre a existência de uma poética feminista x o olhar feminino e por fim pesquisamos os materiais pedagógicos de quatro projetos de cinema e educação a fim de observar se há ou não uma equidade de sexo na autoria dos filmes que exibem. Palavras chaves: Cinema-educação, poética feminista, pedagogia decolonial

GT24 - Educação e Arte
A implementação do Turno Único Carioca: compreendendo o papel dos agentes

Ana Cristina Prado de Oliveira | UNIRIO - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

A implementação do Turno Único Carioca: compreendendo o papel dos agentes Resumo O estudo pretende trazer novos olhares e reflexões para os estudos sobre a implementação das políticas públicas educacionais a partir da consideração sobre aspectos que se referem às traduções e interpretações dos sujeitos envolvidos no processo de implementação de determinada política. A pesquisa aqui relatada propôs uma análise sobre a implementação do Turno Único Carioca, política de ampliação da jornada escolar no município do Rio de Janeiro. O estudo parte da discussão sobre a escassez de pesquisas no campo educacional que se voltem para os agentes implementadores das políticas (AUTORA, 2019) e considera a relevância das traduções e interpretações que estes atores empreendem na criação de novas políticas (LOTTA, 2015). Procurou-se, então, analisar o papel dos Burocratas de Médio Escalão e dos Burocratas de Nível de Rua (LIPSKY, 2010) e sua interação na implementação de uma política educacional. O estudo, de natureza qualitativa, apresenta a análise de entrevistas realizadas com diferentes agentes neste processo pretendendo, desta forma, colaborar com a ampliação desta discussão na esfera educacional. Palavras-chave: Implementação – Políticas Educacionais – Gestores Educacionais

GT14 - Sociologia da Educação
A inserção da Extensão Universitária nos currículos de Graduação e suas contribuições junto aos cursos de formação inicial de professores para a Educação de Jovens e Adultos

Ana Paula de Abreu Costa de Moura | UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - FACULDADE DE EDUCAÇÃO

A inserção da Extensão Universitária nos currículos de Graduação e suas contribuições junto aos cursos de formação inicial de professores para a Educação de Jovens e Adultos Este trabalho tem como objetivo trazer reflexões sobre a inserção da Extensão Universitária nos currículos de Graduação e os impactos de suas ações no processo formativo, a fim de repensar e intervir na formação de professores para a Educação de Jovens e Adultos (EJA). Construído com base em uma abordagem qualitativa, sob uma perspectiva crítica, o trabalho busca, a partir de seus procedimentos metodológicos – revisão de literatura, pesquisa e análise documental –, identificar as principais questões colocadas pelos graduandos e seus reflexos para o processo formativo. O texto aponta a riqueza propiciada pela Extensão à formação do docente da EJA e as conquistas no processo de institucionalização da Extensão Universitária por meio da creditação curricular. Além disso, alerta ser este ainda um espaço de disputa que pode contribuir para a ressignificação do fazer acadêmico. Palavras-chave : Educação de Jovens e Adultos; Extensão Universitária; Formação Docente; Creditação Curricular da Extensão.

GT18 - Educação de Pessoas Jovens e Adultas
A Internacionalização da Educação Superior e Interculturalidade: O Programa de Estudantes-Convênio de Graduação (PEC-G) na Universidade do Estado da Bahia

Mateus Souza | UNEB - Universidade do Estado da Bahia

Internacionalização na Educação Superior e Interculturalidade: o Programa de Estudantes-Convênio de Graduação (PEC-G) na Universidade do Estado da Bahia. RESUMO A internacionalização tem sido uma preocupação crescente das instituições de Ensino Superior Brasileiras, devido alunos estrangeiros nas universidades. Este estudo objetiva fazer um levantamento e saber a percepção dos discente no Programa de Estudantes-Convênio de Graduação (PEC-G), desde a recepção dos primeiros discentes até 2018, na Universidade do Estado da Bahia. O PEC-G é um Programa de mobilidade estudantil, implementado pelo Ministério das Relações Exteriores e da Educação para ser um instrumento de cooperação educacional entre o Brasil e alguns países em vias de desenvolvimento. A metodologia consistiu em realizar um levantamento dos dados sobre o Programa na UNEB, conduzir entrevistas semiestruturadas com os alunos que possuem matrícula ativa no Programa. Tal pesquisa foi realizada a fim de perceber as vivências dos alunos PEC-G. Por meio do levantamento das informações aliado aos relatos das vivências dos alunos, estruturaram-se informações importantes acerca da perspectiva de seus estudantes e relevantes para a condução do Programa na UNEB. Palavras-chave: Cooperação Acadêmica. Internacionalização. Graduação

GT11 - Política de Educação Superior
A INTOLERÂNCIA COM PRATICANTES DE RELIGIÕES DE MATRIZ AFRO-BRASILEIRA E SEUS DESDOBRAMENTOS NO COTIDIANO ESCOLAR DO ENSINO FUNDAMENTAL

Joycimar Lemos Barcellos Zeferino | COLÉGIO PEDRO II

A INTOLERÂNCIA COM PRATICANTES DE RELIGIÕES DE MATRIZ AFRO-BRASILEIRA E SEUS DESDOBRAMENTOS NO COTIDIANO ESCOLAR DO ENSINO FUNDAMENTAL RESUMO Este artigo é parte de uma pesquisa que teve como objetivo compreender, a partir da concepção de professores que atuam nos anos iniciais do Ensino Fundamental em escolas da rede municipal da cidade do Rio de Janeiro, como a religião se expressa no cotidiano escolar. Os entrevistados fazem parte de três grupos: professores de ensino religioso, professores polivalentes cujas turmas têm aulas de ensino religioso e professores polivalentes cujas turmas não tem aulas de ensino religioso. Na pesquisa, a questão da intolerância com os praticantes das religiões de matriz afro-brasileira ganhou bastante notoriedade. Este texto visa apresentar os resultados e análises desta temática a partir dos conceitos de preconceito, discriminação e intolerância e discutir, ainda, o processo que leva à demonização do desconhecido. Por fim, discute-se os desdobramentos dessas temáticas no contexto das escolas públicas e aponta caminhos possíveis para a condução do trabalho docente. PALAVRAS-CHAVE: preconceito; discriminação; intolerância religiosa.

GT13 - Educação Fundamental
A JUDICIALIZAÇÃO DA VIDA ESCOLAR NO CONTEMPORÂNEO

Ingrid de Faria Gomes | UERJ - FFP - Universidade do Estado do Rio de Janeiro

A JUDICIALIZAÇÃO DA VIDA ESCOLAR NO CONTEMPORÂNEO Resumo O presente trabalho tem por objetivo colocar em análise os discursos e as práticas atrelados ao processo de judicialização da vida escolar na contemporaneidade, com ênfase nos atravessamentos entre a escola e o conselho tutelar. Apesar deste ser um órgão não jurisdicional, tais atravessamentos têm sido operados por lógicas judicializantes, pautadas na lógica penal, produzindo efeitos no cotidiano escolar. Para problematizar como este processo tem se desdobrado e as forças subjacentes a ele, coloca-se em discussão o conceito de judicialização. Sob a orientação metodológica da pesquisa-intervenção, inspirada no método da cartografia, explora-se as relações entre a escola e o conselho tutelar no município de São Gonçalo (RJ), contexto desta pesquisa, para problematizar as demandas encaminhadas entre/nesses territórios que intensificam as produções do judiciável. Para tanto, realizou-se entrevistas semiestruturadas com conselheiros/as tutelares que serão tomadas como analisadores da problemática em questão. Por fim, verifica-se um processo de capilarização dos poderes jurídicos no espaço escolar que geram novos modos de regulação e de controle. Palavras-chave: judicialização; escola; conselho tutelar.

GT14 - Sociologia da Educação
A judicialização dos conflitos escolares e a religião na escola: controvérsias atuais

Pedro Pinheiro Teixeira | PUC Rio - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

A judicialização dos conflitos escolares e a religião na escola: controvérsias atuais Resumo: A judicialização no âmbito educacional é caracterizada pela dificuldade de instituições escolares em administrar conflitos do cotidiano escolar e encaminhá-los para instituições fiscalizadoras. O artigo almeja discutir a judicialização de conflitos escolares relacionados a controvérsias envolvendo religião. Inicialmente, refletimos, a partir de diferentes autores, como definir uma controvérsia. Em seguida, exploramos as disputas legais e judiciais em torno da disciplina de ensino religioso ao longo da história do Brasil e de como a religião está presente na escola independentemente desse componente curricular. Em terceiro lugar, analisamos a judicialização da vida nas democracias contemporâneas, destacando as relações entre sociedade e poderes legislativo e judiciário. A seguir, discutimos uma situação de conflito escolar de motivação religiosa que foi judicializada, apontando os limites dessa abordagem. Por fim, concluímos que a judicialização se configura (1) como indício e consequência de controvérsias em contextos escolares; (2) como um instrumento de administração dos conflitos escolares motivados por questões religiosas. Palavras-Chave: Escola; Controvérsia; Judicialização; Religião

GT14 - Sociologia da Educação
A JUSTIÇA CURRICULAR E A (IN)VISIBILIDADE DA MULHER EM UM LIVRO DIDÁTICO PARA O ENSINO MÉDIO

Juliana Mezomo Cantarelli | INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

A JUSTIÇA CURRICULAR E A (IN)VISIBILIDADE DA MULHER EM UM LIVRO DIDÁTICO PARA O ENSINO MÉDIO RESUMO: Educar é parte de um projeto político e uma das ferramentas é o livro didático presente nas escolas públicas do Brasil, através do PNLD. Assim, além de um instrumento pedagógico que abarca os conteúdos legais é também político, direcionando modos de pensar, ser e agir. A partir desse entendimento essa pesquisa de caráter qualitativo, através da análise de livro, tem como objetivo discutir a (in)visibilidade da mulher representada em um livro didático de Biologia do Ensino Médio, utilizados pelos professores de um Instituto Federal. Foram analisadas as fotografias e legendas que representam separadamente pessoas do sexo masculino e feminino, considerando para tal o conceito de Justiça Curricular e os estudos sobre Análise de Livro Texto de Torres Santomé (2013). Acredita-se que os professores devem ter consciência da importância de “treinar” o olhar para além dos conteúdos da sua própria disciplina, pois se a escola não visar à igualdade, independente do sexo pertencente, outras forças continuarão “maquiando” o currículo, inclusive através do livro didático, mesmo sem a percepção de muitos docentes. PALAVRAS-CHAVE: Ensino Médio. Justiça Curricular. Livro Didático. Sexismo.

GT12 - Currículo
A lei 13.415 e o arranjo curricular de formação técnica e profissional

Paulo Romualdo Hernandes | Universidade Federal de Alfenas

A lei 13.415 e o arranjo curricular de formação técnica e profissional Resumo: Examina-se, neste estudo, a nova composição do currículo do ensino médio, proposta pela lei 13.415/2017, segundo a qual parte da carga horária deve ser destinada à Base Nacional Comum Curricular (máximo de 1.800 horas) e outra parte a itinerários formativos com diferentes arranjos curriculares. Analisa-se especificamente o arranjo curricular de formação técnica e profissional, que traz de volta para o ensino médio a educação profissionalizante desvinculada da geral. O estudo tem como fundamento a teoria histórico-crítica em sua concepção dialética de pesquisa e em sua posição sobre a função social da escola. Constatou-se que a oferta do quinto arranjo curricular, formação técnica e profissional, como forma de treinamento para o trabalho, trará diversas dificuldades para que os sistemas de ensino cumpram com a razão de ser da educação escolar segundo os pressupostos da teoria histórico-crítica: transmissão e assimilação de saberes elaborados, científicos, das ciências, da arte e da filosofia, integrados a vários modos de produção. Palavras-chave: Formação técnica e profissional. Lei 13.415. Reforma do ensino médio. Teoria histórico-crítica.

GT09 - Trabalho e Educação
A LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UFES E OS DESAFIOS DA PERMANÊNCIA CAMPESINA NO ENSINO SUPERIOR

Roberta Gonçalves Duarte | UFES - Universidade Federal do Espírito Santo

A LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UFES E OS DESAFIOS DA PERMANÊNCIA CAMPESINA NO ENSINO SUPERIOR RESUMO Este artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa de mestrado em andamento, que busca compreender os principais motivos que têm impossibilitado a permanência estudantil no curso de Licenciatura em Educação do Campo – campus Goiabeiras da Universidade Federal do Espírito Santo e os caminhos que devem ser trilhados para enfrentar essa problemática. Já nos primeiros quatro anos o curso perdeu 19,2% dos (as) 354 discentes matriculados (as), seja por abandono, desistência ou reopção. Esse preocupante cenário nos levou a iniciar a investigação, cujo referencial metodológico baseia-se em Paulo Freire e em teóricos (as) da educação popular, utilizando questionários, entrevistas individuais e coletivas e análises compartilhadas, conforme os pressupostos da pesquisa participante. Entre os fatores sinalizados pelos (as) discentes que podem levá-los (as) a descontinuarem seus estudos estão o desconhecimento sobre o curso, tensões e conflitos internos, dificuldade na realização das atividades e relacionadas ao trabalho, problemas familiares e financeiros. Palavras-chave: Licenciatura em Educação do Campo. Formação de professores. Ensino Superior. Acesso e Permanência.

GT11 - Política de Educação Superior
A LITERATURA NO CURRÍCULO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORAS DO PNAIC

Maria Carolina da Silva Caldeira | UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais

RESUMO Este trabalho tem como objetivo analisar como a literatura e a leitura literária estiveram presentes no currículo de formação docente proporcionado pelo Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC). Com base em entrevistas realizadas em 2015 com formadoras, orientadoras de estudos e professoras cursistas vinculadas à UFMG, analiso os saberes acionados, as relações de poder estabelecidas e as posições de sujeito demandadas nesse currículo. Partindo das contribuições teóricas de Michel Foucault, mostro como esse currículo operava com pressupostos do discurso de letramento literário , com destaque para dois elementos principais: a importância da leitura literária no currículo de formação docente e no currículo da alfabetização de crianças; e as possibilidades de articulação da literatura com outros artefatos para produzir práticas diferentes e interdisciplinares no currículo. Argumento que esse modo de narrar a literatura e a leitura literária – na medida em que articula elementos de diversos discursos – inserem as professoras em determinadas relações de poder e demandam a “posição de sujeito” professora leitora . Palavras-chave: Currículo; Formação de Professoras; Literatura.

GT12 - Currículo
A LÓGICA DE MERCADO E O MUNDO DO TRABALHO NA FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS

Lindisay Giany Moreira | UNIFAP - UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ

LÓGICA DE MERCADO E O MUNDO DO TRABALHO NA FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS Resumo O artigo discutiu a perspectiva formativa dos Cursos de Engenharias da UEAP. Tratou-se de um estudo documental, considerando os aportes teóricos e metodológicos do Materialismo Histórico-Dialético e Análise do Discurso de Bakhtin. Os resultados apontam fortemente uma formação de engenheiros voltada para atenderem as demandas do mercado, formando-os para o empreendedorismo. Esse cenário revela uma educação superior com características fortemente imbricadas com o processo de globalização e com as determinações oriundas de organismos internacionais multilaterais. Palavras-chave: Universidade. Engenharias. Mercado .

GT11 - Política de Educação Superior
A MEDIAÇÃO ENTRE A CULTURA LITERÁRIA E O SUJEITO LEITOR: UMA REFLEXÃO A PARTIR DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL

Ana Maria Moraes Scheffer | UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

A MEDIAÇÃO ENTRE A CULTURA LITERÁRIA E O SUJEITO LEITOR: UMA REFLEXÃO A PARTIR DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL Resumo O presente artigo apresenta parte dos resultados finais de uma pesquisa de doutoramento, concluída no ano de 2018, cujo objetivo foi compreender as mediações em torno do texto literário realizadas em salas de leitura de quatro escolas públicas de Minas Gerais. Foram sujeitos da pesquisa quatro professoras que atuam nas salas de leitura das escolas pesquisadas. Trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa, sendo instrumentos de produção de dados: observações participantes das atividades nas salas de leitura, análise dos projetos pedagógicos das escolas e um questionário. Com base na teoria histórico-cultural e em um dos eventos observados na sala de leitura de uma das escolas refletimos sobre a linguagem literária, a formação de leitores literários e o papel dos mediadores. Os resultados da pesquisa permitem compreender a sala de leitura como um cronotopo, no qual as mediações de leitura literária contribuem para a formação do leitor literário. As condições de organização e apropriação da sala de leitura possibilitam realizar mediações de natureza outra daquelas realizadas nas salas de aula. Palavras- chave: Leitura. Literatura. Mediação. Cronotopo.

GT10 - Alfabetização
A militância contra a “ideologia de gênero” – relações entre política e religião

Karina Veiga Mottin | UFPR - Universidade Federal do Paraná

A militância contra a “ideologia de gênero” – relações entre política e religião Resumo Tendo como ponto de partida a militância de deputadas e deputados estaduais do Paraná contra a inserção da pauta de gênero no Plano Estadual de Educação, este artigo pretende discutir a presença de religiosas/os na política e a suas atuações a favor de valores cristãos. O conceito de laicidade é discutido a partir da problematização do chamado “paradigma weberiano da secularização”, postura que tende a encarar a presença da religião na política como um obstáculo à democracia. As peculiaridades d o processo de laicização do Estado brasileiro, assim como o histórico de hegemonia católica no Brasil e o avanço das/os evangélicas/os na esfera política são abordados neste texto. A possibilidade de pensar a laicidade em sua produtividade, ou seja, em como ela pode se configurar, ao invés de pensá-la em termos negativos, também é discutida neste artigo. As reflexões propostas têm como base os estudos do sociólogo Antônio Pierucci e das/os antropólogas/os Paula Montero e Emerson Giumbelli. Palavras-chave: “Ideologia de gênero”, política, religião

GT23 - Gênero, Sexualidade e Educação
A obrigatoriedade da pré-escola leva à sua universalização?

Bruno Tovar Falciano | UNIRIO - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

A OBRIGATORIEDADE DA PRÉ-ESCOLA LEVA À SUA UNIVERSALIZAÇÃO? Este artigo se propõe a investigar os efeitos da obrigatoriedade escolar na Educação Infantil a partir da EC nº 59/2009. Para tanto, examinamos os municípios de um estado da região sudeste e verificamos se aqueles com condições iniciais semelhantes obtiveram resultados também semelhantes na expansão da pré-escola. A partir de então foi construída uma amostra com 16 municípios desse estado a fim de investigar em mais detalhe o atendimento à pré-escola e seus efeitos na relação com a creche. As análises foram elaboradas a partir de dados quantitativos como os microdados do Censo da Educação Básica do Inep, mas cuja compreensão está ancorada nas perspectivas de autores como Cury e Rua ao se tratar de política pública e de Benjamin quando aborda a pesquisa em ciências humanas. Palavras-chave: Educação Infantil; obrigatoriedade; política pública; avaliação.

GT07 - Educação de Crianças de 0 a 6 anos
A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO: O OLHAR DAS DOCENTES FACE À APROPRIAÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA NO BLOCO INICIAL DE ALFABETIZAÇÃO

Vânia Márcia Silvério Perfeito | UnB - Universidade de Brasília

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO: O OLHAR DAS DOCENTES FACE À APROPRIAÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA NO BLOCO INICIAL DE ALFABETIZAÇÃO RESUMO O presente ensaio procurou analisar como as alfabetizadoras de duas Unidades de Ensino vinculadas à Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal, organizam o trabalho pedagógico no Bloco Inicial de Alfabetização, bem como, conhecer as concepções de ensino e aprendizagem que norteam suas práticas, face às mudanças didático-pedagógicas, para o ensino da leitura e da escrita, identificando os principais materiais utilizados. Para a concretização deste estudo foram realizadas entrevistas semiestruturadas direcionadas às docentes alfabetizadoras no segundo semestre letivo do ano de 2018. Os resultados apontaram, como as professoras concebem o processo de alfabetização e letramento face às mudanças materializadas após a década de 1980, bem como, a apreensão das potencialidades e os limites dos procedimentos metodológicos empregados, incluindo o livro didático. Palavras-chave: Organização do Trabalho Pedagógico. Alfabetização. Letramento. Livro didático.

GT10 - Alfabetização
A PERCEPÇÃO DE CRIANÇAS DE UMA TURMA DE CRECHE ACERCA DO PERTENCIMENTO ÉTNICO-RACIAL, NUMA COMUNIDADE DE REMANESCENTES DE QUILOMBOLAS

Pedro Neto Oliveira de Aquino | UFC - Universidade Federal do Ceará

A PERCEPÇÃO DE CRIANÇAS DE UMA TURMA DE CRECHE ACERCA DO PERTENCIMENTO ÉTNICO-RACIAL, NUMA COMUNIDADE DE REMANESCENTES DE QUILOMBOLAS Resumo A presente pesquisa analisou como crianças que frequentam a creche de uma comunidade de remanescentes de quilombolas percebem as semelhanças físicas decorrentes do pertencimento étnico-racial e reagem a ela. A abordagem walloniana do processo de constituição da pessoa foi a matriz teórica de referência deste estudo. A investigação foi realizada em uma instituição de educação infantil da região metropolitana de Fortaleza/CE. Participaram do estudo 15 crianças de três a quatro anos de idade, majoritariamente negras. Os procedimentos utilizados para a construção dos dados foram a observação participante e a entrevista coletiva com as crianças, utilizando pares de fotografias e uma história para completar. A análise dos dados torna plausível afirmar que os traços físicos característicos dos negros foram afetivamente impregnados de conteúdo positivo ou negativo para diferentes crianças. Conclui-se que a possibilidade de identificarem diferenças decorrentes do pertencimento étnico-racial e atribuírem qualidades a pessoas negras encontrava-se em desenvolvimento na maioria das crianças. Palavras-chave: Identidade étnico-racial. Crianças negras. Creche.

GT07 - Educação de Crianças de 0 a 6 anos
A pesquisa como possibilidade de resistência à lógica medicalizante

Kelly Cristina dos Santos Silva | UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

A pesquisa como resistência à lógica medicalizante Desde o início do século XX, o campo de estudos sobre o estudante que não apresenta a performance esperada pela escola fundamenta-se em explicações centradas no indivíduo (SOUZA, 2010), explicitando os processos de medicalização da Educação, ou seja, transformando problemas de ordem social, econômica e escolar em problemas biomédicos, com ênfase em explicações advindas da Medicina e da Psicologia (MOYSÉS, COLLARES, 2010). As críticas elaboradas a esse processo retomam discussões sociopolíticas e analisam os efeitos de explicações medicalizantes. A fim de compreender como a temática da medicalização da Educação tem sido tratada por diferentes campos do conhecimento, destacadamente a Psicologia, a Medicina e a própria Educação, empreendemos uma pesquisa de caráter bibliométrico (SILVA et al , 2011), a partir das bases de dados dos portais SciELO, PubMed, Medline totalizando 23 trabalhos. Os resultados indicam a prevalência de estudos do campo da Psicologia na discussão do processo de medicalização da Educação com pouca penetração nas áreas da Medicina e da Educação. Assim, tais áreas, sobretudo a Educação, mantêm-se mais permeável aos discursos medicalizantes. Palavras-chaves: Medicalização da Educação; Psicologia; Educação.

GT20 - Psicologia da Educação
A PESQUISA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA DISPUTA PELA ESCOLA PÚBLICA: O MATERIALISMO HISTÓRICO-DIALÉTICO COMO FUNDAMENTO TEÓRICO-METODOLÓGICO

Marcela de Moraes Agudo | Universidade Estadual Paulista

Resumo Este trabalho busca debater e analisar o materialismo histórico-dialético como fundamento radical tendo em vista uma educação ambiental crítica na escola pública. Compreendendo que a escola pública se revela cada vez mais uma instituição social disputada por diferentes setores sociais e frações de classes, sua conquista pela classe trabalhadora se revela condição para a transformação da realidade escolar pública brasileira, inclusive para a concretização de uma educação ambiental crítica. Neste sentido, as produções acadêmicas da educação ambiental que se pautam no materialismo histórico-dialético podem nos revelar caminhos e desafios a serem enfrentados e superados para que a educação ambiental crítica se materialize na escola pública. Assim, buscamos analisar e refletir sobre a necessidade da fundamentação das pesquisas em educação ambiental sob este referencial, haja vista suas essenciais contribuições na produção do conhecimento para uma inserção aprofundada da educação ambiental crítica na escola pública. Palavras-chave : Educação Ambiental. Escola Pública. Materialismo Histórico-Dialético.

GT22 - Educação Ambiental
A POLÍTICA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ARTIGO 170 SOB O ENFOQUE DA RACIONALIDADE NEOLIBERAL

Daniela Arnold Mader | UNESC - Universidade do Extremo Sul Catarinense

A POLÍTICA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ARTIGO 170 SOB O ENFOQUE DA RACIONALIDADE NEOLIBERAL RESUMO: O presente artigo tem como objetivo analisar a criação da política pública de educação superior instituída pelo artigo 170 da Constituição do Estado de Santa Catarina, sob o prisma da racionalidade neoliberal por meio dos processos legislativos que lhe deram origem. O estudo relata tais processos, aborda o desenvolvimento histórico, as características, a atuação lógica normativa da racionalidade neoliberal e, por fim, avalia a prática neoliberal nos processos legislativos de criação do artigo 170. Considerando a natureza complexa e controversa do campo educacional, se questiona a atuação do Estado na contribuição da mercantilização da educação. O estudo possui abordagem qualitativa e fins descritivos, uma vez que apresenta sistematicamente os dois processos legislativos da política pública. A razão neoliberal foi reconhecida na criação da política do artigo 170 por intermédio da intervenção do Estado que estimula a competitividade econômica entre as Instituições de Ensino Superior e propicia, assim, a mercantilização da educação. PALAVRAS-CHAVE: Artigo 170. Educação Superior. Neoliberalismo. Políticas Públicas.

GT11 - Política de Educação Superior
A Política Nacional de Educação Popular em Saúde na atual conjuntura do SUS: fragilidades e desafios

Jacqueline Rodrigues do Carmo Cavalcante |

Resumo: Em consonância com os princípios e diretrizes do SUS a Política Nacional de Educação Popular em Saúde reafirma o compromisso dos gestores na garantia dos direitos universais de saúde visando a melhoria da qualidade de vida, a diminuição das fragilidades/desigualdades sociais, bem como, o reconhecimento e a valorização da cultura popular como alvos essenciais do cuidado, gestão, formação, controle social e práticas educativas em saúde. Pensando na institucionalização da educação popular por meio da Política Nacional de Educação Popular em Saúde que este estudo objetivou analisar as práticas educativas no âmbito do Sistema Único de Saúde em um município do Sudoeste de Goiás, apresentando sua atual conjuntura, fragilidades e desafios que (in)diretamente tem influenciado não somente o SUS local, mas que universalmente pode se reproduzir na totalidade dos serviços de saúde. Palavras-chave: Educação. Educação Popular. Educação Popular em Saúde.

GT06 - Educação Popular
A POTÊNCIA DOS COLETIVOS ESTUDANTIS NA UNIVERSIDADE E AS POSSIBILIDADES PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Helen Moura Pessoa Brandão | UFES - Universidade Federal do Espírito Santo

A POTÊNCIA DOS COLETIVOS ESTUDANTIS NA UNIVERSIDADE E AS POSSIBILIDADES PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL RESUMO Esse trabalho traz uma cartografia dos fluxos de desejos coletivos no campus sul da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), onde é intensa a atividade rural. Ao iniciar essa investigação, observa-se que os coletivos estudantis, com destaque para o Grupo de Agroecologia Kapi’xawa , criam possibilidades para a educação ambiental, buscando formas de conexão com as culturas locais. Dentre algumas atividades do coletivo, há a criação de redes de conversações com compartilhamento de saberes, onde questões relacionadas a justiça socioambiental são problematizadas; organização de feiras agroecológicas na universidade, fortalecendo a agricultura familiar da região; encontros com grupos folclóricos e vivências em propriedades rurais, trazendo a importância de preservar os hábitos e costumes ancestrais de vivenciar as naturezasculturas de cada lugar. Nesse contexto, os fluxos desterritorializados pela máquina desejante-ambiental, criam novas possibilidades de formação e ações, mais sustentáveis e solidárias. PALAVRAS-CHAVE: educação ambiental; coletivos estudantis; universidade.

GT22 - Educação Ambiental
A práxis como categoria estruturante do projeto de transformação na forma da escola do campo

Monica Castagna Molina | UnB - Universidade de Brasília

A práxis como categoria estruturante do projeto de transformação na forma da escola do campo Resumo. O objetivo deste artigo é compreender em que medida os egressos do curso de Licenciatura em Educação do Campo, que residem no Assentamento Antônio Conselheiro – Mato Grosso. internalizaram, a partir da formação inicial e continuada, possibilidades de transformação da forma escolar, evidenciando aproximações com a perspectiva de práxis emancipadora. Partimos da seguinte indagação: de que maneira esses egressos internalizaram possibilidades de transformação da forma escolar evidenciando uma concepção de práxis emancipadora? À luz do Materialismo Histórico-Dialético utilizamos, como procedimento investigativo, a pesquisa bibliográfica e a análise de dois artigos produzidos pelos egressos em seu processo de formação continuada, destacando intencionalidades voltadas para a práxis emancipadora. Os resultados desta análise desvelam que um projeto que busca alterar a forma escolar, na perspectiva de construir uma proposta de educação de qualidade que seja referenciada socialmente, implica que sejam ressignificados a concepção de sujeito; a relação teoria e prática; concepção de realidade e o vínculo com a transformação social. Palavras-chave: Práxis, Formação Docente, Educação do Campo.

GT11 - Política de Educação Superior
A presença de pessoas idosas na EJA: O que elas buscam? O que elas encontram?

Flávia Cristina Duarte Pôssas Grossi | FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

A PRESENÇA DE PESSOAS IDOSAS NA EJA: O QUE ELAS BUSCAM? O QUE ELAS ENCONTRAM? Resumo O material empírico que subsidia este artigo foi produzido em oito entrevistas realizadas com seis mulheres idosas e dois homens idosos inseridos em um programa de Educação de Pessoas Jovens e Adultos. O foco da análise aqui proposta é identificar as ações que levaram essas mulheres e esses homens a buscarem uma escolarização estando na Terceira Idade. As ações empreendidas por esses sujeitos serão nomeadas neste trabalho como circunstâncias atuantes. A análise indicou que a busca pela aprendizagem e pela superação dos desafios da retomada dos estudos e das intempéries relacionadas ao processo de envelhecimento são alguns dos fatores que os(as) levaram a buscarem na escola a conquista de um direito que lhes fora negado anteriormente: a educação escolar. A compreensão dessa conquista auxilia a pensar nas mulheres idosas e nos homens idosos, que agora vêm ganhando um espaço significativo na escola, como sujeitos de direitos e de aprendizagens. Palavras-chave: Educação de Pessoas Jovens e Adultos (EJA). Escola. Idosos(as). Sujeitos de direitos e de aprendizagens.

GT18 - Educação de Pessoas Jovens e Adultas
A prova social da escolarização entre jovens de escolas públicas: escola e interatividade nas periferias de Porto Alegre

Leandro Rogério Pinheiro | UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL/FACULDADE DE EDUCAÇÃO

A prova social da escolarização entre jovens de escolas públicas: escola e interatividade nas periferias de Porto Alegre Resumo: As problematizações abordadas no artigo partem de pesquisa em curso em bairros de periferia de Porto Alegre/RS, destacando-se dados quantitativos produzidos durante o ano de 2018. A escrita toma por objetivo compreender como os jovens experienciam a prova social da escolarização em escolas públicas sediadas em localidades socialmente vulnerabilizadas da cidade. As contribuições de Danilo Martuccelli são os principais referentes, sendo que as interlocuções em campo preveem a aplicação de questionários e a realização de entrevistas. Aqui, trazemos uma análise parcial dos resultados obtidos em dois bairros com a primeira técnica. Com base nisso, consideramos, para a sequência das incursões, a hipótese de uma implicação mútua entre práticas sociáveis e institucionais junto aos jovens, de forma que modos de presença interativa percorrem diferentes níveis de ensino. Palavras-chave: Escolarização; Prova social; Jovens; Periferias.

GT03 - Movimentos Sociais
A questão racial e perspectivas outras para História da Educação

Sirlene Ribeiro Alves da Silva | UERJ - PROPED - Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Este trabalho tem por objetivo apresentar uma diversidade de estratégias empregadas pelos grupos silenciados na escrita da história (BARROS, 2018), evidenciando como esses grupos subverteram os sistemas de exclusão, possibilitando a construção de perspectivas outras para História da Educação. Tomaremos como base sujeitos e organizações abolicionistas no século XIX, para pensarmos questões epistemológicas contemporâneas. Silva (2012), argumenta que esses novos posicionamentos possibilitam reflexões sobre os espaços informais e práticas educativas difusas nas relações sociais, ampliando a concepção de educação. Nessa perspectiva, será exposto experiências educativas que contrariam a historiografia educacional brasileira, que delegou ao povo negro uma representação de submissão e passividade (FONSECA, 2007). Pensar os diferentes espaços de atuação da população negra, nos auxilia entender suas estratégias de desconstrução da universalidade/objetividade/neutralidade que se cristalizaram a partir da colonialidade. Para tanto, nos apoiamos nas referências bibliográficas sobre o tema e em periódicos do século XIX, para verificar suas práticas e propostas, buscando compreender seus processos e percepções.

GT02 – História da Educação
A repetência e a reprovação escolar em um grupo escolar mineiro, nas primeiras décadas do século XX.

Fernanda Cristina Campos da Rocha | FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

A repetência e a reprovação escolar em um grupo escolar mineiro, nas primeiras décadas do século XX O objetivo desta comunicação é investigar os fenômenos da reprovação e da repetência escolar, em Minas Gerais, nas primeiras décadas do século XX, buscando compreender como elas eram pensadas e vivenciadas em um grupo escolar mineiro: o Grupo Escolar Paula Rocha, na cidade de Sabará. O trabalho insere-se no escopo dos estudos da história da escolarização, principalmente sobre a produção de uma nova cultura escolar no estado, fundada na escola graduada, na qual esses fenômenos se consolidaram. Para alcançar os objetivos, tem-se como principal corpus documental: a legislação educacional, os relatórios de direção e inspeção, as atas de exames, os termos de promoção e os livros de matrículas. A abordagem analítica está centrada, principalmente, nos estudos sobre a cultura escolar, com destaque para os trabalhos de Chervel e Julia. A análise documental evidenciou a complexidade dos fenômenos, não sendo possível apontar uma única causa para sua ocorrência. Entre os motivos da reprovação e da repetência escolar estavam o extenso Programa de Ensino, a pouca idade dos alunos e o seu baixo desempenho. PALAVRAS-CHAVE : Reprovação Escolar. Repetência Escolar. Escola Graduada.

GT02 – História da Educação
A SOCIOEDUCAÇÃO E O QUARTO NÍVEL AVALIATIVO: ENTRE O DESEJO DE APRENDER E DE SER LIVRE

Enilvia Rocha Morato Soares | UnB - Universidade de Brasília

A SOCIOEDUCAÇÃO E O QUARTO NÍVEL AVALIATIVO: ENTRE O DESEJO DE APRENDER E DE SER LIVRE Resumo Compreender a avaliação desenvolvida em meio ao trabalho pedagógico conduzido em e por um Núcleo de Ensino localizado no interior de uma Unidade de Internação do DF foi o objetivo central da pesquisa originária desta comunicação. O estudo de caso foi a estratégia investigativa utilizada e a observação, a aplicação de questionários e a realização de entrevistas, os procedimentos adotados para levantamento de informações. Fundamentado pelo materialismo histórico-dialético, o diálogo entre os dados coletados e o arcabouço teórico possibilitou identificar, nesse contexto, a existência de um quarto nível avaliativo, reforçando a necessidade de espaços-tempos coletivos que possibilitem articulá-lo aos demais níveis em que a avaliação acontece. Espaços democráticos de participação viabilizariam ainda a instauração de uma política educacional intersetorial entre a SECRIANÇA e a SEEDF, visando o planejamento e a avaliação conjunta do processo de ressocialização dos jovens internos, o que inclui a revisão do modo condescendente de avaliar demonstrada pelo Núcleo de Ensino, que extrai desse processo o caráter classificatório, mas não o excludente. Palavras-chave: Avaliação. Socioeducação. Integração.

GT04 - Didática
A suspensão do “escolar”: Arte e Cinema nas escolas de um tempo totalitário.

Daniella D Andrea Corbo | UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro

A SUSPENSÃO DO ESCOLAR: ARTE E CINEMA NAS ESCOLAS DE TEMPOS TOTALITÁRIOS RESUMO Essa pesquisa busca, a partir de um trabalho de cinema realizado em uma escola de educação básica entre os anos de 2012 e 2015, refletir sobre possibilidades outras da entrada da Arte na escola, além da já conhecida abordagem triangular de ensino de Ana Mae Barbosa. No contexto dos grandes abismos sociais e ameaças totalitárias pelos quais a escola brasileira passa atualmente, pensa-se a Arte na escola como possibilidade de suspensão e profanação desse espaço. Para tanto, utiliza-se aqui a experiência vivida como professora e passeur numa escola de cinema. E partir de algumas conceitualizações colhidas com os estudantes participantes do projeto sobre “o que é uma escola”, o texto como cartografia estabelece relações com algumas das categorias de Jan Masschelein e Marteen Simons (2015) sobre “o que é o escolar”. Refletindo sobre o que os mesmos autores definem como “suspensão” e “profanação”, pensa-se o encontro da Arte e mais especificamente do cinema com a escola como um encontro de desterritorialização e criação em contraposição unicamente a possibilidade da arte como ensino. Palavras-chaves: Cinema e Educação; Arte e Educação; Suspensão; Profanação; Escolas de Cinema.

GT24 - Educação e Arte
A Temática Ambiental no Programa de Formação de Educadores Ambientais

Anelize Queiroz Amaral | OUTRAS

R esumo: Esta pesquisa teve por objetivo explorar significados e mobilizar possíveis sentidos passíveis de serem construídos referentes à temática ambiental a partir da análise do discurso de documentos produzidos pelo Programa de Formação de Educadores Ambientais da Itaipu Binacional e respostas aos questionários e entrevistas semiestruturadas, com participantes do programa. A produção dos dados sistematizados neste artigo foi orientada pelas seguintes questões de pesquisa: Que sentidos sobre a temática ambiental podemos mobilizar a partir da análise do programa? Que aspectos desses discursos construídos e compartilhados pelo programa estão refletidos e/ou refratados nos discursos dos participantes? Para responder essas questões, a presente pesquisa está alicerçada na abordagem de pesquisa qualitativa, estudo de caso, e sua perspectiva teórico-metodológica está embasada na análise do discurso. Os principais resultados da análise realizada apontam para processos de mediação de conflitos socioambientais e o ocultamento dos processos históricos ocasionados à época da construção da barragem. Contudo, em nosso entendimento, manter vivas as memórias de resistência e conquistas é condição sine qua non para a Formação de Educadores Ambientais e para tomada de decisões.

GT22 - Educação Ambiental
A TESSITURA CURRICULAR EM UMA COMUNIDADE DE APRENDIZAGEM DOCENTE MULTICULTURAL: O CASO DA DISCIPLINA EDUCAÇÃO FÍSICA

Fabiano Lange Salles | Colégio Pedro II

Resumo Ao assumirmos o multiculturalismo como uma característica das sociedades contemporâneas e a escola como um espaço de cruzamentos culturais (CANDAU, 2012; MOREIRA; CANDAU, 2003), argumentamos que construções curriculares responsivas à complexidade plural da escola devem se tornar multiculturalmente orientadas e consequentemente um espaço de formação continuada com impactos multiculturais para as identidades docentes. Por isso, empreendemos um estudo de caso de natureza histórica (GIL, 2002; MARCONI, LAKATOS, 2011) para analisar a construção curricular da disciplina Educação Física de uma escola de ensino básico federal no Rio de Janeiro. A questão central que orientou nossa pesquisa foi: como essa experiência de construção curricular se constitui num processo de formação continuada multicultural e contribui para a construção de identidades docentes que saibam lidar com a diversidade cultural intrínseca à escola contemporânea? Constatamos que a tessitura curricular em análise se constituiu enquanto uma comunidade de aprendizagem docente multiculturalmente orientada e contribuiu para a construção de identidades docentes sensíveis à diversidade presente no cotidiano escolar. Palavras-chave: Formação Continuada. Multiculturalismo. Currículo. Educação Física.

GT12 - Currículo
A VIOLÊNCIA SOFRIDA POR PROFESSORES(RAS) HOMOSSEXUAIS NA ESCOLA: APONTAMENTOS CONTEMPORÂNEOS

Maria Edilene Araújo Silva | UECE - Universidade Estadual do Ceará

A VIOLÊNCIA SOFRIDA POR PROFESSORES(RAS) HOMOSSEXUAIS NA ESCOLA: APONTAMENTOS CONTEMPORÂNEOS RESUMO Esta pesquisa coloca em discussão a violência sofrida por professores homossexuais no ambiente escolar no contexto contemporâneo. O objetivo neste estudo foi analisar e refletir as situações de violência sofrida pelos professores e professoras homossexuais das escolas estaduais do município de Iguatu – Ceará. Justifica-se a relevância desse estudo em virtude da realidade observada na sociedade brasileira atual, em que ocorrem diariamente, várias formas de violência contra homossexuais. O estudo trata de uma pesquisa de campo qualitativa do tipo descritiva e exploratória. Para a coleta dos dados, os professores responderam um questionário semi-estruturado contendo seis perguntas que foram expostas, interpretadas e analisadas através do método de análise de conteúdo. Como resultado obteve-se que parte dos investigados sofreram ou vivenciaram situações de violência relacionada a sexualidade, sendo que a violência psicológica, moral e verbal são as que mais estão presentes no cotidiano de trabalho dos docentes. Observou-se também que eles se utilizam de várias estratégias para lidarem com a discriminação. Palavras-chave: Violência. Professores. Homossexualidade. Ambiente Escolar.

GT23 - Gênero, Sexualidade e Educação
Adeus, formação: o anti-Emílio anunciador do conceito de programa de vida

Bruno Gonçalves Borges | UFG/CAMPUS DE CATALÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIAS

Pode-se dizer, enfim, que o conceito de formação cumpriu sua função. Contudo, chega a hora de proclamar o seu fim. Não que sua memória deva ser esquecida, mas livrar a realidade dos fantasmas significantes que a todo custo tentam impor respostas já insuficientes deve ser uma tarefa a ser enfrentada neste momento. Diante disso, esta comunicação apresenta resultados da pesquisa que objetivou fazer uma incursão à produção da experiência educativa em contraponto a uma história evolutiva da formação, tendo como objetivo identificar a emergência de um novo conceito – o programa de vida. De modo geral, os programas são um conjunto de elementos experienciais, próprios da multiplicidade molecular, que podem intensificar ou desestratificar investimentos repressivos, regimes interpretativos e padrões subjetivos. Eis que é urgente a ruptura com a representação da formação e com a idealização da educação, de modo geral. Parece oportuno que essa crítica e essa nova prática devam ser anunciadas, justamente, por uma força que põe em dúvida esses valores de dentro para fora. Surge, portanto, um anti-Emílio, não um personagem literário, mas conceitual, uma força que atravessa a produção educativa, anunciadora de um novo conceito, o programa de vida.

GT17 - Filosofia da Educação
Afinidades eletivas, processo de racionalização e o destino da educação moderna em Max Weber

Sandra Aparecida Riscal | UFSCar - Universidade Federal de São Carlos

Afinidades eletivas, processo de racionalização e o destino da educação moderna em Max Weber Resumo O presente artigo tem como objetivo o estudo de como se constituiu e com que articulações e disposições, no pensamento weberiano, a concepção de “afinidades eletivas”, qual o seu papel na concepção de processo de racionalização e que repercussões teria nos tipos de educação da modernidade. O estudo focou os escritos de Weber sobre a sociologia das religiões, em particular na segunda versão da Die protestantische Ethik und der Geist des Kapitalismus (Ética protestante e espírito do capitalismo) presente em Gesammelte Aufsätze zur Religionssociologie – (Ensaios reunidos de sociologia da religião). O estudo visa a renovação das concepções teóricas weberianas na educação valendo-se de um aparato conceitual até o momento pouco explorado pelos estudiosos de Max Weber na educação. Palavras-chave: afinidades eletivas; processo de racionalização; Max Weber; Educação

GT17 - Filosofia da Educação
ALFABETIZAÇÃO COMO PROCESSO DISCURSIVO: apropriação da linguagem escrita com base na interação e discursividade

Maria Cristina Corais | INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO RIO DE JANEIRO

ALFABETIZAÇÃO COMO PROCESSO DISCURSIVO: apropriação da linguagem escrita com base na interação e discursividade Este trabalho tem como pressuposto que a alfabetização é um processo cultural e essencialmente discursivo. A linguagem verbal é um sistema semiótico e sua apropriação envolve a internalização do signo, instrumento psicológico e fenômeno ideológico. A linguagem é constitutiva do ser humano e o domínio da escrita – forma mais elaborada, precisa e desenvolvida de fala – é o culminar de um longo processo de desenvolvimento que reestrutura as funções superiores do pensamento (VIGOTSKI). A pesquisa, realizada entre 2016-2017, em quatro turmas de alfabetização em escola pública municipal, teve como objetivo aprofundar a compreensão da alfabetização como processo discursivo (SMOLKA, 1988), caracterizando aspectos conceituais e metodológicos. Fundamentada nas Teorias da Enunciação e Histórico Cultural, os resultados indiciam que considerar o sujeito, seu discurso e as condições sociais e culturais da produção escrita, em suas relações lógicas e dialógicas, possibilita que as crianças se alfabetizem tornando-se leitoras e escritoras desde o início dessa aprendizagem. Palavras-chave: alfabetização; discurso; interações discursivas; linguagem escrita.

GT10 - Alfabetização
ANA, ZÉ E EU: REFLETINDO SOBRE O ‘NÓS” E OS “NÓS” DA EDUCAÇÃO A PARTIR DE EXPERIÊNCIAS EM ESCOLA NO CAMPO

Carlos César de Oliveira | UERJ/FFP - Universidade do Estado do Rio de Janeiro

ANA, ZÉ E EU: REFLETINDO SOBRE O ‘NÓS” E OS “NÓS” DA EDUCAÇÃO A PARTIR DE EXPERIÊNCIAS EM ESCOLA NO CAMPO. O presente estudo tem como objetivo refletir acerca da educação, tomando como base experiências com alfabetização em duas escolas situadas no campo. Ele parte de uma discussão sobre a cartilha intitulada “Cartilha da Ana e do Zé”, adotada na década de 1980, pela rede pública de ensino do Estado do Ceará. Através dele procuro responder a duas questões: teria o pensamento o pensamento freireano influenciado no meu processo de alfabetização, através da cartilha? Como a pedagogia libertadora foi inserida na minha educação, já na infância? São questões que, no contexto atual, enquanto mestrando em Educação passaram a me inquietar. E, como não encontrei respostas na revisão de literatura, optei por estuda-las. Com esse propósito, procurarei identificar as marcas freireanas nela existentes e, compreendendo a pesquisa como um movimento em/de formação, anseio (re)pensar a minha prática docente a serviço de uma educação libertadora. Palavras-chave: educação, Cartilha da Ana e do Zé, Paulo Freire, palavras-geradoras.

GT06 - Educação Popular
ANÁLISE DA IMPLEMENTAÇÃO DO PROJOVEM CAMPO SABERES DA TERRA SOB A PERSPECTIVA DO MUNDO DO TRABALHO

Robson Santos Camara Silva | SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL

ANÁLISE DA IMPLEMENTAÇÃO DO PROJOVEM CAMPO SABERES DA TERRA SOB A PERSPECTIVA DO MUNDO DO TRABALHO Resumo O presente artigo analisa o atendimento de demandas históricas dos movimentos e organizações sociais do campo, cuja luta permitiu o processo de implementação do Programa Projovem Campo Saberes da Terra. O mundo do trabalho é o cenário desta investigação. Os trabalhadores do campo enfrentam o acirramento da questão agrária, desemprego, êxodo rural forçado e a desesperança em relação ao campo como lócus de pertencimento e identidade sociocultural. A referência analítica é a implementação do Programa Federal Projovem Campo Saberes da Terra, realizado em regime de colaboração entre os entes federados, além de movimentos e organizações sociais do campo, cujo processo de formulação e implementação se deu durante os Governos Lula da Silva e Dilma Rousseff. Trata-se de um estudo acerca da Educação do Campo, sua relação com os movimentos sociais, as estratégias do Estado brasileiro contemporâneo, bem como superação da equivocada visão urbanocêntrica historicamente presente no Sistema Educacional no Brasil, nas suas três esferas administrativas. Palavras-chave: Mundo do Trabalho – Política Educacional – Política Educacional – Brasil

GT05 - Estado e Política Educacional
ANÁLISE DO PROJETO BOLSA ALFABETIZAÇÃO: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O CAMPO DA POLÍTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE

Adriana Teixeira Reis | PUC-SP/PPGE Psicologia em Educação - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

ANÁLISE DO PROJETO BOLSA ALFABETIZAÇÃO: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O CAMPO DA POLÍTICA DE FORMAÇÃO DOCENTE Resumo O presente artigo tem o objetivo de contribuir com o campo das políticas de formação docente. O foco é o Projeto Bolsa Alfabetização, implantado pela Secretaria de Educação do Estado de São Paulo entre os anos de 2007 e 2016, que objetivou favorecer a iniciação do aluno do curso de Pedagogia na atividade docente. Com apoio no referencial teórico-metodológico da abordagem do ciclo de políticas de Stephen Ball (1994, 2001) e por meio de revisão bibliográfica – teses, dissertações e relatórios de Pós-Doutorado – privilegiou-se o contexto da prática e o contexto dos efeitos, para evidenciar como a política foi recebida, traduzida e interpretada nas instituições educacionais participantes e como os alunos e professores envolvidos a avaliaram. Diante dos dados obtidos, pode-se afirmar que a inserção das licenciandas na escola pública, proporcionou a elas, a aprendizagem da docência, indicando a relevância da articulação entre o conhecimento teórico desenvolvido nas instituições formadoras e a experiência vivida no contexto escolar. Palavras-chave: Abordagem do Ciclo de Políticas. Projeto Bolsa Alfabetização. Formação Inicial de Professores. Iniciação à Docência.

GT08 - Formação de Professores
ANTÍGONA: ANTE O SILÊNCIO E O CLAMOR DO CORO (POVO) – reflexões sobre educação, política, Estado e redes sociais

Cláudia Soave | UCS - Universidade de Caxias do Sul

ANTÍGONA: ANTE O SILÊNCIO E O CLAMOR DO CORO (POVO) – reflexões sobre educação, política, Estado e redes sociais RESUMO O objetivo deste artigo é refletir sobre as atuais relações entre educação e política e suas interfaces com as redes sociais, trazendo a questão: Como (sobre)viver nas atuais condições impostas à educação brasileira: atacar, lutar, resistir ou escapar? Tomando Antígona como metáfora discutimos o equilíbrio configurado na figura do coro (povo) na tragédia grega e na atualidade, analisando implicações na atuação docente. Freire (1996) e Foucault (1982) permitem nosso embasamento. O primeiro, nos orienta em relação à concepção de autoritarismo e licenciosidade. E o segundo, a problematizar o cuidado de si , como movimento de contraconduta, aproximando-o aos horizontes da educação pela leitura de Veiga-Neto e Lopes (2016). Assim, compreendemos a importância de participação política, equilibrando silêncio e manifestação, observando a articulação entre a necessidade de cuidado de si , como forma de contraconduta e do nosso conhecimento como resistência, entendendo que, mesmo não havendo solução conciliatória, podemos protagonizar nossas ações com prudência e ativismo. Palavras-chave: educação, política, redes sociais, contraconduta, cuidado de si

GT05 - Estado e Política Educacional
APROPRIAÇÃO DA CONCEPÇÃO DE ALFABETIZAÇÃO DO PNAIC: elementos para uma reflexão a partir do que ocorreu na sala de aula de uma escola pública

Ana Caroline de Almeida | UFSJ - Universidade Federal de São João Del Rei

APROPRIAÇÃO DA CONCEPÇÃO DE ALFABETIZAÇÃO DO PNAIC: elementos para uma reflexão a partir do que ocorreu na sala de aula de uma escola pública Este artigo apresenta resultados parciais de pesquisa de doutorado, que discute apropriações do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC). Nosso construto teórico-metodológico sustenta-se em Bakhtin, Paulo Freire e nos Novos Estudos do Letramento (BARTON e HAMILTON, 2004; STREET, 2004, 2010). As análises sobre os eventos de letramento em uma turma de 2º ano, de uma escola em Recife, apontam para uma concepção ainda tradicional de alfabetização; mas que, por outro lado, guarda elementos que estão na base da proposta do PNAIC, como o foco na apropriação do Sistema de Escrita Alfabética – SEA, o monitoramento das escritas infantis em níveis psicogenéticos e uma tentativa de lidar com a heterogeneidade. Nós argumentamos que políticas e práticas de alfabetização que consideram o SEA como o objeto deste processo, tendem a esvaziar a escrita de sua natureza política, social e cultural, comprometendo a formação crítica das nossas crianças. Palavras chave: PNAIC. Eventos de letramento. Alfabetização.

GT10 - Alfabetização
ARGUMENTOS QUE SUSTENTAM A DEFESA DA DANÇA COMO COMPONENTE CURRICULAR NA EDUCAÇÃO BÁSICA

Samuel Barreto dos Santos | UERJ/FEBF - Universidade do Estado do Rio de Janeiro

ARGUMENTOS QUE SUSTENTAM A DEFESA DA DANÇA COMO COMPONENTE CURRICULAR NA EDUCAÇÃO BÁSICA RESUMO : Nessa pesquisa, me proponho a descrever os discursos em defesa do ensino da dança na Educação Básica, presentes nos anais de dois encontros nacionais de pesquisadores em dança: o Encontro Científico Nacional de Pesquisadores em Dança (ANDA) e o Encontro de Grupos de Pesquisa em Dança (ENGRUPEdança). Tendo em vista a aprovação da lei 13.278/16 (BRASIL, 2016), que estabelece a obrigatoriedade do ensino de dança nas escolas de Educação Básica, faz-se necessário a emergência da divulgação desses discursos que, em sua maioria, ficam restritos aos pesquisadores da Dança. Foram selecionados 59 textos, nos quais tais discursos foram listados e separados em 4 blocos, que representam os temas principais que aparecem nos textos. Palavras-chave : Currículo. Discurso. Ensino de Dança. Disciplinarização.

GT24 - Educação e Arte
ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA: EXPERIÊNCIAS DE LUTA E RESISTÊNCIA COM TEATRO DO OPRIMIDO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES.

Andrea Penteado | UFBA - Universidade Federal da Bahia

ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA: EXPERIÊNCIAS DE LUTA E RESISTÊNCIA COM TEATRO DO OPRIMIDO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES. RESUMO Apresentamos resultados de uma pesquisa contínua que investiga a potencialidade da prática artística na formação de pedagogos. Investimos na hipótese de que o exercício da arte permitirá uma formação emancipatória e criativa de professores capazes de intervirem em suas realidades, transformando-as e à educação em geral. A pesquisa nasce de uma prática artística-teatral de rua desenvolvida entre uma professora da universidade XXXX, seus alunos e um coletivo artístico e é transformada em projeto de extensão e, na sequência, em pesquisa. Traz como principal referencial teórico, no campo do teatro, Augusto Boal e o Teatro do Oprimido. Não obstante estende o debate sobre a produção de conhecimento e seus paradigmas, evocando, entre outros, Feyeraband, Dewey, Ostrower, Zamboni, Demo e Freire. Por fim, apresentamos depoimentos de estudantes participantes e as primeiras conclusões de pesquisa e os indicativos para sua continuidade. Palavras-chave: Ensino de Arte, Formação Estética, Formação de professores, Teatro do Oprimido

GT24 - Educação e Arte
Articulação entre Educação Ambiental e direitos humanos na formação inicial de professores de Ciências e Biologia: potencialidades e limites.

Natalia Tavares Rios-Ramiarina | UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro

Articulação entre Educação ambiental e direitos humanos na formação inicial de professores de Ciências e Biologia: potencialidades e limites. O trabalho analisa como as temáticas dos direitos humanos e da educação ambiental são abordadas nas licenciaturas em Ciências Biológicas. Foram caracterizadas as relações entre as duas temáticas a partir da visão dos formadores de professores e dos seus alunos. Foi utilizada triangulação dos dados composta por análise de Projeto Político Pedagógico dos cursos, entrevistas com professores e coordenadores e questionário com estudantes concluintes. Foram analisados os cursos da UNIRIO, UFRJ e UERJ. A articulação das duas temáticas ocorre em discussões relativas a aspectos relacionais, como tolerância e respeito. E, de maneira menos freqüente, em discussões a cerca de aspectos estruturais e políticos, pautadas pela participação política e cidadania. As temáticas foram vistas como complementares, porém em algumas falas foram colocadas como temáticas concorrentes ou conflitantes no tratamento das questões ambientais. Potencializam esta inserção a presença de alunos provenientes de diferentes grupos sociais, o estágio na escola e a extensão. Palavras-chave: formação inicial, Ciências Biológicas, Direitos humanos.

GT22 - Educação Ambiental
ARTICULANDO EXPERIÊNCIAS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO EM DIÁLOGO COM A EDUCAÇÃO POPULAR

Heloisa Josiele Santos Carreiro | Prefeitura Municipal de Petrópolis

ARTICULANDO EXPERIÊNCIAS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO EM DIÁLOGO COM A EDUCAÇÃO POPULAR Resumo O artigo apresenta um percurso indissociável de Ensino, Pesquisa e Extensão que vimos desenvolvendo em uma universidade situada em região de desigualdades sociais, econômicas e educacionais, dentro dos debates que analisam os efeitos das políticas educacionais desenvolvidas pelos sistemas públicos de educação. O artigo pressupõe a centralidade, em escala local, da importância de se investigar repercussões e impactos de experiências de intervenção comunitárias realizadas a partir de projetos extensionistas junto aos diferentes sujeitos que vivem nas favelas e bairros populares do entorno de uma faculdade localizada no sudeste brasileiro. A partir de uma abordagem qualitativa, fundamentadas em pressupostos da Educação Popular acompanhamos os projetos extensionistas, que desenvolvem uma intervenção comunitária a partir do grupo de pesquisa através de fóruns constituídos junto aos setores públicos e da sociedade. A pesquisa tem avançado na formulação teórica sobre as categorias: intervenção comunitária, poder local e práticas extensionistas em diálogo com pressupostos da Educação Popular. Palavras-chave: Práticas Extensionistas; Intervenção Comunitária; Educação Popular.

GT06 - Educação Popular
As cadernetas de anotações de Guimarães Rosa e a Pesquisa em Educação: aproximações entre Arte, Literatura e Educação

Giovana Scareli | UFSJ - Universidade Federal de São João Del Rei

As cadernetas de anotações de Guimarães Rosa e a Pesquisa em Educação: aproximações entre Arte, Literatura e Educação Resumo As cadernetas de anotações ou cadernos de campo, aqui tratados como sinônimos, são instrumentos para que os pesquisadores, escritores, artistas e demais pessoas façam anotações daquilo que observam da vida, das suas percepções, afecções e sentimentos. Nele, são escritas pequenas frases, que, de uma hora para outra, iluminam o artista; frases intuitivas, descrições de cenas do cotidiano, palavras e expressões, fragmentos de aulas, palestras, desenhos, letras de música, cenas de um filme, um rascunho de um poema… cabe muita coisa num caderno de anotações. Este trabalho tem por objetivo conectar Arte, Literatura e Educação, buscando refletir sobre a importância desses cadernos. Para isso, vale-se dos cadernos de anotações de Guimarães Rosa, fundamentais para as criações literárias do autor e também para as pesquisas acadêmicas com as quais procuraremos estabelecer aproximações.(i) Palavras-chave: Pesquisa em Educação, cadernos de anotações, cartografia, Guimarães Rosa. Nota de fim: (i) Esta reflexão faz parte de um dos objetivos da pesquisa de pós-doutorado que a autora está desenvolvendo com bolsa de pós-doutorado sênior do CNPq.

GT24 - Educação e Arte
AS DEMANDAS DE CONHECIMENTOS PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA

Katia Valeria Mosconi Mendes | PUC/PR - Pontifícia Universidade Católica do Paraná

AS DEMANDAS DE CONHECIMENTOS PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA RESUMO Este trabalho é fruto de uma pesquisa de doutorado que teve como objetivo analisar a relação entre a formação do professor no curso de pedagogia e a escola básica, anos inicias do ensino fundamental para apontar as demandas no campo do conhecimento docente. Apresenta como questão: Que conhecimentos são priorizados no curso de pedagogia e que conhecimentos são estabelecidos na escola na prática da docência. A abordagem da pesquisa é qualitativa, utilizou como instrumentos de coleta de dados a observação, grupo focal e entrevista semiestruturada. As análises evidenciaram que para além da separação entre formação e docência evidencia-se o esgotamento de um modelo de formação que simplifica e reduz as demandas para a docência, e ainda oculta e mantém distante o futuro professor da especificidade e da complexidade que a envolve. Aponta que existe uma demanda de conhecimentos para a docência em relação aos conteúdos específicos das diferentes áreas e conhecimentos pedagógicos. Propõe avançar para um tipo de formação em que se estabeleça uma relação dialógica entre estes conhecimentos. Palavras-Chave: Formação de Professores; Curso de Pedagogia; Conhecimentos para a Docência; Prática Pedagógica.

GT08 - Formação de Professores
AS EXPERIÊNCIAS CORPORAIS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Rosa Malena de Araújo Carvalho | UFF - Universidade Federal Fluminense

AS EXPERIÊNCIAS CORPORAIS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Compreendendo a educação como direito e devir, distinguindo-a dos sentidos de carência, incapacidade e suplência, objetivamos contribuir com gestos pedagógicos e sentidos educacionais que favoreçam problematizar e construir pistas para os desafios e ataques nas/às escolas públicas contemporâneas, especialmente na educação de jovens e adultos (EJA). Pesquisar e lutar por concepções que não categorizem e hierarquizem tudo e todos, é construir processos formativos como tempos e espaços públicos de encontros, agenciamentos de pessoas, acontecimentos e desenvolvimento de movimentos pedagógicos em que o corpo e as práticas corporais estejam presentes. Aqui, tornamos público parte do estudo realizado no período de pós-doutoramento, na Universidade de Barcelona, no período de setembro de 2015 a agosto de 2016, apresentando indicativos que contribuam com a materialidade da formação em educação física na dinâmica do trabalho docente na educação de jovens e adultos. Palavras-chave: Educação física escolar. Cultura Corporal. Educação de Jovens e Adultos.

GT18 - Educação de Pessoas Jovens e Adultas
As identidades de educadoras montessorianas

Carla Toscano Carneiro | SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

AS IDENTIDADES DE EDUCADORAS MONTESSORIANAS Este estudo é resultado de uma pesquisa de mestrado concluída em 2019, cujo objetivo foi compreender os processos identitários que são construídos pelas educadoras montessorianas da educação infantil, dos anos iniciais do ensino fundamental, da coordenação e da direção que atuam numa perspectiva montessoriana, frente aos desafios postos por meio do processo ensinoaprendizagem. Sendo assim, a questão desta pesquisa foi “Como se constitui as identidades das educadoras que atuam numa perspectiva montessoriana?”. A abordagem metodológica adotada foi a investigação narrativa, tendo como estratégias a observação do cotidiano escolar, as narrativas autobiográficas de educadoras montessorianas e uma roda de conversa com tais educadoras. Ao findar a pesquisa, compreendemos que a incompletude das educadoras é uma marca em busca por mais conhecimento na área da educação sobre o desenvolvimento da criança e a perspectiva montessoriana. Sua formação acontece imbricada com a prática em sala de aula e com o ser sujeito na vida em sociedade, constituindo-se em sujeito pós-moderno na formação de sua identidade. Palavras-chave: Identidade. Professor. Montessori. Narrativa.

GT13 - Educação Fundamental
AS LITERATURAS AFRICANAS E AFRO-BRASILEIRAS – O DESAFIO DA APLICABILIDADE DA LEI 10639/2003 DE LEVAR O LEITOR A UMA VIAGEM COM OS PERSONAGENS DEUSES AFROS

Maria Cristina Marques | FACULDADE DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

AS LITERATURAS AFRICANAS E AFRO-BRASILEIRAS – O DESAFIO DA APLICABILIDADE DA LEI 10639/2003 DE LEVAR O LEITOR A UMA VIAGEM COM OS PERSONAGENS DEUSES AFROS RESUMO: O presente artigo apresenta reflexões sobre a problemática surgida quando um professor ministra as literaturas mitológicas africanas. Desde o caso do livro “Lendas de Exu”, de Adilson Martins (2009) ocorrido no município de Macaé, Rio de Janeiro, outras demandas ainda surgem quando um docente ministra esse tipo de literatura. A mitologia africana, direcionada ao público infantil, não fez parte das aulas de Língua Portuguesa, naquele município, mesmo trazendo histórias engraçadas. A religiosidade afro-brasileira embrenha-se aos personagens deuses dessas narrativas, aflorando a intolerância religiosa que permeia no cotidiano escolar. A partir de escritos sobre o tema na academia e nas redes sociais, verificamos que ainda existem questões que precisam ser solucionadas em relação a essas narrativas. Esta demanda responde às reivindicações da Lei 10.639/2003, através de reparações, reconhecimento e valorização das histórias, culturas e identidades. Palavras-chave: educação, Lei 10.639/2003, mitologia africana, exu, literatura infantil

GT21 - Educação e Relações Étnico-Raciais
AS NOVAS FEIÇÕES DO ENSINO SUPERIOR PRIVADO-MERCANTIL BRASILEIRO NO CONTEXTO DO CAPITALISMO DE PREDOMINÂNCIA FINANCEIRA

Fabiola Bouth Grello Kato | UFPA - Universidade Federal do Pará

A S NOVAS FEIÇÕES DO ENSINO SUPERIOR PRIVADO-MERCANTIL BRASILEIRO NO CONTEXTO DO CAPITALISMO DE PREDOMINÂNCIA FINANCEIRA O texto apresenta resultados parciais da pesquisa com o objetivo de analisar a nova estrutura do setor privado-mercantil brasileiro no contexto da concentração de capital, de sua oligopolização e financeirização. São examinados os investimentos federais com Prouni e o Fies a fim de investigar em que medida contribuem para o aumento do patrimônio líquido dos grandes grupos empresariais de capital aberto: Estácio Participações; Kroton/ Anhanguera, Ânima e Ser Educacional . Trabalhamos com dados documentais disponibilizados on line no site do Senado Federal e nos Relatórios do TCU. Os resultados evidenciam que o processo de financeirização do setor privado tem se expandido com o incentivo do governo federal por meio desses dois programas. O FIES é uma das principais fontes de lucro das empresas chegando a responder por 50% do rendimento líquido dos grupos empresariais investigados. Como consequência o espaço educacional torna-se, ele mesmo, um espaço de acumulação capitalista, amplamente lastreado por estratégias mercantis capazes de criar grandes conglomerados educacionais. Palavras- chave: Financerização. Mundialização do capital. Educação Superior, Mercantilização.

GT11 - Política de Educação Superior
AS PERCEPÇÕES DE ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO ACERCA DA MILITARIZAÇÃO DA ESCOLA

Eliete Zanelato | UFMS/Campus de Campo Grande - Universidade Federal do Mato Grosso do Sul

AS PERCEPÇÕES DE ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO ACERCA DA MILITARIZAÇÃO DA ESCOLA RESUMO Nos últimos anos foi ampliada a quantidade de escolas que adotaram o modelo dos colégios militares como via de redução do índice de violência; em Rondônia, cinco escolas públicas estaduais se tornaram militarizadas em 2017. Nesse cenário encontram-se os jovens e adolescentes, estudantes do Ensino Médio que vivenciam o processo de implantação da militarização da escola; analisar as percepções desses estudantes acerca de tal processo é o objetivo proposto no presente trabalho. A base que dá sustentação à análise é a psicologia histórico-cultural e a coleta/produção de dados foi realizada em uma das escolas militarizadas. O problema que se coloca é: Quais as modificações na escola a partir da militarização, na percepção dos estudantes? O que elas representam para tais sujeitos? A aprovação e os elogios à adoção do modelo militar na escola foram predominantes nas suas falas, a sensação de satisfação pela mudança da avaliação social da escola perante a comunidade foi um dos impulsionadores de tal percepção. As percepções dos estudantes indicam que militarizar uma escola pública é sinônimo de classificar o público atendido por ela. Palavras-chave: Percepções. Estudantes do Ensino Médio. Militarização.

GT20 - Psicologia da Educação
AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL NOS PLANOS DE EDUCAÇÃO: PRESENÇAS E AUSÊNCIAS

Patricia Teixeira Moschen Lievore | UFES - Universidade Federal do Espírito Santo

AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL NOS PLANOS DE EDUCAÇÃO: PRESENÇAS E AUSÊNCIAS RESUMO O artigo objetiva analisar como a educação de pessoas com deficiência visual está inserida no PNE (Plano Nacional de Educação), bem como nos Planos Estaduais de Educação (PEE’s) e nos Planos Municipais de Educação (PME’s) das capitais dos estados brasileiros. Para tanto, realizamos uma pesquisa com abordagem qualitativa através da análise documental e análise de conteúdo. Para subsidiar nossas discussões recorremos aos pensamentos de Gramsci (2004), Thompson (1987) e Flores (2011). Os resultados obtidos evidenciaram a inexistência de uma política pública direcionada à educação da pessoa com deficiência visual. Constatamos que as práticas de ensino direcionadas a esses alunos, quando presentes na legislação, restringem-se apenas ao ensino de técnicas como se não existissem outras necessidades/demandas a serem trabalhadas, outras ações a serem desenvolvidas e, mesmo essas, não precisariam ser questionadas e reconfiguradas. Palavras-chave: Planos de Educação; Educação Especial; Deficiência Visual.

GT15 - Educação Especial
As políticas educacionais de viés neoliberal e os posicionamentos docentes frente a elas

Vera Santos | UNIRIO - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS DE VIÉS NEOLIBERAL E OS POSICIONAMENTOS DOCENTES FRENTE A ELAS Resumo Este trabalho apresenta resultados de uma pesquisa qualitativa que objetivou investigar a relação que professoras alfabetizadoras mantinham com as orientações da política educacional governamental, em um contexto em que elas não participaram da elaboração do documento curricular encaminhado às escolas. Teve como foco de análise a Casa de Alfabetização , proposta curricular implantada no município do Rio de Janeiro nos anos 2012-2014. A partir da concepção de que o documento curricular, elaborado em instâncias governamentais (contexto de produção), ao chegar às escolas (contexto da prática) é interpretado pelo corpo docente, este trabalho revela as tensões causadas pela relação contexto da produção/contexto da prática e apresenta os posicionamentos docentes frente a propostas que se distanciam da maneira como concebem o trabalho pedagógico. Com base na análise dessas interpretações – captadas por meio de observação participante, análise de projetos, planejamentos didáticos e entrevistas – o trabalho conclui reivindicando a necessária participação docente na elaboração de propostas educacionais. Palavras-chave: Política Curricular. Prática Docente. Ciclo de Alfabetização.

GT13 - Educação Fundamental
As práticas pedagógicas dos professores dos anos iniciais em educação ambiental na cidade de Itacoatiara-AM

Rosa Eulalia Vital da Silva | PUC/SP PPGE Currículo - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

As práticas pedagógicas dos professores dos anos iniciais em educação ambiental na cidade de Itacoatiara-AM RESUMO: Este artigo analisa as práticas pedagógicas dos professores dos anos iniciais em relação a educação ambiental em uma escola da rede municipal, na cidade de Itacoatiara-AM. A questão ambiental é uma das temáticas que gera grandes discussões ao redor do mundo devido a emergência dos variados aspectos que a ela estão relacionados, desde a mudança climática, preservação da fauna e da flora, consumo de alimentos transgênicos, manipulação genética, entre outros. Trata-se de uma pesquisa ação, com o seguinte percurso: oficina de formação continuada em serviço; integração da proposta no PID – Planejamento Individual do Docente; desenvolvimento de projetos interdisciplinares. Os resultados apontaram: identificação das questões ambientais; conhecimento dos projetos desenvolvidos; intensificação das ações pedagógicas interdisciplinares; participação da gestão escolar, para o desenvolvimento das ações pedagógicas na escola. Percebe-se durante a pesquisa na comunidade escolar, mudança de postura no comportamento dos alunos quanto as questões ambientais. Palavras-chave : Práticas curriculares. Educação Ambiental. Formação de professores

GT22 - Educação Ambiental
AS TRANSFORMAÇÕES PROPORCIONADAS PELO PROINFÂNCIA NO ATENDIMENTO À EDUCAÇÃO INFANTIL

Leila Pio Mororó | UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA

AS TRANSFORMAÇÕES PROPORCIONADAS PELO PROINFÂNCIA NO ATENDIMENTO À EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo: O texto tem como objetivo a nalisar a adesão ao Proinfância na região Nordeste como um todo e, de forma detalhada, em um município baiano localizado no Sertão Produtivo, d iscut indo os efeitos da implementação do programa a partir das falas de professoras que atuam em três unidades do programa nesse município . A pesquisa desenvolvida foi do tipo avaliativa e te ve como referencial teórico-metodológico o Materialismo Histórico Dialético. Para tanto, utilizou como instrumentos de coleta dos dados a análise documental, o questionário e a entrevista com docentes e gestores de unidades do Proinfância no município estudado . Os resultados evidenciaram que na região Nordeste as unidades do Proinfância foram (e são), em muitos municípios, as primeiras instituições educacionais públicas planejadas especificamente para atender às crianças de zero a seis anos e que, no município estudado , as três unidades do Proinfância tornaram-se centros de referência em Educação Infantil pública, gratuita e de qualidade . Palavras-chave: Proinfância. Educação Infantil. Política Educa cional

GT07 - Educação de Crianças de 0 a 6 anos
ATAQUES, LUTAS E RESISTÊNCIA: POR UMA ARTE-EDUCAÇÃO INSUBMISSA

Francione Oliveira Carvalho | UNIVERSIDADE FEDERAL JUIZ DE FORA

A partir do tema do Encontro da ANPED 2019: Educação pública e pesquisa: ataques, lutas e resistência, proponho uma reflexão sobre o momento que a arte-educação atravessa no Brasil. Afinal, muitos são os desafios vivenciados hoje pelos arte-educadores brasileiros, ainda mais, após a interrupção do governo legitimamente eleito no ano de 2014, que intensificou a adoção de medidas vinculadas ao neoliberalismo e a economia de mercado. A aprovação da Reforma do Ensino Médio e da BNCC – Base Nacional Comum Curricular trouxeram retrocessos históricos em relação a presença da arte no currículo escolar, e não podem ser vistas desvinculadas do momento histórico que o Brasil atravessa. Afirmar uma arte educação de esquerda não é defender um programa ou partido político, mas uma educação e um ensino de arte inclusivo e insubordinado, que resista a mercadorização e ao empobrecimento da experiência estética.

GT24 - Educação e Arte
ATELIÊ CATADORES DO BRINCAR: ESPAÇO DE PRODUÇÃO DE SENTIDOS E FORMAÇÃO SENSÍVEL DE DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL I

Marilete Calegari Cardoso | UESB - UNIVERSIDADE ESTADUAL SUDOESTE BAHIA

Este trabalho é um recorte da minha pesquisa de Doutorado que objetivou compreender os sentidos construídos pelas professoras acerca do brincar livre de crianças do 1° ao 3º ano do ensino fundamental de noves anos e suas ressonâncias para a profissionalidade docente. Neste texto, analiso conceitos de ateliê didático como um espaço de formação sensível e estético para o professor constituindo-se com um terceiro espaço, in loco , de partilha de experiência, narrativa e aprendizagem da dimensão lúdica, mediado por uma concepção orgânica e estética de formação. Além disso, apresento como as docentes se referem o espaço de formação sensível, nominado ateliê Catadoras do Brincar, com base no olhar sobre o brincar livre no ensino fundamental. A análise realizada, de natureza qualitativa, evidencia que o ateliê Catadoras do Brincar é identificado como um espaço: de olhar crítico e contemplador; desafiador e inquietante; feedback da formação; sensibilidade para/com o outro – como reflexões sentidos das vozes das docentes investigadas.

GT13 - Educação Fundamental
ATENÇÃO E CUIDADO NA EDUCAÇÃO EM TEMPOS DE DISPERSÃO HIPERCONECTADA

Maria Alice Gouvêa Campesato | SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

Resumo: Este artigo toma o conceito de atenção para compor uma problematização no campo educacional. A partir de estudo bibliográfico de inspiração arquegenealógica, aponta que a atenção vem sendo pouco explorada no campo educacional quanto à sua potência, sendo estudada pela sua falta e considerada um fator explicativo para a não-aprendizagem. Nas instituições escolares o número de estudantes com diagnósticos de Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade vem aumentando consideravelmente, assim como os discursos docentes sobre a dificuldade em manter a atenção de seus alunos nas aulas. Por outro lado, as próprias práticas pedagógicas acabam contribuindo para potencializar tal dispersão. Trazer, portanto, a atenção para a discussão educacional, deslocando-a da lógica dos déficits e transtornos e dos discursos que apregoam pelo fim da escola, pode auxiliar-nos a pensar como estamos nos tornando o que somos nesse funcionamento de sociedade de hiperaceleração e do desempenho. Apontamos para a possibilidade de lidação com a atenção vinculada ao cuidado na escola como criação de outros modos de pensamento e de existência e como um tipo de combate político, ético e estético. Palavras-chave : atenção; educação; inovação; cuidado.

GT17 - Filosofia da Educação
ATENDIMENTO DE ESTUDANTES INCLUÍDOS PELA LEI DE COTAS NA REGIÃO SUL: UMA ABORDAGEM A PARTIR DOS DOCUMENTOS INSTITUCIONAIS

Jussete Rosane Trapp Wittkowski | FURB - FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU

Há poucos estudos sobre democratização da ES da perspectiva das políticas de assistência ao estudante. Es s e texto debate a democratização por e s t e prisma, em uma IFES do sul do país, caracterizando como concebe a estrutura de atendimento a os estudantes em órgãos de assistência após implementação da Lei de Cotas. Parte do princípio da educação como bem público e direito social; dever do Estado . Portanto, abaliza a necessidade de políticas governamentais e institucionais que garantam não apenas o acesso, mas também a permanência e o sucesso de estudantes dos grupos historicamente excluídos da ES e atendidos pela Lei de Cotas. Com abordagem qualitativa e usando a análise documental , busca identificar como os documentos institucionais concebem a estrutura de atendimento destes sujeitos em termos: (i) das demandas identificadas; (ii) dos espaços criados; (iii) dos serviços oferecidos. Os resultados apontam ampliação da estrutura institucional, tendência em priorizar aspectos ‘formais’ e objetivos do atendimento, como assegurar bolsas, moradia e alimentação, em segundo plano questões pedagógicas e relacionais. Palavras-chave : Políticas de Ação Afirmativa; Democratização da Educação Superior; Inclusão; Atendimento ao Estudante; Gestão de Ações Afirmativas.

GT11 - Política de Educação Superior
ATIVIDADE DOCENTE NO ENSINO MÉDIO PRIVADO: ALGUMAS APROXIMAÇÕES

Bruno Borges | FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

ATIVIDADE DOCENTE NO ENSINO MÉDIO PRIVADO: ALGUMAS APROXIMAÇÕES RESUMO: O estudo realizou aproximações de como o trabalho docente é exercido em instituições privadas de ensino médio – na região do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba (MG) – tendo como premissa que os interesses empresariais tendem a provocar inflexões relevantes nos objetivos educacionais. O interesse maior foi pelas formas que os docentes – ditas nos testemunhos – demandam os usos de si tentando captar como a atividade de trabalho deles é constrangida ou alterada pelo fato de ser executada especificamente numa empresa privada. A coleta dos testemunhos foi realizada por meio da técnica de entrevistas semiestruturadas com docentes que atuam na região citada há pelos menos cinco anos. A pesquisa demonstrou que eles têm reduzida autonomia na concepção do processo educativo que é prescrito pelos materiais apostilados e que é elaborado visando, sobretudo, os exames de ingresso nas universidades; mas revelou também que os professores e professoras extrapolam ou subvertem este objetivo, mesmo que minimamente, em função de suas próprias concepções acerca da educação escolar e de suas posturas éticas e políticas. Palavras-chave : Educação; Atividade Docente; Ensino Médio Privado; Ergologia; Usos de Si.

GT09 - Trabalho e Educação
ATRIBUIÇÃO DE SENTIDO E APRENDIZAGEM: CONTRIBUIÇÕES À DIDÁTICA DA HISTÓRIA.

Maria Auxiliadora Moreira dos Santos Schmidt | UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

ATRIBUIÇÃO DE SENTIDO E APRENDIZAGEM: CONTRIBUIÇÕES À DIDÁTICA DA HISTÓRIA RESUMO Pesquisas sobre aprendizagem histórica vêm se desenvolvendo em vários países desde o final do século XX, indicando a especificidade da formação do pensamento a partir de categorias oriundas da filosofia e da teoria da História. Assim, este trabalho tem como objetivo indicar elementos que poderão contribuir para uma metodologia do ensino a partir desta concepção de aprendizagem. Tomou-se como referências teóricas principais as matrizes da Didática da Educação Histórica sugeridas por Jörn Rüsen (2016), Peter Seixas (2016) e Stéphane Lévésque (2016) para desenvolver uma investigação baseada na metodologia da pesquisa em colaboração. A investigação envolveu 10 alunos do curso de História e 15 professores de História da rede pública de ensino, durante o período de 1 (um) ano (2017). Um dos resultados a destacar foi a elaboração coletiva de uma metodologia de ensino que foi denominada “Aula Histórica”, a partir da qual professores e alunos desenvolveram projetos de docência, trabalhando com diferentes categorias do pensamento histórico. Palavras-Chave: Metodologia do ensino de História; Aprendizagem histórica; Didática da História; Ensino de História.

GT04 - Didática
AUDIOVISUALIDADES E COTIDIANOS ESCOLARES: O QUE UM VÍDEO PODE NOS DAR A (RE)VER?

Rosane Tesch de Oliveira | UNIRIO - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

AUDIOVISUALIDADES E COTIDIANOS ESCOLARES: O QUE UM VÍDEO PODE NOS DAR A (RE)VER? RESUMO O texto aqui apresentado origina-se de uma pesquisa de Mestrado concluída em 2017, que teve como campo de estudos uma Unidade Escolar de Educação Infantil da Secretaria Municipal de Educação da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. A opção metodológica e epistemológica, inserida nas pesquisas com os cotidianos, tornou visível, por meio de registros de narrativas audiovisuais e de conversas e rodas de conversas com crianças e professoras, atos e acontecimentos efêmeros no aqui e agora dos espaços-tempos escolares. As dimensões ética, política e estética das operatividades docentes foram desenhando-se ao longo das interações e interatuações, tanto de docentes e discentes quanto de outras pessoas envolvidas com os cotidianas da Unidade, produzindo novas formas de autoapresentação e autorrepresentação, novas percepções técnicas e estéticas e modos outros de sentir a educação. Os estudos tornaram possível, ainda, o compartilhamento de conhecimentos-significações que podem contribuir para a reflexão e o debate sobre os usos das audiovisualidades com os cotidianos das escolas. Palavras-chave: Audiovisualidades. Cotidianos. Educação.

GT16 - Educação e Comunicação
AULA-OFICINA COMO DISPOSITIVO FORMATIVO DE FUTUROS DOCENTES

Ana Cristina de Moraes | UECE - Universidade Estadual do Ceará

AULA-OFICINA COMO DISPOSITIVO FORMATIVO DE FUTUROS DOCENTES Resumo O texto reflete sobre experiências de disciplinas – Metodologias do Ensino e da Aprendizagem Musical I ; Arte-educação – que desenvolvem aulas-oficinas nas licenciaturas de Educação Musical e de Pedagogia em duas universidades públicas (federal e estadual) brasileiras. Reflexões que estão embasadas em vivências estético-formativas ocorridas durante as aulas destas disciplinas. O objetivo desse trabalho é analisar a dimensão formativa das aulas-oficinas, no âmbito da intervenção crítica, propositiva e criativa na interface entre Arte e Educação. Autores de referência como Paviani & Fontana (2009), Freire (2006), Zagonel (2011) dentre outros, fundamentam teoricamente o estudo. A discussão guia-se pelos registros de aulas – diários, imagens, transcrições de falas etc. – transformados neste ensaio e analisados criticamente, vislumbrando a perspectiva formativa de licenciandos. Aponta-se, como resultados da investigação a percepção do estímulo à experimentação e aperfeiçoamento estético de estudantes de graduação, refletido no envolvimento deles em ações estético-pedagógicas propostas nas referidas disciplinas. Palavras-chave : Aula-oficina. Experimentações estéticas. Arte-educação. Educação Musical.

GT24 - Educação e Arte
AUTORREGULAÇÃO DA APRENDIZAGEM E PRÁTICA PEDAGÓGICA DE PROFESSORAS DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

Jussara C. B. Tortella | PUC/CAMP - Pontifícia Universidade Católica de Campinas

RESUMO A presente pesquisa fundamenta-se na perspectiva dos estudos sobre autorregulação da aprendizagem, da promoção da autonomia dos alunos e o sucesso escolar. Tem por objetivo verificar como um processo de formação continuada, configurado a partir de estudos em um grupo colaborativo, pode possibilitar a construção de elementos norteadores da prática pedagógica dos participantes, relacionadas aos processos de autorregulação. Participaram da pesquisa profissionais de escola municipal de ensino fundamental, professoras universitárias e alunas de Iniciação Científica da cidade de Campinas. Trata-se de uma pesquisa descritiva que utilizou como instrumentos a observação, audiogravação dos encontros de formação continuada e narrativas das professoras. Foi possível verificar a apropriação de elementos da autorregulação nas práticas pedagógicas por meio das falas das professoras e orientadora pedagógica da escola, que compartilhavam suas angústias e conquistas conforme participavam da formação e desenvolviam o projeto As Travessuras do Amarelo com seus alunos. Palavras-chave: Formação de professores em serviço; anos iniciais do ensino fundamental; autorregulação.

GT20 - Psicologia da Educação
AVALIAÇÃO EXTERNA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA À BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR

Andréa Villela Mafra da Silva | UNIRIO - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

AVALIAÇÃO EXTERNA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA À BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR RESUMO O trabalho apresenta resultados de pesquisa que analisa a temática da avaliação externa na Educação Básica e sua relação com o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica e com a Base Nacional Comum Curricular, tendo em conta a perspectiva do Estado Avaliador que com o objetivo de controlar e fiscalizar, por meio de exames nacionais, busca adotar critérios censitários para comparação de resultados. Está estruturado em quatro seções. Inicialmente, introduzimos a temática apoiadas em autores de filiações teóricas que nos auxiliam a problematizar os modos pelos quais a avaliação externa tem sido incorporada à Educação Básica no Brasil. Nas seções seguintes, analisamos a configuração atual das políticas educacionais para dimensionar as consequências da avaliação externa no processo pedagógico. Metodologicamente, recorremos à análise documental. Por fim, na quarta seção, expomos as conclusões acerca da avaliação externa agindo como reguladora do trabalho docente e das perspectivas curriculares nas escolas brasileiras. Palavras-chave: Avaliação externa. Índice de Desenvolvimento da Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular.

GT13 - Educação Fundamental
Base/Comum/Nacional: A busca pela universalização na BNCC

Camila Costa Gigante | UERJ - PROPED - Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Base/Comum/Nacional: A busca pela universalização na BNCC Partimos de uma investigação sobre a universalização do currículo defendida pela projeção de discursos que balizam a política da BNCC. Propomos uma análise a partir de contribuições da Teoria do Discurso (LACLAU, 2011; LACLAU; MOUFFE, 2015) com vistas a pensar a relação entre universalidade e particularidade necessária a toda luta política, bem como a construção de processos metafóricos e metonímicos (LACLAU, 2011) potentes para sua compreensão, problematizando o que está sendo considerado como aspectos nacionais e básicos necessários a todos os currículos do Brasil. Defendemos que competências pré-determinadas em nível nacional podem constranger a construção do conhecimento enquanto produção discursiva e que uma projeção de totalidade deve ser relativizada e compreendida como fluida. Assim, defendemos que não é possível pensar, de maneira fixa, os elementos que permeiam o processo de ensino e aprendizagem. Pensar que significantes como “base”, “nacional” e “comum”, bem como toda tradição que eles projetam, seja produtivo para refletir uma política curricular em caráter nacional é a perspectiva que pretendemos nos afastar. Palavras-chave : BNCC; Universalismo e Particularismo; Metáfora e Metonímia; Política.

GT12 - Currículo
Biografia de um jovem faminto: moradia na rua, fome e educação

Lia Machado Fiuza Fialho | UECE - Universidade Estadual do Ceará

Com amparo teórico na história cultural, na perspectiva da história do presente, a pesquisa trabalha com as memórias e narrativas de vida de um jovem morador de rua com ênfase nas suas experiências educativas em meio ao contexto de pobreza e fome. Questionou-se o que leva um jovem a constituir moradia na rua e como se constitui a sua educação nessa condição. Objetivou-se biografar a vida de um jovem em situação de rua em sua relação com as vivências de educação, ante o contexto de fome e pobreza. Por meio de uma pesquisa biográfica, que utilizou a metodologia da história oral, buscou-se conhecer as nuances de uma vida juvenil – infância, contexto familiar, processo de escolarização, modo de subsistência –, especialmente no que concerne ao contexto alimentação e educação. Os resultados evidenciam a negação de direitos sociais – educação, alimentação, moradia, lazer – e a vivência do abandono, da fome e da pobreza como aspectos que impulsionam a vida em situação de rua. O imediatismo da fome impossibilitava a escolarização e a constituição de um plano para o futuro, naturalizava-se a vida na rua e dificultava-se o desenvolvimento de uma autonomia mínima que ensejasse mudança de conjuntura. Palavras-chave: Educação. Biografia. Fome. Pobreza. Pessoa em situação de rua.

GT02 – História da Educação
CADERNOS DE LIÇÕES: OS DESENHOS DAS PRINCESAS

Jaqueline Vieira de Aguiar | Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ

CADERNOS DE LIÇÕES: OS DESENHOS DAS PRINCESAS Resumo Em meados do Século XIX, consciente do nobre cargo a ser ocupado por suas filhas, o Imperador D. Pedro II iniciou a formação educacional das Princesas Isabel e Leopoldina na “casa”. Em seguida, contratou mestres e uma preceptora. Um dos contratados para atuar na instrução das Princesas herdeiras do Trono foi Marianno José de Almeida, mestre de desenho e pintura. Esse artigo tem por objetivo interpretar os valores e as técnicas ensinadas às Princesas por meio da arte visual no período de 1859 a 1864. É aplicado o método indiciário de Ginzburg (1989). O texto dialoga com Duve (2003), sobre o ensino da arte; Mignot (2008), a respeito dos cadernos e Werneck (2003), no tocante a valores. Os cadernos de desenhos, principal fonte da pesquisa qualitativa e histórico-documental, originam-se do Arquivo da Família Imperial. Ao término, foi possível concluir que os desenhos e pinturas utilizam a técnica da cópia a lápis e se configuram numa relevante amostra do ensino de artes no Brasil Imperial. Entre os valores encontrados destaca-se a religiosidade, mas há também, referências à vida campestre, à figura feminina e à infância. Palavras-chave: Brasil Imperial; História da Educação; Princesas Isabel e Leopoldina; Caderno de lições; Desenhos.

GT02 – História da Educação
CADTS – Centro de Apoio e Desenvolvimento Técnico Social: lições de uma escola de trabalhadores

Anderson José Lisboa Baptista | UFF - Universidade Federal Fluminense

Resumo: O presente trabalho é fruto de pesquisa de doutoramento, cujo objetivo principal foi refletir sobre as relações entre educação, trabalho, política, sentidos e possibilidades para sujeitos jovens e adultos do tempo presente, tomando como campo de análise a educação popular através da experiência do CADTS – Centro de Apoio e Desenvolvimento Técnico Social. Trata-se de uma pesquisa qualitativa desenvolvida a partir da análise de documentação e entrevistas. A pergunta principal foi: Que elementos podemos extrair da relação entre a proposta de uma formação crítica e emancipatória oriunda da educação popular e de uma crítica sobre o papel do trabalho na sociedade contemporânea? Foram destacados o desenvolvimento metodológico da pesquisa; a sua historicidade, na qual está implícita uma lógica de resistência; proposta de diálogo com a educação contemporânea e o caráter emancipatório da escola a partir da integralidade da relação educação, trabalho e política. Palavras-chave: CADTS. Educação Popular. EJA. Escolas de trabalhadores.

GT18 - Educação de Pessoas Jovens e Adultas
Cantos, danças e resistência: Processos educativos no Coral Trovadores do Vale

Pedro Augusto Dutra de Oliveira | UFSCar - Universidade Federal de São Carlos

CANTOS, DANÇAS E RESISTÊNCIA: PROCESSOS EDUCATIVOS NO CORAL TROVADORES DO VALE RESUMO A pesquisa de doutorado que resultou no presente trabalho, teve como objetivo descrever e analisar processos educativos desencadeados a partir do Coral Trovadores do Vale, uma prática social em que participam mulheres e homens da cidade de Araçuaí, Vale do Jequitinhonha. Ele está em atividade há 49 anos, com um repertório que percorre cantos de trabalho, cantos de roda, cantos religiosos e danças. Partimos da problemática de que o legado colonial e moderno marginalizou saberes e práticas, inclusive no contexto do Vale do Jequitinhonha. Entendemos também que de toda prática social emergem processos educativos e que a produção do conhecimento acadêmico deve buscar por outras epistemologias que historicamente foram negadas nesse quadro de colonialidade do saber. Assim, como arcabouço teórico, dialogamos com autores como Enrique Dussel, Paulo Freire, Boaventura de Sousa Santos e Aníbal Quijano. Dentre os resultados da pesquisa, para este trabalho apresentaremos processos educativos que apontam como a participação de homens e mulheres no Coral, contribuiu para a transformação da realidade em que se inserem. Palavras-Chaves : Processos Educativos; Práticas Sociais; Busca por Ser Mais .

GT06 - Educação Popular
Carmem Portinho: “Uma engenheira que lutou para vencer: de professora de matemática à chefe de Departamento”

Nailda Marinho da Costa | UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO

Carmem Portinho: “Uma engenheira que lutou para vencer: de professora de matemática à chefe de Departamento” [i] Resumo O presente artigo traz o percurso profissional de Carmem Velasco Portinho, que no início do século XX tornou-se, ainda enquanto estudante de engenharia, a primeira mulher a ingressar como professora do internato do Colégio Pedro II, para lecionar aritmética. Por se tratar de uma instituição de ensino secundário que desde o início de seu funcionamento, em 1838, até o ano de 1926, possuía em seu quadro docente apenas homens, este estudo nos ajuda a pensar o papel da mulher na sociedade daquela época, buscando focar em seu protagonismo, além de indicar alguns obstáculos e conquistas. Sob uma perspectiva relacional, trazida por Perrot (2017), tratamos não apenas das relações estabelecidas entre homens e mulheres, como também buscamos situar seu percurso individual em um contexto mais amplo, com base na abordagem da micro-história, tendo como referência Ginzburg, 2006) e nos estudos de Dubar (2012) sobre a constituição de identidades profissionais. Palavras-chaves: História das mulheres; percurso profissional; Carmem Portinho; Colégio Pedro II [i] Título da notícia do jornal Diário de notícias , 20 abr. 1952, referente à entrevista concedida por Carmem Portinho.

GT02 – História da Educação
Cartografando a educação de surdos, deficientes auditivos e surdocegos na região do Caparaó Capixaba/ES

Aline de Menezes Bregonci | UFES - Universidade Federal do Espírito Santo

Cartografando a educação de surdos, deficientes auditivos e surdocegos na região do Caparaó Capixaba/ES Resumo O presente trabalho dedicou-se a cartografar a educação de surdos, deficientes auditivos e surdocegos na região do Caparaó Capixaba/ES, procurando identificar e problematizar as políticas e práticas da Educação Especial envolvendo este público nas escolas locais inclusivas. Realizamos assim, uma cartografia simbólica, considerando as categorias escala, projeção e símbolo/simbolização a partir da abordagem das Epistemologias do Sul na perspectiva teórica de Boaventura de Sousa Santos. Os resultados encontrados mostram que a legislação tem se materializado de diferentes formas nos municípios do Caparaó/ES. Contudo, apesar de todas as dificuldades encontradas por ser uma região não-hegemônica, o que tem sido desenvolvido na região do Caparaó Capixaba/ES, mostra uma grande potência que emerge das práticas educativas-escolares. Palavras-chave : Cartografia da Educação de Surdos, Deficientes Auditivos e Surdocegos. Políticas de Educação Especial. Práticas Escolares.

GT15 - Educação Especial
Cartografias das experiências de pessoas trans com os territórios da Educação em Biologia

Sandro Prado Santos | UFU - Universidade Federal de Uberlândia

Cartografias das experiências de pessoas trans com os territórios da Educação em Biologia Resumo: O presente trabalho se desdobra de uma prática investigativa de doutorado em que nos dispusemos a cartografar os agenciamentos do encontro Experiências de pessoas trans – Ensino de Biologia observando as possíveis ressonâncias que essa aliança pode produzir na/com Educação em Biologia. Nesse texto, temos como propósito compartilhar e discutir as carto-grafias que foram sendo produzidas, nos territórios da educação em Biologia, com os movimentos de criação e experimentação das pessoas trans . O investimento que realizamos para a produção do campo cartográfico foi o diálogo-entrevista com dez colaboradores/as. Ao operar os encontros, buscamos fazer aparecer pequenas rupturas aos pressupostos e modos de capturas disparados pelos territórios da Educação em Biologia, demonstrando como o agenciamento “experiências de pessoas trans” e “ensino de Biologia” aciona “outras” biologias dentro dos territórios concretos, sedimentados de normas. Os territórios da educação em biologia ora agencia regulações e ordenações de corpos, gêneros e sexualidades e ora escapes e percursos inusitados. Palavras-chave: Cartografias; Educação em Biologia; Experiências de pessoas trans.

GT23 - Gênero, Sexualidade e Educação
CATEGORIAS TEÓRICAS DE SHULMAN NAS PRODUÇÕES BRASILEIRAS

Patricia Cristina Albieri de Almeida | FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS

CATEGORIAS TEÓRICAS DE SHULMAN NAS PRODUÇÕES BRASILEIRAS Este estudo apresenta uma revisão sistemática da literatura na modalidade definida como revisão integrativa que buscou identificar as tendências e características das produções acadêmicas brasileiras que fizeram uso do conhecimento pedagógico do conteúdo (PCK) e dos processos de ação e raciocínio pedagógicos, categorias teóricas de conhecimento docente, formuladas por Shulman. Foram localizadas 114 produções acadêmicas, a maioria publicada a partir de 2010. O interesse das pesquisas incide principalmente na formação inicial de professores e no docente que atua nos anos finais do ensino fundamental e no ensino médio tendo em vista apreender como se dá o desenvolvimento e mobilização do PCK. Uma parcela significativa das produções é das áreas de Química, Matemática e Ciências e as pesquisas combinam múltiplos instrumentos de coleta de dados. Poucos estudos abordam a interdependência entre o PCK e os processos de ação e raciocínio pedagógicos. A análise das produções permitiu compor um retrato dos estudos que utilizam as teorizações desenvolvidas por Shulman podendo, inclusive, estimular o desenvolvimento de novas pesquisas. Palavras-chave: Conhecimento pedagógico do conteúdo; Raciocínio pedagógico; Conhecimento profissional.

GT08 - Formação de Professores
CENTROS INTEGRADOS DE EDUCAÇÃO PÚBLICA: Uma proposta de educação e cidadania

Luiza Moreira | UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro

CENTROS INTEGRADOS DE EDUCAÇÃO PÚBLICA: Uma proposta de educação e cidadania RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar o cenário político que antecedeu a política educacional do primeiro governo de Leonel Brizola (1983/1987), que resultou na implantação dos Centros Integrados de Educação Pública (CIEPs). Organizar este cenário político, marcado principalmente pelo declínio da ditadura civil-militar, se faz necessário para compreendermos que as demandas advindas da redemocratização do país contribuíram e influenciaram na formulação da política. Utilizamos Sarmento (2008), Sento-Sé (2002), Marcon (2016) para narrar as disputas político-partidária que se instalaram com as eleições diretas de 1982, destacando o discurso assumido por Leonel Brizola nesse período eleitoral e em seu governo. Concluímos que havia forte vinculação do discurso brizolista à educação e cidadania para a população marginalizada. A proposta educacional do seu governo foi pautada na ideia de educação como uma via emancipatória para as camadas populares cuja principal estratégia foi o programa dos CIEPs. CIEP; Leonel Brizola; História da Educação

GT02 – História da Educação
Com ou sem laudo: formação docente, psicologia e luta pela inclusão na educação

Marina Castro | UERJ/FEBF - Universidade do Estado do Rio de Janeiro

COM OU SEM LAUDO: FORMAÇÃO DOCENTE, PSICOLOGIA E LUTA PELA INCLUSÃO NA EDUCAÇÃO RESUMO Pensar a inclusão educacional tem trazido questionamentos variados para as equipes escolares, especialmente quanto à obrigatoriedade do laudo e de um diagnóstico das crianças. Este artigo objetiva apontar contribuições da psicologia para uma formação docente na perspectiva inclusiva, problematizando o uso do laudo e sua relação com as práticas a partir das políticas públicas na Educação Inclusiva. Para tal, analisa a nota técnica n.04 de 2014, do Ministério da Educação, que explicita a não exigência do laudo como condição para a inclusão. A análise desta e de outros documentos aponta polêmicas não resolvidas no campo das políticas públicas voltadas à inclusão, em confronto com forças distintas que alimentam práticas contraditórias. Propõe-se uma formação fundamentada por teorias e práticas psicológicas que agem na inclusão da diferença, na democratização da educação, comprometidas com a classe popular, com as pessoas com deficiência. Aposta-se nos encontros entre alunos e docentes, sujeitos históricos e sociais, potentes e capazes de superar práticas e concepções medicalizantes. Palavras-chave: laudo; educação inclusiva; psicologia da educação; formação de professores

GT20 - Psicologia da Educação
COMUNIDADE DE PRÁTICA, AUTOFORMAÇÃO DOCENTE E JUSTIÇA SOCIAL NA ESCOLA PÚBLICA: UM ESTUDO DE CASO

Marcia Lisbôa Costa de Oliveira | FACULDADE DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA UERJ

COMUNIDADE DE PRÁTICA, AUTOFORMAÇÃO DOCENTE E JUSTIÇA SOCIAL NA ESCOLA PÚBLICA: UM ESTUDO DE CASO Resumo O Grupo de Pesquisa xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx, coletivo interinstitucional que reúne professores do ensino superior e da educação básica, situando suas discussões em uma escola pública na periferia do Rio de Janeiro, completará quatro anos de atividades em 2019. Neste estudo de caso, revisitamos a experiência de autoformação vivenciada durante o ano de 2016 por esse coletivo, que desenvolve propostas de ensino de alfabetização e letramento contextualizadas na escola. A pesquisa articulou três concepções: comunidade de prática (WENGER, 1998), autoformação (NÓVOA, 1992; PERRENOUD, 2000) e Formação de Professores para a Justiça Social (MOREIRA e ZEICHNER, 2014). O corpus foi constituído por textos escritos pelas participantes do grupo, nos quais mapeamos categorias recorrentes, bem como concepções sobre teorias discutidas e projetos realizados. Constatamos que ocorreu, no ano de formação do grupo, uma mudança significativa nas concepções das participantes acerca da educação em contextos marcados pela desigualdade sociocultural e em relação às tensões étnico-raciais na escola. Palavras-chave: autoformação de professores; alfabetização; letramentos; comunidade de práticas; justiça social.

GT08 - Formação de Professores
CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO E FORMAÇÃO NOS PROGRAMAS NACIONAIS DE FORMAÇÃO DE ALFABETIZADORES NO BRASIL

Sandra Novais Sousa | UFMS/Campus de Campo Grande - Universidade Federal do Mato Grosso do Sul

O artigo tem por objetivo analisar as concepções de formação docente e alfabetização encontradas nas políticas públicas no período de 1996-2019, frente à sinalização, pelo Governo Federal, da possibilidade de se adotar um método oficial de alfabetização no Brasil. Como procedimentos metodológicos, realizou-se análise documental, tendo como fontes os cadernos de formação dos programas. Os resultados apontam que, embora sejam percebidos avanços no que se refere à concepção de alfabetização, persiste um entendimento de formação na perspectiva da racionalidade técnica. Conclui-se que a adoção de um método único oficial pelo Governo poderia reforçar essa perspectiva técnica de formação, bem como trazer rupturas na concepção de alfabetização construída em parceria com as universidades e pesquisadores da área e apresentada nas últimas duas décadas nos programas de formação lançados pelo Ministério da Educação.

GT10 - Alfabetização
CONCEPÇÕES DE CURRÍCULO DE PROFESSORAS DE DIDÁTICA QUE FORMAM PEDAGOGOS

Valdriano Ferreira do Nascimento | FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ - FUNACE

CONCEPÇÕES DE CURRÍCULO DE PROFESSORAS DE DIDÁTICA QUE FORMAM PEDAGOGOS Resumo A discussão sobre o currículo de formação do pedagogo está no centro deste artigo. Seu objetivo é analisar as concepções de currículo de docentes responsáveis pela formação pedagógica de licenciandos em Pedagogia, precisamente, de professoras que ensinam Didática. O tema é examinado na perspectiva do currículo em ação no cotidiano do fazer docente na Universidade. A pesquisa assumiu uma abordagem qualitativa, procedida pela pesquisa com os cotidianos, através de dados produzidos em entrevistas. A análise traz a compreensão de que as concepções de professoras de Didática sobre o currículo de formação do pedagogo é a de que o trabalho pedagógico em sala de aula, composto pelo conjunto de experiências vividas na produção do currículo do cotidiano, dá significado à sua formação; esse currículo deve ser pensado e construído a partir de elementos curriculares constituídos na prática, transformados pela atividade docente; e que a construção do pedagogo está relacionada diretamente pela necessidade do contexto, das instituições e dos sujeitos envolvidos na ação. Palavras-chave: Currículo em Ação, Professoras de Didática, Pedagogo.

GT04 - Didática
CONCEPÇÕES DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA SOBRE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM

Niusarte Virginia Pinheiro | Niusarte Virginia Pinheiro

CONCEPÇÕES DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA SOBRE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM RESUMO Este trabalho objetiva compreender as concepções de licenciandos em Matemática sobre avaliação da aprendizagem por meio de uma pesquisa qualitativa, expositiva e explicativa. O curso e os estudantes foram selecionados por amostra não probabilística acidental e os dados produzidos mediante análise documental, observação, entrevista, roda de conversa e redes sociais, procedendo-se à análise do conteúdo, fundamentada em Bourdieu e teóricos da avaliação. Os estudantes manifestaram acentuada preocupação com a obtenção de nota, deixando a aprendizagem em segundo plano, percebendo de forma nebulosa o caráter oculto e legitimador da avaliação que, ao atribuir notas e classificá-los, responsabiliza-os por seus êxitos e fracassos, naturalizando a reprovação e a evasão. A concepção de avaliação dos licenciandos oscila, ora mais próxima da perspectiva formativa, ora tradicional, evidenciando a interiorização e naturalização da avaliação classificatória e seletiva. A compreensão de avaliação como elemento integrado à prática pedagógica aparece de modo incipiente nos relatos dos interlocutores. Palavras-chave : Avaliação da aprendizagem. Formação docente. Educação Matemática.

GT19 - Educação Matemática
CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DIDÁTICAS DE PROFESSORES EM INSERÇÃO PROFISSIONAL

Giseli Barreto da Cruz | UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro

CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DIDÁTICAS DE PROFESSORES EM INSERÇÃO PROFISSIONAL Resumo O trabalho focaliza achados de uma pesquisa que teve por objetivo analisar concepções e práticas didáticas de um grupo de 16 egressos de 14 cursos de licenciatura, em inserção profissional. Teoricamente, dialogou com Roldão, 2007; 2005; Shulman, 1987; 2004; e Cochran-Smith, 2012; 2003; 1991. Metodologicamente, considerou a realização de entrevistas com todos os sujeitos e observação de um conjunto de, no mínimo, dez aulas de quatro deles. No contexto da análise de dados, enfatiza dimensões da docência em dois eixos: um referente à visão sobre a profissão e outro referente às concepções e práticas didáticas. As constatações demonstram que a visão acerca da profissão se situa na interseção entre aspectos de satisfação e realização e de conflitos e incertezas, para além das preocupações oriundas das condições em que o trabalho se realiza; demonstram ainda a predominância de três aspectos constitutivos das concepções e práticas didáticas, expressas nos modos de planejar e avaliar o ensino e a aprendizagem: ênfase no estudante, autonomia para criar e organização contínua. Palavras-Chave: Didática; Docência de professores iniciantes; Inserção profissional docente

GT04 - Didática
CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR DE MÚSICA: INVESTIGANDO O RIO GRANDE DO SUL

Cristina Rolim Wolffenbuttel | UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL

CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR DE MÚSICA: INVESTIGANDO O RIO GRANDE DO SUL Resumo: Este artigo apresenta resultados da pesquisa que investigou a realização de concursos públicos para professores de música nos municípios do Rio Grande do Sul, norteada pelos seguintes questionamentos: Quantas e quais secretarias de educação promoveram concursos para o ingresso de professores de música nas escolas de sua rede de ensino? Caso as secretarias de educação tenham promovido estes concursos, quando se deu esta ocorrência? Qual a relação existente entre a data da promoção destes concursos e a data da Lei n.º 11.769/2008? A metodologia incluiu a pesquisa via Internet e, para a análise dos dados, a Análise de Conteúdo. O referencial teórico fundamentou-se em conceitos de Educação Musical balizados pela Abordagem do Ciclo de Políticas. A partir das análises inferidas identificou-se a realização de 133 concursos que viabilizassem a participação de profissionais com formação em nível superior em Música para a docência na Educação Básica. Palavras-chave: Educação Musical; Abordagem do Ciclo de Políticas; Concursos Públicos.

GT24 - Educação e Arte
Condições de acessibilidade e a inclusão educacional em um município sul-mato-grossense

Mônica de Carvalho Magalhães Kassar | UFMS - Universidade Federal do Mato Grosso do Sul

Nos últimos anos, o censo escolar tem apontado o aumento das matrículas de estudantes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento, altas habilidades/superdotação nas classes comuns do ensino regular. Com isso os sistemas de ensino têm sido tensionados a (re)organizarem suas redes no que se refere às condições de acessibilidade a essa população de alunos na escola. Considerando esse quadro, este texto tem o objetivo de apresentar como a Rede Municipal de Ensino de um município polo da implantação de políticas públicas de inclusão, no estado de Mato Grosso do Sul, tem se organizado para possibilitar a existência de condições de acessibilidade e inclusão escolar. Foi utilizada a abordagem qualitativa/quantitativa e as análises foram orientadas pelo materialismo histórico-dialético. Os resultados apontam que, por um lado, o município tem realizado ações para possibilitar a desconstrução de barreiras físicas à inclusão de estudantes com deficiência, mas por outro os investimentos direcionados até o momento para esse fim não têm o alcance proposto.

GT15 - Educação Especial
Confiança interpessoal e institucional e avaliação institucional participativa: problematizando associações

Sara Badra de Oliveira | UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - FACULDADE DE EDUCAÇÃO

CONFIANÇA INTERPESSOAL E INSTITUCIONAL E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL PARTICIPATIVA: PROBLEMATIZANDO ASSOCIAÇÕES Resumo : Esse artigo divulga os resultados de uma tese de doutorado cujo objetivo foi investigar em que medida a confiança constitui um fator associado às práticas e princípios da AIP – avaliação institucional participativa. A literatura internacional defende a importância da confiança relacional para a qualificação escolar em termos de capital social, produtividade e eficiência. A AIP – implementada como política na rede municipal de Campinas – concebe a qualificação em outros termos, associada à qualidade social, negociação e responsabilização compartilhada. Os dados são fruto de entrevistas exploratórias de trinta professores de nove escolas e da observação em duas escolas dessa rede. Argumenta-se que: 1. a construção de relações de confiança entre professores e famílias não depende apenas de dinâmicas de reciprocidade, mas de reconhecimento; 2. as relações de reciprocidade internas à comunidade escolar são insuficientes para caracterizar o fenômeno da confiança, sendo necessária a inclusão da relação com o poder público e suas dinâmicas de redistribuição. Palavras-chave : confiança interpessoal – confiança institucional – avaliação institucional participativa

GT14 - Sociologia da Educação
CONFLITOS E VIOLÊNCIAS NO CONSELHO ESCOLAR: PERSPECTIVAS TEÓRICAS DAS SOCIOLOGIAS DA EXPERIÊNCIA E DAS CONFLITUALIDADES

Célia Maria Rosa | UFSCar - Universidade Federal de São Carlos

CONFLITOS E VIOLÊNCIAS NO CONSELHO ESCOLAR: PERSPECTIVAS TEÓRICAS DAS SOCIOLOGIAS DA EXPERIÊNCIA E DAS CONFLITUALIDADES Esta pesquisa objetivou analisar procedimentos de Conselhos Escolares sobre conflitos e violências, na perspectiva teórica das sociologias da experiência (DUBET, 1994) e das conflitualidades (SANTOS, 2009). Houve, em 2016, uma parte empírica realizada em duas escolas públicas estaduais do interior de São Paulo. Como procedimento metodológico utilizou-se a Análise de Conteúdo, por meio de instrumentos metodológicos, como: observações, análise de atas e entrevistas. Concluiu-se que havia certa acomodação nas condutas de conselheiros escolares e certa negligência da escola ao deixar de promover reflexões sobre o tema. Os conflitos nas sociedades atuais colocam em questão a lógica da integração, todavia a saída para os desentendimentos está em ações que promovam uma gestão democrática. Ao se buscar entendimento, superação das relações de poder e democratização de processos decisórios, amplia-se a participação de todos, com compreensão das situações e vivências de dentro e de fora da escola, a partir de suas experiências e das conflitualidades sociais. Palavras-chave: Conselho Escolar; Conflitos e Violências; Sociologia da Experiência; Sociologia das Conflitualidades.

GT13 - Educação Fundamental
CONHECIMENTO E RAÇA: rachaduras no currículo escolar

Maria do Socorro dos Santos | UERJ/PROPED - Universidade do Estado do Rio de Janeiro

CONHECIMENTO E RAÇA: rachaduras no currículo escolar Resumo: A noção de raça sempre foi de interesse de estudo no campo científico, transcorrendo ideias do biológico ao cultural. No Brasil a sua problematização levava a uma interpretação da desigualdade racial, da democracia racial, e uma idealização de educação antirracista. Tal interpretação desencadeou dentro da política pública educacional, com a participação do Movimento Negro, a elaboração de documentos, que estão configurados em leis, resoluções e diretrizes nacionais para educação das relações étnico-raciais. Pensando essas interpretações, este escrito provoca uma discussão acerca do conhecimento escolar, currículo e raça. E para isso, trago dentro da leitura, documentos da política pública para uma educação racial. Ao trazer os documentos, não desconsidero sua importância, mas os coloco como um processo de negociação – a política de investimento radical – (LOPES, 2015), que é perturbada pelos trincamentos nelas incitadas. Desse modo, o texto é, contudo, uma provocação a um processo interpretativo, que se faz na tradução, na desconstrução. Palavras-chave: Currículo. Conhecimento. Raça. Política.

GT12 - Currículo
Consciência em L. S. Vygotsky: vislumbrando potencialidades de aplicação em práticas pedagógicas

Rafael Fonseca de Castro | UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

Este artigo consiste em um estudo sobre o conceito de consciência no pensamento de L. S. Vygotsky, vislumbrando suas potencialidades de aplicação, enquanto suporte teórico, em práticas pedagógicas. Para tal, desenvolve aprofundada revisão de literatura a partir dos originais de Vygotsky e de estudos de pesquisadores brasileiros sobre este conceito e apresenta pesquisa realizada junto à Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações – que buscou investigações que abordassem o conceito de consciência na perspectiva vygotskiana e o aplicassem/analisassem em situações pedagógicas. Na obra de Vygotsky, abrem-se duas possibilidades de leitura para a consciência: como sinônimo de psiquismo humano, matriz do pensamento (do Russo Soznanie ) e como tomada de consciência, ligada às funções psíquicas superiores consciência e controle (do Russo Osoznanie ). Da busca sistemática e análise minuciosa empreendida sobre 195 trabalhos encontrados (combinando as palavras “Vy(i)gotsky(i)” e “Consciência” nos títulos e/ou no resumos), foram encontrados quatro que relacionavam tomada de consciência ( Osoznanie ) a alguma prática pedagógica. Ao final, são descritos em sínteses os quatro trabalhos, sendo duas Teses e duas Dissertações. Palavras-chave: Consciência. Vygotsky. Prática pedagógica.

GT20 - Psicologia da Educação
Conservadorismo moral e indeterminação da condição humana

Miguel da Silva Rossetto | UPF - Universidade de Passo Fundo

Conservadorismo moral e indeterminação da condição humana Resumo O ensaio, dividindo-se em duas partes, procura analisar criticamente a comunidade moral bolsonarista. Na primeira parte argumenta que tal comunidade baseia-se na noção fechada e dogmática de mundo, a qual pressupõe, por sua vez, a ideia fundamentalista de ser humano como essência pronta, com finalidade previamente determinada e dirigida por forças externas e superiores. Na segunda parte, baseando-se na interpretação de Richard Bernstein, toma o pragmatismo falibilista como referência crítica ao conservadorismo moral autoritário. Considera como núcleo do falibilismo a postura reflexiva baseada no debate público, aberto e crítico. Palavras-chave: Condição humana. Conservadorismo moral. Pragmatismo falibilista. Liberdade humana.

GT17 - Filosofia da Educação
CONSTRUÇÃO SOCIAL DO INDIVÍDUO COMO ASPECTO INTERVENIENTE NA FORMAÇÃO E NA PRÁTICA PROFISSIONAL

Adriana Patrício Delgado | UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro

GT08 - Formação de Professores
CONTRADIÇÃO E DESENVOLVIMENTO: TRAJETÓRIAS DE APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS POR UMA PROFESSORA DA EDUCAÇÃO BÁSICA

Natalia Carvalhaes de Oliveira | INSTITUTO FEDERAL GOIANO - IF GOIANO

CONTRADIÇÃO E DESENVOLVIMENTO: TRAJETÓRIAS DE APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS POR UMA PROFESSORA DA EDUCAÇÃO BÁSICA Resumo: O presente artigo aborda pesquisa cujo objetivo foi compreender o trabalho pedagógico escolar a partir da análise da apropriação de tecnologias pelos professores da educação básica pública do estado de Goiás. Apresenta dados referentes a uma professora, dentre três docentes pesquisados. A partir do acompanhamento da rotina escolar, de uma entrevista e re-entrevista, reconstituímos a trajetória de uma professora de Educação Física no que diz respeito a suas relações com os dispositivos tecnológicos. Os dados indicam que inicialmente, a visão da professora estava focada nos aspectos instrumentais da tecnologia e condicionada por elementos contextuais hegemônicos, dentre os quais o incentivo ao uso pela gestão escolar. A participação da professora no processo da pesquisa, em especial nos estudos e re-entrevista, contribuiu para uma reflexão sobre o modo como esta percebe o seu trabalho. Verificamos um deslocamento para a compreensão, por parte da professora, do trabalho pedagógico na perspectiva de uma atividade dotada de intencionalidade e destinada à formação humana. Palavras-chave: Tecnologias e educação; Apropriação; Racionalidade da práxis ; Trabalho pedagógico.

GT16 - Educação e Comunicação
CONTRIBUIÇÕES DA PEDAGOGIA SOVIÉTICA PARA A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA DA CLASSE TRABALHADORA

Soraya Conde | UFSC- Universidade Federal de Santa Catarina

CONTRIBUIÇÕES DA PEDAGOGIA SOVIÉTICA PARA A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA DA CLASSE TRABALHADORA Resumo: A discussão sobre a concepção de educação e de educação infantil orientada pelos pressupostos educacionais soviéticos e socialistas influencia práticas e produções teóricas para se pensar a educação da criança da classe trabalhadora. Esse artigo apresenta contribuiçoes entre a concepção de infância e de educação dos autores da Pedagogia Socialista e soviéticos para a educação da criança da classe trabalhadora . Para tal, adota-se como metodologia a pesquisa bibliográfica com a revisão dos autores precursores da concepção moderna de infância (ARIÉS, 1981; POSTMAN, 1999; KLEIN 2009; MELLO, 2007) e da Pedagogia Socialista (PISTRAK, 2009; 2000; SUSCHUDOSLSKI, 1978; SHUGIN, 2013; FREITAS, 2017). Entre as principais conclusões, destacamos o entendimento da criança e a sua educação como produto das relações sociais historicamente construídas. A criança, embora tenha estruturas psicológicas distintas dos adultos, está inserida na mesma sociedade, e por isso, é ilusória a tentativa de separá-la das relações de produção e reprodução da vida social concreta. Palavras-chave: Pedagogia Socialista, Educação Infantil, Classe trabalhadora.

GT09 - Trabalho e Educação
CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL PARA A PESQUISA COM OS MAPAS VIVENCIAIS

Daniel Luiz Poio Roberti | UFF - Universidade Federal Fluminense

CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL PARA A PESQUISA COM OS MAPAS VIVENCIAIS Resumo: O presente trabalho se propõe a discutir o conceito de “vivência” nas obras de Vigotski. A nosso ver, este conceito contribui para que os estudiosos da educação interpretem toda a ação humana como portadora de uma certa atividade criativa. Sendo assim, acreditamos que a geografia pode se apropriar dessa discussão no desenvolvimento de uma metodologia para a cartografia escolar, uma vez que entendemos que o ensino de mapas não é só a aprendizagem do alfabeto que vai estar presente no mapa oficial; e defendemos o mapa enquanto ferramenta cultural cujo princípio é mediar a relação do homem com a natureza, compreendendo que esta relação é carregada de cultura e historicidade num cenário de permanente criação. Trabalhamos com a metodologia dos mapas vivenciais cuja intenção é mapear a relação do sujeito com o meio em que vive, entendendo que esta relação forma uma unidade, já que todo aluno estuda numa determinada instituição e vive num lugar específico que o constitui enquanto cidadão. Palavras-chaves: Teoria histórico-cultural, vivência e cartografia escolar.

GT20 - Psicologia da Educação
CONTRIBUIÇÕES DE AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTÍNUA PARA A (TRANS)FORMAÇÃO E A PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Vanessa Therezinha Campos | UNIVERSDIADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

CONTRIBUIÇÕES DE AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTÍNUA PARA A (TRANS)FORMAÇÃO E A PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Resumo Esse artigo insere-se no campo da Pedagogia Universitária e se propõe analisar as a repercussão de ações formativas em contexto de trabalho de professores universitários. Para tanto questionamos: as ações de formação contínua contribuem para a (trans)formação e a prática pedagógica de professores universitários? A pesquisa exploratória, qualitativa, foi construída na interlocução com docentes que participaram de ações formativas em uma IFES na região sudeste, no Brasil, no período de 2013 a 2017. A análise indicou que as ações formativas ampliaram a compreensão docente sobre a docência universitária enquanto profissão complexa, definida por singularidades, conflitos, contradições e exige conhecimentos didático-pedagógicos aliados aos saberes da experiência e produção científica. Depreendemos que instituição de políticas públicas de formação permanente de professores universitários, que tenham como princípio ações colaborativas, planejadas e realizadas de acordo com as necessidades docentes, incidirá na qualidade da prática docente e no desenvolvimento profissional. Palavras-chave: Formação permanente; desenvolvimento profissional; ações formativas

GT04 - Didática
Controles democráticos e accountability na gestão pública – breve análise do controle social do Fundeb

Maria Machado | UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Controles democráticos e accountability na gestão pública – breve análise do controle social do Fundeb Resumo: O artigo discute o controle e accountability na gestão pública. Apresenta as principais características da accountability , problematizando as categorias tradicionais horizontal e vertical eleitoral dando relevância a dimensão social. Para isso foram identificadas as principais formas de participação prevista nas normas brasileiras especialmente os conselhos nas políticas sociais. Foi analisado o Conselho de Acompanhamento e Controle Social do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação – CACS-Fundeb, enquanto mecanismo de controle social na educação. As análises preliminares apontam a fragilidade do controle social como possibilidade de fortalecimento dos mecanismos de controle e accountability na gestão pública. Palavras-chave: Accountability; controle público , controle social; Fundeb; Participação

GT05 - Estado e Política Educacional
CONVERGÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS E USOS DE DISPOSITIVOS TECNOLÓGICOS POR ESTUDANTES

Luciana Velloso | FACULDADE DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Resumo: No atual contexto em que vivemos, o uso de dispositivos tecnológicos digitais tem atravessado também os espaços educacionais institucionais e o ambiente mais amplo de circulação de professores e professoras, de alunos e alunas, cujas identidades e pertencimentos são cada vez mais instáveis e contingentes. A partir da ótica dos discentes de um Curso de Pedagogia de uma Universidade Estadual do Rio de Janeiro, esta pesquisa que aqui se apresenta em andamento, se propõe a investigar como estes discentes avaliam seus usos e apropriações de dispositivos tecnológicos em rede. A pesquisa tem como objetivo analisar como se dão as relações de estudantes de Pedagogia com as tecnologias digitais, seus níveis de capital de rede, possibilidades de mobilidade e como utilizam esse capital em seus processos de aprendizagem, ao longo de sua formação universitária. Em termos metodológicos, se trata de um estudo que lança mão de metodologias de cunho qualitativo de feição etnográfica, buscando identificar variáveis que facilitam e/ou dificultam o acesso e o uso dos discentes aos dispositivos tecnológicos digitais em rede. Palavras-chave: Novas Tecnologias na Educação; Mídias Digitais e Processos de Ensino e Aprendizagem; Processos de Socialização.

GT16 - Educação e Comunicação
CONVERSA(AÇÃO) SISTÊMICA PARA POTENCIALIZAR A (TRANS)FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS DAS INFÂNCIAS

Eliane Lima Piske | FURG/PPGEA - UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE

CONVERSA(AÇÃO) SISTÊMICA PARA POTENCIALIZAR A (TRANS)FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS DAS INFÂNCIAS Resumo As ações propostas no artigo foram uma maneira de contemplar o olhar bioecológico de educadores ambientais das infâncias de múltiplos contextos. As investigações tiveram como objetivos estabelecer relação com a perspectiva sistêmica na formação de educadores das infâncias e investigar as práticas educativas que são ambientais nos contextos ecológicos microssistêmicos. Constatamos a possibilidade de um novo olhar para as pesquisas, resultante dos dados alcançados pelo procedimento teórico-metodológico adotado, a abordagem bioecológica do desenvolvimento humano e a inserção ecológica. O estudo possibilitou construir uma estratégia sistêmica de conversa(ação) com os educadores ambientais das infâncias. Palavras-chave: Educação Ambiental. Infâncias. Sistêmico. Educadores.

GT22 - Educação Ambiental
CORPOS MAIS: UMA PROPOSTA DE PESQUISA ARTÍSTICA E EDUCACIONAL COM NORMALISTA DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CIEP 179.

Massuel dos Reis Bernardi | PUC Rio - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

CORPOS MAIS: UMA PROPOSTA DE PESQUISA ARTÍSTICA E EDUCACIONAL COM NORMALISTA DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CIEP 179. Resumo Como parte da pesquisa de toda a pós-graduação do autor, este artigo objetiva apresentar uma proposta de trabalho de um professor de dança nas disciplinas de Arte e Laboratório Arte-Educação (LAE) com normalistas do Instituto de Educação CIEP 179 (SEEDUC/RJ) de São João de Meriti-RJ. Através de uma Pesquisa Narrativa (CLANDININ E CONELLY, 2011), apresentam-se os diálogos entre os corpos mais cada linguagem artística previstas pelos PCN-Arte (2000): corpos mais artes visuais; corpos mais música; corpos mais teatro; e corpos mais dança. Dessa forma, a cada bimestre letivo, os diálogos entre os corpos nos processos de criação artística apresentam resultados na exploração de possibilidades pedagógicas quando os/as normalistas estiverem exercendo a profissão docente. Palavras-chave: Corpos mais. Normalista. Ensino de arte.

GT24 - Educação e Arte
COSMOPOLITISMO E PERFORMATIVIDADE COMO CATEGORIAS DAS REFORMAS EDUCATIVAS NEOLIBERAIS: fundamentos para uma análise da BNCC

Alessandro de Melo | UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE

COSMOPOLITISMO E PERFORMATIVIDADE COMO CATEGORIAS DAS REFORMAS EDUCATIVAS NEOLIBERAIS: fundamentos para uma análise da BNCC RESUMO: Este trabalho, resultado de pesquisa de pós-doutorado no exterior, pretende levantar discussões sobre uma relação bastante profícua para a compreensão de como determinadas categorias teóricas verdadeiramente ganham vida por meio das reformas educativas neoliberais, no sentido de colocar os projetos educativos numa posição de subordinação (como ontologicamente o é de fato) ao capital em crise na contemporaneidade. Nesse sentido, o papel da educação é a formação de subjetividades adaptadas e adaptáveis ao cenário da crise social e econômica, para o que concorrem as categorias cosmopolitismo e performatividade, e em relação às quais se referencia a categoria competência presente na Base Nacional Comum Curricular – BNCC, que é a Resolução CNE-CP nº2, de 22 de dezembro de 2017. PALAVRAS-CHAVE: Cosmopolitismo; Performatividade; BNCC; Reformas Educativas; Educação e Neoliberalismo.

GT05 - Estado e Política Educacional
Crianças e suas leituras de mundo na escrita poética

Ana Isabel Ferreira de Magalhães | UFF - Universidade Federal Fluminense

Este trabalho acompanha o cotidiano escolar de crianças do 1º ano do Ensino Fundamental na cidade de Palma, situada no interior de Minas Gerais, Zona da Mata Mineira. Vivenciando o processo de alfabetização, as crianças nos apresentam suas leituras de mundo juntamente com a descoberta da leitura e da escrita como potente fonte criadora que agencia pensamento, linguagem e, sobretudo, sensibilidade. Nesse movimento, compreendemos que a leitura do mundo precede a leitura da palavra, com suas experiências de mundo as crianças vão tecendo poesias. Através da poesia as crianças vão descobrindo a leitura e a escrita, escrevendo e aprendendo, sem dominar regras gramaticais ou até mesmo a ortografia, apenas tecendo seu mundo, linhas potentes e ousadas. Como aporte metodológico utilizamos alguns procedimentos da etnografia, que nos possibilita mergulhar no cotidiano escolar, partilhando traçados com as crianças, na escrita mundo, na escrita poética.

GT10 - Alfabetização
CRISE TEMPORAL E TEMPO ESCOLAR. CONSIDERAÇÕES ACERCA DA ESCOLA ENQUANTO ESPAÇO-TEMPO EM UM CONTEXTO PÓS-MODERNO

Marília Villanova Rodriguês | UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

TEMPORALIDADE ESCOLAR. CONSIDERAÇÕES ACERCA DA ESCOLA ENQUANTO ESPAÇO-TEMPO EM UM CONTEXTO PÓS-MODERNO Resumo Presenciamos uma crise do tempo que o torna fragmentado e desnudo. Iniciada na industrialização e agravada na metade do século XX, tal crise gera uma sociedade hiperativa, consumista, egocêntrica e deprimida. Nossa relação com o mundo, com as coisas e com as pessoas, se exerce em um nível de utilidade, saciação de desejos e autopromoção. As máximas da eficácia e do rendimento pessoal moldam a nossa trajetória de vida. A escola é, nesse contexto, tida como um lugar de preparação para a competição da vida adulta. A crise temporal contemporânea afeta diretamente o tempo escolar. A falta de concentração, advinda pelo constante bombardeamento de mídias, fragmenta e destrói a atenção, faculdade essencial para o estudo. O presente artigo pretende pensar a escola acerca da sua temporalidade, tendo em vista que está situada em um ambiente que passa por uma crise temporal e identitária, buscando entender que maneiras existem de conservar a escola como um lugar de estudo do mundo. Palavras-chave: Crise temporal. Utilitarismo. Tempo escolar. Atenção. Contemplação.

GT17 - Filosofia da Educação
CULTURA MATERIAL ESCOLAR E A CONCRETIZAÇÃO DO DIREITO À EDUCAÇÃO: UMA PERSPECTIVA HISTÓRICA (SÃO PAULO, 1854-1895)

Wiara Rosa Rios Alcântara | USP- Universidade de São Paulo

Resumo O objetivo deste trabalho é discutir, por meio do suprimento material e mobiliário da escola pública paulista, dois desafios para a concretização do direito à educação no contexto da expansão da escola pública, obrigatória e de massas em São Paulo, entre os anos 1854 e 1895. A delimitação temporal inicial justifica-se pela localização do Livro de Moveis e Utensis , fonte que informa acerca daquilo que poderíamos compreender como as primeiras tentativas de organização estatal para distribuição de material e mobiliário para a escola. Já o ano final, 1895, diz respeito à criação do almoxarifado da Instrução Pública paulista, numa tentativa de promover uma maior racionalização na estruturação das escolas. Neste trabalho, a concretização do direito à educação relaciona-se não apenas à expansão do número de escolas, mas a criação das condições físicas de funcionamento das mesmas, por meio do investimento em suprimento material e mobiliário. Palavras-chave: Direito à educação, cultural material escolar, investimento na educação.

GT02 – História da Educação
Culturas, políticas e práticas de Inclusão em Educação: um estudo de caso

Monica dos Santos Toledo | UFF - Universidade Federal Fluminense

Culturas, políticas e práticas de Inclusão em Educação: um estudo de caso Resumo: Esta pesquisa constituiu um estudo de caso e investigou as ações para a promoção de inclusão em educação desenvolvidas em uma escola de governo, que cumpre um importante papel na formação dos servidores públicos no Estado do Rio de Janeiro. Foram utilizados como instrumentos de coleta de dados a análise documental, a observação participante e uma entrevista semiestruturada. Como técnica de tratamento dos dados, utilizamos a análise de conteúdo proposta por Bardin (2011) e como perspectiva teórico-analítica, a omnilética, que compreende o entrelaçamento dialético e complexo de culturas, políticas e práticas de inclusão (SANTOS, 2013). Constatamos, por meio deste estudo, que as culturas, políticas e práticas da escola pesquisada apresentam convergências e divergências em relação aos princípios da inclusão em educação que se busca desenvolver na própria instituição. Entretanto, as ações planejadas e desenvolvidas mostraram-se como um movimento necessário e com potenciais para contribuir com a construção de políticas públicas mais inclusivas, considerando o cidadão como sujeito participante deste processo. Palavras-chave: Inclusão em Educação; Escola de Governo; Educação corporativa.

GT15 - Educação Especial
CURRÍCULO DO ENSINO MÉDIO E AS DIVERSIDADES ÉTNICO-RACIAIS NO CONTEXTO DA BNCC

Lady Daiana Oliveira da Silva | UERJ/PROPED - Universidade do Estado do Rio de Janeiro

RESUMO O artigo destaca algumas impressões de uma pesquisa de mestrado a partir de um enfoque pós-fundacional pautado numa perspectiva discursiva, na qual investigou a luta política pela significação das diversidades étnico-raciais no currículo do Ensino Médio a partir das versões da Base nacional Comum Curricular. Discute o conceito de currículo, entendido como produção cultural, histórico, contingente, discursivo e que está em constante disputa por significação. Reafirma uma posição contrária ao estabelecimento de uma base como garantia de valorização e reconhecimento das diversidades étnico-raciais e focaliza a disciplina de Sociologia como potente para pensar essas diversidades uma vez que possui significativa produção nesse campo de estudo e principalmente, por seu envolvimento nas lutas políticas pela legitimação da Sociologia como disciplina que auxilia nas desconstruções de noções como o racismo estrutural. PALAVRAS-CHAVE: Currículo. Relações étnico-raciais. Teoria do Discurso.

GT12 - Currículo
CURRÍCULO E O TEMPO DE APRENDER: APROXIMAÇÕES NECESSÁRIAS PARA PENSAR A ALFABETIZAÇÃO NACIONAL

Bonnie Axer | UERJ - PROPED - Universidade do Estado do Rio de Janeiro

CURRÍCULO E O TEMPO DE APRENDER: APROXIMAÇÕES NECESSÁRIAS PARA PENSAR A ALFABETIZAÇÃO NACIONAL Resumo: Este trabalho tem por objetivo apresentar uma leitura das políticas educacionais cujo foco é a produção curricular para a alfabetização nacional e seus alinhamentos às marcações temporais. Para tanto, com a base pós-estrutural do campo do currículo propomos dialogar sobre alguns aspectos da Base Nacional Comum Curricular – BNCC e do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa – PNAIC, problematizando as marcas dessa lógica temporal através do viés estruturante e sistemático do currículo da alfabetização, criando sentidos não só para o Ensino Fundamental – EF, como para a Educação Infantil – EI. Para tanto, apresentamos três aspectos dessa leitura na intenção de provocar algumas reflexões: estruturação segmentada e sequencial dos objetivos; planejamento como balisador e a defesa de um ciclo como modo de organização de um currículo nacional para a alfabetização. Palavras-chave: currículo da alfabetização; tempo de aprender; políticas curriculares nacionais

GT12 - Currículo
CURRÍCULOS E ROSTIDADES, O QUE ESTÁ ACONTECENDO ALI? CARTOGRAFIAS DE UM GRÊMIO ESTUDANTIL

Amarildo Inácio dos Santos | FURB - FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU

CURRÍCULOS E ROSTIDADES, O QUE ESTÁ ACONTECENDO ALI? CARTOGRAFIAS DE UM GRÊMIO ESTUDANTIL Este texto apresenta resultados de uma pesquisa na qual, a partir de aproximações que vi entre o conceito de máquina abstrata de rostidades, de Deleuze e Guattari, e a perspectiva pós-crítica de currículo, questionei: currículos e rostidades, o que está acontecendo ali? Partindo desta pergunta o objetivo foi cartografar currículos em uma escola da Rede Estadual de Ensino de Santa Catarina e a estratégia metodológica foi a cartografia pensada por Deleuze e Guattari. Deste modo, a pesquisa se insere no paradigma pós-estruturalista. A cartografia permitiu mapear nove territórios existenciais na escola, então, selecionei o grêmio estudantil para habitar por quatro meses. Nesse período, mapeei molaridades e acompanhei linhas moleculares que permitiram dar visibilidade aos contornos de um currículo em movimento no grêmio estudantil. As análises sinalizaram um currículo estriado que opera como máquina abstrata de rostidades ao introduzir os estudantes na rostidade elementar participativa e sobrecodificar suas desvianças com rostidades em correlação biunívoca instaurando binarismos que paralisam a dança errática da diferença. Palavras-chave: Currículo. Diferença. Escola. Grêmio estudantil. Rostidade.

GT12 - Currículo
CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: a materialidade da formação enxuta para o trabalho precário no Brasil.

José dos Santos Souza | UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: a materialidade da formação enxuta para o trabalho precário no Brasil. RESUMO: A mais recente reestruturação produtiva e a reforma do Estado consistem na materialidade da recomposição burguesa frente à crise orgânica do capital. Neste contexto desencadeiam-se mudanças na política pública de formação humana que se caracterizam pelo enxugamento e flexibilização do trabalho educativo para formar trabalhadores de novo tipo, na perspectiva da produção enxuta. Os Cursos Superiores de Tecnologia (CSTs) são originários destas mudanças. Neste trabalho pretendemos explicitar a natureza dos CSTs, tomando como referência a divisão do trabalho educacional na Educação Superior do Brasil. Com base em fontes primárias e secundárias, apontamos estreita relação entre estratégias de combate ao desemprego e reformas na política de educação profissional e tecnológica do país. Esta relação é mais explicativa da implantação dos CSTs do que o discurso de que estes oferecem formação mais focada e especializada. Para além de formar tecnólogos, estes cursos exercem papel importante na preparação de trabalhadores para encarar com naturalidade a instabilidade e vulnerabilidade do mercado de trabalho. Palavras-Chave: Ensino Superior; Educação Tecnológica; Educação Profissional.

GT11 - Política de Educação Superior
Da alegria de brincar à pressão para render: as crianças e o controle do tempo dos adultos

Andrize Ramires Costa | UFPel - Universidade Federal de Pelotas

DA ALEGRIA DE BRINCAR À PRESSÃO DE RENDER: AS CRIANÇAS E O CONTROLE DO TEMPO DOS ADULTOS Resumo: Neste artigo, em formato de ensaio, buscamos a reflexão demarcada por uma dicotomia na Educação Infantil onde, de um lado temos o tempo cronometrado, medido, regulado pela opressão dos relógios dos adultos, concebido pela objetividade dos números, horários e rotinas, representante do mundo pensado, racionalizado. De outro, temos o tempo sentido, percebido pelas crianças, a subjetividade, a experiência e o acontecimento, representantes do mundo vivido. Concluímos que, não obstante a feição social do tempo, pode possibilitar as crianças expandir suas capacidades criativas e inventivas e ser uma aposta ético-política para enfrentar a instrumentalização do tempo e seu domínio na experiência escolar. Palavras-chave: Brincar. Tempo. Educação Infantil.

GT07 - Educação de Crianças de 0 a 6 anos
Da literatura ao cinema: pistas para começar uma conversa sobre a arte produzida para a infância

Fernanda Omelczuk Walter | UFSJ - Universidade Federal de São João Del Rei

Da literatura ao cinema: pistas para começar uma conversa sobre a arte produzida para a infância Resumo: Tendo como inspiração a trajetória da literatura infantil, o artigo desenvolve reflexões e proposições acerca das artes e do cinema produzido para crianças na contemporaneidade. Busca-se entender o contexto e os desafios da produção audiovisual dialogando com pensadores das áreas de Cinema e Educação; Ensino das Artes e Infância. Quais as relações entre imagem, arte e infância? Como nos relacionamos com as crianças? O que queremos quando escrevemos, filmamos, criamos para elas? Essas questões serão desenvolvidas com vistas a elaborar possíveis pistas estéticas para a escolha e exibição de filmes infantis dentro e fora da escola. Palavras-chave: ensino da arte; cinema infantil; literatura infantil; cinema e educação; arte para crianças.

GT24 - Educação e Arte
DA RELAÇÃO DO ALUNO DE ESCOLAS PÚBLICAS BRASILEIRAS DE ENSINO MÉDIO COM A LEITURA LITERÁRIA: ENTRE REALIDADES E POSSIBILIDADES.

Rodrigo Alves dos Santos | CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERIAS

Da relação do aluno de escolas públicas brasileiras de ensino médio com a leitura literária: entre realidades e possibilidades. Resumo Neste texto, apresentamos resultados de uma investigação realizada entre meados de 2016 e meados de 2018 e que inquiriu jovens estudantes de escolas públicas de uma cidade média do interior de Minas Gerais sobre sua relação com a leitura de literatura. A partir desses resultados, são discutidos, em diálogo com estudiosos da formação de leitores de literatura alguns dos conflitos enfrentados na formação de leitores jovens do país, mas também apontadas algumas possibilidades. Palavras-chave : Formação de leitores; Literatura; Escolas Públicas; Ensino Médio.

GT10 - Alfabetização
DANÇA COMO ÁREA DE CONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO BÁSICA

Edna Christine Silva | PREFEITURA DE JUIZ DE FORA

RESUMO: Esse artigo tem como propósito apontar que a partir do momento em que todo corpo é reconhecido como corpomídia, admite-se a produção de conhecimento advinda da aliança entre corpo-mente-ambiente. Abre-se, então, um leque de possibilidades de ações pedagógicas diferenciadas que não mais na relação dicotômica entre teoria e prática, nem tampouco na inutilidade da arte como parte do currículo. No caso específico da dança, o fato da teoria corpomídia admitir o movimento como fundamento do pensamento, torna a sua participação na formação escolar, primordial. Para uma melhor compreensão desse estudo, são abordados alguns pressupostos teóricos de autores como: Antonio Damásio (2011), Christine Greiner (2003, 2005, 2008, 2010, 2015, 2016), Francisco Varela (2001), George Lakoff e Mark Johnson (1999), Gilbert Simondon (2003), Helena Katz (2005, 2015), Humberto Maturana (2000), Jorge Vieira (2011), Michel Foulcault (2007), Paolo Virno (2003). PALAVRAS CHAVE: Dança na Educação Básica. Conhecimento. Dança. Teoria Corpomídia.

GT24 - Educação e Arte
DAS VARIAÇÕES EM TORNO DO ANARQUISMO E DO MARXISMO: UM DEBATE AINDA NECESSÁRIO AOS CAMPOS DA FILOSOFIA E DA EDUCAÇÃO

Edivaldo José Bortoleto | UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REIONAL DE CHAPECÓ

DO RESUMO Das Variações em torno do Anarquismo e do Marxismo: um debate ainda necessário aos campos da Filosofia e da Educação tal como o título já sugere é uma aproximação de duas perspectivas socialistas que emergem no século XIX, conjuntamente com uma outra, a do socialismo cristão. Desta maneira, o recorte neste trabalho dá-se no movimento de aproximação entre o socialismo libertário e o socialismo científico possibilitado pelo método semiótico onde campos epistêmicos e ontológicos são aproximados pelas variações sígnicas enquanto variações de semioses , portanto, encontro de campos semânticos e semióticos, mais do que se oporem, estão na proximidade solidária. Assim, esta aproximação solidária entre Anarquismo e Marxismo porque emergentes de barbáries produzidas pelo capitalismo, podem contribuir para a construção de um mundo novo e de um novo homem, pressupostos necessários para uma Filosofia da Educação Libertária. DAS PALAVRAS-CHAVE : ANARQUISMO. MARXISMO. FILOSOFIA. EDUCAÇÃO

GT17 - Filosofia da Educação
DE CONVERSA EM CONVERSA: O COTIDIANO EM UMA PESQUISA NARRATIVA

Minna Gondim Marques Rodrigues | UFF - Universidade Federal Fluminense

A pesquisa traz o texto da transcrição de algumas conversas com as professoras durante as reuniões de 2017 e retoma trechos da transcrição em novas conversas com as professoras, e assim, vai sendo desenhada no sentido de pensar e discutir coletivamente nossas práticas e nossas concepções a partir das nossas experiências. Ao iniciar este movimento de (re)flexão sobre a prática cotidiana transformamos as reuniões pedagógicas em um espaçotempo de formação e de (re)flexão no sentido de nos dobrarmos sobre a nossa prática para conhece-la e pensa-la. A partir das relações que os estudos com o cotidiano estabelecem em seu processo de pesquisa propomos pensar a escola como lugar de formação de alunos e professores e também de pesquisadores. O referencial da pesquisa com o cotidiano se constitui como modo de pensar e modo de fazer desta investigação que assume a narrativa como escritura capaz de compartilhar a experiência da prática pedagógica. Desta forma, a pesquisa narrativa traz a possibilidade de produção de um saber reflexivo e contextualizado construído a partir das experiências escolares. Palavras chave : cotidiano, narrativa, conversa.

GT13 - Educação Fundamental
DE LOS MOVIMIENTOS-RED GLOBALES A LAS RODAS CULTURAIS Y SLAMS EN BRASIL. Un mapa teórico-metodológico para el abordaje de procesos de subjetivación juvenil en tiempos de crisis civilizatoria.

Valentina Carranza Weihmüller | NÚCLEO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PARA A SAÚDE

DE LOS MOVIMIENTOS-RED GLOBALES A LAS RODAS CULTURAIS Y SLAMS EN BRASIL. Un mapa teórico-metodológico para el abordaje de procesos de subjetivación juvenil en tiempos de crisis civilizatoria. Resumen . Partiendo del estudio de Reguillo (2017) sobre los movimientos-red globales durante el ciclo de protesta 2010-2016 se presenta una propuesta teórico-metodológica de nivel meso para el abordaje de procesos de subjetivación en las micropolíticas urbanas del movimiento hip hop en Brasil. La propuesta se basa en reflexiones de investigación sobre rodas culturais y slams en la ciudad de Rio de Janeiro teniendo como ejes analíticos las categorías trabajadas por la autora para el abordaje de los movimientos-red. Se costura un análisis que encuentra aproximaciones entre ambos procesos de subjetivación, tanto en relación al contexto de crisis civilizatoria como en las claves y estrategias llevadas a cabo: interrumpir , hackear , producir presencia y afectarse en la creación de encuentros . También se reconocen distanciamientos a respecto de la centralidad de lo tecnológico y la construcción de identidades . Finalmente se comentan implicaciones metodológicas y posibles otras aplicaciones. Palabras claves : juventudes, procesos de subjetivación, movimientos-red, hip hop , micropolíticas urbanas.

GT03 - Movimentos Sociais
DEFICIÊNCIA E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS: O ENFOQUE PEDAGÓGICO INDIVIDUALIZADO PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NOS CONTEXTOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA BRASILEIRA

Raquel Frohlich | UDESC - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

DEFICIÊNCIA E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS: O ENFOQUE PEDAGÓGICO INDIVIDUALIZADO PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NOS CONTEXTOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA BRASILEIRA RESUMO O objetivo central é analisar os processos de individualização como enfoque pedagógico na educação escolar de alunos deficiência no contexto da Educação Especial e Inclusiva. Os materiais empíricos constituem-se em dois conjuntos: o primeiro é composto por políticas públicas a partir dos anos 2000 e o segundo é composto por documentos do período de 1940 a 1990. A análise dos materiais articula-se às discussões foucaultianas em educação, e o conceito de discurso é utilizado como ferramenta analítica. O enfoque pedagógico com esse público-alvo é marcado, historicamente, por práticas individualizadas. O contexto da Educação Especial, entre 1940 a 1990, é marcado por intervenções voltadas às marcas das deficiências e, a partir de 1990, o enfoque pedagógico investe na aprendizagem e no desenvolvimento de competências. Conclui-se que o enfoque pedagógico para alunos com deficiência não abandona a individualização; porém, na atualidade, investe-se no desenvolvimento de competências, independentemente das marcas das deficiências dos sujeitos escolares. Palavras-chave: Individualização. Educação Especial. Inclusão. Competências.

GT13 - Educação Fundamental
Democracia e inovação pedagógica na Educação Básica: uma análise à luz da Teoria Crítica Frankfurtiana

Thatiane Coutinho Melguinha Pereira | PUC-SP/PPGE História, Política, Sociedade - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Democracia e inovação pedagógica na Educação Básica: uma análise à luz da Teoria Crítica Frankfurtiana RESUMO A história da educação brasileira a partir do século XX evidencia, por parte de diversos setores da sociedade, a busca crescente por uma educação com características democráticas e inovadoras. Em 2015, o MEC, com base no Programa de Estímulo à Criatividade na Educação Básica, enunciou as características desejáveis de uma educação inovadora, referendando instituições públicas e privadas como exemplos. A partir da compreensão da relação entre democracia e inovação pedagógica, foram analisados os termos atribuídos às exigências da educação inovadora para a democracia no âmbito das propostas pedagógicas assinaladas pelo MEC. Trata-se de uma pesquisa empírica cujas fontes são documentos elaborados por unidades escolares pertencentes ao Programa e a legislação pertinente, os quais foram tratados por meio da técnica de análise de conteúdo a fim de identificar e compreender a noção de democracia, as possibilidades de mudança social e, ainda, o tratamento dos conceitos de experiência e formação. A análise crítica está sedimentada na Teoria Crítica da Sociedade, mormente sob a expressão de T. Adorno, M. Horkheimer e H. Marcuse. Palavras-chave: Democracia; Inovação; Teoria Crítica.

GT17 - Filosofia da Educação
Desafios da mediação familiar e escolar no uso das tecnologias digitais pelas crianças

Juliana Costa Muller | UFSC- Universidade Federal de Santa Catarina

DESAFIOS DA MEDIAÇÃO FAMILIAR E ESCOLAR NO USO DAS TECNOLOGIAS DIGITAIS PELAS CRIANÇAS Resumo: O presente artigo tem como objetivo refletir sobre as mediações familiares e escolares no uso de tecnologias digitais por crianças, seus desafios e suas possíveis implicações. A reflexão parte de uma pesquisa de doutorado (2014/2018), fundamentada nos estudos da infância, da cultura e da mídia-educação, com abordagem qualitativa e aproximações aos métodos mistos e à bricolagem. A etapa empírica envolveu aplicação de questionários aos familiares; entrevistas a professoras da Educação Infantil e do Ensino Fundamental; grupo focal e de formação com familiares, professoras e estudantes de Pedagogia. E por fim, as considerações destacam que se as tecnologias digitais estão presentes desde cedo nas práticas culturais e lúdicas das crianças, nem sempre os adultos possuem clareza sobre os riscos e as possibilidades; a escolaridade e a classe social não demonstraram ser determinantes na qualidade da mediação; e a realização do grupo de formação contribuiu com outras posturas, mais qualificadas, em relação a mediação dos usos e consumos das tecnologias pelas crianças. Palavras-chave: Mediação familiar e escolar. Crianças. Práticas culturais. Tecnologias digitais.

GT16 - Educação e Comunicação
DESAFÍOS DE LAS POLÍTICAS EDUCATIVAS CON ACCESO ABIERTO EN LAS UNIVERSIDADES NACIONALES DE VENEZUELA

Uriel José Castellanos Aguirre | UFBA - Universidade Federal da Bahia

DESAFÍOS DE LAS POLÍTICAS EDUCATIVAS CON ACCESO ABIERTO EN LAS UNIVERSIDADES NACIONALES DE VENEZUELA Resumen El objetivo de este artículo fue analizar las influencias de documentos, organismos y agencias internacionales en las políticas educativas relacionadas con las universidades nacionales de Venezuela en la perspectiva del Acceso Abierto. Para ello, se utilizó apoyo del abordaje denominado “Ciclo de las Políticas”, consolidado por Stephen Ball (1994), al presentar los contextos de “influencia”, “estrategias políticas” y “producción de los textos”. Se concluye que Venezuela desarrolló políticas públicas sólidas para un gobierno digital con acceso abierto relacionado directamente a la Declaración de Budapest, en donde las universidades nacionales, pese a sus políticas tradicionales, se adecuaron, en mayor o menor medida, a disponer los datos. Finalmente, se percibe que una educación con bases en el Acceso Abierto es fundamental, ya que, a partir de ello, tenemos la posibilidad de acceder, usar, copiar, modificar o distribuir el conocimiento. Palabras-clave: Acceso abierto. Políticas educativas. Ciclo de las políticas.

GT16 - Educação e Comunicação
Desenvolvimento da identidade de professores de matemática e participação em espaços diferenciados de formação

Ana Leticia Losano | UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas

DESENVOLVIMENTO DA IDENTIDADE DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E PARTICIPAÇÃO EM ESPAÇOS DIFERENCIADOS DE FORMAÇÃO Resumo: Este estudo explora e discute as inter-relações entre o desenvolvimento profissional de professores de matemática e os espaços de formação continuada a partir da lente teórica da identidade profissional. Para isso, foram investigados três professores que vivenciaram experiências formativas em três espaços diferenciados de formação continuada. Os resultados das análises narrativas desses três casos evidenciam que as identidades profissionais são continuamente negociadas mediante um processo de coordenar o compromisso dos professores com práticas e discursos provenientes tanto de suas escolas como dos espaços de formação, sendo alguns mais efetivos e relevantes ao desenvolvimento da identidade do professor. Palavras-chave : Identidade profissional; espaços de formação continuada; professores de matemática em serviço; análise narrativa.

GT19 - Educação Matemática
DESESCOLARIZAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL NAS PERIFERIAS URBANAS DE PORTO ALEGRE: ENTRE O ENSINO E A GESTÃO DA POBREZA

Simone Costa Moreira | UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

Desescolarização do Ensino Fundamental nas periferias urbanas de Porto Alegre: entre o ensino e a gestão da pobreza Resumo: O presente artigo trata dos processos de desescolarização da escola e gestão da pobreza que têm marcado profundamente a atuação de escolas públicas de Ensino Fundamental. Neste trabalho discutimos as incidências da desescolarização sobre o desenvolvimento do trabalho e do currículo escolar no contexto de escolas da Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre, com base em duas pesquisas de caráter etnográfico realizadas neste contexto. Os estudos evidenciam que a precarização, identificada na última década, da proposta pedagógica da Escola Cidadã, que marcou historicamente a Rede de Porto Alegre como referência no trabalho com a educação popular na década de 1990, tem trazido desafios expressivos para o trabalho e para o currículo escolar, potencializando o processo de desescolarização. Os estudos trazem ainda evidências de como as escolas e seus professores reagem em meio a este cenário e demonstram como alternativas podem ser pensadas e aprimoradas para retomar e fortalecer a função primordial dessas instituições: a educação escolar. Palavras-chave: Desescolarização da escola. Gestão da pobreza. Currículo Escolar. Periferias urbanas.

GT13 - Educação Fundamental
DIÁLOGO ENTRE FILOSOFIA, PSICOLOGIA E DIDÁTICA: A FORMAÇÃO DO PENSAMENTO NO CONTEXTO ESCOLAR

Orlando Fernández Aquino | UNIVERSIDADE DE UBERABA

O texto aborda a formação do pensamento no contexto escolar, num diálogo interdisciplinar entre a filosofia, a psicologia e a didática. Para o estudo elencaram-se obras dos autores da filosofia como Marx, Engels, Lenin e Kopnin; da psicologia histórico-cultural como Vigotski, Leontiev, Galperin e da didática desenvolvimental Davidov, Danílov e Libâneo. A metodologia consistiu na elaboração de categorias temáticas existentes na comunalidade dos diferentes sistemas teóricos. Para tanto, foram selecionadas obras dos autores, com posterior inserção no Software Nvivo 12. Com o auxílio desse software elaboram-se fichamentos, matrizes estruturais e mapas conceituais, os quais revelaram os cruzamentos entre as fontes teóricas utilizadas. A contribuição principal é uma síntese teórica interdisciplinar das categorias estudadas: a concepção materialista da histórica; o pensamento como atividade teórica e a formação do pensamento teórico na escola. Palavras-chave : Formação do pensamento. Filosofia. Psicologia. Didática.

GT04 - Didática
DIÁLOGOS ENTRE DISCIPLINAS ESCOLARES: NARRATIVAS DOCENTES SOBRE SABERES E PRÁTICAS INTERDISCIPLINARES NA EDUCAÇÃO BÁSICA

Caio Roberto Siqueira Lamego | FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ

Resumo O diálogo entre disciplinas é considerado importante por docentes e pesquisadores na educação. Na interdisciplinaridade há cooperação entre os campos do saber, de maneira a serem incorporados instrumentos, técnicas, conceitos e resultados das especialidades disciplinares. Esse estudo teve por objetivo analisar narrativas de professores sobre práticas pedagógicas que favoreceram a construção de diálogos entre disciplinas e saberes docentes para o desenvolvimento de perspectivas interdisciplinares na escola. A pesquisa foi de natureza qualitativa e os participantes foram professores da educação básica. Foi aplicado um questionário para coleta dos dados e utilizada a técnica de análise de conteúdo no exame das respostas. Para práticas interdisciplinares, os professores destacaram saberes produzidos no exercício da profissão docente, saberes pessoais, saberes profissionais para o magistério, saberes provenientes de materiais utilizados no trabalho e da formação escolar inicial. Entre as estratégias para tecer diálogos interdisciplinares destacou-se a metodologia de projetos, que diminui a fragmentação do conhecimento, sem eliminar ou hierarquizar saberes especializados. Palavras chave: práticas interdisciplinares, saberes docentes, disciplinas escolares

GT08 - Formação de Professores
Diálogos interculturais no currículo de História: Identidades étnico-raciais, saberes escolares e vivências estudantis na rede pública do Rio de Janeiro

Eleonora Abad Stefenson | UFF - Universidade Federal Fluminense

Diálogos interculturais no currículo de História: Identidades étnico-raciais, saberes escolares e vivências estudantis na rede pública do Rio de Janeiro Como as táticas negociadas entre professores e alunos para a implementação de uma legislação que pretende enfrentar o racismo epistemológico que marca a estrutura curricular brasileira são apropriadas e (re)signicadas por um jovem estudante do Ensino Médio da rede pública nos seus processos identitários? Eis a pergunta que anima nossas reflexões no presente trabalho. As transformações sentidas na sala de aula nos oferecem pistas sobre estes múltiplos sentidos negociados e disputados no que tange as histórias e culturas negras pelo jovem estudante. Atentos a estas transformações, a pesquisa enquanto espaço de cruzamentos de diferentes saberes, como é a pesquisa em Educação e, em especial a investigação construída no interior da escola com os seus atores (os estudantes), neste território comum ao pesquisador e ao pesquisado, assume o método da pesquisa-intervenção, como uma aposta teórico-metodológica no sentido de permitir a construção de uma investigação que valorize a pluralidade de vozes que a compõem. Palavras-chave: relações étnico-raciais, saberes escolares, juventudes.

GT21 - Educação e Relações Étnico-Raciais
DIDÁTICA E EDUCAÇÃO NÃO ESCOLAR: UM ENSAIO SOBRE PISTAS CONCEITUAIS E ITINERÁRIOS EMERGENTES

José Leonardo Rolim de Lima Severo | UFPB - Universidade Federal da Paraíba

Resumo: Trata-se de um ensaio conceitual que tece considerações sobre a emergência e itinerários da Didática em práticas educativas situadas para além dos espaços escolares. A partir de um exame teórico dos estatutos da Didática e da lógica que institui a Educação Não Escolar (ENE) como lócus de atuação de educadores(as), aponta-se que tal emergência se configura com base em arranjos plurais de relações educativas e na circulação de saberes e modos de ação inspirados por intencionalidades formativas que se vinculam a diferentes contextos pedagógicos. Como um acontecimento didático, a ENE passa a ser reconhecida sob uma lente que articula as dimensões da concepção, do planejamento, da mediação metodológica, da relação educativa, do processo curricular e da avaliação de uma prática educativa não escolar com as especificidades dos contextos em que elas se situam. Nesses itinerários inventivos, a Didática é convidada a conceber as mediações das múltilpas determinações e contradições que provocam a proliferação de tantas práticas institucionalizadas de ENE no Brasil. Palavras-chave: Didática. Educação Não Escolar. Pedagogia.

GT04 - Didática
DIDÁTICA E INOVAÇÃO: APRENDIZAGENS COLABORATIVAS NO COTIDIANO DA DOCÊNCIA UNIVERSITÁRIA

Fabricio Oliveira da Silva | UNEB - Universidade do Estado da Bahia

DIDÁTICA E INOVAÇÃO: APRENDIZAGENS COLABORATIVAS NO COTIDIANO DA DOCÊNCIA UNIVERSITÁRIA Resumo : Este trabalho analisa as reflexões sobre estratégias didático-metodológicas utilizadas por docentes da área de exatas, enquanto espaço reflexivo de transformação de práticas educativas, entendido como um modo de favorecer a inovação no ensino que realizam. Tem por objetivo compreender a prática de ensino de professores universitários partícipes de uma pesquisa-ação colaborativa. A pesquisa se situa na abordagem qualitativa e tem nas rodas de conversa e nos relatos orais, das docentes colaboradoras, os dispositivos para coleta de dados. Entre alguns resultados, o estudo evidenciou que a reflexão sobre a prática se insurge, no contexto da pesquisa-ação colaborativa, como um modo do professor tecer uma rede de compreensão sobre diferentes estratégias de aprendizagem, rede essa que o docente pode desenvolver em sua prática educativa considerando os contextos específicos dos estudantes no que tange às dificuldades de aprendizagem. Palavras-Chave : Pesquisa-ação colaborativa, Docência universitária, Práticas educativas, Didática

GT04 - Didática
DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA: PROEJA E DIREITO À EJA

Aline Cristina de Lima Dantas | UFLA - Universidade Federal de Lavras

DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA: PROEJA E DIREITO À EJA RESUMO O presente artigo teve como objetivo investigar – a partir do praticado no âmbito do Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade Educação de Jovens e Adultos (Proeja) – elementos que demonstrassem a efetivação do direito à educação de jovens e adultos no ensino médio técnico integrado à formação profissional no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ). Adotando o parâmetro ético e hermenêutico do princípio da dignidade da pessoa humana , tratou-o como fundamento do direito à educação. Sob a ótica de que há um mínimo existencial que garante a dignidade da pessoa humana , tomou autonomia e reconhecimento como conteúdos da dignidade e referências que balizaram a compreensão de como se forjou o direito à educação para jovens e adultos no IFRJ, por meio da ação do Proeja. Esses conteúdos foram evidenciados na percepção de egressos entrevistados pela perspectiva metodológica da entrevista compreensiva. As entrevistas revelaram a estima e o reconhecimento que receberam da sociedade, pela formação técnica auferida no curso do Proeja. Palavras chave: Dignidade da Pessoa Humana. PROEJA. Direito à Educação. Reconhecimento social.

GT18 - Educação de Pessoas Jovens e Adultas
DILEMAS DA GLOBALIZAÇÃO NO CAMPO CURRICULAR: INTERCULTURALIDADE, SOCIEDADE, E MUDANÇAS NOS ESTÁGIOS DAS LICENCIATURAS.

Leyvijane Albuquerque de Araújo | UnB - Universidade de Brasília

DILEMAS DA GLOBALIZAÇÃO NO CAMPO CURRICULAR: INTERCULTURALIDADE, SOCIEDADE E MUDANÇAS NOS ESTÁGIOS DAS LICENCIATURAS RESUMO Em tempos de globalização e de uma sociedade em rede movida pela cibercultura (LÉVY, 2010), no campo do currículo (SACRISTÁN, 2000) muitas temáticas disputam por poder e controle via políticas curriculares. A presente pesquisa objetiva analisar dilemas e elementos que influenciam essa disputa (APPLE, 2006; LLAVADOR, 2013; ENGUITA, 2013), como a temática da interculturalidade (PÉREZ TAPIAS, 2013; LOPES E MACEDO, 2005) e a exigência de formação docente mais qualificada. Utilizamos a metodologia qualitativa e análise documental (FLICK, 2009) para investigar o rebatimento dessas políticas em projetos do curso de pedagogia de três universidades. Os resultados apontam a necessidade de luta das comunidades pela valorização da interculturalidade advindas dos conhecimentos acumulados pela humanidade e mostram uma dupla constatação, ao mesmo tempo em que há uma preocupação das universidades em torno do estágio curricular, por outro lado, as Diretrizes Curriculares Nacionais (BRASIL, 2015) atendem às exigências de requerer às universidades uma formação docente qualificada. Palavras-chave: Globalização; Interculturalidade; Sociedade; Currículo; Estágios Supervisionados.

GT12 - Currículo
Distraídos venceremos: Educação para a singularidade e abertura ao mundo

Bárbara Romeika Rodrigues Marques | UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

Distraídos venceremos: Educação para a singularidade e abertura ao mundo Como pode a Educação proteger, mediar, viabilizar e instigar a demora, a lentidão desinteressada, a aparição do improviso, do experimento de si, em instâncias de vazios e também de produções e atenções ao mundo? Ao considerar a intuição e suas possíveis relações com a educação buscamos, a partir de Henri Bergson, dizer não de métodos educacionais, mas de relações e acessos a um pensar para além do aparato estritamente conteudista, distraído do que se faz comum no mundo moderno, insubmisso ao legado de predominância instrumental, mercadológico e estritamente técnico. Uma atenção para-si e por-si, centrado na presença, na potência dos agoras, o lugar de atenção ao Ser. O sentido e o lugar da Educação sem finalidades específicas, mas que é, apenas, e tão somente, o exercício de dizer de si e do mundo, em suas múltiplas aprendizagens, entregas, mergulhos e equívocos. Buscamos, assim, por um lado, legitimar a desobediência aos esquemas dados pela exclusividade da transmissão lógico-dedutiva e, por outro, potencializar atenções a alguma vereda que se dê autêntica, imprevisível e inteira ao diálogo com a tradição e do cuidado com o mundo. Palavras-chave: Intuição; Distração; Atenção; Henri Bergson.

GT17 - Filosofia da Educação
Diversidades nas politicas educacionais: Narrativas de profissionais-docentes quilombolas

Carlos Alberto Caetano | UFMT/Campus de Cuiabá - Universidade Federal de Mato Grosso

Diversidades nas politicas educacionais: Narrativas de profissionais-docentes quilombolas Resumo: Refletimos a partir das narrativas dos docentes-quilombolas as políticas educacionais na educação escolar quilombola.Atuamos com a pesquisa narrativa, partimos das experiências narradas e historiadas, com Clandinin e Connelly (2015).Apoiamos na filosofia da empiricidade-humanística com Dewey (1974).Buscamos entender o contexto participativo das histórias experiênciadas ancorada na dialética relacional (Ferrarotti, 2014). Escrevemos a partir das narrativas docentes quilombolas no cotidiano cultural-singular-coletivo dos docentes-quilombolas, o lugar contextual emancipatório-educacional dos docentes-quilombola comprometidos com a formação para justiça social, com Zeichner (1993). Diálogamos com os docentes-quilombolas a partir de Nascimento (1980), (1996); para fundamentar o quilombismo. No contexto das ressignificações, dialogamos com D’Adesky (2001); Assis & Canen (2004); Canen e Oliveira (2002); Craveiros e Medeiros (2013). Ressaltamos o papel emancipador dos quilombolas. As narrativas docentes resignificam entendimentos e propõem, novas historias, desvendam saberes-desconhecidos. Palavras chaves : docente-quilombola; pesquisa narrativa; politicas educacionais.

GT21 - Educação e Relações Étnico-Raciais
DIVISÃO SEXUAL DO TRABALHO E PERCEPÇÕES DE GÊNERO PARA JOVENS MULHERES ESTUDANTES DE UM CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DE SÃO BORJA/RS

Aline Adams | INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

DIVISÃO SEXUAL DO TRABALHO E PERCEPÇÕES DE GÊNERO PARA JOVENS MULHERES ESTUDANTES DE UM CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DE SÃO BORJA/RS O objetivo deste artigo é analisar como as jovens estudantes do Curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio do Instituto Federal Farroupilha – campus São Borja percebem as dimensões do feminino e do masculino e a influência dessas questões em relação a sua formação profissional. As principais referências teóricas são Bourdieu (2003), De Conto (2012), Auad (2003), Biroli (2018), Garcia (2015), Perrot (2015) entre outras. O método de pesquisa é qualitativo e a abordagem é feita pelo estudo de caso. A técnica de coleta de dados consistiu em pesquisa de opinião realizada com 38 jovens estudantes do curso técnico em informática do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha no mês de julho de 2017. O tratamento dos dados foi feito por meio de análise de conteúdo. Nos resultados verificou-se que o curso possui maioria de estudantes meninos e que, apesar do trabalho desempenhado pelo Núcleo de Gênero e Diversidade Sexual do campus , as estudantes pesquisadas mantem discursos e práticas que segmentam e dividem a organização social por gêneros. Palavras-chave: juventude feminina, percepções de gênero, divisão sexual do trabalho

GT23 - Gênero, Sexualidade e Educação
DO “CRER PARA VER” AO VER PARA CRER: UMA BREVE TRAJETÓRIA DO INSTITUTO NATURA NAS POLÍTICAS DE COLABORAÇÃO FEDERATIVA

Gilda Cardoso de Araujo | UFES - Universidade Federal do Espírito Santo

E ste artigo tem por objetivo analisar a atuação do Instituto Natura (IN) no que tange à elaboração e implementação de políticas de colaboração para a oferta da educação pública, dentro do desenho do federalismo brasileiro. São analisadas aqui ações do IN, com ou sem parcerias institucionais, no desenho de novas formas de colaboração intergovernamental. Constitui-se em um estudo exploratório de caráter qualitativo e ancora-se na pesquisa bibliográfica e documental tomando como fontes primárias registros eletrônicos de documentos oficiais, notícias veiculadas na mídia digital e conteúdos de sites oficiais. Os dados levantados revelam uma ampla e crescente inserção do IN no campo da educação pública brasileira, trazendo não apenas aportes ferramentais de apoio pedagógico, formativo e de gestão, mas também atuando na formulação dos Arranjos de Desenvolvimento da Educação (ADE) e outras formas de colaboração intergovernamental ancoradas no investimento social privado e na nova gestão pública.

GT05 - Estado e Política Educacional
Do aprendizado da obediência à humanização pelo monstro ingovernável: corpos desviantes, agir reflexivo e trabalho de si como focos de resistência na escola

Pedro Angelo Pagni | UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

Do aprendizado da obediência à humanização pelo monstro ingovernável : corpos desviantes, agir reflexivo e trabalho de si como focos de resistência na escola Resumo: A aceitação do inaceitável tem sido uma das contradições presentes em nossa democracia, juntamente com o deixar de agir com reflexão para agir por reflexo , materializando configurações da servidão maquínica e do aprendizado da superobediência na escola. Esta comunicação problematiza essas configurações dos processos de subjetivação, contextualizando-as na biopolítica neoliberal e discutindo possibilidades de rompê-las na escola. Destaca para isso uma inversão de seu sentido corretivo, assim como a necessidade de se repensar o lugar do monstro ingovernável na formação do humano. Ao repensar esse seu lugar encontra no ingovernável a potência de um outro, buscando vislumbrar acontecimentos de resistência e gestos de dissidência nessa instituição. Propõe-se, com tal inversão, um deslocamento do centro trabalho ético de si para a ingovernabilidade dos corpos ditos desviantes e os acontecimentos decorrentes de seus encontros na escola, assinalando-o como um dos desafios atuais para a filosofia da educação. Palavras-chave: biopolítica; ingovernável; corpos desviantes; trabalho de si.

GT17 - Filosofia da Educação
Do Processo de Bolonha ao Projeto Alfa Tuning América Latina

Lilian Tatiane Candia de Oliveira | UEM - Universidade Estadual de Maringá

Este estudo resultante da tese apresentada ao Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá, objetiva analisar analisar a influência do Processo de Bolonha e a concomitante promoção de seu modelo regional de educação superior na América Latina, por meio da implementação do Projeto Alfa Tuning. A investigação de cunho bibliográfico e documental, desenvolvida com base no materialismo histórico dialético, revelou que o movimento transnacional, originado na Europa para harmonização dos Sistemas de Educação Superior, influenciou a condução da política educacional latino-americana na adoção de num modelo educacional transfronteiriço, pautado numa adesão induzida. Palavras-chave: Processo de Bolonha; Projeto Tuning e Alfa Tuning América Latina; Política de educação superior; regionalização da Política de Educação Superior, Política de Educação.

GT11 - Política de Educação Superior
DOCÊNCIA COM BEBÊS EM OCASIÕES DE CUIDADOS PESSOAIS: INTERAÇÕES E BANHO EM FOCO

Thamisa Sejanny de Andrade Rodrigues | UFS - Universidade Federal de Sergipe

Resumo: O presente estudo é um recorte de pesquisa de mestrado concluída e tem por objetivo central analisar ações interativas de bebês e sua professora, nos momentos destinados aos cuidados pessoais, em situações de banho. Os sujeitos participantes da investigação são 7 (sete) bebês e uma professora, integrantes do agrupamento etário denominado berçário 1, de uma instituição municipal de Educação Infantil situada em Sergipe. Para tanto, compuseram as principais fontes teóricas os estudos que se inserem na(s) chamada(s) Pedagogia(s) da(s) Infância(s). Os dados foram gerados a partir de filmagens, seleção e descrição de episódios interativos. Os momentos relativos ao banho foram marcados, em geral, por significativas ações interativas entre bebês e sua professora, constituindo-se em práticas educativas importantes para o desenvolvimento integral dos bebês, que se materializaram em ações que vão para além de necessidades de higiene corporal, que também são importantes, mas que neste estudo são revelados enquanto momentos de aprendizagens sociais, culturais, afetivas, que integram a indissociabilidade cuidar/educar a criança. Palavras-chave: Bebês. Cuidados pessoais. Docência. Educação Infantil.

GT07 - Educação de Crianças de 0 a 6 anos
Docência com bebês: o corpo da professora que acalma, acalenta e serena

Márcia Buss-Simão | UFSC- Universidade Federal de Santa Catarina

Docência com bebês: o corpo da professora que acalma, acalenta e serena Resumo: O texto aqui proposto, traz para socialização dados de uma pesquisa em nível de mestrado que objetivou compreender como a composição das relações educativas são demarcadas pelo corpo na docência com bebês. A pesquisa parte da compreensão de que as demandas corporais das professoras, nas relações educativas, nascem sobretudo das demandas corporais dos bebês. A geração dos dados foi realizada durante quatro meses em uma instituição pública de Educação Infantil, tendo como sujeitos duas professoras e 12 bebês. O foco de atenção, nas observações, foi registrar as dinâmicas corporais das ações das professoras, como também registrar as relações educativas entre as professoras e os bebês, optando pela utilização de instrumentos, tais como: observação participante, registros escritos, fotográficos e audiovisuais. Os dados de campo da pesquisa revelam dinâmicas corporais marcadas por uma disponibilidade corporal e emocional, ou seja, um corpo disponível, que se movimenta, muda de posições, se expressa, se doa, interage, acalenta, acalma e serena acolhendo as demandas dos bebês. Palavras-chave: educação infantil; docência; bebês; corpo.

GT07 - Educação de Crianças de 0 a 6 anos
DOCÊNCIA E AMOR EM PESQUISAS BRASILEIRAS DO SÉCULO XXI: UMA ANÁLISE DE GÊNERO

Miriã Zimmermann da Silva | Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS

DOCÊNCIA E AMOR EM PESQUISAS BRASILEIRAS DO SÉCULO XXI: uma análise de gênero Resumo: Este trabalho tem como objetivo analisar um conjunto de dez pesquisas realizadas em Programas de Pós-Graduação brasileiros neste início do século XXI que abordam o tema do amor em sua relação com a educação. Ancorado nos Estudos em Docência e nos Estudos de Gênero de uma perspectiva pós-estruturalista, parte do questionamento sobre como gênero atravessa e dimensiona o par docência e amor nas pesquisas. Mobilizando estudos realizados em duas pesquisas de doutorado desenvolvidas na região sul do Brasil, vinculadas a uma pesquisa mais ampla, em um Programa de Pós-Graduação em Educação, examina o conjunto de pesquisas, organizando-as em três grupos e operando com o conceito-ferramenta gênero, articulado ao par docência e amor . Tal articulação possibilita mostrar a coexistência de, pelo menos, três perspectivas para compreender o par docência e amor : uma mais polarizada, ou acusa, ou acata o amor como marca histórica da docência e como atributo feminino; uma segunda perspectiva desconsidera uma docência generificada; e uma terceira amplia a compreensão de amor como uma marca generificada ligada ao sexo. Palavras-chave: docência; amor; gênero.

GT23 - Gênero, Sexualidade e Educação
Docência na creche: atencionalidade pedagógica na rotina e no planejamento

Daniela de Oliveira Guimarães | UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - FACULDADE DE EDUCAÇÃO

Docência na creche: atencionalidade pedagógica na rotina e no planejamento Resumo : Este texto nasce de uma pesquisa institucional que tem como objetivo compreender os sentidos da docência na creche, a partir da interlocução com professoras de bebês e crianças de até 3 anos. Analisa encontros de caráter investigativo e formativo, realizados com seis professoras da rede pública, em 2017. Teve como viés metodológico a pesquisa-formação. Nesta perspectiva, em diálogo com seus pares, os interlocutores confrontam e alteram seus pontos de vista. Como achados, destaca-se a rotina, vista pelas professoras como categoria central do trabalho na creche, mas ao mesmo tempo como impeditivo de um fazer mais autônomo com as crianças, pois revela sentidos de aprisionamento. Destaca-se também o olhar para o planejamento como reflexão na/da ação e não somente anterior a ela. Além disso, com base nos estudos da psicologia acerca da atenção, foi possível perceber, a partir dos enunciados das professoras, como a observação atenta e intencional alarga o sentido do pedagógico, para além do proposto, enquanto ação docente, constituindo uma atencionalidade pedagógica. Palavras-chave: Docência na Creche; Rotina, Planejamento, Atenção.

GT07 - Educação de Crianças de 0 a 6 anos
DOS SUJEITOS À PESQUISA: O OLHAR SOBRE O CAÓTICO NOS USOS DE TECNOLOGIAS NO FAZER DOCENTE

Adda Daniela Lima Figueiredo Echalar | UFG - Universidade Federal de Goiás

Objetivamos compreender como se configura, a um primeiro olhar, o trabalho docente mediado por tecnologias em um estado brasileiro. Procuramos observar os aspectos que compõem o trabalho a partir de sua dimensão ontológica e histórica, a luz do materialismo histórico-dialético. Para tanto, acompanhamos três professores efetivos das redes estadual e municipal em suas aulas e em situações não escolares por um período de um semestre, com acompanhamento registrado em diários de campo. Os três professores são concursados, lecionam entre 40 e 60 horas semanais disciplinas diferentes em escolas públicas (municipais e estaduais). As análises iniciais nos possibilitaram compreender o aparente em três unidades de análise: 1. uso das tecnologias como meio ou fim; 2. as tecnologias impondo controle e obediência no fazer pedagógico e o 3. não uso das tecnologias pela ausência de condições materiais favoráveis ao trabalho que se almeja desenvolver. A relação dos docentes enquanto sujeitos que se apropriam das tecnologias para diversos fins, inclusive para sua atuação profissional, está relacionada com a objetividade que se dinamiza a partir de condições históricas concretas e essa concretude se dá na relação entre indivíduo e sociedade, a partir do processo de trabalho.

GT16 - Educação e Comunicação
ECONOMIA SOLIDÁRIAː ESPAÇO DE EDUCAÇÃO POPULAR E EMPODERAMENTO FEMININO

Josilaine Antunes Pereira | UNISINOS/PPGE - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS

ECONOMIA SOLIDÁRIA: ESPAÇO DE EDUCAÇÃO POPULAR E EMPODERAMENTO FEMININO Resumo O objetivo deste artigo é repercutir a economia solidária enquanto espaço de educação popular comprometida com o empoderamento feminino. A abordagem é de natureza qualitativa, descritiva apoiada em pesquisa participativa, tendo a análise embasada na teoria do materialismo histórico e dialético. O campo empírico é o Planalto Catarinense, Santa Catarina, Lages cidade polo regional, onde a Universidade do Planalto Catarinense, abriga a Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares. O empreendimento econômico solidário em foco é as “Morenas do Divino”. A educação popular tem lugar proeminente na prática social orientada pelos princípios do reconhecimento de sujeitos coletivos, a educação enquanto prática de transformação social, o diálogo pedagógico, o encontro de saberes/fazeres não hierarquizados e a reflexão crítica. As referências teóricas são Freire, Adams, Moura, Brandão e Schönardie. A reflexão apontou a potência da educação popular ao proporcionar vivência de valores como, participação, solidariedade, conscientização, mediação geradora de empoderamento feminino. Palavras-chave: Economia solidária. Educação popular. Empoderamento feminino. Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares.

GT06 - Educação Popular
EDUCAÇÃO AMBIENTAL E OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: UMA APROXIMAÇÃO NECESSÁRIA

Gerson Luiz Buczenko | Colégio e Faculdade Cenecista Presidente Kennedy - Campo Largo - PR

O objetivo geral do presente trabalho é analisar os objetivos do desenvolvimento sustentável (ODS) estabelecidos em setembro de 2015, em comum acordo por 193 países em assembleia geral das Nações Unidas, na perspectiva da Educação Ambiental Crítica. Como objetivos específicos elaboraram-se: apresentar o conceito de Educação Ambiental na perspectiva crítica; conhecer os objetivos do desenvolvimento sustentável; analisar os ODS na perspectiva da Educação Ambiental Crítica. A indagação de pesquisa foi assim elencada: existem aproximações possíveis para se pensar no atingimento dos ODS, por meio de uma Educação Ambiental em sua vertente crítica? No presente trabalho parte-se do pressuposto de que a Educação Ambiental em sua vertente crítica é definida no Brasil a partir de uma matriz que vê a educação como elemento de transformação social inspirada no diálogo, no exercício da cidadania, no fortalecimento dos sujeitos, na superação das formas de dominação capitalistas e na compreensão do mundo em sua complexidade. Ao final, evidencia-se que a Educação Ambiental em sua vertente crítica, emancipadora e transformadora da realidade, se mostra como um caminho viável para a busca pelo atingimento dos objetivos do desenvolvimento sustentável.

GT22 - Educação Ambiental
Educação Ambiental: análise de uma proposta interinstitucional de formação continuada de professoras

Andréa Macedônio de Carvalho | UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ANÁLISE DE UMA PROPOSTA INTERINSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORAS Resumo A Educação Ambiental (EA) é uma ferramenta fundamental na construção de alternativas frente à crise ambiental, mas estudos demonstram que os professores ainda apresentam dificuldades em efetivar a EA nas escolas. Em 2017, em Curitiba/PR, um curso de formação continuada em EA foi ofertado para professoras da rede municipal. O objetivo deste trabalho foi compreender e correlacionar as interpretações das professoras e formadoras sobre a experiência vivenciada nesse processo. Os dados foram obtidos por meio de entrevistas semi-estruturadas e análise de documentos. Os resultados demonstram que: a formação deu subsídios teóricos para as professoras, mas elas não compreenderam como isso poderia lhes ajudar nas práticas escolares; as formações continuadas devem priorizar metodologias ativas; as professoras não têm tempo para estudar e é necessária maior oferta de materiais sobre EA direcionados à prática docente. É necessário, em futuras formações continuadas, resgatar o papel docente considerando a importância de uma ação pedagógica que leve em conta a autonomia, a criatividade e criticidade dos professores. Palavras-chave: Educação Ambiental. Formação docente. Formação continuada.

GT22 - Educação Ambiental
EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: O CURRÍCULO NA ESCOLA DO/NO TERRITÓRIO QUILOMBOLA

Michele de Oliveira Sampaio | UFES - Universidade Federal do Espírito Santo

EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: O CURRÍCULO NA ESCOLA DO/NO TERRITÓRIO QUILOMBOLA Esta pesquisa objetivou analisar as práticas da educação escolar quilombola, a partir do currículo em interface com a realidade sociocultural. Buscou-se amparo nas contribuições de Oliveira (2011) para pensar o conceito de quilombo; Hall (2011) para refletir sobre identidade; Silva (2004), Sacristán (1995) e Gomes (2012) para discutir currículo; e Miranda (2012; 2015) para conceituar a educação escolar quilombola. Para tanto, se desenvolveu uma pesquisa de natureza qualitativa, por meio de um estudo de caso, do tipo etnográfico, numa escola situada em um território quilombola. Para análise dos dados elegeu-se a análise de conteúdo. Os primeiros resultados obtidos apontam que os documentos que direcionavam o trabalho educativo da escola tomavam como base as diretrizes curriculares nacionais da educação do campo, desconsiderando o território quilombola. Contudo, o ensino de história e cultura africana e afro-brasileira se constituíam nas práticas escolares em diálogo com as vivências construídas no interior da comunidade, configurando ações de uma educação escolar quilombola. Palavras-chave: Educação Escolar Quilombola. Identidade. Currículo. Práticas educacionais.

GT21 - Educação e Relações Étnico-Raciais
EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE CULTURAL: um olhar sobre o cotidiano de uma escola ribeirinha de Ensino Fundamental.

Claudio Gomes da Victoria | UFAM - Universidade Federal do Amazonas

EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE CULTURAL: um olhar sobre o cotidiano de uma escola ribeirinha de Ensino Fundamental. Resumo O presente texto parte do diálogo desenvolvido em uma pesquisa realizada junto a uma escola de uma comunidade ribeirinha no interior do estado do Amazonas. Apresenta uma reflexão sobre as concepções de educação do campo em interação com os aspectos do que denominamos de uma Educação Ribeirinha. Busca compreender de que modo o processo formativo de seus (as) professores (as) e suas práticas cotidianas tem sido “desafiadas” pela perspectiva da interculturalidade. Sob esse olhar, o trabalho desdobra-se a apresentar, de modo particular, parte do cenário da Educação Ribeirinha, os desafios entre a prática do ensinar e aprender em meio a essa realidade do campo. À luz desse desafio, por fim, pretendemos que esse diálogo se amplie e contribua para que a temática da Interculturalidade ganhe novos olhares e novos contornos, nos debates de proporções nacionais e internacionais e, sobretudo, sirva para aprimorar não só a prática pedagógica das escolas ribeirinhas, mas todas aquelas que ainda são consideradas e tratadas como minoria. Palavras-chave: Educação do Campo/Ribeirinha; Cotidiano; diversidade cultural

GT03 - Movimentos Sociais
Educação e violência sexual: fragilidades da rede de proteção

Flávio Corsini Lirio | UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

Educação e violência sexual: fragilidades da rede de proteção A violência sexual é um dos maus tratos contra criança e adolescente que tem se apresentado de maneira contundente na contemporaneidade. Considerada pela Organização das Nações Unidas – ONU, como uma questão de saúde pública. O presente estudo é fruto da análise de processos criminais em andamento na Vara de Crimes Contra Vulneráveis da Comarca de Boa Vista – RR. Trata-se de uma pesquisa qualitativa que tem como objeto analisar a problemática da violência sexual praticada contra criança e adolescente com vista a perceber a atuação da rede no seu enfrentamento, com destaque para a educação, sendo a análise de conteúdo a principal técnica para construção das inferências. Verifica-se a baixa participação da educação no processo de identificação e encaminhamento de casos, ainda que a maioria das vítimas sejam sujeitos em idade escolar obrigatória. A fragilidade na formação inicial e continuada dos profissionais da educação são alguns dos elementos que dificultam essa atuação da educação no enfrentamento a violência sexual praticada contra criança e adolescente. Palavras-Chave. Criança e Adolescente; Educação; Violência Sexual.

GT23 - Gênero, Sexualidade e Educação
Educação Especial, formação do professor e a prática de ensino: sentidos no estágio supervisionado da licenciatura

Mateus Henrique do Amaral | UNIMEP - Universidade Metodista de Piracicaba

Educação Especial, formação do professor e a prática de ensino: sentidos no estágio supervisionado da licenciatura Resumo O estudo analisa as possibilidades de formação na licenciatura para práticas de ensino que proponham a reflexão sobre o currículo escolar para o desenvolvimento de alunos com deficiência na escola comum. Trazemos episódios da supervisão de estágio em um curso de licenciatura, analisados à luz da psicologia histórico-cultural, em diálogo com a perspectiva enunciativo-discursiva. Os episódios indicam os sentidos em torno do compromisso de ensinar, bem como sobre a prática com o aluno com deficiência na escola comum. Identificamos a complexidade na apresentação de propostas para as adaptações curriculares apontadas pelas políticas educacionais para a educação especial, mas reconhecemos a possibilidade de (re)significações dos conceitos e visões a partir das negociações de sentidos entre professora, pesquisador e estagiários. Compreendemos que o ensino para alunos com deficiência deve se orientar para práticas que incidam no funcionamento psíquico dos estudantes, considerando suas formas particulares de apropriação da cultura, de modo a ancorar a participação efetiva destes na escola. Palavras Chave: Educação Especial. Formação de Professores. Práticas de Ensino.

GT15 - Educação Especial
EDUCAÇÃO FEMININA E OS DEVIRES DA SEXUALIDADE EM “ANTÔNIA CUDEFACHO”.

Regiane Farias Neves | UFPA - Universidade Federal do Pará

EDUCAÇÃO FEMININA E OS DEVIRES DA SEXUALIDADE EM “ANTÔNIA CUDEFACHO” . Resumo. O texto problematiza as construções discursivas acerca da sexualidade feminina, tomando por personagem-sujeito Antônia Cudefacho, uma prostituta cametaense da década de 1950, inscrita e ficcionalizada na narrativa literária do escritor Salomão Larêdo. A movimentação teórica se faz pela arqueogenealogia Foucaultiana e pelos devires revolucionários da sexualidade tecidos com o campo feminista, pós-feminista e teoria queer com Butler, Beauvoir, Miskolci, Rago, Louro, Del Priore, Deleuze e Guattari, Preciado. O diálogo com os autores tensiona o território da cultura heteronormativa e potencializa os devires revolucionários e linhas de fuga de uma sexualidade feminina insurreta aos valores instituídos, capaz de tecer redes de solidariedades minoritárias em seus anseios por liberdade e de subverter os valores e os modos de educar o corpo (sobretudo o da mulher) para a submissão e o conformismo, potencializando devires e desobediências nas rotas de uma Educação com desejo e liberdade. Palavras-chave: Sexualidade. Educação. Devir Revolucionário. Antônia Cudefacho.

GT23 - Gênero, Sexualidade e Educação
EDUCAÇÃO INFANTIL, INFÂNCIA E GÊNERO NAS REUNIÕES DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO

Sandro Vinicius Sales dos Santos | UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI

EDUCAÇÃO INFANTIL, INFÂNCIA E GÊNERO NAS REUNIÕES DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO Resumo O artigo consiste em uma revisão dos trabalhos apresentados na Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (Anped) entre os anos de 1996 e 2017. O corpus de análise compreendeu 21 comunicações orais (oito textos encontrados no Grupo de Trabalho 07 – Educação da Criança de Zero a Seis anos e, treze outros escritos encontrados no grupo de trabalho 23 – Gênero, Sexualidade e Educação). Após análise, os trabalhos foram agrupados nas categorias: relações de gênero entre adultos e crianças; relações de gêneros na perspectiva das crianças; pedagogias de gênero produzidas para as crianças; balanços e revisões da produção acadêmica. A análise destacou as principais correntes teórico-metodológicas presentes na investigação sobre a temática, ressaltando as aproximações e os distanciamentos da produção acadêmica. As conclusões do estudo permitem problematizar as evidências de constituição recente de um campo de pesquisas emergente na pós-graduação brasileira nos últimos dois decênios. Palavras-chaves: relações de gênero; Educação Infantil; produção acadêmica.

GT07 - Educação de Crianças de 0 a 6 anos
EDUCAÇÃO INTEGRAL E TRABALHO NOS MANIFESTOS DE 1932 E 1959: CONCEPÇÕES EM DISPUTAS NO BRASIL

Cosme Leonardo Almeida Maciel | UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DO JANEIRO/ UNIRIO

EDUCAÇÃO INTEGRAL E TRABALHO NOS MANIFESTOS DE 1932 E 1959: CONCEPÇÕES EM DISPUTAS NO BRASIL Resumo Este trabalho tem como objetivo, analisar as apropriações dos conceitos de Educação Integral e de Trabalho nos documentos Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova (1932) e Manifesto dos Educadores: Mais Uma Vez Convocados (1959). Apesar da distância no tempo de quase três décadas, ambos tornaram-se marcos na história da educação brasileira, por congregar diferentes grupos em defesa da escola pública, laica e gratuita. Em termos teórico e metodológico, utilizamos o materialismo histórico e dialético, na medida em que não queremos, apenas, apresentar os documentos, mas problematiza-lo, pondo em relevo contradições, limites e, sobretudo, os projetos societários em disputa. Constatamos que existem relações diretas entre Educação Integral e Trabalho , e, também que a concepção de Educação Integral e o sentido pedagógico atribuído ao Trabalho estão ancorados pela hegemonia do projeto nacional-desenvolvimentista de capitalismo dependente, cujas oscilações se devem às disputas internas entre frações da própria classe dirigente. Palavras-chave: Educação Integral; Trabalho e Formação Humana.

GT02 – História da Educação
EDUCAÇÃO POPULAR E SAÚDE: UMA PERPECTIVA DE FORMAÇÃO HUMANIZADORA

Tania Maria Salgado Tozi | OUTRAS

EDUCAÇÃO POPULAR E SAÚDE: UMA PERPECTIVA DE FORMAÇÃO HUMANIZADORA. RESUMO: O presente trabalho emergiu de uma dissertação de mestrado em Educação cujos objetivos foram entender algumas concepções de estudantes de um curso técnico de Enfermagem sobre sua formação profissional, articulando-os aos princípios da Educação Popular e Saúde (EPS). Pautando-nos na pesquisa qualitativa utilizamos como instrumentos de coleta: revisão bibliográfica, questionário e roda de conversa. Os resultados apontaram que os/as estudantes reconhecem a lógica tecnicista de sua formação e a necessidade de práticas mais dialógicas, participativas, em que haja partilha de saberes, relacionando a teoria com o cotidiano profissional. Sugerem também que as premissas da Educação Popular e Saúde, quando utilizadas em sala de aula, podem contribuir para uma formação mais humanizada, favorecendo o desenvolvimento do senso crítico e reflexivo. Além disso, os depoimentos indicaram a urgência da inclusão de princípios humanizadores na formação técnica em Enfermagem, pois se mostrou notório no meio profissional e acadêmico o pouco conhecimento sobre essa modalidade de ensino, suas aplicações e implicações. PALAVRAS-CHAVE: Educação Popular e Saúde. Ensino Técnico de Enfermagem. Humanização. Formação.

GT06 - Educação Popular
EDUCAÇÃO POPULAR EM CONTEXTO DE RESISTÊNCIA: ATUAÇÃO DO SEDUP NA REGIÃO DO BREJO PARAIBANO NA DÉCADA DE 1980

Orlandil de Lima Moreira | UFPB - Universidade Federal da Paraíba

EDUCAÇÃO POPULAR EM CONTEXTO DE RESISTÊNCIA: ATUAÇÃO DO SEDUP NA REGIÃO DO BREJO PARAIBANO NA DÉCADA DE 1980 O artigo apresenta como problemática a presença dos centros de assessoria e educação popular em um contexto de resistência ao autoritarismo político no Brasil. Tem como recorte histórico os anos de 1980, fase de efervescência política, marcada por ações de resistência e conquistas democráticas, tendo o movimento de Educação Popular papel importante nesse processo político. O Serviço de Educação Popular (SEDUP) surge nesse contexto em 1981, por iniciativa da Igreja Católica, alinhada à Teologia da Libertação, corrente teológica que teve um papel importante no desenvolvimento da educação popular. A pesquisa está sendo realizada no pós-doutorado na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Utiliza como metodologia a pesquisa documental. Analisa a educação popular no Nordeste brasileiro, tendo como referência a experiência educativa desenvolvida pelo SEDUP na região do Brejo da Paraíba. Tem como objetivo sistematizar sua trajetória histórica na década de 1980, quando inicia suas atividades educativas junto às classes populares, constituindo juntamente com outras organizações um movimento de Educação Popular na região. Palavras-chaves: Educaçã o Popular. Memória. SEDUP.

GT06 - Educação Popular
EDUCAÇÃO POPULAR FREIREANA EM SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: DE PRÁTICAS INDIVIDUALISTAS PARA AÇÕES COLETIVAS E DIALÓGICAS

Ivanilde Apoluceno de Oliveira | UEPA - Universidade do Estado do Pará

EDUCAÇÃO POPULAR FREIREANA EM SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: DE PRÁTICAS INDIVIDUALISTAS PARA AÇÕES COLETIVAS E DIALÓGICAS Resumo Neste trabalho o objetivo é analisar a educação popular na perspectiva de Paulo Freire em prática de alfabetização com crianças com deficiência em sala de recurso multifuncional de uma escola pública da cidade de Belém do Pará. O foco do estudo é para o trabalho educativo coletivo e dialógico. Os seguintes procedimentos metodológicos foram realizados: revisão bibliográfica e levantamento documental, tendo por base os registros das atividades realizadas em uma pesquisa-ação colaborativa, com educadores populares de um Núcleo de Educação Popular Universitário e um professor da sala de recursos da escola pesquisada. A sistematização dos dados foi efetivada por meio de categorizações temáticas. Entre os resultados, destaca-se que a educação popular freireana foi significativa na alfabetização de crianças com deficiência intelectual na escola, por viabilizar um ensino dialógico, criativo, crítico e democrático, possibilitando as crianças serem sujeitos de seu conhecimento em diálogo com outras, deixando de serem isoladas e vistas como incapazes de aprender. Palavras-chave: Educação popular Freireana. Salas de Recursos Multifuncionais. Diálogo

GT06 - Educação Popular
EDUCAÇÃO SEXUAL EM CAMPO GRANDE NOS ANOS 1930

Kênia Hilda Moreira | FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS

EDUCAÇÃO SEXUAL EM CAMPO GRANDE NOS ANOS 1930 RESUMO: Objetiva-se analisar a presença do tema educação sexual na revista mensal ilustrada Folha da Serra , que circulou em Campo Grande, Mato Grosso, entre 1931 e 1940, com 48 números. Questiona-se a relação entre os conteúdos ligados à educação sexual e o objetivo da revista, pela perspectiva da história da educação dos sentidos e das sensibilidades. Analisou-se o que motivou a publicação de temas sobre educação sexual, o conteúdo veiculado nos artigos, a autoria e a recepção pelos leitores. Conclui-se que a revista incorporou o discurso científico sobre a educação sexual como forma de evidenciar o “progresso e engrandecimento” do Estado. O periódico usufruiu da campanha que propunha a construção de uma moral médico-científica sobre o sexo, ao vincular as propagandas de consultórios médicos às publicações do CBES. Para além de enaltecer o vanguardismo do Estado com a presença de tais temas na revista, propondo uma nova educação dos sentidos e das sensibilidades, o periódico estrategicamente procurou lucrar, criando novos consumidores de médicos, ao vincular o discurso sobre a “verdadeira Moral Sexual”. Palavras-chave: História da Educação. Imprensa. Educação sexual.

GT02 – História da Educação
EDUCAÇÃO SUPERIOR AINDA QUE TARDIA: RETORNOS DA DIPLOMAÇÃO PARA ADULTOS EGRESSOS DA EJA

Geovania Lúcia dos Santos | Universidade Federal de Alfenas

EDUCAÇÃO SUPERIOR AINDA QUE TARDIA: RETORNOS DA DIPLOMAÇÃO PARA ADULTOS EGRESSOS DA EJA RESUMO Apresentam-se resultados de pesquisa sobre retornos do diploma do Ensino Superior (ES) para pessoas adultas egressas da EJA. Parte-se do entendimento de que a presença de pessoas com idade acima da expectada para a graduação interpela a EJA e o ES por elas constituírem, ali, um público atípico; e de que a conquista do diploma, por adultos com essa dupla trajetória de educação tardia, representa uma realização sui generis. Reconhecendo que o ES gera um conjunto de benefícios individuais e coletivos e de que o diploma representa um capital cultural institucionalizado, potencialmente gerador de capital econômico, social e simbólico, buscou-se, no diálogo com seis pessoas deste perfil, configurar os sentidos da vivência da formação superior e os significados da experiência da diplomação tardia , a partir da identificação dos retornos da titulação nelas e para suas vidas . Dentre os resultados destacam-se a identificação da obtenção de retornos intrínsecos, posicionais e instrumentais pelos sujeitos investigados e a compreensão da importância de se olhar os adultos no câmpus. Palavras-chave: Estudante adulto. Vivência da formação superior. Experiência da diplomação. Relação EJA – ensino superior.

GT18 - Educação de Pessoas Jovens e Adultas
EDUCAÇÃO SUPERIOR E FORMAÇÃO DOCENTE: AINDA DISCUTIMOS A DICOTOMIA DA FORMAÇÃO PARA OS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS OU PARA OS CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS-DIDÁTICOS?

Silvia Regina Canan | UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES

EDUCAÇÃO SUPERIOR E FORMAÇÃO DOCENTE: AINDA DISCUTIMOS A DICOTOMIA DA FORMAÇÃO PARA OS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS OU PARA OS CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS-DIDÁTICOS? Resumo O tema de que trata esse artigo é fruto de estudos teóricos, debates e preocupações que vem ganhando cada vez mais espaço no meio acadêmico e que tem protagonizado muitas reflexões internas nas IES. Ele inspira-se em pesquisa bibliográfica, associada a vivência como docente universitária, gestora e orientadora de dissertações de mestrado na área da Educação Superior, a partir da temática proposta, cujo objetivo principal foi compreender a possibilidade de estabelecer relações entre a ausência de formação pedagógico-didática dos docentes e de políticas definidoras dessa formação e a qualidade do ensino, na Educação Superior, além de atentar para a necessidade da que envolve os conhecimentos do campo específico da formação e os conhecimentos pedagógico-didáticos, na perspectiva de entender o Ensino como um importante componente que compõe o tripé que forma a Universidade. Palavras chave: Docência Universitária, Formação Pedagógico-Didática, Políticas Públicas, Educação Superior, Qualidade do Ensino

GT11 - Política de Educação Superior
Educação, Modernização e a Questão da Terra

Edna Maria Querido de Oliveira Chamon | UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ

Educação, Modernização e a Questão da Terra Resumo Este trabalho busca mostrar os laços entre educação e modernização nacional e sua correlação com a questão da terra. O texto explora duas dicotomias cuja formulação representa fronteiras simbólicas fundamentais: urbano/rural e moderno/tradicional. Argumenta-se que a educação é um dos pilares fundamentais de todo processo de construção nacional e de modernização, visto que o chamado processo civilizatório passa necessariamente pela educação. O texto apresenta, também, um estudo específico sobre um programa de Educação do Campo desenvolvido em uma Universidade do interior do Estado de São Paulo. O texto sustenta que um programa de formação docente em Educação do Campo deve enfrentar o desafio de romper com o modelo urbanocêntrico de educação, privilegiar a diversidade de saberes e introduzir a marca e a especificidade do campo nos processos educativos. O estudo identitário dos formandos sobre a Educação do Campo mostra uma clivagem que opera na chave da “mudança”. Essa clivagem parece organizar a construção identitária dos sujeitos sobre a formação docente, formação essa que é apontada como possibilidade de abertura/libertação para os povos do campo. Palavras-chave: Educação. Educação do Campo. Modernização. Questão da terra.

GT03 - Movimentos Sociais
EFEITOS NO USO DA COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA EM UMA ALUNA COM AUTISMO

Carla Cordeiro Marçal Y Guthierrez | UERJ - PROPED - Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Resumo Sabe-se o quanto é desafiador ter um aluno com Transtorno do Espectro Autista – TEA em uma sala de aula comum, no ensino regular, principalmente quando esse aluno não é oralizado. A literatura científica nos comprova os efeitos do uso da Comunicação Alternativa e Ampliada – CAA na vida desses sujeitos, contribuindo para a comunicação e aprendizado. O objetivo do presente artigo é apresentar e analisar os efeitos no desempenho da comunicação de uma criança de 6 anos de idade, com autismo, através do uso de cartões de comunicação alternativa, tendo-se uma pesquisadora como agente de intervenção. Esta pesquisa foi realizada na sala do Atendimento Educacional Especializado – AEE em uma escola pública na cidade do Rio de Janeiro. O presente estudo caracteriza-se como uma pesquisa quase experimental, com um delineamento do tipo A-B. Houve um aumento na frequência de interação da aluna com a utilização dos pictogramas e com a professora, para isso utiliza-se o Sistema de Comunicação por Troca de Figuras ( PECS – The Picture Communication System), aplicado ao contexto do Curriculum Funcional Natural (PECS-Adaptado). Palavras-chave: Comunicação Alternativa e Ampliada – Transtorno do Espectro Autista – Atendimento Educacional Especializado

GT15 - Educação Especial
EGRESSOS DO PIBID: O CASO DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DE UMA PROFESSORA DE MATEMÁTICA

Fernanda Lahtermaher Oliveira | UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro

EGRESSOS DO PIBID: O CASO DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DE UMA PROFESSORA DE MATEMÁTICA Resumo O trabalho apresenta resultados de uma pesquisa sobre a inserção profissional docente de uma professora de matemática que passou pelo Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) e hoje atua no segundo segmento do ensino fundamental de uma escola municipal do Rio de Janeiro. São analisados aspectos facilitadores e dificultadores da inserção profissional docente, articulando com sua experiência no PIBID, e os saberes docentes mobilizados com mais recorrência por ela. Foi realizado um estudo de caso etnográfico, de modo que a inserção da professora fosse compreendida por meio de entrevistas em profundidade e observação participante. Operou-se teoricamente com Cochran-Smith, Fiorentini, Marcelo, Shulman e Tardif. Os resultados demonstram que há um relativo apoio a iniciante em sua chegada à instituição; há uma tendência ao isolamento; existe uma força da área matemática e uma crença epistemológica no ensino transmissivo do conhecimento matemático; o PIBID aparece como uma contribuição no que se refere ao conhecimento do contexto profissional e uma maior segurança quanto ao seu ensino. Palavras-chave: Inserção Profissional Docente; PIBID; Saberes Docentes; Ensino de Matemática.

GT08 - Formação de Professores
EM MEIO À TEMPESTADE: ESCOLA SEM PARTIDO, “IDEOLOGIA DE GÊNERO” E SHITSTORMS

Jasmine Moreira | UFPR - Universidade Federal do Paraná

EM MEIO À TEMPESTADE: ESCOLA SEM PARTIDO, “IDEOLOGIA DE GÊNERO” E SHITSTORMS RESUMO O presente artigo analisa a emergência dos discursos de ódio nas mídias sociais e sua presença na ação política do grupo Escola sem Partido (ESP). Inicialmente, busca-se demonstrar como o fenômeno conhecido como shitstorm vêm sendo utilizado para potencializar o pânico moral da “ideologia de gênero”, notadamente nas mídias sociais. Tomam-se por base as reflexões de Gayle Rubin, Judith Butler e Han Byung-Chul. Utiliza-se o método de inferência do discurso, desenvolvida pela autora, aplicada sobre as postagens do ESP no facebook, permitindo a observação dos principais tópicos abordados. Em um segundo momento, é feita uma análise do crescimento orgânico desse grupo na rede social e nas pesquisas do Google. Conclui-se que os dados apresentados permitem observar tanto o crescimento de sua atuação, como sua a ação na disputa pelas políticas educacionais no Brasil. Palavras-chave: inferência do discurso; shitstorm; ideologia de gênero; escola sem partido; mídias sociais

GT23 - Gênero, Sexualidade e Educação
Em nome do “Ensino Explícito”: demandas discursivas por controle nas políticas de currículo para a educação científica

Clívio Pimentel Júnior | UFOB - Universidade Federal do Oeste da Bahia

RESUMO : Meu foco, neste texto, é o debate em torno da demanda por “ensino explícito” historicamente presente nas políticas curriculares voltadas à educação científica, articuladas sob o nome Natureza da Ciência (NdC). Mediante um enfoque discursivo pós-estrutural da política e do currículo, busco mostrar como essa demanda específica da educação científica manifesta-se e promove aderência entre agentes públicos atuantes nas comunidades epistêmicas de Ensino de Ciências. Volto-me, também, à interpretação dos antagonismos produzidos mediante a defesa do “ensino explícito”, tentando perceber o exterior que articula os discursos em questão. Concluo defendendo que, a despeito do forte pacto hermenêutico constituído em torno do significante NdC e da demanda por “ensino explícito”, possivelmente jamais haverá uma significação essencial e positiva nas políticas de currículo capaz de erradicar, de modo absoluto, os antagonismos, os conflitos e as disputas discursivas pela significação da educação científica em seu acontecimento cotidiano. Palavras-chave : Ensino explícito; Natureza da Ciência; Política de currículo; Pós-estruturalismo

GT12 - Currículo
Empoderamento crespo: ciberativismo, currículo e diferença nas escolas

Iris Verena Santos de Oliveira | UNEB - Universidade do Estado da Bahia

Empoderamento crespo: ciberativismo, currículo e diferença nas escolas Resumo O artigo trata do ativismo da juventude negra no YouTube, atentando para os mecanismos da luta antirracista desenvolvidos nessa plataforma de compartilhamento de vídeos, ao mesmo tempo que apresenta as disputas pela política curricular no que tange ao ensino de cultura afro-brasileira e história da Áfricas. Desse modo, este texto propõe atentar às narrativas de youtubers, a partir de suas próprias vozes, dando atenção especial às publicações do Canal DePretas, de Gabi Oliveira. O diálogo entre youtubers e professores provoca reflexões sobre a atuação de intelectuais negras nas universidades, ao tempo em que pauta o conceito de diferença, entendido como alteridade que escapa ao mesmo, pelas significações de escola como espaço de disputas em torno das relações entre currículo e políticas de reconhecimento. No texto o referencial teórico pós-estrutural é acionado para tratar diferença em si nas significações do espaço escolar, opondo-se ao debate fundado na perspectiva da diversidade. Nas considerações finais aponta para o debate sobre questões étnico-raciais pautada na escola pelos corpos que transitam em corredores e salas de aula. Palavras-chave: juventude; ciberativismo; currículo; diferença; youtubers.

GT12 - Currículo
Enegrecer as universidades: um desafio para a formação de educadores/as do campo?

Jaqueline Cardoso Zeferino | UFSC- Universidade Federal de Santa Catarina

Enegrecer as universidades: um desafio para a formação de educadores/as do campo? Resumo : A educação do campo referenciada nas especificidades dos sujeitos do campo configura-se uma política que ao debater a garantia da igualdade e o reconhecimento da diferença como valor, faz emergir a diversidade de lutas e sujeitos do campo, indicando a transposição de uma identidade única e fixa camponesa. Nesse contexto, a presença de estudantes negras e quilombolas em um curso de Licenciatura em Educação do Campo no interior de Minas Gerais anuncia e denuncia o lugar de seus corpos, conhecimentos e práticas gerando tensionamentos e deslocamentos. Estas existências resistentes favorecem a permanência bem-sucedida no ensino superior e a efetiva institucionalização de práticas antirracistas e feministas em um campo marcado historicamente pela presença branca, cristã, heterossexual e masculina. Este ensaio pretende socializar reflexões sobre o contexto de formação de educadores/as do campo a partir das questões: quem são os diversos sujeitos do campo? Que epistemologias, corpos e práticas trazem à universidade? O que narram e ensinam suas lutas? Que desafios estão postos à educação do campo neste contexto? Palavras-chave : educação do campo, educação antirracista, decolonialidade

GT03 - Movimentos Sociais
ENSINO DOMICILIAR, OBRIGATORIEDADE ESCOLAR E RECONFIGURAÇÕES DO DIREITO A EDUCAÇÃO

Lucilia Augusta Lino | UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO

ENSINO DOMICILIAR, OBRIGATORIEDADE ESCOLAR E RECONFIGURAÇÕES DO DIREITO A EDUCAÇÃO Resumo O texto discute a proposição do ensino domiciliar à luz da reconfiguração do direito à educação no Brasil que ameaça a escolarização obrigatória constitucionalmente assegurada. A adoção, nos últimos anos, de políticas públicas que subvertem e limitam as expectativas de expansão e de ampliação do acesso ao sistema de ensino público abre espaço para a metamorfose da escola pública e para a redução do papel do Estado na oferta da educação. O ensino domiciliar ou homeschooling é um projeto de educação mais restritivo e excludente, que restringe o social ao familiar dissociando o indivíduo da sociedade mais ampla, impondo prejuízos à formação cidadã de crianças e jovens. Discutimos como o ensino domiciliar se articula com processos de desfinanciamento e privatização da educação, atende a interesses do mercado empresarial e induz a propostas de desescolarização, em cenário de extremo conservadorismo e controle ideológico do currículo, das instituições educativas e seus profissionais, afinado com o fundamentalismo religioso que informa e orienta o homeschooling brasileiro. Palavras-chave: homeschooling ; desescolarização; privatização; desfinanciamento.

GT05 - Estado e Política Educacional
ENSINO FUNDAMENTAL EM CLASSES MULTISSERIADAS NA ROÇA: DIFERENÇAS E CONHECIMENTO DE SI COMO ESPAÇOS DE FORMAÇÃO

Charles Maycon de Almeida Mota | UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA

ENSINO FUNDAMENTAL EM CLASSES MULTISSERIADAS NA ROÇA: DIFERENÇAS E CONHECIMENTO DE SI COMO ESPAÇOS DE FORMAÇÃO Resumo: Busca-se com este trabalho compreender o conhecimento de si como um espaço de formação que evidencia a prática desenvolvida na docência no Ensino Fundamental em Classes multisseriadas. Trata-se de uma pesquisa (auto)biográfica, de base qualitativa, utilizando-se das narrativas de formação produzidas pelos sujeitos colaboradores. A pesquisa foi desenvolvida com três professores de Classes Multisseriadas do Ensino Fundamental que vivem e convivem em contextos rurais, no município de Várzea do Poço, interior da Bahia-Brasil. Conclui-se que uma formação fundamentada numa concepção que considera o conhecimento de si como espaço de formação possibilita que os professores do Ensino Fundamental de Classes multisseriadas ancorem suas ações de intervenção a partir da auto/eco/coformação, autonomia docente, na ação-reflexão-formação, na diversidade e na reciprocidade, sendo estes, cinco princípios da formação que congregam entre si e transversalizam o fazer docente em contextos de diversidade. Palavras-chave: Formação docente. Classes Multissseriadas. Ruralidades contemporâneas. Conhecimento de si.

GT13 - Educação Fundamental
ENTRE A ACEITAÇÃO E A FUGA: a juventude negra em trânsito nos currículos escolares

Eliana Póvoas Pereira Estrela Brito | UFSB - Universidade Federal do Sul da Bahia

ENTRE A ACEITAÇÃO E A FUGA: a juventude negra em trânsito nos currículos escolares RESUMO: Este artigo se beneficia de fragmentos extraídos de pesquisa realizada em uma escola do ensino médio da rede pública do Estado da Bahia. As questões que orientam este estudo residem em acompanhar os movimentos direcionados a subversão dos dogmas, das normatizações e dos mecanismos de controle colocados em funcionamento pelos e nos processos de escolarização. Pergunta-se: É possível escapar das armadilhas das identidades fixadas pelas normativas institucionais? É possível desestabilizar os caprichos da disciplina e seus efeitos sobre os corpos negros? Ao interrogar essas práticas curriculares na perspectiva da diferença, ou ainda, ao perguntar, parafraseando Stuart Hall (2002), “que ‘negro’ é esse na cultura negra?”, o estudo apontou para movimentos de capturas e resistências aos lugares institucionais (pré)vistos pelos planejamentos curriculares. Palavras-chave: Currículo . Diferença. Relações Étnico-Raciais.

GT21 - Educação e Relações Étnico-Raciais
ENTRE A VIOLÊNCIA ÉTICA E O RECONHECIMENTO: AS SEXUALIDADES NO CONTEXTO ESCOLAR

Marco Antonio Torres | UFOP - UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

ENTRE A VIOLÊNCIA ÉTICA E O RECONHECIMENTO: AS SEXUALIDADES NO CONTEXTO ESCOLAR Resumo Este texto apresenta uma pesquisa que investigou a produção da violência ética e do reconhecimento das sexualidades em contextos escolares. Entendemos que a radicalização da teoria do reconhecimento, por Judith Butler, tem possibilitado análises importantes sobre os vínculos entre política e moral num determinado regime de verdade, analisando esta forma de violência. Uma das facetas da violência ética se caracteriza pela obliteração do relato de si, do silenciamento das lutas e sofrimentos de LGBT+. Para nossas análises realizamos grupos focais e uma entrevista narrativa com docentes da educação básica, em escolas públicas. Além da autoria do presente texto, a pesquisa é fruto do trabalho de um conjunto de pesquisadores/as que nos últimos anos 4 anos, em um curso de mestrado, se envolveram com o tema das sexualidades nos contextos escolares. Nossas análises apontam tanto a produção de vidas insuportáveis como a constituição de reconhecimento das sexualidades de LGBT+ que buscam pela possibilidade de vidas habitáveis, porém numa ambiência marcada pela LGBTfobia dos discursos cisheteronormativos. Palavras-chave: Sexualidades. Escola. Violência Ética. Reconhecimento. LGBTfobia.

GT23 - Gênero, Sexualidade e Educação
ENTRELAÇAMENTOS ENTRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, ECOLOGIA POLÍTICA E O GIRO DECOLONIAL: caminhos para uma Educação Ambiental desde el Sur

Bárbara Fortes Campos | UNIRIO - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

ENTRELAÇAMENTOS ENTRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, ECOLOGIA POLÍTICA E O GIRO DECOLONIAL: caminhos para uma Educação Ambiental desde el Sur Resumo: A invasão dos europeus às Américas inaugura um processo longo e violento de ruptura das relações sociedade-natureza, instaurando um modelo extrativista e espoliativo nos territórios latino-americanos. Por isso, entendemos que o projeto da colonialidade está presente e estrutura a crise ecológica atual. Na medida em que se propõe como uma prática educativa que busca (re)qualificar as relações sociedade-natureza, a Educação Ambiental (EA) pode atuar no resgate dos saberes e das lutas históricas desses povos espoliados. Sendo a EA um campo em disputas políticas e epistêmicas, é preciso se posicionar e, sobretudo, ser propositivo para o campo. Buscamos com esse trabalho fortalecer a denúncia do processo de colonização ainda em curso, mas também propor anúncios, formulando uma concepção de EA combativa às injustiças ambientais na América Latina. Para isso, aliamos a EA crítica aos aportes da Ecologia Política e do Giro Decolonial, formulando uma identidade latino-americana para a EA: uma Educação Ambiental desde el Sur . Palavras-chave: Educação Ambiental Crítica; Ecologia Política; Giro Decolonial; Educação Ambiental desde el Sur.

GT22 - Educação Ambiental
ESCOLA, MÍDIA E CINEMA: CONSTRUINDO ESPAÇOS DE PARTICIPAÇÃO COM AS CRIANÇAS

Karine Joulie Martins | UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

Escola, mídia e cinema: construindo espaços de participação com as crianças Resumo: Este texto apresenta o recorte de uma pesquisa que analisa as possibilidades de oficinas de cinema despertarem novas formas de participação em escolas públicas. A escola e a mídia têm escassa oferta de espaços de participação para crianças, especialmente quando se trata de contextos periféricos. Ainda assim, considera-se a escola um espaço de permanente transformação por conta dos diferentes sujeitos que a constituem, portanto com potencial para novas experiências. A partir dessa perspectiva, o percurso metodológico se deu através de uma pesquisa-intervenção com oficinas de cinema fundamentadas na mídia-educação e na metodologia de Episódios de Aprendizagem Situados (EAS) realizadas em duas escolas de comunidades periféricas de Florianópolis/SC. A partir de gestos, falas e das imagens produzidas por crianças ao longo de 12 encontros, foi possível perceber que o espaço destinado a expressão por meio de uma nova linguagem, que considere aspectos da cultura infantil, faz emergir novas relações com os sujeitos e espaços da escola. Palavras-chave: Infância. Escola. Mídia-Educação. Cinema e Audiovisual. Participação.

GT16 - Educação e Comunicação
ESCOLAS CHARTER, CONTRATOS DE GESTÃO NA EDUCAÇÃO E GESTÃO DEMOCRÁTICA: debatendo sobre o programa proposto na rede estadual de educação goiana.

Henrique Dias Gomes de Nazareth | UNIRIO - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

ESCOLAS CHARTER , CONTRATOS DE GESTÃO NA EDUCAÇÃO E GESTÃO DEMOCRÁTICA: debatendo sobre o programa proposto na rede estadual de educação goiana. O artigo é fruto de uma investigação que analisa um programa brasileiro inspirado nas escolas charter estadunidenses , os contratos de gestão com organizações sociais (OSs) na educação goiana. O programa previa a transferência da gestão de 30% das escolas para OSs, foi formulado e proposto em 2016, mas não foi efetivamente implementado. O programa sofreu resistências e sua não implementação deveu-se principalmente às denúncias do Ministério Público. Entre elas está a inadequação do programa ao princípio da Gestão Democrática (GD), ponto principal para esse trabalho. Intenciona-se trazer aspectos relativos à GD e a forma como os formuladores do programa tentaram adequá-lo ao princípio. Objetiva-se analisar o formato de GD proposto e como ele se tornou questão central no programa. Para tanto, procede-se à uma pesquisa documental que tem como corpus de análise documentos normativos e informativos. Desse modo, é possível concluir que os formuladores do programa tentaram, sem sucesso, conciliar o modelo de gestão gerencial com a GD prevista na legislação brasileira. Palavras-chave: escolas charter ; gestão democrática; contratos de gestão.

GT05 - Estado e Política Educacional
ESCREVIVÊNCIAS : O BLOG E O MICROBLOG COMO ESPAÇOS DE PESQUISA EM HISTÓRIA DE VIDA

Roselete Fagundes de Aviz | UDESC - Universidade do Estado de Santa Catarina

ESCREVIVÊNCIAS : O BLOG E O MICROBLOG COMO ESPAÇOS DE PESQUISA EM HISTÓRIA DE VIDA RESUMO A pesquisa em que este trabalho se baseia teve como objetivo contribuir com o conhecimento e diagnóstico das formas de violências, incluindo a violência/abuso sexual em contextos de fundamentalismos religiosos , numa perspectiva cultural, histórica e sociológica. Buscaram-se histórias de vida de mulheres que sofreram na infância/adolescência algum tipo de violência nesses contextos. Fez-se o levantamento de estudos de autores que suscitam debates em torno dessas questões, tendo sempre em vista possibilidades de debates sobre o papel que nela tem a Educação. A metodologia pauta-se na definição de uma coleta de base, representada pelas histórias de vida por meio de um blog . Como resultado, concluiu-se que para pesquisar temáticas ainda envoltas em silenciamentos e preconceitos, como a relação entre violência de gênero e fundamentalismos religiosos , aliar o blog a outras ferramentas da cibercultura, como o Twitter, pode ser de grande relevância, uma vez que isso suscita o debate e permite a criação de espaços de confiança e intimidade que favorecem a partilha de depoimentos pessoais. Palavras-chave : Blog. Twitter. Ferramentas digitais de pesquisa. História de vida. Fundamentalismos Religiosos.

GT16 - Educação e Comunicação
ESTADO DEMOCRÁTICO EM TEMPO DE CONSERVADORISMO E SUAS IMPLICAÇÕES NO ENSINO BRASILEIRO

Solange Pereira da Silva | UFPA - Universidade Federal do Pará

ESTADO DEMOCRÁTICO EM TEMPO DE CONSERVADORISMO E SUAS IMPLICAÇÕES NO ENSINO BRASILEIRO RESUMO : Este texto trata das políticas conservadoras brasileiras reproduzidas na educação em tempo de crise destrutiva do capital. O objetivo que norteou o trabalho foi analisar qual a natureza da crise retroativa instalada na democracia brasileira e suas consequências para a educação brasileira? A metodologia utilizada para a realização desta investigação foi à pesquisa bibliográfica e documental. Para a realização das análises, utilizou-se dos fundamentos teórico do materialismo histórico-dialético de Marx e Engels . Conclui-se que, na atual conjuntura, dois espectro ronda a educação brasileira, o primeiro é o processo de subordinação do ensino público ao jogo do livre mercado, e o segundo, e a forte vinculação do Estado brasileiro as correntes religiosas, que trabalham com a perspectiva de sujeição de toda uma geração aos princípios dogmáticos moralistas que impede o pensamento crítico e destitui toda a capacidade de criticar e lutar por direitos. Palavra – chave: politicas conservadoras – educação pública – pensamento crítico

GT05 - Estado e Política Educacional
ESTAR SENDO PROFESSOR: A CONSTITUIÇÃO IDENTITÁRIA DE UMA DOCENTE DA EDUCAÇÃO BÁSICA

Giovana Maria Belém Falcão | UECE - Universidade Estadual do Ceará

ESTAR SENDO PROFESSOR: A CONSTITUIÇÃO IDENTITÁRIA DE UMA DOCENTE DA EDUCAÇÃO BÁSICA RESUMO A identidade docente é processo que se constitui ao longo de um tempo, influenciada por elementos do contexto social, cultural e histórico. Entendendo a identidade como fenômeno psicossocial, conforme postula Antônio da Costa Ciampa, este escrito tem por objetivo conhecer o processo de constituição identitária de uma professora da educação básica. A investigação faz parte de um estudo mais amplo, da tese de doutorado, que teve por propósito principal compreender a identidade de professores da Educação Básica participantes do PIBID. Apoiando-se numa perspectiva qualitativa, ouviu-se neste escrito, por meio de entrevista de história de vida, a fala de uma professora da educação básica. A narrativa da professora revelou elementos de um contexto, das interações estabelecidas e do modo como subjetivou suas experiências. Conhecer a história da participante, ajudou a entender a professora que hoje é e como se reconhece docente. Palavras-chave: Identidade. Reconhecimento. Professor da educação básica

GT20 - Psicologia da Educação
ESTRATÉGIA POLÍTICO-PERFORMATIVA FEMINISTA NAS OCUPAÇÕES SECUNDARISTAS

Marcielly Cristina Moresco | UFPR - Universidade Federal do Paraná

A escola é um espaço de e para as ambiguidades em relação às questões de gênero, feminismos e sexualidades. Ora ameaçados ou reprimidos, ora nomeados, são temas que sempre estiveram presentes nas escolas, sejam sob os efeitos do governamento de corpos e desejos ou sob a produção de (novas) práticas, (novos) sujeitos e (novos) modos subjetivos de existência de alunas e alunos. É a partir dessas reflexões que apresento e analiso a ocorrência de uma ambiguidade nas narrativas e práticas performativas das estudantes nas ocupações secundaristas de 2015/2016. E reflito como oposições, contradições e ambivalências podem servir como importantes e necessárias estratégias político-performativas de deslocamentos, subversões, resistências e produção de modos subjetivos de viver e de se relacionar diante de dispositivos contemporâneos que potencializam as violências, induzem ou coíbem subjetividades e direitos. Palavras-chave: Escola; Feminismo; Ocupação; Performatividade.

GT23 - Gênero, Sexualidade e Educação
Estratégias de formação de professores alfabetizadores e o trabalho com a linguagem

Ludmila Thomé de Andrade | UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro

Estratégias de formação de professores alfabetizadores e o trabalho com a linguagem RESUMO Este artigo é fruto de uma pesquisa-formação longitudinalmente desenvolvida, junto a professores alfabetizadores de escolas da rede pública de uma capital do sudeste brasileiro que frequentaram encontros de formação acontecidos na universidade. Nele destacamos a necessidade da escolha de uma concepção de linguagem com que se deseje trabalhar nas práticas escolares para o planejamento de estratégias didáticas de formação coerentes. O embasamento teórico tece-se de autores como Bakhtin (2011, 2017), Smolka (1988), Mortatti (2004, 2007, 2008, 2009, 2010, 2011a, 2013) e Freire (2006). Tencionamos discutir as estratégias didáticas presentes em oito pesquisas que tiveram como tema de estudo os encontros de formação docente. Como resultado, pudemos identificar componentes de uma didática da formação, com ênfase em princípios dialógicos, pela via das interações interlocutivas, que entendemos ser relevantes para a discussão acerca de estratégias formativas, apresentando uma maneira de pensar a formação que valoriza os saberes docentes, bem como a importância da interlocução no processo formativo. PALAVRAS-CHAVE: Formação de alfabetizadores, estratégias da formação, alfabetização.

GT08 - Formação de Professores
Estreitamento na expansão: limites do ensino médio integral em Goiás

Alcio Crisostomo Magalhaes | UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

Estreitamento na expansão: limites do ensino médio integral em Goiás Resumo: As contrarreformas isoladas que desde os anos 1990 vinham ocorrendo em diferentes regiões do Brasil, especialmente no Sudeste e Nordeste, em 2017 ganham status de política de Estado. O golpe jurídico/midiático que destituiu a Presidente da República produziu como imediato a reforma da Lei de Diretrizes da Educação Nacional 9394/96. Com base em uma combinação de pesquisa quantitativa e qualitativa que utilizou como técnicas de coleta questionários, entrevistas semiestruturadas e investigação participante, esse artigo apresenta a categoria diversificação para manutenção como síntese do objeto Ensino Médio em tempo integral e fragmentado em itinerários formativos, a grande novidade da nova LDB (13.415/2018). Por meio da experiência dos Centros de Ensino em Período Integral do Estado de Goiás discute-se o mais desenvolvido do processo de estreitamento na expansão da educação básica no País. Palavras-chave: Ensino Médio. CEPI. Lei 13.415

GT09 - Trabalho e Educação
Estudos articulados sobre o uso de dispositivos eletrônicos por crianças de 0 a 6 anos

Zena Winona Eisenberg | PUC Rio - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Estudos articulados sobre o uso de dispositivos eletrônicos por crianças de 0 a 6 anos O uso de dispositivos eletrônicos com tecnologia touch screen tem aumentado não só no Brasil, mas no mundo todo. Entendendo que o acesso crescente resulta de uma confluência entre maior acessibilidade aos aparelhos, praticidade para os responsáveis, e facilidade de uso pelas crianças, buscamos neste artigo relatar resultados de estudos articulados em torno de compreender melhor o uso com foco nos seguintes aspectos: motivação dos responsáveis e das crianças, proficiência, os contextos de maior uso, a atitude dos responsáveis e os conceitos que têm sobre os aparelhos com a tecnologia touch screen. Quatro estudos articulados foram realizados com crianças de 6 meses a 6 anos. Os resultados são discutidos sob as óticas teórica e metodológica. Concluímos que a diversidade de instrumentos adotados ofereceu maiores possibilidades de compreensão de análise do problema, mas que são necessários estudos de natureza longitudinal para que se possa avaliar efetivamente o impacto, no desenvolvimento das crianças pequenas, do uso das tecnologias digitais. Palavras-chave: tecnologia touch screen ; infância; desenvolvimento infantil

GT16 - Educação e Comunicação
EVALUACIÓN DEL APRENDIZAJE: RETOS Y POSIBILIDADES PARA LA ENSEÑANZA EN LAS PALABRAS DE LOS PROFESORES DE MATEMÁTICA DE LAS ESCUELAS DE REFERÊCIA EN ENSINO MEDIO DE PERNAMBUCO

Adriano de Araujo Santos | SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO

EVALUACIÓN DEL APRENDIZAJE: RETOS Y POSIBILIDADES PARA LA ENSEÑANZA EN LAS PALABRAS DE LOS PROFESORES DE MATEMÁTICA DE LAS ESCUELAS DE REFERÊCIA EN ENSINO MEDIO DE PERNAMBUCO RESUMEN Este trabajo presenta resultados iniciales de una investigación sobre evaluación del aprendizaje en las Escolas de Referência en Ensino Médio del estado de Pernambuco, escuelas de tiempo parcial o completo que suman el promedio del 30% del total de la red. Cuentan con monitoreo y tienen sus propuestas pedagógicas vinculadas a la “educación interdimensional”, que conciben el estudiante como un ser multidimensional y propone una evaluación formativa. Nos acercamos para entender, cómo es la evaluación según los docentes, teniendo en cuenta estas características, que han puesto Pernambuco como uno de los primeros en el IDEB. Dialogamos con autores que tratan la evaluación como práctica pedagógica, los que conciben el examen como mecanismo de control y emancipación. Utilizamos el paradigma cualitativo y entrevista abierta. Los resultados muestran, como los docentes comprenden la evaluación y los límites para una práctica evaluativa que haga el diagnóstico de las necesidades de los estudiantes y una posterior regulación. PALABRAS-CLAVE: evaluación del aprendizaje; enseñanza media; práctica docente.

GT04 - Didática
Evidências de aprendizagem de estudantes com deficiência intelectual: um estudo em escola municipal paulistana

Ingrid Anelise Lopes | FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - FEUSP

Resumo Com o objetivo de analisar formas de apreender o direito à aprendizagem de estudantes com deficiência intelectual, esta pesquisa focalizou a problemática por meio de abordagem qualitativa com estudo de caso. No trabalho de campo em uma escola, priorizou-se o acesso a documentos. Foram produzidos dados sobre trajetória escolar e evidências de aprendizagem. Dos resultados, depreende-se que a trajetória dos estudantes focalizados é marcada por aprovações e registros de conceitos em boletins que sugerem aprendizagem nas áreas de inglês, arte e educação física. Para outros componentes curriculares a maioria dos estudantes contam com os conceitos que não sinalizam aprendizagem. As anotações também presentes nos boletins nem sempre coadunam com os conceitos ou pouco colaboram para a sua compreensão. Apesar dessas incongruências, verifica-se esforços da escola em registrar aspectos do currículo escolar, indicando que a política educacional tem impulsionado olhar sobre o direito à aprendizagem dos estudantes com deficiência intelectual. Compreende-se, por fim, que questões relacionadas a sexo e raça intervêm sobre a escolarização desses sujeitos, indicando a emergência de estudos interseccionais. Palavras-chave: Educação especial. Inclusão. Aprendizagem. Deficiência intelectual.

GT15 - Educação Especial
Expansão e avaliação dos Cursos Superiores de Tecnologia no Brasil: tendências e controvérsias no período entre 1997 e 2015

Jose Vieira de Sousa | UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

Expansão e avaliação dos Cursos Superiores de Tecnologia no Brasil: tendências e controvérsias no período entre 1997 e 2015 O trabalho descreve e analisa as principais motivações, tendências e controvérsias da expansão e avaliação dos Cursos Superiores de Tecnologia (CSTs), no Brasil, no período 1997-2015, considerando a flexibilização apontada pela LDB 9.394/96 para a diversificação de instituições e cursos superiores no País. Os resultados discutidos no artigo referem-se às percepções de um conjunto de 25 (vinte e cinco) dirigentes – Reitor, Pró-Reitor, Diretor Geral/Acadêmico e Coordenador de Curso – sobre fatores diversos associados ao fenômeno no período citado. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas presenciais com os dirigentes de IES públicas e privadas localizadas em dez Unidades da Federação. Constatou-se o alinhamento entre os CSTs e as novas configurações econômicas, o mundo produtivo e a necessidade de formação de mão de obra específica. Sua expansão foi influenciada pela curta duração da formação e pela facilidade de sua aproximação com outras áreas da graduação das IES, permitindo o aproveitamento de docentes, materiais e cenários de prática profissional. Palavras-chaves: Educação Superior – Expansão – Avaliação – CSTs

GT11 - Política de Educação Superior
EXPECTATIVAS DE DISCENTES NO ÚLTIMO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: O REFLEXO DA ESCOLA

Juliana Ferro da Silva | UNIRIO - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

EXPECTATIVAS DE DISCENTES NO ÚLTIMO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: O REFLEXO DA ESCOLA Resumo: O presente trabalho se propõe a identificar de que maneira os alunos no 9º ano do Ensino Fundamental, série que concentra a maior taxa de evasão do ciclo (Censo Escolar, 2015), percebem sua escolarização e os fatores escolares que incidem em sua decisão sobre a continuidade da escolaridade. Os estudos sobre as escolas eficazes, no campo da Sociologia da Educação, indicam a relevância dos fatores escolares para a trajetória escolar discente (SAMMONS, 2008; ALVES e FRANCO, 2008). O estudo buscou ainda atinar a influência da família e da comunidade para sua permanência na escola e suas expectativas em relação ao futuro. A transição entre os segmentos educacionais é um dos momentos de grande dispersão/evasão escolar, como apontam Leon e Menezes-Filho (2011). Utilizou-se de grupo focal com os alunos e análise de indicadores nacionais. Foi percebido que a escola tem pouca influência sobre a prospecção de futuro nesses alunos e que a família exerce esse papel de motivar a continuidade dos estudos. Sendo uma pesquisa de pequena escala, os resultados obtidos pretendem sinalizar fatores e criar hipóteses. Palavras-chave: Ensino fundamental; Pesquisa em educação; Educação pública.

GT14 - Sociologia da Educação
EXPERIÊNCIA, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO: METAMORFOSES EM MOVIMENTO

Marta Elaine de Oliveria | UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

EXPERIÊNCIA, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO: METAMORFOSES EM MOVIMENTO Resumo: O presente texto propõe uma discussão acerca da noção de experiência e de aprendizagem na formação de professores. Traz um evento que se deu em sala de aula, de formação de docentes que ensinarão matemática, nos anos iniciais do Ensino Fundamental, problematizando uma certa noção de experiência que tende a estabelecer, a apresentar e a controlar os caminhos para se atingir uma aprendizagem. O artigo é composto em três movimentos de metamorfoses, trazido junto ao texto “Das três metamorfoses do espírito”, do filósofo alemão Friedrich Nietzsche. Em um primeiro movimento, discute a noção de experiência e de aprendizagem enquanto acúmulo de conhecimento durante determinado tempo vivido; no segundo trata, da noção de experiência e de aprendizagem enquanto modos de se chegar a produção de verdades, associando à experiência a um experimento; um terceiro propõe pensar a experiência e a aprendizagem enquanto movimento de criação de novos valores e de produção contínua de vida. Em um exercício de pensar e de escrever, questiona os valores que sustentam modos estabelecidos de pensar a experiência e a aprendizagem, colocando em questão o valor do valor. Palavras-chave: Experiência. Aprendizagem. Formação. Matemática.

GT19 - Educação Matemática
EXPERIÊNCIAS DE CRIANÇAS E O TRABALHO DOCENTE COM ANIMAÇÃO NO ENSINO DA ARTE

Thalyta Botelho Monteiro | UFES - Universidade Federal do Espírito Santo

EXPERIÊNCIAS DE CRIANÇAS E O TRABALHO DOCENTE COM ANIMAÇÃO NO ENSINO DA ARTE Refere-se à dissertação sobre Cinema de Animação no Ensino da Arte e aponta dados preliminares da tese, em andamento, que aborda “Animação no Trabalho Docente”. Contempla as experiência de crianças na produção de animação e o trabalho de professores com a utilização desse instrumento, enquanto mediação de conhecimento. Os primeiros estudos tiveram como base a disciplina de Arte em uma escola da região Serrana do Estado do Espírito Santo e reporta como as experiências das criançasse manifestaram na produção de animações. A partir de Walter Benjamin dialogamos com o conceito de experiência e memória e em Vigotski, imaginação e mediação. Optou-se pelo método qualitativo através de uma pesquisa de cunho colaborativo. As pesquisas atuais proporcionam uma análise dos docentes quanto ao uso da animação em sala de aula e suas implicações sobre as concepções dialéticas do trabalho do professor com a animação. Os estudos permitem-nos avaliar o potencial criador implicado no processo de produção colaborativo entre docentes, discentes e pesquisadora, mediado pela animação, possibilita um vínculo de parceria entre os sujeitos e a criação. Palavras-Chaves: Arte. Animação. Educação. Cinema de animação. Trabalho Docente.

GT24 - Educação e Arte
Experiências e projetos de futuro de jovens em semiliberdade

Jorddana Rocha de Almeida | FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

Experiências e projetos de futuro de jovens em semiliberdade RESUMO Apresenta resultados de uma pesquisa que teve como foco investigar a condição juvenil de jovens em situação de restrição de liberdade. Para tanto, buscou-se compreender os sentidos atribuídos pelos jovens às experiências da medida socioeducativa de semiliberdade em um município no interior de Minas Gerais e seus projetos de futuro. O referencial teórico e metodológico ancorou-se na Sociologia da Juventude e na Sociologia da Experiência. Trata-se de um estudo qualitativo, desenvolvido através de análise de documentos, observações participantes e entrevistas semiestruturadas com 16 jovens com idades entre 13 e 18 anos. A relação com os projetos de futuro era estabelecida pelos jovens de maneira muito distante, prevalecendo uma adesão ao tempo presente. Os jovens alimentavam o desejo de sair da condição de contravenção e, ao mesmo tempo, não viam perspectivas de romperem os laços e compromissos com o mundo do crime, o que se configurou em uma experiência trágica. Palavras-chave: Educação; Juventude; Medidas socioeducativas; Experiência social; Projetos de futuro

GT03 - Movimentos Sociais
Experiências Escolares de Jovens Ameaçados de Morte em Minas Gerais: desafios para a Educação de Jovens e Adultos

Eduardo Lopes Salatiel | UEMG - Universidade do Estado de Minas Gerais

EXPERIÊNCIAS ESCOLARES DE JOVENS AMEAÇADOS DE MORTE EM MINAS GERAIS: DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Resumo : Diante do aumento da violência letal que vem, nas últimas décadas, vitimando principalmente os jovens pobres, o presente artigo analisa as experiências de escolarização de quatro jovens acompanhados pelo Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte de Minas Gerais. Para isso, realizou-se um estudo qualitativo, com entrevistas narrativas. O aporte teórico da sociologia da educação e dos estudos sobre as juventudes propiciou reflexões sobre as condições materiais e simbólicas em que estes adolescentes viveram e interpretaram as desigualdades sociais, a violação de direitos, a estigmatização na escola e na sociedade em geral, bem como seu envolvimento com atividades ilícitas e a situação de ameaça de morte. A conclusão ressalta a importância da EJA no processo de ressignificação da escola, do que advém a necessidade de fortalecimento desta modalidade, bem como de aproximação entre universidade e escola e a valorização dos profissionais que atuam nesses espaços. Palavras-chave : Violência Letal; Ameaça de Morte; Juventudes; PPCAAM; Educação de Jovens e Adultos.

GT18 - Educação de Pessoas Jovens e Adultas
Expressões do pensamento geométrico em narrativas de professoras que ensinam matemática no Ensino Fundamental I

Lívia de Oliveira Vasconcelos | UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS

Resumo Que expressões do pensamento geométrico emergem das narrativas de professoras participantes de uma rede de aprendizagem e desenvolvimento da docência? Essa é a problemática que suscita em nós o interesse em investigar um espaço de formação que integra professoras iniciantes, experientes e futuras professoras que ensinam e ensinarão matemática. Objetivamos analisar expressões do pensamento geométrico de professoras participantes dessa rede. Tais expressões se manifestaram por meio de suas narrativas que revelaram inquietações relacionadas (1) ao papel da linguagem e das representações em aulas de geometria; (2) aos atributos definidores das figuras geométricas (3) à localização e movimentação no espaço. Esta pesquisa é qualitativa e foi construída a partir de dados narrativos. Notamos que novos repertórios metodológicos foram incorporados nas práticas das professoras, uma vez que são interpretados como estratégias de ensino de geometria. Concluímos que espaços como essa rede, que congrega professoras experientes, iniciantes e licenciandas, reverberam na ação de ensinar matemática no Ensino Fundamental I. Palavras-chave: Educação Matemática; Pensamento Geométrico; Formação de Professores; Narrativas.

GT19 - Educação Matemática
EXU E A PEDAGOGIA DAS ENCRUZILHADAS: EDUCAÇÃO, ANTIRRACISMO E DECOLONIALIDADE

Luiz Rufino Rodrigues Júnior | UERJ - PROPED - Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Este trabalho é resultado de uma pesquisa de doutorado em Educação e apresenta Exu, divindade iorubana transladada na diáspora, como fundamento para a proposição de uma Pedagogia das Encruzilhadas, projeto político/poético/ético antirracista e decolonial. Assim, parto da defesa da não redenção do colonialismo e problematizo a continuidade de seus efeitos na formação de um mundo múltiplo e inacabado, lido, aqui, a partir da disponibilidade conceitual da encruzilhada de Exu. A pedagogia proposta lança uma série de conceitos que confrontam a arrogância e a primazia dos modos edificados pelo Ocidente-europeu. Dessa forma, a proposta que por ora se lança aponta outros caminhos: a partir de sabedorias de fronteira, sapiências reconstrutoras dos seres que, na invenção do Novo Mundo, foram submetidos à política de subordinação e morte do racismo. A educação, nesse sentido, emerge como possibilidade de invenção dos seres, uma resposta responsável e comprometida com a justiça cognitiva/social, com o combate ao racismo epistêmico e com a vida em toda sua diversidade. Exu- Pedagogia das Encruzilhadas- Antirracismo.

GT21 - Educação e Relações Étnico-Raciais
Fabulação, sentido, pesquisa

Gabriel Torelly Fraga Corrêa da Cunha | FACULDADE DE EDUCAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

Fabulação, sentido e pesquisa RESUMO – O presente artigo demonstra o que a função fabuladora de Henri Bergson produz no tratamento de arquivos e da própria concepção de pesquisa. Exemplos imagéticos, mitológicos e antropológicos mostram como a fabulação aviva os paradoxos da matéria estudada. Seguindo o que Gilles Deleuze trata como “pensamento nômade”, traz a presença da literatura e suas criações, mesmo quando científicas, para mostrar como se criam corpos aos conceitos. Problematiza-se o uso do pensamento de Deleuze e Guattari como sanção libertadora para invenções de pesquisas. Para tanto, uma retomada epistêmica do pesquisar, do pensar e do imaginar contorna a problemática do sentido e dos seus escapes na linguagem, apresentando os conceitos axiais do que constitui a fabulação criadora na filosofia da diferença e suas possibilidades junto aos arquivos de uma pesquisa. Palavras-chave: Criação. Imaginação. Paradoxo. Sentido.

GT17 - Filosofia da Educação
FEMINILIDADES NA ESCOLA: UMA DISCUSSÃO SOBRE GÊNERO E DESEMPENHO ESCOLAR DE MENINAS

Jaqueline Aparecida Barbosa | UFG - Universidade Federal de Goiás

FEMINILIDADES NA ESCOLA: UMA DISCUSSÃO SOBRE GÊNERO E DESEMPENHO ESCOLAR DE MENINAS Resumo Este artigo resulta de pesquisa que, ancorada nos pressupostos dos estudos de gênero, teve como objetivo compreender como as meninas lidam com o mau desempenho escolar. Partindo da teoria de Pierre Bourdieu como referencial teórico-metodológico, a pesquisa qualitativa abrangeu crianças com idades entre 9 e 10 anos de duas escolas públicas da cidade de Goiânia. A coleta de dados contou com cerca de 240 horas de observação divididas entre sala de aula, interação entre as crianças no pátio, acompanhamento da sala de professores/as, reuniões com as famílias e conselhos de classe. Foram realizadas ainda entrevistas semi-estruturadas com docentes e crianças. A realização da pesquisa apontou como resultados a desvalorização de um tipo específico de feminilidade, aquela que se afirma por meio da vaidade considerada excessiva e que, segundo algumas crianças, seria o que faria “valer a pena” ser menina; poucas meninas enfrentaram ostensivamente as regras impostas pelas escolas, sendo a oposição por meio da indiferença o modo mais recorrente de resistência; a violência simbólica da intervenção de uma das escolas sobre os corpos femininos. Palavras-chave: Feminilidades; Pierre Bourdieu; Gênero e Educação.

GT23 - Gênero, Sexualidade e Educação
Fenômeno como categoria metodológica na pesquisa em educação

Joelson Pereira de Sousa | UNEB - Universidade do Estado da Bahia

FENÔMENO COMO CATEGORIA METODOLÓGICA NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO RESUMO: Este texto busca refletir sobre a relação entre Fenomenologia e Educação, reconhecendo a priori a impossibilidade de tratar a questão de maneira geral e totalizante. A propósito, o presente trabalho investiga a noção de “fenômeno como categoria metodológica na pesquisa em educação”, buscando apresentar diferentes perspectivas sobre a compreensão da realidade educacional, além de sugerir possíveis bases teóricas para o desenvolvimento de metodologias de pesquisa educacionais. Para isso, proponho uma breve problematização acerca do protagonismo metodológico na pesquisa em educação, para em seguida adentrar o contexto filosófico que permitiu a formulação da noção de fenômeno, passando pelo surgimento da fenomenologia e, finalmente, por uma exemplificação direta no campo de pesquisa educacional. À luz de pensadores como Husserl, Heidegger, Merleau-Ponty e Sartre busquei articular diferentes pontos de vista no campo fenomenológico, apontando o modo como essas perspectivas se complementam em favor da fundamentação de uma ciência específica do fenômeno. Palavras-chave: Fenômeno. Metodologia. Pesquisa educacional

GT17 - Filosofia da Educação
FESTA DE SANTO EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS: ENCONTROS POSSÍVEIS ENTRE CONHECIMENTOS DA COMUNIDADE E DA ESCOLA

Candida Soares da Costa | UFMT - Universidade Federal de Mato Grosso

FESTA DE SANTO EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS: ENCONTROS POSSÍVEIS ENTRE CONHECIMENTOS DA COMUNIDADE E DA ESCOLA Agência de Fomento: CNPq Resumo Trata-se de pesquisa em andamento de abordagem qualitativa. O fenômeno que se busca compreender é a dimensão educativa das festas de santo em comunidades quilombolas rurais no estado de Mato Grosso, tendo em vista a necessidade de interlocução entre currículo e práticas pedagógicas escolares e as práticas culturais que mobilizam a vida nessas e dessas comunidades visando contribuir para melhor articulação entre os saberes reconhecidos e valorizados pela escola e os praticados e valorizados pelas comunidades. Adota-se para efeito de realização o método narrativo, entendendo a pesquisa narrativa “como uma metodologia que consiste na coleta de histórias sobre determinado tema onde o investigador encontrará informações para entender determinado fenômeno”. (PAIVA, 2008, n.p), utilizando-se como mecanismos e instrumentos de registro observação participante, caderno de campo, entrevista, registros fotográficos e audiovisuais. Palavras-chave: Festa de santo, Educação escolar quilombola, Relações raciais.

GT21 - Educação e Relações Étnico-Raciais
Folhinhas de Algibeira do século XIX: suas tipologias e os possíveis leitores

Ana Paula Pedersoli Pereira | FACULDADE DE EDUCAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

Folhinhas de Algibeira do século XIX: suas tipologias e os possíveis leitores A partir de um estudo analítico-descritivo-comparativo das Folhinhas de Algibeira publicadas no século XIX, o presente trabalho busca compreender os possíveis leitores e leitoras pretendidos a partir das tipologias das folhinhas. A investigação fundamenta-se nos estudos da História Cultural, da História do livro e da Leitura e da Literatura popular ou de ampla circulação, permitindo a compreensão do impresso como fonte histórica e como objeto físico. O corpus da pesquisa é constituído por 45 folhinhas do acervo “Catálogo de Obras Raras”, publicadas no século XIX. Os resultados indicam um forte caráter de guia de socialização do tempo do impresso. Seu formato possibilita carregá-la no “bolso”/algibeira, ou seja, portá-lo junto ao corpo, indicando que seria esse um material de muita necessidade. Para diferenciar as publicações de uma mesma editora, aplica-se uma fórmula editorial que emprega um formato geral para todos os exemplares acrescido de partes específicas relacionadas diretamente com certa tipologia da Folhinha e isso configura uma forma de segmentação de leitores e uma identidade para cada título inventado. Edição. Folhinhas de Algibeira. Leitura. Leitor

GT10 - Alfabetização
FORMAÇÃO CULTURAL: EXPERIÊNCIA E EMANCIPAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Erika Souza Leme | UFF - Universidade Federal Fluminense

FORMAÇÃO CULTURAL: EXPERIÊNCIA E EMANCIPAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Resumo Neste trabalho apresentamos os resultados da pesquisa de doutorado em educação desenvolvida na Universidade Federal Fluminense, agraciada com Bolsa Nota 10 da FAPERJ, cujo objeto de estudo foi a formação cultural dos estudantes do curso de Pedagogia da UFF. Estabeleceu-se como problema de estudo a relação da formação cultural com a educação inclusiva com vistas à formação humanizadora, indo de encontro aos ditames da racionalidade técnica, que opera com a redução da razão à sua dimensão instrumental, cuja centralidade é o caráter de utilidade. Os resultados obtidos revelam o quanto a formação cultural contribui à resistência e à dominação dos métodos canônicos de ensino possibilitando a docência sensível às diferenças e, consequentemente, inclusiva. Esses resultados são significativamente relevantes no contexto social e político contemporâneo, posto que a formação cultural, oferecida nos cursos de licenciaturas, assume relevância contra a reprodução de práticas docentes baseadas em modelos que contribuem mais à exclusão do que à inclusão e ao combate à violência. Palavras-chave: Formação Cultural e Docente; Experiência e Emancipação; Educação Inclusiva.

GT08 - Formação de Professores
Formação de professores e sentidos de docência em currículo de Pedagogia

Bruna Nunes de Senna Dias | UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro

Formação de professores e sentidos de docência em currículo de Pedagogia Resumo: Ao longo desse texto me proponho a investigar os sentidos de docência que estão em disputa das Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Pedagogia, em vigor desde 2006. A análise das significações atribuídas ao significante docência dentro do contexto discursivo do curso de Pedagogia ganha destaque especial se levarmos em consideração a trajetória do curso desde sua criação em 1939, e sua recém designada atribuição de formar professores para atuação nos anos iniciais do ensino fundamental e na educação infantil. Partindo de uma aproximação histórica da trajetória do curso de Pedagogia desde sua criação até os dias de hoje analiso como a formação de professores e os sentidos de docência são expressos nas DCNs para o curso e quais seus desdobramentos dentro do campo educacional. Palavras-chave: Formação de professores; Docência; Currículo de Pedagogia

GT08 - Formação de Professores
FORMAÇÃO ENTRE PARES NO CONTEXTO DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

Josiane Jarline Jäger | UFPel - Universidade Federal de Pelotas

FORMAÇÃO ENTRE PARES NO CONTEXTO DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA Resumo Este trabalho tem como contexto de pesquisa a formação continuada do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Analisa e descreve seus processos e práticas formativas a partir de dois eixos: a política e o programa; a formação entre pares. A pesquisa é qualitativa e adota o método interpretativo para analisar os relatórios de formação elaborados por formadoras e orientadoras de estudos. Os dados da pesquisa e a teorização são tratados de forma concomitante, explicitando e problematizando aspectos observados relativos a cada um dos eixos de análise. A discussão realizada mostra os limites da formação continuada em uma perspectiva macroconceitual e apresenta as possibilidades construídas na relação entre pares, especialmente as que recontextualizam e ampliam as ações do programa gerando movimentos formativos. Palavras-chave: Formação continuada de professores. PNAIC. Formação entre pares.

GT08 - Formação de Professores
FORMAÇÃO INICIAL NOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 2016

Wania Regina Coutinho Gonzalez | Universidade Estácio de Sá

Formação Inicial Nos Jogos Olímpicos Rio 2016 Resumo Este artigo pretende contribuir para as discussões sobre a formação inicial e continuada (FIC) no âmbito da Educação Profissional Tecnológica (EPT). Privilegiou-se a investigação do curso de Operação de Instalação Esportiva Rio 2016 (OIE) à luz dos autores críticos que tratam sobre a complexa relação entre Trabalho e Educação. O texto aborda as contribuições desse curso na trajetória formativa profissional dos egressos, após 30 meses de sua conclusão. A formação foi realizada por alunos de uma universidade particular carioca, mediante uma parceria com o Comitê Olímpico e teve como objetivo desenvolver competências para a gestão e a operação de instalações esportivas dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. A pesquisa de natureza quanti-qualitativa, contou com a participação de 94 egressos do referido curso, mediante a disponibilização do questionário on line na plataforma Survey Monkey. A análise permitiu identificar que apesar da maioria dos egressos estarem inseridos no mercado de trabalho o fazem em áreas distintas à formação inicial da qual participaram. Palavras-chave: Qualificação Profissional. Formação Inicial e Continuada. Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016.

GT09 - Trabalho e Educação
FORMAÇÃO INICIAL, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA EJA

Rafaela Carla E Silva Soares | UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais

FORMAÇÃO INICIAL, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA EJA Este artigo traz resultados de pesquisa quantiqualitativa que buscou analisar a formação do educador do curso de Pedagogia da UFMG sob a perspectiva dos estudantes egressos que optaram pela Habilitação em EJA, a fim de compreender em que medida e de que modo essa formação influencia em sua inserção e atuação profissionais. Na etapa quantitativa realizou-se levantamento dos egressos e aplicou-se questionários. Na etapa qualitativa organizou-se um seminário e entrevistou-se os sujeitos participantes. Fez-se a triangulação dos dados entre o levantamento inicial, os questionários, as entrevistas e o seminário, relacionando-os com a literatura do campo. Evidenciou-se que dentre as opções existentes no curso, a Formação Complementar em EJA é uma das menos escolhidas devido à reduzida oferta de trabalho, contudo, configurou-se como um diferencial no momento da inserção e atuação profissional dos egressos, visto que contribui no desenvolvimento da sensibilidade para o trabalho com as especificidades da EJA. Palavras-chave: EJA, Formação inicial, Pedagogia, Egressos.

GT18 - Educação de Pessoas Jovens e Adultas
FRONTEIRAS LINGUÍSTICAS E DECOLONIALIDADE: PODER E RESISTÊNCIA EM PRÁTICAS DISCURSIVAS E SOCIAS DE MULHERES INDÍGENAS DA AMAZÔNIA

Raimundo Nonato de Pádua Câncio | FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS

FRONTEIRAS LINGUÍSTICAS E DECOLONIALIDADE: PODER E RESISTÊNCIA EM PRÁTICAS DISCURSIVAS E SOCIAS DE MULHERES INDÍGENAS DA AMAZÔNIA RESUMO: Indivíduos falantes de línguas diferentes carregam consigo bagagens sociais, culturais, étnicas e representações de mundo e do outro muitas vezes divergentes. Quando confrontados, produzem métodos e estratégias discursivas para garantir a aquisição de outra língua e a própria existência. O objetivo deste estudo é analisar como duas mulheres indígenas, Wai-wai (PA) e Apinayé (TO), expressam poder e resistência em práticas discursivas e sociais, para garantir conhecimentos e a aquisição de uma segunda língua. Trata-se de um estudo com enfoque na Análise Crítica do Discurso, a partir de aproximações com as correntes teóricas Pós-Colonial e Decolonial, no que toca à crítica epistemológica. Os resultados mostram que os fatores linguísticos não podem ser compreendidos isolados dos embates sociais, uma vez que a violência, o racismo, os preconceitos e as intolerâncias contra as mulheres indígenas decorrem do grau de diferença e das relações de poder entre as culturas e línguas. PALAVRAS-CHAVE: Fronteiras linguísticas. Decolonialidade. Mulheres indígenas. Análise Crítica do Discurso.

GT21 - Educação e Relações Étnico-Raciais
Garantia de direitos de pessoas com deficiência assistidas pelo Programa BPC na Escola

Carla Biancha Angelucci | FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - FEUSP

Garantia de direitos de pessoas com deficiência assistidas pelo Programa BPC na Escola O trabalho aborda o direito à educação de pessoas com deficiência que recebem o Benefício de Prestação Continuada e são assistidas pelo Programa BPC na Escola. O Programa objetiva identificar crianças e adolescentes beneficiários do BPC e indicar ações e políticas visando à superação de barreiras que impeçam frequência à escola, favorecendo sua inclusão educacional e o exercício de sua cidadania. Buscou-se compreender a rede de garantia de direitos acionada pelas famílias, caracterizando-se os beneficiários e suas relações com os serviços de diferentes políticas sociais, a partir da análise de questionários aplicados em 2014. Entre os resultados, destacam-se: i) equívocos e inconsistências em seu preenchimento; ii) significativa discrepância entre o número de pessoas com deficiência recebendo até um salário mínimo e o número de beneficiários do BPC; iii) a maioria dos beneficiários frequenta ou já frequentou a escola; iii) a principal relação das famílias se dá com equipamentos do setor Saúde, indicando permanência da lógica da reabilitação como principal estratégia de atenção para essa população. Palavras-chave: Educação Especial. Deficiência. Benefício de Prestação Continuada. BPC na Escola.

GT15 - Educação Especial
Genealogia e narrativa na apresentação da interface psicologia e educação para licenciandos.

Rodrigo Lages E Silva | PPGEDU/UFRGS

Resumo Apresento resultados preliminares da pesquisa “Sobre pensamento e subjetivação: modulações históricas da relação entre psicologia, educação e escolarização”, a qual busca realizar uma investigação bibliográfica inspirada na metodologia genealógica foucaultiana acerca das aproximações históricas entre perspectivas teóricas e conceitos operados por teorias psicológicas e o campo da educação, com especial ênfase às políticas e práticas escolares. Nesta pesquisa são desenvolvidos objetos de aprendizagem na modalidade draw my class que buscam compartilhar com um público não especialista os resultados destas investigações, pondo a prova a hipótese de que existe uma articulação possível entre a investigação genealógica e a arte da narrativa, a qual atualiza interrogações de pesquisa de modo a atrair o interesse de estudantes e a potencializar outras formas de contribuição da psicologia para educação que não a psicologização dos processos de aprendizagem ou dos comportamentos escolares. No presente trabalho, apresento e discuto como resultado preliminar a construção de um dos vídeos construídos pela pesquisa intitulado: “A história da psicologia sob dois olhares”.

GT20 - Psicologia da Educação
GÊNERO NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGAS: OS PERCALÇOS NA INSERÇÃO DA TEMÁTICA NOS PERCURSOS CURRICULARES

Carolina Castro Silva | UFF - Universidade Federal Fluminense

RESUMO Este artigo visa explorar como os estudos de gênero têm sido trabalhados nos cursos de Pedagogia de duas renomadas universidades cariocas, as UERJ e a UFF, e suas respectivas unidades acadêmicas. Sabe-se que historicamente, os cursos de licenciatura constituem-se como um espaço de grande inserção feminina, tal qual a atuação na docência.Acredita-se que a inserção e o diálogo sobre a perspectiva de uma pedagogia feminista sejam importantíssimos para o contexto social atual, principalmente no Brasil, cujo o flerte com ideias e pautas conservadoras, tem se mostrado cada vez presentes no debate. Para tanto, foram ouvidos sete docentes, quatro homens e três mulheres, com diversas formações, que contemplaram em suas falas os principais desafios e estratégias na inserção dos estudos de gênero tanto nas disciplinas que ministram, quanto nas discussões curriculares ocorridas nos últimos anos e na própria resistência estudantil presentes no âmbito do curso de Pedagogia.Para tais análises, foi escolhido como percurso metodológico, a técnica de análise de conteúdo. Palavras-Chave: Gênero; Formação de Pedagogas; Currículo.

GT23 - Gênero, Sexualidade e Educação
GÊNEROS TEXTUAIS/DISCURSIVOS E CAPACIDADE DE LINGUAGEM DOMINANTE: ANÁLISE DOS LIVROS DIDÁTICOS DE ALFABETIZAÇÃO DESTINADOS ÀS ESCOLAS PÚBLICAS BRASILEIRAS

Debora Amorim Gomes da Costa-Maciel | UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

GÊNEROS TEXTUAIS/DISCURSIVOS E CAPACIDADE DE LINGUAGEM DOMINANTE: ANÁLISE DOS LIVROS DIDÁTICOS DE ALFABETIZAÇÃO DESTINADOS ÀS ESCOLAS PÚBLICAS BRASILEIRAS RESUMO Quais gêneros textuais/discursivos chegam às escolas públicas brasileiras a partir dos livros didáticos? Quais capacidades de linguagem os gêneros selecionados por esses livros podem desenvolver nos(as) alunos(as) em fase de alfabetização? Essas inquietações direcionam esse trabalho, cujo objetivo é investiga a diversidade de gêneros disponível nos livros didáticos de alfabetização, avaliados pelo Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) em suas edições 2010 e 2013. Os dados, tratados à luz do prisma qualitativo e quantitativo (MINAYO & SANCHES, 1993), foram categorizados em seus “aspectos tipológicos” e em suas “capacidades de linguagem dominantes” (SCHNEUWLY e DOLZ, 2004, p. 58). O aporte teórico fundou-se em Schneuwly e Dolz (2004) e Bakhtin (2011), dentre outros. Observou-se que os livros analisados apresentam uma diversidade de gêneros que propiciam o desenvolvimento de capacidades de linguagem variadas, que possibilitarão aos sujeitos a participação nos diversos contextos sociais. Palavras-chaves: gêneros textuais/discursivos; livro didático; Guia do livro didático de alfabetização e letramento.

GT10 - Alfabetização
GEO-GRAFIAS DOCENTES NA METRÓPOLE: A CASA E O PEDAÇO

Álida Angélica Alves Leal | UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais

GEO-GRAFIAS DOCENTES NA METRÓPOLE: A CASA E O ” PEDAÇO” RESUMO : Partindo do pressuposto de que vidas de sujeitos socioculturais professores/as devem ser apreendidas em outros espaços e tempos da vida social além das escolas, investigamos as geo-grafias docentes na metrópole, construto teórico-conceitual que designa práticas espaciais de sujeitos-professores/as nos espaços citadinos durante seus tempos cotidianos (Lefebvre, 1974; Hargreaves, 1999; Harvey, 2003). A pesquisa exploratória buscou compreender sentimentos, sentidos e significados associados e atribuídos a estas práticas por meio de análise bibliográfica e 23 (vinte e três) entrevistas semi-estruturadas com docentes do Terceiro Ciclo do Ensino Fundamental que lecionavam na Rede Pública Municipal de Contagem/MG (primeiro semestre/2010). Neste texto, apresentamos alguns aspectos/dimensões que singularizam estas geo-grafias docentes na metrópole, quais sejam: a relação destes sujeitos com a casa e a constituição de “pedaços” docentes (Magnani, 1998) . PALAVRAS-CHAVE : Geo-grafias docentes . Metrópole. Casa. Pedaço.

GT14 - Sociologia da Educação
GERENCIALISMO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TECNOLÓGICA: uma análise do desenvolvimento do curso superior de tecnologia

Celia Cristina Pereira da Silva Veiga | UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO

GERENCIALISMO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TECNOLÓGICA : uma análise do desenvolvimento do curso superior de tecnologia O curso superior de tecnologia foi regulado no contexto de reorganização do modelo de produção e reprodução da vida material, quando a normatização de diversas políticas é relacionada à efervescência de um conjunto de novas ideias oriundas do processo de recomposição burguesa. Tomamos como questão de estudo a relação entre regulação e desenvolvimento dos cursos superiores de tecnologia e a expansão da ideologia gerencial. Nosso objetivo é analisar as relações entre o gerencialismo e a regulação/desenvolvimento desses cursos. Trata-se de pesquisa básica, com abordagem qualitativa e finalidade explicativa, tendo como procedimentos técnicos a pesquisa bibliográfica e documental. Os resultados evidenciam a imposição de um modelo de formação em nível superior que explicita a sofisticação da divisão social do conhecimento e cumpre papeis políticos para além da certificação. Concluímos que o curso superior de tecnologia é um dos instrumentos criados para conformação em torno de uma concepção de sociedade, de humano e de educação pautados no gerencialismo. Palavras-chave : Recomposição burguesa; Gerencialismo; Divisão social do conhecimento; Curso superior de tecnologia.

GT11 - Política de Educação Superior
GESTÃO ESCOLAR: um estudo sobre perfis de liderança do diretor e desempenho dos alunos.

Natália Pereira Lima | PUC-Rio - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

GESTÃO ESCOLAR: um estudo sobre perfis de liderança do diretor e desempenho dos alunos. RESUMO Este estudo propõe um debate sobre as relações entre os perfis de liderança do diretor escolar (especialmente, o acesso ao cargo) e o desempenho discente de duas escolas públicas municipais no estado do Maranhão. Para tanto, tomamos como base teórica os estudos da Sociologia das Organizações e as pesquisas sobre “eficácia escolar”. O trabalho envolveu a análise dos resultados do IDEB (2015-2017) de cada escola e realização de duas entrevistas com as diretoras. Buscamos também os questionários contextuais da Prova Brasil para coleta de informações sobre as formas de acesso ao referido cargo. O material coletado, de caráter exploratório, pareceu indicar diferentes formas de atuação e visão das diretoras no que se refere as estratégias de gestão. No entanto, algumas características convergem nos tipos de liderança identificados: atuação forte e presente das diretoras na construção e manutenção de um ambiente escolar favorável. Palavras-chave: Gestão escolar – liderança escolar – desempenho

GT14 - Sociologia da Educação
GOVERNANÇA E DESEMPENHO DAS UNIVERSIDADES CATÓLICAS À LUZ DO RANKING UNIVERSITÁRIO FOLHA (RUF)

Adolfo Ignacio Calderón | PUC/CAMP - Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Resumo: Este estudo objetiva analisar, longitudinalmente, o surgimento e expansão das universidades católicas no Brasil, abordando seu desempenho em termos de qualidade a partir dos resultados no Ranking Universitário Folha (RUF). Realizou-se pesquisa documental, levantamento histórico-bibliográfico, análise de indicadores de desempenho do RUF com critérios quali-quantitativos. Utilizou-se fontes de informações estatísticas, além de estudo sobre a forma de constituição de sua estrutura de governança. A pesquisa revela o papel desempenhado pelas universidades católicas no cenário da educação superior, em praticamente todo o território nacional, evidenciada a partir da análise histórica, dentro de suas limitações e características confessionais. O estudo demonstra que, em termos de qualidade, a boa performance não é homogênea pois, 23,5% das Universidades Católicas apresentam desempenho fraco, ocupando as últimas posições, no ranking estudado, por outro, existe uma elite de excelência de sete universidades que integram as 60 melhores universidades do país.

GT11 - Política de Educação Superior
HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO NO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: A UTILIZAÇÃO DE CARTILHAS NAS ESCOLAS DA REDE PÚBLICA (1979-2017)

Iara Augusta da Silva | UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL

HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO NO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: A UTILIZAÇÃO DE CARTILHAS NAS ESCOLAS DA REDE PÚBLICA (1979-2017) Resumo Os estudos que tratam da história da alfabetização no Brasil tiveram início na última década do século XX, porém, vêm ganhando maior espaço e visibilidade nos anos 2000. Tendo como referência esses estudos, o presente texto apresenta as reflexões iniciais da pesquisa a respeito da trajetória histórica da alfabetização em Mato Grosso do Sul (MS) no período de 1979 a 2017, com foco no uso das cartilhas. Na realização da investigação buscou apoio em documentos, produções acadêmicas e obras relacionados à história da educação (ALVES, 2001, 2005, 2015) e à história da alfabetização (MORTATTI, 2012; FRADE; MACIEL, 2006; CARDOSO, 2011; AMÂNCIO, 2008; BERTOLETTI, 2006, 2018) no Brasil. Os resultados preliminares apontam a existência de um número pequeno de trabalhos científicos que abordam a história da alfabetização no estado de MS, como também a quase inexistência de acervos de materiais didáticos (livros escolares, por exemplo) em bibliotecas escolares, em centros vinculados às universidades e em institutos históricos sediados neste Estado da federação. Palavras-chave: História da alfabetização; Material didático; Cartilha; Escola pública

GT10 - Alfabetização
HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, HUMANIDADES DIGITAIS E DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA: A BIBLIOTECA DIGITAL DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

Ester F. Vilas-Boas C. do Nascimento | Universidade Tiradentes

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, HUMANIDADES DIGITAIS E DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA: A BIBLIOTECA DIGITAL DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO RESUMO: Na perspectiva da História Cultural, este texto insere-se na História da Educação e sua relação com as Humanidades Digitais na criação da Biblioteca Digital de História da Educação e, consequentemente, na divulgação científica. O referencial teórico-metodológico ancora-se em Ginzburg (1989), com o método indiciário, e em Faria Filho (2000), por tratar da relação da História da Educação com as novas tecnologias. A investigação propõe a criação de uma base de dados digital sobre a educação, disponibilizando impressos que circularam no Brasil oitocentista, tratando dos temas abordados, editoras e ano de publicação, bem como a importância da ação de grupos sociais na produção, circulação e usos de impressos e sua relação com a educação brasileira. Palavras-chave: Biblioteca Digital de História da Educação, Humanidades Digitais, Divulgação Científica, Impressos, Século XIX.

GT02 – História da Educação
HISTORIAS DE VIDA E EXPERIÊNCIAS PEDAGÓGICAS COM O PIBID: UMA ABORDAGEM DA DIVERSIDADE NA FORMAÇÃO DOCENTE

Joana Maria Leoncio Nunez | UNEB - Universidade do Estado da Bahia

Resumo O propósito deste estudo foi identificar as experiências formativas construídas pelos(as) professores(as) supervisores(as) em um subprojeto PIBID em uma Instituição pública de Ensino Superior em que a autora atuou como coordenadoras de área. As principais discussões teóricas apoiaram-se nos estudos de Nóvoa (2009), Josso (2010), Larrosa (2016), Gomes (2007), entre outros, que tratam da relação entre as experiências formativas e a diversidade na educação. Metodologicamente o estudo se apoia nos estudos (auto)biográficos e tem como dispositivos memoriais de formação e entrevistas narrativas destes docentes. A análise dos dados foi feita a partir da perspectiva hermenêutica e fenomenológica de Ricoeur (2014). De acordo com os resultados obtidos, a formação proporcionada pelo subprojeto – inspirado em uma educação voltada para a superação de padrões epistemológicos hegemônicos – teve como consequência o desvelamento das questões vividas na escola tais como: liberdade religiosa, diversidade étnico-racial, gênero e sexualidades possibilitando outras formas de ver, fazer e compreender a docência, no contexto das diversidades, . Palavras Chaves: Experiências Pedagógicas. PIBID. Diversidade. Formação Docente

GT08 - Formação de Professores
Impasses e possibilidades do pensamento decolonial no Ensino Superior: a experiência de uma universidade Colombiana

Denise Gonçalves da Cruz | UFSCar - Universidade Federal de São Carlos

Impasses e possibilidades do pensamento decolonial no Ensino Superior: a experiência de uma universidade Colombiana RESUMO Este texto apresenta dados de uma pesquisa de mestrado cujo objetivo foi analisar o desenvolvimento de políticas de formação de professores na temática racial no ensino superior. Isso foi feito com uma metodologia que buscou compreender a inserção e desenvolvimento de conteúdos relacionados às contribuições de matrizes africanas e da diáspora negra na estrutura curricular do curso de licenciatura em biologia da Universidad Distrital Francisco José de Caldas, na Colômbia. A investigação integra um projeto transnacional de pesquisa vinculado ao Programa de Desenvolvimento Acadêmico Abdias Nascimento, subvencionado pela CAPES. Com ferramentas delineadas pela metodologia de estudos de caso, desenvolveu-se a investigação a partir de análises de documentos e entrevistas com estudantes. Sob a ótica da teoria decolonial, os resultados apontam impasses e possibilidades nos cursos de formação de professores em diferentes contextos. Palavras-chave: relações étnico-raciais, Colômbia, ensino superior, ensino de biologia, pensamento Decolonial.

GT21 - Educação e Relações Étnico-Raciais
Infância, Imagem e Tempo: Devir-criança e Educação Infantil

César Donizetti Pereira Leite | UNESP

Infância, Imagem e Tempo: Devir-criança e Educação Infantil Resumo: Este texto tem por propósito fazer alguns apontamentos acerca de três ideias, (1) a infância, (2) o devir-criança e (3) a educação infantil. Tomaremos como ponto de partida neste movimento, pesquisas que temos desenvolvidas com produções de imagens por crianças e professoras, junto a escolas públicas de Educação Infantil. Como ponto central das discussões tomaremos as imagens produzidas por crianças, seu processo de produção e a suas conexões com as noções de tempo, presentes nas concepções de criança e de infância nas práticas educativas da Educação Infantil. O tema será desenvolvido na perspectiva onde a noção de devir-criança possa nos apresentar algumas fendas para pensar a infância e o trabalho com a criança na Educação Infantil. Como autores centrais e de referência para essas reflexões nos apoiaremos em Giorgio Agamben, Manoel de Barros, Gilles Deleuze entre outros. Palavras Chaves: Infância. Criança. Educação Infantil. Produção de Imagens. Devir-criança.

GT07 - Educação de Crianças de 0 a 6 anos
INTERROGAÇÕES-CRÍTICAS À REGULAÇÃO DO MODELO DE ESCOLAS CÍVICO-MILITAR: conjecturas e perspectivas curriculares

Adriana Rorato | UNIPAMPA/CAMPUS JAGUARÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA

INTERROGAÇÕES-CRÍTICAS À REGULAÇÃO DO MODELO DE ESCOLAS CÍVICO-MILITAR: conjecturas e perspectivas curriculares Resumo: Esta escrita resulta de aproximações à Análise Textual Discursiva (ATD), com uso do software ATLAS.ti como ferramenta para organização dos achados investigativos, os quais emergiram da investigação de perspectivas curriculares presentes no artigo 16 do Anexo I do Decreto nº 9.465/19, o qual cria a Subsecretaria de Fomento às Escolas Cívico-Militares e define suas competências. A base epistemológica crítico-reflexiva é a propulsora dos olhares dessa investigação. Os movimentos interpretativos culminaram em duas categorias finais, em que contextualizamos o atual cenário da educação, questionando a performatividade que se faz presente no modelo pedagógico estabelecido como padrão de escola, currículo e gestão. As discussões também sublinharam a persuasão dos termos empregados no texto do artigo 16, apontando para as significações que a linguagem carrega em si. Por fim, assumimos uma postura de resistência frente aos agenciamentos de políticas educacionais reguladoras que objetivam o controle dos conhecimentos, a imposição de modelos e a produção de identidades. Palavras‐chave: política educacional; escola cívico-militar; regulação.

GT05 - Estado e Política Educacional
INVISIBILIZAÇÃO DIDÁTICA: REVERBERAÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Cristina Maria Dávila Teixeira | UFBA - Universidade Federal da Bahia

INVISIBILIZAÇÃO DIDÁTICA: REVERBERAÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Este artigo traz à baila resultados de pesquisa sobre produção científica em Didática, entre 2013-2017, na região Nordeste. O objetivo é analisar a presença da Didática como objeto e campo de investigação a partir de análise bibliográfica em teses e dissertações e Grupos de pesquisa cadastrados no CNPq. Associado a este objetivo, pretende-se verificar se a invisibilização da didática guarda relação com sua importância para professores universitários. A pesquisa de abordagem qualitativa e do tipo bibliográfica, utilizou de procedimento exploratório em duas bases de dados: Diretório dos Grupos de Pesquisa CNPq e Banco de Dissertações e teses da CAPES. Como resultados apurou-se que dos 99 grupos de pesquisa que trazem como descritores Didática; Formação de professores; Ensino e aprendizagem, num segundo refinamento, apenas 13 referem os termos: “didática, didáticas, didático ou didáticos”. Constatou-se também a presença de 555 trabalhos de mestrado e doutorado com o descritor “didática” na região investigada. Verificou-se que houve crescimento dos estudos na área didática nos últimos cinco anos, mas este número é ainda inexpressivo. Palavras-chave: Invisibilização didática; pesquisa em Didática; docente universitário.

GT04 - Didática
Jovens Mulheres no Ensino Médio: expressões culturais, modos de ser jovem e relações de sociabilidade na escola

Hamanda Maiara Nascimento Pontes | UEPA - Universidade do Estado do Pará

JOVENS MULHERES NO ENSINO MÉDIO : EXPRESSÕES CULTURAIS, MODOS DE SER JOVEM E RELAÇÕES DE SOCIABILIDADE NA ESCOLA Resumo : O presente trabalho objetiva compreender como são expressos e que características são singulares nos modos de ser jovem, estudante do Ensino Médio e mulher no que se refere às formas de expressão da cultura juvenil e como se apresentam no espaço escolar. O estudo se inscreve no campo da pesquisa qualitativa reconstrutiva com interface nos aportes teórico-metodológicos da Fenomenologia Social de Alfred Schütz, utilizando Entrevista Narrativa como técnica de reunião dos dados e o Método Documentária de Interpretação para a análise do corpus da investigação. Foram entrevistadas 6 jovens estudantes do Ensino Médio, matriculadas em escolas públicas da cidade de Belém, com idades entre 16 e 19 anos. Os resultados revelaram que as reivindicações de expressão estética, críticas à escola e suas lógicas de organização, assim como as demandas de protagonismo nesse espaço são deslocados para as inscrições corporais que se manifestam por meio de estilos, vestuários, adereços e uma indumentária que quando posta em cena reflete um conjunto de significados particulares de suas culturas juvenis. Palavras-chave: Jovens mulheres; Ensino Médio; Sociabilidades; Expressões culturais

GT03 - Movimentos Sociais
Juventude e o Programa de Aprendizagem Profissional: Um Estudo na Região Leste Fluminense.

Thamiriz da Silva Cavalcanti | UNIRIO - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Juventude e o Programa de Aprendizagem Profissional: Um Estudo na Região Leste Fluminense. Resumo: O artigo se propõe a discutir teoricamente a construção social da juventude, e como esses se relacionam frente a transição para a vida adulta, tendo como marco o trabalho. Desta forma, pesquisamos a Lei 10.097/00 denominada Lei da Aprendizagem, criada pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), cujo intuito é promover a inserção de jovens de 14 a 24 anos no mundo do trabalho. A Lei de Aprendizagem propõe que os jovens participantes deste Programa obtenham experiência profissional na empresa, e um curso de qualificação na área de atuação por meio de um agente integrador, relacionando a teoria e a prática. Neste artigo contamos com dados da aprendizagem profissional realizado pelo Centro de Integração Empresa Escola – CIEE do Rio de Janeiro, mas especificamente na Região Leste Fluminense. A pesquisa encontra-se em andamento, pois é um desdobramento da pesquisa de mestrado ao qual objetiva-se traçar o perfil do jovem aprendiz na Região Leste Fluminense entre os anos de 2012 a 2016. Palavras-chave : Juventude – Transição para a vida adulta – Emprego – Lei da Aprendizagem.

GT03 - Movimentos Sociais
JUVENTUDE PESCADORA DE CAMETÁ-PA: QUESTÕES CONCEITUAIS, DE CLASSE E O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO E VIVENCIA DO SER JOVEM NA AMAZONIA

Adenil Alves Rodrigues | UFPA - Universidade Federal do Pará

JUVENTUDE PESCADORA DE CAMETÁ-PA: QUESTÕES CONCEITUAIS, DE CLASSE E O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO E VIVENCIA DO SER JOVEM NA AMAZONIA [1] RESUMO: Discutimos aqui como o “ser jovem” está a se materializar para um conjunto de sujeitos que hoje produzem suas existências a partir do trabalho da pesca no município de Cametá-Pa, Amazônia, Brasil. Referenciado no materialismo histórico-dialético e aplicando entrevistas semiestruturadas, destacamos as negações, contradições e lutas que medeiam a construção e vivencia do ser jovem para sujeitos que estão na faixa etária entre 15 e 25 anos. Concluímos que os jovens pescadores de Cametá vivem esse momento não de maneira plena e socialmente realizável, mas sim truncada, e, não raras vezes protelada, mas que, contudo, também resistem e lutam contra as negações que são por eles vividas, mostrando também uma clara compreensão da realidade contraditória da qual fazem parte. Palavras-chave: Juventude Pescadora. Classe Social. Processo de Construção e vivencia do ser Jovem. [1] O texto em questão é um recorte da dissertação “JUVENTUDE, TRABALHO E EDUCAÇÃO: a formação da identidade pescadora dos jovens da Colônia de Pescadores Artesanais Z- 16 de Cametá-Pará”, defendida em 2016 no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED), Universidade Federal do Pará.

GT09 - Trabalho e Educação
Juventudes em biopolíticas contemporâneas

Carin Klein | ULBRA - Universidade Luterana do Brasil

Juventudes em biopolíticas contemporâneas Resumo O trabalho problematiza artefatos produzidos no âmbito das áreas da educação e(m) saúde, na medida em que circunscrevem conhecimentos e práticas provenientes de políticas públicas e ações programáticas mais amplas, compreendendo-os como elementos centrais na organização das sociedades contemporâneas e como constituidoras de gênero e sexualidade. É a partir das vertentes teóricas dos Estudos Culturais e de Gênero, que se articulam com a teorização foucaultiana que nos propomos a analisar as campanhas de divulgação da vacinação 2017 e 2018, voltadas ao público jovem, para a prevenção do HPV e Meningite C. O exame indica que as políticas públicas de educação e(m) saúde instituem formas lineares e binárias de interpretar o mundo e de posicionar os sujeitos contemporâneos, normalizando determinados comportamentos e práticas como mais saudáveis. Desse modo, não basta colocar os/as jovens como protagonistas em cenários de luta, tal como nos games e nas séries de televisão, mas discutirmos a constituição da vida “real” e de suas relações, levando em conta as tensões, resistências e multiplicidades daquilo que tem escapado das ações de educação e(m) saúde. Palavras-chave: juventude; políticas de educação e(m) saúde; gênero e sexualidade.

GT23 - Gênero, Sexualidade e Educação
Juventudes flexíveis na Amazônia brasileira: incertezas do século XXI

Adalberto Carvalho Ribeiro | UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ

Resumo O objetivo é fazer reflexões sobre as juventudes e os fenômenos presentes no século XXI fazendo um destaque empírico, pontual, para compreender percepções de juventudes universitárias populares da Amazônia setentrional brasileira. A categoria juventudes tem sido de difícil enquadramento analítico mas a literatura aceita que processos de individualização estariam em curso desde a viragem do século XX. As questões de partida são: O que a literatura vem apontando quantos aos fenômenos do século XXI que atingem as juventudes? Quais as percepções de juventudes universitárias populares sobre questões específicas que podem lhes afligir? A abordagem metodológica além da consulta aos interlocutores especialistas nesse campo do saber também realizou pesquisa empírica com estudantes de licenciaturas de uma universidade federal da região norte do Brasil, razão pela qual estão sendo denominados de “juventudes populares”. Os resultados apontam, na literatura, consenso quanto a processos de individualização, preocupação com a dimensão social e no grupo estudado percepções para a aceitação do individualismo, competitividade, incertezas quanto ao futuro e vulnerabilidade social. Palavras-chave: Juventudes, flexibilidade, incertezas, Amazônia.

GT14 - Sociologia da Educação
KARINGANA WA KARINGANA: UMA INCURSÃO PELA POESIA PARA INFÂNCIA EM MOÇAMBIQUE

Eliane Santana Dias Debus | UFSC- Universidade Federal de Santa Catarina

A literatura para infância em Moçambique tem nos últimos 10 anos se ampliado, trazendo à cena a produção de jovens escritores comprometidos com a formação de leitores. Assim, este artigo apresenta três títulos poéticos de três escritores dessa nova geração, buscando demarcar as principais características das suas construções e as estratégias comunicativas com as crianças, são eles: Viagem pelo mundo num grão de pólen e outros poemas , de Pedro Pereira Lopes (2015), O Gil e a Bola Gira e outros poemas para brincar , do escritor Celso C. Cossa (2016), e Passos de magia ao sol , de Mauro Brito (2016), todos publicados pela chancela da editora da Escola Portuguesa de Moçambique, sob a coordenação editorial de Teresa Noronha. O conjunto de 36 poemas dos três livros dialoga com a poética contemporânea para infância na sua feitura por meio de versos livres e se reveste de plena ludicidade, quer no nível lexical, sintático e/ou semântico. Nas três produções se verifica um afastamento das publicações que circularam pós-independência que buscavam “transmitir” às crianças normas de bom comportamento, valores cívicos, com fins utilitaristas e pedagógicos. Desse modo, a poética lúdica e brincante dessa produção almeja um leitor sensível e ativo, que também possa se inscrever no texto.

GT21 - Educação e Relações Étnico-Raciais
Lembranças da escola: uma análise de relatos de estudantes de camadas populares à luz da teoria histórico-cultural

Débora Cristina Piotto | FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO - USP

Lembranças da escola: uma análise de relatos de estudantes de camadas populares à luz da teoria histórico-cultural RESUMO Compreendendo a permanência no sistema de ensino até seu último nível como um indicativo de sucesso escolar, pesquisas brasileiras vêm, desde os anos 1990, estudando a temática e buscando explicar as condições que permitiram trajetórias escolares bem sucedidas em camadas populares. Assim, tendo em vista essa discussão, o trabalho objetiva analisar as lembranças escolares de estudantes de uma universidade pública provenientes das camadas populares. Para isso, foram analisados os relatos de doze estudantes egressos de escolas públicas que ingressaram nos cursos mais e menos concorridos de dois campi da Universidade de São Paulo. A maior parte dos estudantes relatou poucas e negativas lembranças da escola. Em contraponto, três estudantes narraram várias e positivas recordações escolares. A diferença entre os relatos é analisada à luz da teoria histórico-cultural e relacionada à qualidade da educação escolar recebida por cada grupo de estudantes. Palavras-chave: lembranças escolares; camadas populares; sucesso escolar.

GT20 - Psicologia da Educação
Letramento Científico no Brasil e no Japão a partir dos resultados do PISA

Andriele Ferreira Muri Leite | UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

Letramento Científico no Brasil e no Japão a partir dos resultados do PISA Este estudo compara o Letramento Científico dos estudantes brasileiros e japoneses, com base nos resultados do PISA e contribui significativamente para a discussão do tema das desigualdades. Conduzimos as análises por triangulação de métodos combinando análises quantitativas e qualitativas. Os resultados mostram que o Brasil permaneceu no nível mais baixo do PISA em 2006 e 2015. O Japão tem um desempenho superior e continua melhorando nesse mesmo período. Há grande presença de DIF nos itens de Ciências de 2006 comparativamente entre Brasil e Japão. Esses itens não são capazes de comprometer o processo avaliativo, mas sugerem diferentes ênfases curriculares. O estudo empírico mostrou que o sucesso do Japão está provavelmente associado à existência de um currículo nacional, à formação de professores em serviço e às reformas do sistema educacional suscitadas pelos resultados do PISA. O baixo desempenho do Brasil estaria relacionado à falta de preparo dos alunos, à falta de familiaridade com o teste, à falta de treinamento dos professores e ao uso limitado de evidências produzidas por avaliações em larga escala. Palavras-chave: Letramento Científico; DIF; PISA; Brasil; Japão.

GT14 - Sociologia da Educação
Letramento científico, Modelo didático e Sequência didática: uma experiência no 1º ano do Ensino Fundamental

Flávia Simões de Moura | USF - Universidade de São Francisco

Letramento científico, Modelo didático e Sequência didática: uma experiência no 1º ano do Ensino Fundamental RESUMO: Este artigo pretende apresentar os resultados de um trabalho com produção de textos científicos no 1º ano do Ensino Fundamental que ocorreu numa pesquisa de Mestrado, com o objetivo de verificar como o ensino da produção textual, por meio de uma sequência didática do gênero Curiosidade Científica, poderia contribuir para a produção escrita da criança, desenvolvendo as capacidades de linguagem necessárias à produção textual. O percurso investigativo apoiou-se no quadro teórico-metodológico do interacionismo sóciodiscursivo desenvolvido por Bronckart (2006, 2008, 2012); nas propostas de trabalho com modelos didáticos e sequências didáticas, de Schneuwly e Dolz (2011); e nos estudos sobre Letramento, de Street (2014). A pesquisa evidenciou que o trabalho com modelos didáticos e sequências didáticas possibilitam a apropriação de características necessárias à produção escrita pela criança, além de servir de referência na elaboração do material didático para os professores, sendo um importante instrumento de orientação ao trabalho docente. PALAVRAS-CHAVE : Letramento científico; Gêneros científicos; Curiosidade científica; Modelo didático; Ensino Fundamental.

GT04 - Didática
LETRAMENTO LITERÁRIO: A (IN)VISIBILIDADE DA LITERATURA PERIFÉRICO-MARGINAL NA EJA

Adailce Celestina Adailce C. de Deus | UNEB - Universidade do Estado da Bahia

RESUMO O presente trabalho apresenta um recorte da pesquisa de Mestrado em andamento “Letramento literário: a (in)visibilidade da literatura periférico-marginal local para a formação de leitor”, que tem como objetivo geral da investigação compreender como o letramento literário, com ênfase em atividades com gêneros da literatura periférico-marginal local, aparece no planejamento e na prática pedagógica do docente de língua portuguesa do tempo formativo III, eixo VI, Educação de Jovens e Adultos (EJA), turno noturno, numa escola pública da rede estadual de ensino, em Jacobina, no interior da Bahia, com vistas à formação leitora dos discentes. O enfoque metodológico delineou-se como uma pesquisa qualitativa, e como método optou-se pela pesquisa-ação. O percurso metodológico escolhido é a análise documental, observação, entrevista e círculos reflexivos num movimento de busca de elementos que possibilitem a produção de reflexões. As principais categorias são fundamentadas a partir das referências de STREET (2014, 2018), COSSON (2018), dentre outros. Após conhecer a dimensão de trabalhos já desenvolvidos, entende-se, portanto, a importância de levar a expressão da cultura local para o ensino médio, modalidade EJA, como caminho para fortalecimento de espaços minoritários.

GT18 - Educação de Pessoas Jovens e Adultas
LETRAMENTOS POLÍTICOS: AS EXPERIÊNCIAS EM ASSENTAMENTOS NO RECÔNCAVO BAIANO

Marcos José de Oliveira Silva | UNEB - Universidade do Estado da Bahia

LETRAMENTOS POLÍTICOS: as experiências em assentamentos no recôncavo baiano Resumo O presente texto é resultado de uma pesquisa em andamento e transita pelas experiências de letramentos políticos de duas escolas de assentamento do Movimento Sem Terra , no entorno da cidade de Santo Amaro-BA: a escola Antonio Conselheiro (assentamento Eldorado) e a escola Fábio Henrique (assentamento Paulo Cunha), as quais vivenciam práticas de uso da leitura e da escrita que movimentam textos constituídos por temáticas como democracia, reforma agrária, ética, sustentabilidade, entre outras de cunho educacional, sociocultural e político. A questão norteadora que move a presente investigação é saber quais são esses letramentos e de que forma são trabalhados pelos(as) professores(as) nos anos iniciais do ensino fundamental. Os caminhos metodológicos para esta investigação orientam-se pelos pressupostos da abordagem qualitativa e colaborativa de pesquisa, visando a uma perspectiva dialética de construção do conhecimento. Até o presente momento, verificamos, nesses dois locus, experiências particulares de práticas de leitura voltadas às orientações sociopolíticas, no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave : Letramentos políticos. Educação do MST. MST. Pedagogia da terra.

GT03 - Movimentos Sociais
LIVROS DE LITERATURA INFANTIL AFRO-BRASILEIRA EM ACERVOS DE ESCOLAS MUNICIPAIS DA MATA NORTE PERNAMBUCANA

Adlene Silva Arantes | UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

LIVROS DE LITERATURA INFANTIL AFRO-BRASILEIRA EM ACERVOS DE ESCOLAS MUNICIPAIS DA MATA NORTE PERNAMBUCANA Objetivamos compreender como se configura a composição dos acervos de livros de literatura infantil afro-brasileira de bibliotecas de escolas públicas de cidades da Mata Norte Pernambucana, buscando identificar como os negros são retratados nos referidos livros. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica com análise documental. Temos nos baseado em estudos sobre multiculturalismo e literatura infantil afro-brasileira e africana. Os livros que trazem negros como protagonistas foram classificados como informativos, griôs, literários e folclóricos. A maior parte dos livros localizados integram o Programa Nacional Biblioteca na Escola (PNBE), iniciativa que facilitou o acesso à literatura de boa qualidade nas escolas. Mesmo assim, ainda localizamos livros de péssima qualidade, como é o caso de Casa Grande e Senzala em quadrinhos , cuja adaptação é de Estevão Pinto da obra de Gilberto Freyre. A referida obra traz o negro representado de forma pejorativa e preconceituosa, reforçando hierarquias raciais entre brancos, negros e índios. Palavras-chave : Literatura infantil Afro-brasileira; Bibliotecas escolares; Pernambuco.

GT21 - Educação e Relações Étnico-Raciais
LIVROS ILUSTRADOS TÁTEIS PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: A LEITURA MEDIADA

Roberta Stockmanns | PPGEDU/UFRGS

RESUMO Esta pesquisa traz como seu campo de estudo: os livros ilustrados táteis e o letramento de crianças com deficiência visual. Tem como objetivo analisar se os livros ilustrados táteis produzidos para a pesquisa contribuem para o processo de letramento de crianças com deficiência visual. Realizou-se mediações de leitura com estes livros junto a crianças com deficiência visual, para este artigo analisamos a mediação de leitura de um dos livros com uma das crianças. O percurso metodológico conduziu às seguintes etapas: revisão de bibliografia, confecção de livros ilustrados táteis e mediação de leitura. Como conclusões identificamos que as crianças com deficiência visual, primeiramente, fazem a exploração das imagens contidas nos livros para em seguida realizar a leitura da escrita braile, atestando que, como qualquer criança, seu interesse inicial são as imagens. Através das intervenções realizadas as crianças puderam compartilhar os livros ilustrados táteis com seus colegas e se deslocar entre o universo literário e social, estabelecendo relações para além do livro, em momentos de socialização e protagonismo. Palavras-chave: Educação Especial. Educação Inclusiva. Letramento. Livros Ilustrados Táteis. Deficiência visual.

GT15 - Educação Especial
LUTA PELA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: AS POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS UNILAB E PET SOB A ÓTICA DE ESTUDANTES DA GUINÉ-BISSAU NA UFMT

Eglen Sílvia Pípi Rodrigues | UFMT - PPGE Rondonópolis - Universidade Federal de Mato Grosso

LUTA PELA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: AS POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS UNILAB E PET SOB A ÓTICA DE ESTUDANTES DA GUINÉ-BISSAU NA UFMT Resumo Os esforços do Brasil em adotar compromissos para o desenvolvimento da África resultaram na criação da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB), que a partir de editais específicos têm trazido estudantes de Guiné-Bissau para estudar no Brasil. Este artigo descreve a trajetória de cinco estudantes que iniciaram seus estudos na UNILAB e posteriormente foram transferidos para a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), onde iniciaram a participação no Programa de Educação Tutorial. A pesquisa aqui apresentada, de caráter exploratório e de natureza qualitativa, buscou compreender essa trajetória. Os relatos dos estudantes africanos, revelaram anseios e desilusões pessoais e os pontos frágeis do estabelecimento e execução destas políticas públicas educacionais. Os resultados concluem que trabalhar em favor da manutenção destas políticas públicas educacionais de inclusão social e cultural, é uma forma de resistir à exclusão, à injustiça e de lutar contra o racismo. Palavras-chave : Estudantes; Guiné-Bissau; Política Pública Educacional; Ensino Superior; Educação Tutorial.

GT11 - Política de Educação Superior
Mal de arquivo – Um desafios para a Filosofia da Educação?

Amarildo Luiz Trevisan | UFSM - Universidade Federal de Santa Maria

Mal de arquivo – Um desafio para a filosofia da educação? Resumo: A partir da reflexão extraída do livro Mal de arquivo: uma impressão freudiana , de Jaques Derrida, o artigo pretende investigar as consequências da metáfora de “mal de arquivo” para o campo da filosofia da educação. Por intermédio da crença de que a tradição do reprimido se inscreve na ideia de arquivo, procura potencializar o termo para interpretar alguns problemas existentes no campo da relação entre filosofia e educação. Especialmente, dirige o olhar para a forma como surge o discurso da filosofia, bem como a dinâmica cultural que persiste em seguir certas orientações, sua autoridade e a sua genealogia bastante presente no âmbito acadêmico contemporâneo. A desconstrução da metafísica se soma ao trabalho da psicanálise, fazendo o proibido aflorar à consciência, e, portanto, ao nível literal da escritura. E assim, o acontecimento da compreensão pode auxiliar a desmobilizar a compulsão à repetição que se instaurou no arquivo. Palavras-chave : mal de arquivo; filosofia da educação; hermenêutica.

GT17 - Filosofia da Educação
MATRIZ CURRICULAR PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS NA EDUCAÇÃO BÁSICA DE FLORIANÓPOLIS: ANÁLISES SOBRE A EDUCAÇÃO INFANTIL

Eduarda Souza Gaudio | UFSC- Universidade Federal de Santa Catarina

MATRIZ CURRICULAR PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS NA EDUCAÇÃO BÁSICA DE FLORIANÓPOLIS: ANÁLISES SOBRE A EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo Esse estudo apresenta uma análise da Matriz Curricular para a Educação das Relações Étnico-raciais na Educação Básica (2016) elaborada de forma coletiva pela Secretaria de Educação de Florianópolis em consonância com as orientações apresentadas pelas Diretrizes Curriculares Nacionais para a ERER (2004). Ancoradas nos estudos sobre relações raciais no Brasil e reconhecendo a diversidade étnico-racial como um princípio articulador das práticas pedagógicas na Educação Infantil, realizamos uma análise qualitativa do documento a fim de evidenciar como as crianças estão contempladas. A Rede de Florianópolis há mais de duas décadas vem desenvolvendo ações que visibilizam a história da cultura africana e afro-brasileira, sobretudo após a constituição de um Programa que passou a promover uma série de ações de políticas de promoção da igualdade racial. A partir das análises foi possível constatar que a educação infantil vem sendo contemplada nesse documento através da indicação de textos para docentes, obras de literatura infantil e compartilhamento das práticas pedagógicas. Palavras-chave: Relações Étnico-raciais; Educação Infantil; Matriz Curricular.

GT21 - Educação e Relações Étnico-Raciais
MEMÓRIA E INFÂNCIA: MODOS OUTROS DE OLHAR, PENSAR E SENTIR O CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Dilson Miklos | INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO RIO DE JANEIRO

MEMÓRIA E INFÂNCIA: MODOS OUTROS DE OLHAR, PENSAR E SENTIR O CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES RESUMO O ensaio coloca em evidência os conceitos de memória e infância no contexto da formação de professores e suas ressonâncias no currículo que tem, no campo do sensível, um lócus de reflexão a partir de outros arranjos conceituais. Walter Benjamin ajuda-nos a extrair os enunciados de uma práxis poética que tem a palavra e a imagem (narrativimagem ) como uma unidade constitutiva do pensamento. Ainda, há um esforço, na companhia do filósofo berlinense, de compreender o processo de “escavação” da memória, as reminiscências da infância e o tema da aura – questão esta central sobre a reprodutibilidade técnica da imagem. Susan Sontag e Roland Barthes ancoram as reflexões que atravessam o campo da imagem fotográfica, amplificando os ecos dessa experiência poético-pedagógica. Palavras-chave: currículo; formação de professores; Walter Benjamin; narrativimagem ; práxis poética .

GT12 - Currículo
MEMÓRIA, CINEMA E EDUCAÇÃO NA ESCOLA DA FAVELA: ATAQUES, LUTAS E RESISTÊNCIAS

Marta Cardoso Guedes | UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro

MEMÓRIA, CINEMA E EDUCAÇÃO NA ESCOLA DA FAVELA: ATAQUES, LUTAS E RESISTÊNCIAS Resumo Este artigo tem por objetivo refletir sobre o que pode um projeto de cinema na escola da favela quando pesquisa a memória da favela. Nosso estudo parte do princípio de que a articulação entre cinema, escola e memória é potente enquanto assunto a ser colocado sobre a mesa/na tela para matéria de estudo, além de ser de fundamental relevância na construção de uma memória coletiva, e no direito ao exercício desta memória por todos os estudantes da escola e para além dela (BENJAMIN, 2009).Tendo em mente que cartografar é acompanhar processos, buscamos narrar a constituição de nosso campo de pesquisa que se dá no próprio fazer do projeto de cinema da escola enquanto investiga a história da favela, analisando a indissociabilidade entre o conhecimento e a transformação da realidade (KASTRUP, PASSOS & ESCÓSSIA, 2015). Palavras-chave: Memória, Cinema, Educação, Favela, Resistência

GT13 - Educação Fundamental
Memórias do “Batalhão de Lagoa” Prática cultural das comunidades rurais do sertão de Alagoas

Jailson Costa da Silva | IFAL- Instituto Federal de Alagoas

Memórias do “Batalhão de Lagoa” : prática cultural das comunidades rurais do sertão de Alagoas RESUMO: Este texto enfatiza o Batalhão de Lagoa que se caracterizava como uma prática cultural do sertanejo e agregava o cultivo do arroz nas lagoas formadas pelo Rio São Francisco, nas épocas em que as águas eram abundantes. É um recorte de uma pesquisa mais ampla, que utiliza a História oral (ALBERTI, 2008; BOSI, 1994), e integra o Núcleo de Memória da Educação de Jovens e Adultos. Neste recorte apresentamos a memória do referido Batalhão, por meio de narrativas memorialísticas advindas de fontes orais e visuais de um interlocutor, que testemunhou as práticas culturais no Batalhão de Lagoa, dentro das ações do Programa Mobral Cultural, desenvolvidas na zona rural do Município de Pão de Açúcar – sertão de Alagoas. Os depoimentos foram colhidos por meio de entrevistas e fotografias Cartier-Bresson (1971), Guran, (2011) e Leite, (1993). Os dados mostraram que mesmo em meio à forte carga ideológica da Ditadura civil-militar do golpe de1964, os sujeitos sertanejos agiram enquanto praticantes culturais, demonstrando a resistência das comunidades tradicionais na tentativa de conservarem seus costumes e tradições. Palavras-chave: Prática cultural. Tradição. Memória. Sertão alagoano. EJA.

GT18 - Educação de Pessoas Jovens e Adultas
Meninos e meninas nas aulas de Matemática: o que pensam as professoras?

Wilson Rafael Schimila | UNIPLAC - Universidade do Planalto Catarinense

MENINOS E MENINAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA: O QUE PENSAM AS PROFESSORAS? Resumo: este trabalho objetiva compreender as percepções das professoras sobre meninas e meninos nas aulas de Matemática no ensino médio. A temática é relevante pois existe um certo ideário social que coloca a Matemática como reduto masculino, como se os homens tivessem mais facilidade nesta área. Os/as principais autores/as que embasam a discussão são: Barbosa (2016), Bernal (2007), Casagrande (2011), Louro (2014), Scott (1995), Souza e Fonseca (2010) e Walkerdine (1995). É uma pesquisa de caráter qualitativo na qual foram ouvidas seis professoras de Matemática que atuam no ensino médio da rede pública. Os dados apontam que as professoras percebem os meninos como “naturalmente” capazes e aptos para a Matemática, enquanto atribuem o sucesso das meninas ao esforço e à dedicação, evidenciando uma valoração diferenciada de seus resultados. As reflexões sobre gênero e matemática podem contribuir para a construção de uma educação democrática, que visa o desenvolvimento das capacidades de alunas e alunos na área da Matemática sem a hierarquização de um gênero ou outro, pois há diferenças entre o próprio grupo de meninos e de meninas. Palavras-chave: Matemática. Gênero. Ensino Médio. Expectativas de gênero. Ensino.

GT23 - Gênero, Sexualidade e Educação
META 19 DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO: gestão democrática ou gestão gerencialista

Rudnei Joaquim Martins | UNIVALI - Universidade do Vale do Itajaí

META 19 DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO: gestão democrática ou gestão gerencialista O artigo apresenta uma reflexão sobre a democratização da gestão das escolas públicas, ao discutir a Meta 19 do Plano Nacional de Educação 2014-2024, aprovado pela Lei N.º 13.005, de 25 de julho de 2014 (BRASIL, 2014c), um princípio constitucional que deve orientar todo o Sistema Nacional de Educação (SNE) pública. Busca-se interpretar o conteúdo da Meta e suas Estratégias, consideram-se os documentos que antecedem como a Constituição Federal de 1988, a LDB n.º 9.394/1996, o Plano Nacional de Educação Lei n.º 10.172/2001 (PNE 2001-2010) e a CONAE 2010, propondo uma reflexão com as produções bibliográficas acerca da temática. Concluiu-se que a Meta 19 e suas Estratégias, são tecnologias utilizadas pelo Estado para implantar políticas neoliberais utilizando-se de um discurso democrático para implementar uma política de gestão gerencialista. É possível observar ainda que por ser um conceito polissêmico e multidimensional, a gestão democrática aparece de forma genérica no documento, propiciando entendimentos gerencialista para a sua implementação. Palavras-chaves : Políticas Educacionais; Plano no Nacional de Educação (2014-2024); Meta 19; Gestão Democrática.

GT05 - Estado e Política Educacional
Monitoramento participativo e tecnologia cívica na escola: participação de estudantes no controle social

Carla Azevedo de Aragao | UFBA - Universidade Federal da Bahia

Monitoramento participativo e tecnologia cívica na escola: participação de estudantes no controle social O artigo resulta do estudo de caso da plataforma Monitorando a Cidade, com acompanhamento da experiência em escolas de Santarém (PA), onde o monitoramento da merenda foi feito por estudantes. O objetivo do trabalho, que é parte de dissertação de mestrado apresentada em 2018, é compreender como se dá o uso de métodos de monitoramento participativo, via adoção de tecnologia cívica, como estratégia da sociedade no controle social, tendo os estudantes como produtores de informação. Trata-se de uma investigação qualitativa, descritiva e analítica, e as estratégias metodológicas utilizadas combinaram pesquisas em fontes documentais secundárias, entrevistas semiestruturadas, rodas de conversa e observações. Os resultados evidencia m que o envolvimento dos estudantes em processos participativos potencializa o engajamento destes no controle social na medida em que eles são posicionados como produtores de informação. Palavras-chave: Monitoramento participativo. Controle Social. Tecnologia Cívica. Participação.

GT16 - Educação e Comunicação
MOVIMENTOS DE UMA PESQUISA: O PENSAR, O FAZER E O EXISTIR DOCENTE NA PRODUÇÃO DOS CURRÍCULOS

Tânia da Costa Gouvêa | UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO

MOVIMENTOS DE UMA PESQUISA: O PENSAR, O FAZER E O EXISTIR DOCENTE NA PRODUÇÃO DOS CURRÍCULOS RESUMO O presente artigo discute e apresenta os movimentos de uma pesquisa de mestrado que buscou investigar os percursos que os docentes engendram na produção de fazeressaberes [i] das práticas curriculares, em encontros que mobilizam diálogos e narrativas docentes. Inscrita no campo das pesquisas nosdoscom os cotidianos, traz encontros [ii] , diálogos e narrativas (BAKHTIN, 2011; SÜSSEKIND; GARCIA, 2011) não só como processos metodológicos, mas também como potentes práticas sociais de formação docente e de produção curricular. Concebe este espaçotempo como movimento alternativo para pensar currículo e formação por outras lógicas, operando noções e conceitos que provoquem deslocamentos de sentido. Defende a produção coletiva do conhecimento onde a ideia de diferença implica no reconhecimento do Outro. PALAVRAS-CHAVES: Produção curricular. Processos formativos. Docência. [i] O termo assim grafado é um recurso do campo nosdoscom os cotidianos com propósito de produzir outro-novo sentido ao deslocar o sentido original da cada palavra (ALVES, 2015). [ii] Destaco em itálico a palavra encontro quando esta apresentar o sentido incorporado à pesquisa para diferencia do seu uso comum.

GT12 - Currículo
MOVIMENTOS E MOBILIZAÇÕES FRENTE ÀS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: REGISTROS DE LUTAS E RESISTÊNCIAS DA FAEB E DAS ASSOCIAÇÕES NACIONAIS PARA O ENSINO DA ARTE

Fabiana Souto Lima Vidal | UFPE - Universidade Federal de Pernambuco

MOVIMENTOS E MOBILIZAÇÕES FRENTE ÀS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: REGISTROS DE LUTAS E RESISTÊNCIAS DA FAEB E DAS ASSOCIAÇÕES NACIONAIS PARA O ENSINO DA ARTE Resumo: O presente artigo tem como objetivo partilhar o conjunto de ações faebianas e seu diálogo com associações ligadas ao campo da Arte vividas nos últimos anos, mais especificamente, destacamos os processos de resistências e mobilizAÇÕES em torno do debate acerca das políticas públicas educacionais para o ensino e a pesquisa no campo da Arte no Brasil. Ao historicizar e partilhar o vivido, deixamos demarcada a nossa tentativa de fortalecer o debate e a ampliação de ações para o (re)dimensionamento de políticas públicas educacionais que tratam o campo epistêmico da Arte/Educação, em suas diferentes linguagens – Artes Visuais, Dança, Música e Teatro – de forma compromissada com os processos artísticos, éticos e estéticos de ensinar e de aprender Arte em diferentes processos educativos, apontando para a necessidade de intensificar e encorajar novas/outras mobilizAÇÕES para os/nos enfrentamentos em tempos de crise, silenciamentos e recrudescimento dos processos democráticos no campo educacional. Palavras-chave : Arte/Educação. FAEB. Associações Nacionais. Políticas Educacionais.

GT24 - Educação e Arte
MOVIMENTOS SOCIAIS DO CAMPO E EDUCAÇÃO NA AMAZÔNIA: AS LUTAS E RESISTÊNCIAS NUM CENÁRIO DE NEGAÇÃO DE DIREITOS

Salomão Antônio Mufarrej Hage | UFPA - Universidade Federal do Pará

MOVIMENTOS SOCIAIS DO CAMPO E EDUCAÇÃO NA AMAZÔNIA: AS LUTAS E RESISTÊNCIAS NUM CENÁRIO DE NEGAÇÃO DE DIREITOS Resumo O artigo analisa o Movimento da Educação do Campo em seus 20 anos de existência, destacando o protagonismo do Fórum Paraense e dos Fóruns Regionais de Educação do Campo para enfrentar os desdobramentos das políticas de austeridade e da lógica rentista sobre a negação do direito à educação de qualidade aos povos tradicionais e camponeses. Seu conteúdo resulta de uma pesquisa sobre as territorialidades do campo da Amazônia Paraense e suas implicações para a afirmação da diversidade sócio-cultural nas políticas educacionais e na escola pública, com investigação bibliográfica, documental e de campo, que reuniu dados do INEP para configurar a Educação Básica nas redes públicas de ensino. A precarização das condições de funcionamento, o fechamento e a paralisação das atividades das escolas no campo, e a presença de professores atuando sem formação adequada e com contratos de trabalho temporários são indícios da exclusão e negação do direito à educação de qualidade aos povos do campo, em meio às estratégias do Movimento para enfrentar essas situações no Estado do Pará. Palavras-chave : Educação do Campo; Movimentos Sociais, Políticas Educacionais, Educação na Amazônia.

GT03 - Movimentos Sociais
MULHER NEGRA, REPRESENTAÇÃO E PEDAGOGIAS OUTRAS: DIFERENTES FORMAS DE VER E FAZER EDUCAÇAO ANTIRRACISTA

Luciana Ribeiro de Oliveira | UNIRIO - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Pensar o percurso escolar da mulher negra, envolve depararmos com as questões de sua representação, entendendo que a forma como esta é percebida pelas ações e materiais didáticos podem reforçar os imaginários cujos estereótipos colocam-na em subalternização, em sofrimento e sem vínculos com a educação. Nos vemos, então, diante do questionamento sobre quais processos pedagógicos são necessários para que esta representação se efetive e reverta esses padrões que foram construídos na escravização? Percebemos a necessidade de pedagogias outras, que atuem nos pontos de vistas que conduzem a prática educativa. Destacamos que esta ação deverá basear-se na pedagogia decolonial (Walsh, 2008,2012), pedagogia libertária (hooks, 2017), pedagogia muscular (Fanon, 1979,2008) e, nestes lugares, identificamos o papel do Movimento Negro e das Mulheres Negras enquanto construtores efetivos desses processos. Para essa reflexão trazemos como referência Anibal Quijano (2010), bell hooks (2017, 2019), Maria Lugones (2014), Azoilda Loreto de Trindade (2005) e Catherine Walsh (2008, 2012). Palavras-chave: mulher negra; representação; pedagogias outras.

GT21 - Educação e Relações Étnico-Raciais
Mulheres negras: luta, resistência e libertação

Eunice Lea de Moraes | UFPA - Universidade Federal do Pará

Mulheres negras: luta, resistência e libertação RESUMO Neste ensaio, evidencia-se a interseccionalidade das dimensões da opressão econômica, política e ideológica de sistemas dominadores que oprimem as mulheres negras. Reflete-se sobre feminismo negro e os processos de luta, resistências e de organização de mulheres negras, fundamentados no pensamento das intelectuais feministas afro-americanas Ângela Davis (2013), Kimberlé Crenshaw (2002) e Patrícia Collins (2000) e das brasileiras Lélia Gonzáles (1980), Sueli Carneiro (2003) e Luiza Bairros (1995). Utilizou-se metodologicamente um levantamento bibliográfico sobre a temática. Com leituras reflexivas, buscou-se uma compreensão crítica sobre os processos teóricos e práticos das trajetórias de lutas e resistências das mulheres negras, as múltiplas opressões. PALAVRAS CHAVES: feminismo negro; luta; resistência; mulheres negras

GT21 - Educação e Relações Étnico-Raciais
MUSICALIZAÇÃO NA CRECHE: PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E AS CRIAÇÕES SONORAS E MUSICAIS

Maria Cristina Albino Galera | USCS-PPGE - Universidade Municipal de São Caetano do Sul

MUSICALIZAÇÃO NA CRECHE: PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E AS CRIAÇÕES SONORAS E MUSICAIS Resumo: Este trabalho apresenta os resultados de uma pesquisa de mestrado que objetivou compreender como ocorre o processo de musicalização com crianças de 2 a 3 anos em um Centro de Educação Infantil (CEI) do município de São Paulo. Trata-se de uma pesquisa colaborativa que teve como procedimentos: sessões reflexivas, entrevistas com as professoras, observação e registro de campo. Dialogou com os estudos e pesquisas da área da infância e de educadores(as) musicais. A análise dos dados revelou que as professoras reconhecem a importância do trabalho com música, entretanto, na prática, este não ocorria. Evidenciou uma prática marcada por um caráter prescritivo que, no decorrer da investigação, foi sendo ressignificada, verificando-se uma compreensão, por parte das docentes, de que a musicalização infantil ocorre por meio da interação, ludicidade, criatividade e sensibilidade, e que o protagonismo da criança é essencial nesse processo. Demostrou, ainda, que as crianças constroem conhecimento musical através das brincadeiras, sendo inventivas de ritmos e melodias. A investigação culminou na criação de um Parque Sonoro no CEI. Palavras-chave: Musicalização Infantil. Creche. Pesquisa Colaborativa.

GT07 - Educação de Crianças de 0 a 6 anos
Não é TV, mas é currículo: Narrativas seriadas e produção de subjetividades generificadas.

Evanilson Gurgel de Carvalho Filho | UFBA - Universidade Federal da Bahia

Não é TV, mas é currículo: Narrativas seriadas e produção de subjetividades generificadas. Resumo: O artigo toma como material empírico as subjetividades generificadas veiculadas no currículo de uma narrativa seriada. Partimos do pressuposto de que as narrativas seriadas não estão sendo suficientemente problematizadas no campo educacional, sendo comumente generalizada no que se entende superficialmente por “televisão”. O argumento é que o currículo opera como máquinas que ensinam modos de ser masculinos e femininos, uma vez que forjam subjetividades generificadas. O objetivo é investigar que saberes generificados têm sido produzidos e ensinados no currículo da narrativa seriada “One Mississippi”. Para investiga-lo, operamos metodologicamente com elementos de análise de representação. Constatamos que as noções hegemônicas de feminilidade são postas em questionamento a partir da imagem do corpo abjeto da protagonista. Concluímos que tal currículo é um composto de saberes generificados que constitui modos de vida dissidentes e disponibiliza outras maneiras de se ver e de se entender o feminino. Palavras-chave: currículo; narrativa seriada; subjetividade.

GT23 - Gênero, Sexualidade e Educação
Narrativa Inventada, Consequências Materiais: a apropriação do discurso de “Ideologia de Gênero” pela Aliança Conservadora na educação brasileira

Bruna Dalmaso Junqueira | PPGEDU/UFRGS

NARRATIVA INVENTADA, CONSEQUÊNCIAS MATERIAIS: a apropriação do discurso de “Ideologia de Gênero” pela Aliança Conservadora na educação brasileira O presente artigo discorre sobre o histórico de criação da narrativa contemporaneamente conhecida como “Ideologia de Gênero” e sua popularização através de uma coalizão de diferentes e contraditórios grupos hegemônicos no contexto político e social brasileiro. Criada na década de 1990 por setores da Igreja Católica para combater os avanços de movimentos globais de mulheres e feministas em busca da equidade de gênero (GARBAGNOLI, 2016; MIGUEL, 2016), a narrativa tem sido apropriada e mobilizada no contexto da educação brasileira com o propósito de impedir que assuntos como gênero e sexualidade sejam discutidos nas escolas. Além disso, através das lentes teóricas desenvolvidas por Michael Apple (2002), a partir da realidade educacional estadunidense, o trabalho realiza a descrição de um bloco hegemônico caracterizado por um contraditório “guarda-chuva ideológico” e analisa como esse bloco, chamado de Aliança Conservadora, tem sido bem-sucedido na intervenção neoconservadora e neoliberal na educação do país. PALAVRAS-CHAVE: Gênero. “Ideologia de Gênero”. Feminismos. Aliança Conservadora. Conservadorismo. Escola Sem Partido.

GT23 - Gênero, Sexualidade e Educação
NO (IM)PULSO DA VIDA E DA DOCÊNCIA EM CURSO: MARCAS DE FORMAÇÃO ESTÉTICA DE ESTUDANTES DE ARTE E DE PEDAGOGIA

Rosvita Kolb Bernardes | UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais

NO (IM)PULSO DA VIDA E DA DOCÊNCIA EM CURSO: MARCAS DE FORMAÇÃO ESTÉTICA DE ESTUDANTES DE ARTE E DE PEDAGOGIA O artigo focaliza percursos de formação estética de licenciandos de Arte e de Pedagogia de duas universidades públicas brasileiras. A pesquisa que lhe deu origem foi realizada por meio de ateliês biográficos (DELORY-MOMBERGER, 2006), nos quais os princípios do ateliê de arte, enquanto espaço de experiência e criação, também foram considerados. Se a ação do rememorar e o uso da palavra são próprios de um trabalho biográfico, nos ateliês biográficos realizados foram privilegiadas diferentes linguagens expressivas (pintura, recorte-colagem, desenho, música, dança, entre outros), de modo a fecundar outras formas de os licenciandos falarem de si e dos seus processos de formação estética. De que matéria é feita a narrativa de licenciandos em Arte e em Pedagogia? Como uns e outros fazem uso da palavra e da imagem? Que questões são evidenciadas em seus percursos e modos de dizer-se? As narrativas resultantes, textuais e imagéticas, dão a conhecer percursos formativos singulares-plurais, os quais podem ser projetados como possibilidades para se (re)pensar a formação docente. Palavras-chave: Formação estética; Arte e formação docente; Narrativas autobiográficas; Arte; Pedagogia.

GT24 - Educação e Arte
NOTAS DE UM PROJETO A PARTIR DO DEBATE RACIAL NA ESCOLA E O IMPACTO PARA JOVENS ESTUDANTES.

Patricia Elaine Pereira dos Santos | FACULDADE DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA UERJ

O Projeto “Pesquisadoras da educação básica em periferias” consistiu na interlocução com os integrantes de escolas públicas em regiões periféricas a partir da ação de nove pesquisadores negros com pesquisas individuais, sendo o foco temático principal a questão do racismo e a relação com a equidade escolar. “Quais são as condições políticas e epistemológicas para enfrentar a discussão racial na escola? Como identificar na escola o debate potente de questões raciais e torná-lo uma prática de acesso para as estudantes das periferias?” Um dos encaminhamentos foi a construção de uma rede de pessoas ligadas às escolas, em particular os jovens que nelas se inserem, construindo um relevante espaço formativo que contribui com a escola no desenvolvimento de experiências inovadoras a respeito de temas raciais e equidade; e um levantamento de ações e práticas que possibilitou pensar em metodologias elaboradas nas experiências, a serem levadas em conta para que pensemos, de forma cada vez mais humanizada e criativa, a disseminação de experiências no que concerne à iniciativas pedagógicas. Palavras chaves: educação básica, jovens, racismo, pesquisa na escola.

GT21 - Educação e Relações Étnico-Raciais
NOTAS SOBRE ATENÇÃO E EDUCAÇÃO

Luka Carvalho Gusmão | UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora

NOTAS SOBRE ATENÇÃO E EDUCAÇÃO RESUMO O presente artigo se propõe a sintetizar alguns estudos e reflexões desenvolvidas sobre o fenômeno e o conceito de atenção a partir de possíveis associações com o campo educacional. Considerando que os significados atribuídos ao par atenção-desatenção em nosso contexto mais contemporâneo configuram-no como um importante problema de pesquisa, especialmente para a Educação, procuramos investigar, inicialmente, sua origem etimológica bem como alguns dos sentidos mais gerais atribuídos a ele, inclusive pela tradição filosófico-científica. Em seguida, associando esta primeira referência, buscamos refletir de modo mais aprofundado o problema apoiando-nos em importantes filósofos contemporâneos que direta ou indiretamente o abordaram como meio de desvelar o humano naquilo que traz de mais essencial e próprio. Como conclusão, questionando diferentes sentidos superficiais elaborados a partir do que poderíamos denominar um senso comum educacional que terminam por transformar a atenção num “falso problema”, procuramos desconstruir tal enfoque remetendo-nos à problematização filosófico-educacional de Paulo Freire tecida justamente em associação às referências filosóficas elegidas anteriormente. PALAVRAS-CHAVE Atenção; educação; homem; animal; criação.

GT17 - Filosofia da Educação
O AVESSO DAS POLÍTICAS DE UNIVERSALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: ENEGRECIMENTO E JUVENILIZAÇÃO NA EJA

Eliana de Oliveira Teixeira | UFF - Universidade Federal Fluminense

Resumo Este artigo tem por objetivo refletir sobre as políticas de universalização da educação básica na atualidade e seus efeitos sobre a Educação de Jovens e adultos (EJA), especialmente, sobre a juventude negra. Parte de uma pesquisa de doutorado em andamento baseia-se na análise das trajetórias escolares de jovens da EJA de uma das escolas da Rede Municipal de Angra dos Reis-RJ, em 2017. De cunho quantitativo, a pesquisa usa informações do Censo Escolar da Educação Básica, do Sistema de Gestão da Rede Escolar de Angra dos Reis e da Pesquisa Perfil da EJA realizada pelo poder público municipal, para refletir sobre os planos social, escolar e de políticas públicas. Tendo o direito à educação como princípio, os achados, em diálogo com dispositivos legais e com autores como DAYRELL et al. (2011), Haddad e Pierro (2000), Julião (2017), Kuenzer (1999) Munanga (2010) e Silva (2010), problematizam a majoritária presença dos jovens na EJA, especialmente, os jovens negros e o processo de marginalização desses sujeitos no projeto de universalização em curso. Palavras-chave: juvenilização e enegrecimento da EJA; universalização da educação básica

GT21 - Educação e Relações Étnico-Raciais
O BLOG NA EDUCAÇÃO DE JOVES E ADULTOS: EXPERIÊNCIAS EM UM CEEJA – CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Rodrigo Martins Bersi | UNESP - Marília/FFC - Universidade Estadual Paulista

O BLOG NA EDUCAÇÃO DE JOVES E ADULTOS: EXPERIÊNCIAS EM UM CEEJA – CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Resumo Trata-se de pesquisa em andamento, com resultados parciais, cujo principal objetivo é contribuir para a produção de textos na educação de jovens e adultos. Vale-se de ampla pesquisa bibliográfica, análise documental e acompanhamento pedagógico em ambiente interativo, com vistas ao incremento das relações sociais e pedagógicas na escola. O blog vem se revelando instrumento de gestão, pedagógico e de organização do trabalho escolar. Apresentamos o panorama inicial dos dados de pesquisa que passam a ser produzidos e das interações que acontecem neste processo. A primeira fase da pesquisa preocupa-se em implementar o Blog aliado ao cotidiano da escola e o segundo momento, em curso, pensa na valorização dos sujeitos, usando o Blog como estratégia pedagógica de desenvolvimento pela linguagem e produção de textos. Relatamos as primeiras utilizações do Blog pelos sujeitos com acompanhamento individual e especializado pelo pesquisador, já com as primeiras utilizações e publicações de alunos e professores. Palavras-chave: Educação de Jovens e Adultos; Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação; Produção de Textos.

GT18 - Educação de Pessoas Jovens e Adultas
O CAMPO DA SOCIOLOGIA DA INFÂNCIA NOS PAÍSES HISPANO-FALANTES DA AMÉRICA DO SUL

Monique Aparecida Voltarelli | UnB - Universidade de Brasília

O CAMPO DA SOCIOLOGIA DA INFÂNCIA NOS PAÍSES HISPANO-FALANTES DA AMÉRICA DO SUL Resumo: Este artigo refere-se a uma pesquisa de doutorado intitulada ( título omitido para garantir anonimato ). A pesquisa, de natureza qualitativa, realizou coleta de dados em países de língua espanhola da América do Sul no período de 2010 a 2013 por meio de investigações na Internet, visitas de campo e entrevistas com professores/pesquisadores. Para compreender a configuração do campo na América do Sul, recorreu-se ao conceito de campo científico de Bourdieu, juntamente com a realização de análise de conteúdo a fim de identificar os temas consagrados nas publicações, as abordagens teóricas, os caminhos metodológicos, as áreas predominantes e os elementos que estruturam o campo. Considera-se que o campo da Sociologia da Infância e o campo interdisciplinar dos Estudos Sociais das Infância coexistem nesses países, e que as produções europeias e norte-americanos tiveram grande influência nos países pesquisados, mas concluiu-se que os movimentos do campo podem estruturar outras maneiras para investigações e teorizações da infância no Hemisfério Sul. Palavras-chave: Sociologia da infância; Estudos Sociais das Crianças; América do Sul; Pesquisa.

GT14 - Sociologia da Educação
O CASO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA: UM RELATO SOBRE O PRECONISMO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO INTERIOR DO RS E SEUS DESAFIOS DE IMPLANTAÇÃO

Viviane Kanitz Gentil | Urcamp- Universidade da Região da Fronteira

Apresento um recorte da Tese apresentada que teve como objetivo principal compreender e analisar a política educacional de expansão, interiorização e democratização da educação superior pública, com foco no processo de implantação da Universidade Federal do Pampa – Unipampa, no período 2005 a 2008, ação decorrente do Programa Expandir. O presente trabalho apresenta um relato do processo da criação da Unipampa permeado por reflexões a cerca das políticas públicas e o ciclo de políticas, trazendo a importância da reflexão sobre a temática em questão e os desafios de tal projeto e destaca em suas considerações finais as conquistas e fragilidades desse processo como algo de extrema relevância para o desenvolvimento da educação superior em nosso país.

GT11 - Política de Educação Superior
O COMPLEXO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA DE DIDÁTICA NOS CURSOS DE LICENCIATURA: A RELAÇÃO CONTEÚDO E FORMA.

Maria Janine Dalpiaz Reschke | UNIVERSIDADE LUTERNA DO BRASIL

O COMPLEXO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA DE DIDÁTICA NOS CURSOS DE LICENCIATURA: A RELAÇÃO CONTEÚDO E FORMA. Resumo: O estudo decorre de uma pesquisa realizada em uma Universidade confessional localizada na região metropolitana de Porto Alegre com o intuito de compreender como a prática dos docentes de Didática Geral e Didática Específica se constitui em conteúdo da própria matéria de ensino. A professoralidade em ação, constitui-se em conteúdo pedagógico pois o professor está sempre exposto à relação entre o que faz e o que diz. Tendo como objeto as licenciaturas de Pedagogia e Biologia, a investigação, na perspectiva qualitativa de inspiração etnográfica. Cotejando com as observações em sala de aula, foram realizadas entrevistas semi-estruturadas para compreender como os docentes construíram a sua profissionalidade, a partir da análise das suas trajetórias profissionais. Os resultados da pesquisa apontaram que a maioria dos docentes expressou preocupação com a relação entre a forma e o conteúdo no exercício de suas práticas . Serviram como fundamento teórico as contribuições de Pimenta (1998),Anastasiou (1998), Balzan (1998), Cunha (1989, 1998) entre outros. Palavras-chave: Didática. Licenciaturas.Prática pedagógica.

GT04 - Didática
O Conselho de Educação Superior nas Repúblicas Americanas (1958-1978): cooperação ou intervenção nas políticas públicas do ensino superior na América Latina?

Fernando César Ferreira Gouvêa | UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO

Este texto tem como objetivo examinar a trajetória do Conselho de Educação Superior nas Repúblicas Americanas no período de 1958 a 1978. Trata-se de uma instituição ainda não estudada pela historiografia da educação brasileira. O Conselho abrigou, em seus quadros, intelectuais estadunidenses e latino-americanos com o intuito de elaborar recomendações para a solução dos problemas relativos ao ensino superior no continente americano. Através de uma pesquisa de caráter documental, foi possível mapear as decisões do Conselho e avaliar o potencial de cooperação ou intervenção nas políticas públicas para ensino superior na América Latina. A metodologia utilizada repousa nos aportes da História Política e História Intelectual. Palavras-chave: História da Educação Latino-Americana. Trajetória de intelectuais. Políticas Públicas para o Ensino Superior. América Latina, anos 1950 a 1970.

GT02 – História da Educação
O currículo da Educação de Jovens e Adultos privados de liberdade: concepções de professores

Gabriel Santos da Silva | PUC Rio - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

O currículo da Educação de Jovens e Adultos privados de liberdade: concepções de professores Resumo: Este artigo tem como objetivo analisar algumas concepções sobre o currículo da Educação de Jovens e adultos prisional a partir de entrevistas realizadas com professores que atuam no sistema prisional do estado do Rio de Janeiro. Através da metodologia de pesquisa intitulada “Snowball”, ou bola de neve, selecionamos nove professores que atuam nesta modalidade de ensino e buscamos compreender suas perspectivas sobre o conceito de currículo estes possuem. Utilizamos como principal referencial teórico-analítico as autoras Alice Casemiro Lopes e Elizabeth Macedo e a categorização que estas usam sobre diferentes perspectivas existentes de currículo – acadêmica, instrumental, progressivista e crítica. Acreditamos que através dessa análise poderemos compreender um pouco mais sobre o universo da educação de pessoas privadas de liberdade. Palavras-chave: Currículo; EJA; Educação prisional.

GT18 - Educação de Pessoas Jovens e Adultas
O DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM ORAL DE BEBÊS E CRIANÇAS NO CONTEXTO DA CRECHE: PRÁTICAS DOCENTES EM DEBATE

Ana Carine dos Santos de Sousa Paiva | FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

O DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM ORAL DE BEBÊS E CRIANÇAS NO CONTEXTO DA CRECHE: PRÁTICAS DOCENTES EM DEBATE RESUMO Este trabalho, constitui parte de uma pesquisa maior, e busca discutir práticas docentes em relação ao desenvolvimento da linguagem oral (LO) de bebês e crianças nos diferentes momentos vividos na creche. Apoia-se nas contribuições de teóricos que tratam das especificidades da docência na Educação Infantil (EI) e das perspectivas sóciointeracionistas sobre o surgimento da LO. Situa-se na abordagem qualitativa do tipo estudo de caso. Os sujeitos são três professoras de uma creche pública. Os resultados do estudo apontam que: a) as docentes não percebem que o desenvolvimento da LO acontece nos diferentes momentos da rotina, mesmo os que têm maior ênfase em ações de cuidado (alimentação e higiene); b) em duas turmas, ocorrem precárias interações verbais entre docente e crianças, o que não favorece o desenvolvimento da LO. Assim, consideramos a necessidade de um olhar mais atento das formações (inicial e continuada) de professores para essa temática, além de ampliar discussões em relação às especificidades da docência com bebês e crianças pequenas, que vivem, cotidianamente, uma parcela significativa nas creches. Palavras-chave : Creche. Linguagem Oral. Práticas Docentes.

GT07 - Educação de Crianças de 0 a 6 anos
O DIREITO À EDUCAÇÃO NO CAMPO: REFLEXÕES TEÓRICAS PARA O DEBATE DA SUPERAÇÃO DE DESIGUALDADES NA EDUCAÇÃO

Vandreia de Oliveira Rodrigues | UFPA-PPGEDUC – UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

O DIREITO À EDUCAÇÃO NO CAMPO: REFLEXÕES TEÓRICAS PARA O DEBATE DA SUPERAÇÃO DE DESIGUALDADES NA EDUCAÇÃO RESUMO: O texto é parte de uma pesquisa em andamento vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Educação e Cultura (PPGEDUC/UFPA/Cametá). Aborda-se aqui a materialidade da educação do campo no município de Cametá- PA partindo das bases legais que a normatizam como direito. Problematiza-se como o direito à educação nodo campo tem sido garantida na realidade Cametaense. Para análise, considerou-se as peculiaridades que compõem a Amazônia e seus territórios camponeses e as condições históricos sociais construídas nas relações de trabalho e cultura que produzem o modo de vida desses sujeitos, e que materializam a educação. O percurso metodológico parte-se da perspectiva do materialismo histórico dialético por possibilitar analisar como os interesses das classes impactam as políticas públicas educacionais, pois, as formas como se pensa a educação no campo do município de Cametá-PA ainda se limita em uma educação ruralista, que desconsidera as diversidades locais. PALAVRAS CHAVE : Educação do Campo; Direito a Educação; Políticas Públicas.

GT03 - Movimentos Sociais
O discurso bilíngue na escola: a experiência da auto narração como estratégia para pensar os processos de subjetivação de alunos surdos

Anie Pereira Goularte Gomes | UFSM - Universidade Federal de Santa Maria

O discurso bilíngue na escola: a experiência da auto narração como estratégia para pensar os processos de subjetivação de alunos surdos A proposição deste artigo é problematizar os significados que vêm sendo produzidos sobre o sujeito surdo bilíngue na escola de surdos. Os fragmentos enunciativos compõem essa malha discursiva e vão subjetivando o aluno no contexto educacional institucionalizado. Para dar conta de tal problemática, a análise empreendida tomou como base os dados de uma pesquisa realizada em escolas de surdos por universidades do Rio Grande do Sul, e a partir das recorrências discursivas quanto a educação bilíngue foi proposta uma ação específica em uma das escolas pesquisadas. Considerando esse espaço como lócus privilegiado na produção de saberes no que tange ao sujeito bilíngue foram realizadas oficinas culturais. A estratégia metodológica se deu a partir de exercícios de auto narração que produziram materialidades como fotos, imagens, desenhos, esculturas, músicas e textos, constituindo o corpus analítico da pesquisa. Neste sentido, os saberes produzidos dizem do sujeito e os modos pelos quais ele é tecido socialmente, em específico neste trabalho, na escola. Palavras-chave: sujeito bilíngue; escola de surdos; oficinas culturais; subjetivação.

GT15 - Educação Especial
O DISCURSO DE SUJEITOS-PROFESSORES SOBRE AS TECNOLOGIAS DIGITAIS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

Renata Maira Tonhão Bolson | UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - FACULDADE DE FILOSOFIA CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRãO PRETO

O DISCURSO DE SUJEITOS-PROFESSORES SOBRE AS TECNOLOGIAS DIGITAIS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Resumo A proposta, neste trabalho, é analisar o discurso de sujeitos-professores sobre as Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação no processo pedagógico. Este estudo ancora-se na Análise de Discurso de matriz francesa, na Teoria Sócio-Histórica do Letramento e nas Ciências da Educação. A pesquisa foi desenvolvida com 16 professores da rede pública participantes do projeto de extensão universitária Ribeirão Cultural em uma universidade pública no estado de São Paulo. Realizaram-se entrevistas semiestruturadas e a coleta de depoimentos orais e escritos. Os resultados assinalam que as formações discursivas nas quais os sujeitos-professores se inscrevem são atravessadas por discursos outros que reduzem o processo ensino-aprendizagem à função técnica. Na cibercultura urge dialogar em cursos de formação docente sobre modos outros de atuação, reorganização curricular e discussões sobre o que e como trabalhar com Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação que valorizem as relações humanas e naturais para além da tecnicidade. Palavras-chave Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação; Professor; Análise de Discurso; Letramento.

GT16 - Educação e Comunicação
O ENUNCIADO DE HUMANO AMBIENTAL NO JOGO ELETRÔNICO MINECRAFT

Elisângela Barbosa Madruga | FURG/PPGEA - UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE

O ENUNCIADO DE HUMANO AMBIENTAL NO JOGO ELETRÔNICO MINECRAFT RESUMO: O presente artigo problematiza a proliferação e a utilização do discurso ambiental no âmbito das tecnologias como tática para conduzir sujeitos a uma conduta responsável com o planeta. Diante de um panorama discursivo e a emergência de um determinado modo de ser sujeito, tem-se objetivo de examinar os ditos que fabricam os sujeitos ambientalmente corretos no jogo eletrônico Minecraft. Para operar metodologicamente, tomaram-se alguns dos conceito-ferramentas da análise do discurso desenvolvida por Michel Foucault, tais como: enunciado e discurso. Ao analisar as discursividades no jogo, evidenciou-se um discurso pedagógico ambiental que se materializa por meio do enunciado de humano ambiental. As discursividades bem articuladas ao ambiente virtual tornam-se instrumentos que ensinam modos de ser e agir ambientalmente. Assim, por meio de imagens de personagens do jogo, paratextos e lições de retorno a uma vida natural, os sujeitos/jogadores vão sendo ensinados a conduzirem-se corretamente neste mundo. PALAVRAS-CHAVE : Educação ambiental; Discurso pedagógico ambiental; Humano ambiental.

GT22 - Educação Ambiental
O estatuto do trabalho do professor da escola: desafio político para ser pensado nos cinquenta anos do estágio (1969 a 2019)

Valdeniza Maria Lopes da Barra | UFG - Universidade Federal de Goiás

O estatuto do trabalho do professor da escola: desafio político para ser pensado nos cinquenta anos do estágio (1969 a 2019) O itinerário de institucionalização do estágio (cursos de formação de professores) pode ser visto no intercurso que compreende a Resolução n.9 de 1969 até a política nacional recente de formação de professores no Brasil (PIBID, Residência Pedagógica). Este trabalho se pergunta sobre o trabalho do professor da escola básica junto ao estágio obrigatório na formação inicial de professores. A metodologia envolve documentos de natureza normativa, revisão de literatura e dados de pesquisa envolvendo professores da escola básica com função de supervisores de estágio, estudo documental de PPP de escolas (campos de estágio). Guia-se pela hipótese de que o trabalho desempenhado pelo professor da escola não é reconhecido como trabalho, tendo sido historicamente, naturalizado. A falta de reconhecimento deste trabalho colocaria o estágio numa zona de invisibilidade que o ameaça, ao mesmo tempo que dele se subtrai as principais características transplantadas para programas paralelos à formação inicial. Palavras-chave: Estágio; formação inicial de professores; trabalho; escola.

GT08 - Formação de Professores
O FAZER EXTENSÃO POPULAR EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SEUS PROCESSOS EDUCATIVOS

Tiago Zanquêta de Souza | UFSCar - Universidade Federal de São Carlos

O FAZER EXTENSÃO POPULAR EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SEUS PROCESSOS EDUCATIVOS Este artigo foi elaborado a partir dos resultados de uma pesquisa de doutorado em educação, que se deu entre 2014 e 2017, junto a um grupo de estudantes e populares que, por meio de uma comunidade de trabalho, realizam a prática da extensão popular em educação ambiental. Este artigo tem por objetivo apresentar, a partir de nossas compreensões em torno da convivência em diálogo, na comunidade de trabalho, o quem somos e a construção colaborativa no fazer dessa prática social, com a finalidade de compreender melhor nossos traços identitários e os processos educativos que emergem desse contexto. Além disso, tem a finalidade de discutir como, por meio dos processos educativos, pode-se pensar na extensão enquanto tripé de sustentação da universidade. Ao fazer extensão popular, nutrimos uma perspectiva teórica e epistemológica para a extensão universitária que seja capaz de sugerir caminhos possíveis para outras realizações entre a universidade e a sociedade, e entre a sociedade e a universidade, ou seja, em ambos os sentidos, na busca pelo enfrentamento da desumanização em curso. Palavras-chave: Processos educativos. Extensão Popular. Educação Ambiental.

GT06 - Educação Popular
O FAZER-SE DOCENTE E O PROCESSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA

Adriana de Almeida | UERJ - FFP - Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Resumo: Este artigo analisa o processo de formação continuada de professores da educação profissional no Paraná, em particular, das ações específicas destinadas aos professores do Programa de Integração da Educação Profissional a Educação Básica na modalidade de Educação de Jovens e Adultos – Proeja. A natureza da pesquisa é de fundamentação teórico-metodológica do materialismo histórico dialético e parte das categorias de análise fazer-se e experiência que foram formuladas a partir da coleta de dados e observação participante da pesquisadora nos encontros de formação continuada. Ao todo, foram realizadas 12 oficinas com a participação de 150 professores, no entanto, a análise centraliza-se na oficina do Curso Técnico em Administração que contou com a participação de 36 professores. Dos resultados compreendemos a importância da formação que ocorre a partir das reflexões pedagógicas intra formação de professores a partir das experiências individuais e coletivas dos sujeitos. Nesse movimento, em seu fazer-se , os professores demonstram como entendem a elaboração do de uma proposta pedagógica não dicotômica e estática, mas a partir do interesse em comum e antagônico entre os próprios docentes. Palavras-chave: Experiência. Fazer-se. Formação. Proeja. Professores.

GT04 - Didática
O imaginário em torno da excelência escolar: implicações para a produção da subjetividade dos alunos de classes populares em escolas de prestígio

Luciana Silva dos Santos | UFF - Universidade Federal Fluminense

O imaginário em torno da excelência escolar: implicações para a produção da subjetividade dos alunos de classes populares em escolas de prestígio O corrente trabalho tem origem na intenção de debater o imaginário acerca da qualidade de ensino à luz da relação entre Psicanálise e Educação. Temos o intuito de problematizar tal narrativa, principalmente quanto as suas influências negativas para a trajetória educacional do estudante, uma vez que pensamos a escola como um ambiente não apenas de cultivo e difusão de saberes, mas, sobretudo, de criação de subjetividades. Priorizamos a vivência dos alunos pobres em escolas de prestígios, aqueles que não seriam cúmplices dos ideais regulatórios de uma instituição de elite. Assim, a leitura psicanalítica será cotejada com algumas análises oriundas do pensamento foucaultiano a respeito da produção de subjetividade e dos micropoderes vigentes no sistema disciplinar educacional. Contudo, ainda que reconheçamos as incidências negativas da narrativa da excelência escolar para a confiança e a autoestima do aluno em relação ao conhecimento, interessa-nos, especialmente, a dimensão da resistência ao status quo como um guia de esperança. Palavras-chave: Qualidade de ensino; Psicanálise; Subjetividade e Resistência.

GT20 - Psicologia da Educação
O ITINERÁRIO TÉCNICO E PROFISSIONAL NA REFORMA DO ENSINO MÉDIO: O PROTAGONISMO DO RETROCESSO

Sandra Renata Muniz Monteiro | UFES - Universidade Federal do Espírito Santo

O ITINERÁRIO TÉCNICO E PROFISSIONAL NA REFORMA DO ENSINO MÉDIO: O PROTAGONISMO DO RETROCESSO RESUMO O presente artigo tem como objetivo analisar a oferta do itinerário formativo técnico e profissional no contexto da Reforma do Ensino Médio no estado do Espírito Santo, definida na lei nº 13.415/17. Essa reforma, apresenta mudanças significativas na última etapa da educação básica com implicações para carga horária, conteúdos curriculares e formação de professores. Simultaneamente a esse processo, o Sistema S e o governo estadual, em alinhamento ao governo Temer, vêm buscando executar as políticas educacionais vigentes no sentido de assumir o protagonismo nacional da sua implementação. Dois projetos, um entre Sesi e Senai (município de Serra), e outro entre o governo estadual e o Senai (município de Anchieta) vem estabelecendo oferta combinada da BNCC e o itinerário de formação técnico e profissional. Tais experiências antecipam a reforma e tentam demonstrar sua viabilidade, colocando o sistema S como espaço privilegiado de oferta do quinto itinerário, preparando assim essa oferta para sua possível mercantilização. Fato esse ainda em investigação pela pesquisa em curso. Palavras-chave: Itinerários Formativos. Escola de Tempo Integral. Reforma do Ensino Médio.

GT09 - Trabalho e Educação
O JORNALISMO DE EDUCAÇÃO EM JOGO: LUTAS DE PODER EM UMA REDAÇÃO JORNALÍSTICA

Rodrigo Pelegrini Ratier | Faculdade Cásper Líbero

O JORNALISMO DE EDUCAÇÃO EM JOGO: LUTAS DE PODER EM UMA REDAÇÃO JORNALÍSTICA Resumo : O objetivo do presente trabalho é descrever e analisar, à luz de aportes da Sociologia da socialização, a disputa em torno das concepções de jornalismo dentro de uma redação. O veículo em tela é Nova Escola, maior publicação para professores no Brasil. O intervalo de análise vai de 2006 a 2015, período em que tensões internas e pressões externas à redação alteraram a composição de seu quadro de funcionários, seu escopo de produção, sua cultura de trabalho e seu perfil editorial. Apoiando-nos operacionalmente nas noções bourdiesianas de campo e de capital simbólico e no conceito de configuração de Norbert Elias, procuramos demonstrar a fluidez dos bens simbólicos em jogo e dos grupos que medem forças. Evidencia-se também a imprevisibilidade da disputa. Seu desfecho não é passível de ser controlado por nenhum dos atores do espaço social, exigindo deles intuição e sentido de jogo para planejar os movimentos seguintes e prever as ações dos adversários. Palavras-Chave: Jornalismo de educação. Capital simbólico. Configuração.

GT14 - Sociologia da Educação
O JOVEM PESQUISADOR, SUA FORMAÇÃO PARA A DOCÊNCIA E A CULTURA PERFORMÁTICA: UM CAMINHO DE RESISTÊNCIA E TRANSFORMAÇÃO

Maria Fernanda Alves Garcia Montero |

O JOVEM PESQUISADOR, SUA FORMAÇÃO PARA A DOCÊNCIA E A CULTURA PERFORMÁTICA: UM CAMINHO DE RESISTÊNCIA E TRANSFORMAÇÃO Resumo: Este ensaio parte das experiências de nove alunos e ex-alunos em um programa de pós-graduação em educação e examina as contradições encontradas pelo jovem pesquisador em educação que se vê na cúspide entre a vida estudantil, uma vida de formação e preparação, e a vida profissional, com responsabilidades na docência, na pesquisa e na divulgação / publicação. Baseia-se nos trabalhos de MOREIRA(2009) e BALL(2002) sobre a cultura de produtivismo e também nos trabalhos de CUNHA, BRACCINI, e FELDKERCHER(2015) e de CUNHA e AZEVEDO(2014) sobre a formação para a docência superior. O texto destaca três áreas nas quais o jovem pesquisador deve se formar: para a pesquisa, para a docência, e para a divulgação. Demonstra, portanto, que uma ênfase no produtivismo domina e uma formação para a divulgação acaba perdendo espaço no discurso sobre a iniciação na carreira científica. É nesse contexto que surgem as inquietações dos jovens pesquisadores citados. Seus questionamentos criam um resistência que resulta na publicação do seu próprio livro. Palavras chaves: produtivismo, performatividade, formação para docência no ensino superior

GT08 - Formação de Professores
O LUGAR DA SALA DE LEITURA E DA BIBLIOTECA NA ESCOLA

Sônia Maria Milone de Freitas Travassos | UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - FACULDADE DE EDUCAÇÃO

O LUGAR DA SALA DE LEITURA E DA BIBLIOTECA NA ESCOLA Resumo: O artigo apresenta discussões de uma tese, cujo objetivo foi analisar casos de salas de leitura de escolas públicas de um município brasileiro que alcançaram reconhecimento e visibilidade, para compreender que concepções e práticas sustentavam seus projetos. Após a realização de um estudo exploratório, chegou-se a duas salas de leitura, nas quais se desenvolveu um estudo de profundidade, com observações de práticas, entrevistas e conversas com professoras e crianças. A partir das análises tecidas, a tese apontou sete fatores relevantes para a consolidação, reconhecimento e visibilidade alcançados por estes projetos. Neste artigo, além de trazer discussões sobre as funções de bibliotecas e salas de leitura em escolas, discutimos parte das categorias de análise trabalhadas na tese e os fatores que elas nos ajudaram a indicar. Como aporte teórico-metodológico, nos apoiamos nos estudos Bakhtin (1988) e de Benjamin (1995), autores que sustentam as concepções de linguagem e de sujeito. Também dialogamos com teóricos que estudam o tema das bibliotecas e salas de leitura escolares e suas possibilidades práticas, como Carvalho (2012) e Perrotti (2015). Palavras-chave: Sala de Leitura. Biblioteca Escolar. Práticas de Leitura.

GT10 - Alfabetização
O LUGAR DOS MESTRES POPULARES NAS UNIVERSIDADES: UMA MIRADA DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO A PARTIR DO ENCONTRO DE SABERES

Lucia Cavalieri | FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

O LUGAR DOS MESTRES POPULARES NAS UNIVERSIDADES: UMA MIRADA DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO A PARTIR DO ENCONTRO DE SABERES Resumo Este artigo dedica-se a refletir, a partir do projeto Encontro de Saberes , sobre o lugar dos mestres da cultura- educadores populares- no tripé constituinte das atividades acadêmicas, qual seja, ensino-pesquisa-extensão tomados em sua indissociabilidade. Pretende pensar de que maneira o tripé acolhe, verdadeiramente, outras matrizes de conhecimento, saberes e fazeres. O Encontro de Saberes , ao propor as cotas epistêmicas nas Universidades, desafia-nos ainda a aprofundar os diálogos e o giro decolonial que se deseja no horizonte das Instituições de Ensino Superior, da vida, da educação, em especial da educação popular, e da contínua tarefa histórica de mudar o mundo. Palavras-chave : mestres da cultura, ensino-pesquisa-extensão, universidade, encontro de saberes , cotas epistêmicas

GT06 - Educação Popular
O lugar dos paratextos biografia e sinopse nas obras literárias infantis: para quem são direcionados e porque considerá-los na mediação da obra?

Flávia Brocchetto Ramos | UCS - Universidade de Caxias do Sul

O lugar dos paratextos biografia e sinopse nas obras literárias infantis: para quem são direcionados e porque considerá-los na mediação da obra? Resumo: Um livro é formado por texto e paratextos, e a interação do leitor com ambos qualifica a leitura do título. Assim, destaca-se a importância de interagir com as informações veiculadas nesses paratextos, os quais por vezes não são considerados em ações de mediação de leitura. Por tal, pretendemos investigar como os paratextos verbais biografia e sinopse são apresentados na obra literária infantil. Para este estudo, utilizamos três obras componentes de acervos da categoria 3 do PNBE 2014: A princesa desejosa , de Cristina Biazetto, Pedro Noite , de Caio Riter, A velinha e o porco , de Rosinha. O estudo foi desenvolvido por meio da análise das obras destacadas, considerando a formação dos paratextos biografia e sinopse, levando em conta a linguagem utilizada, a extensão e as informações veiculadas, em qual parte da obra esses elementos estão situados e a quem são direcionados. Os dados apontam para a relevância de atentar para dados presentes em paratextos em processos de mediação das obras literárias. Palavras-Chave: Literatura; Paratextos; Mediação.

GT10 - Alfabetização
O MERGULHO NAS PERIFERIAS: AS PRÁTICAS REESCREVENDO A HISTÓRIA DAS ESCOLAS E AS NOSSAS HISTÓRIAS

Rosana Sales de Jesus | FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA BAIXADA FLUMINENSE/UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

O MERGULHO NAS PERIFERIAS: AS PRÁTICAS REESCREVENDO A HISTÓRIA DAS ESCOLAS E AS NOSSAS HISTÓRIAS Resumo O presente estudo pretende compreender como conversas realizadas no WhatsApp podem contribuir para o processo formativo de um grupo de professores da escola básica. O campo da pesquisa é uma escola pública da periferia do município do Rio de Janeiro, onde a professora pesquisadora e dezessete professores participam do grupo do WhatsApp. Inspiramo-nos na abordagem multirrefencial com os cotidianos para refletimos sobre a compreensão das apropriações dos praticantes envolvidos diretamente nessa ambiência formativa: suas relações, condições, práticas e experiências cotidianas permeadas por conflitos, negociações e invenções. Nesse contexto, qual metodologia usar para dar conta da complexidade das questões vivenciadas no grupo dos docentes? Q ue sentidos e significações são produzidos nas periferias que reverberam nas p ráticas pedagógicas a partir da dinâmica cibercultural? A pesquisa revelou que se faz necessário viabilizar atos de currículo que considerem a pluralidade de saberes, as realidades, as diversidades, as necessidades, enfim, a identidade de cada região, de cada escola. Palavras-chave : Cibercultura. Multirreferencialidade. Cotidiano. Periferias. Conversas. WhatsApp.

GT16 - Educação e Comunicação
O MIEIB E A SUA DIMENSÃO EDUCADORA

Cibele Maria Lima Rodrigues | Fundação Joaquim Nabuco

O MIEIB E A SUA DIMENSÃO EDUCADORA RESUMO No presente artigo se pretende analisar a dimensão educativa do Movimento Interfóruns de Educação Infantil do Brasil (MIEIB) a partir do referencial teórico que a compreende em dois aspectos: da práxis (política) e dos processos educativos internos ao movimento. Do ponto de vista da atuação política, é preciso considerar os conceitos de hegemonia e práticas articulatórias de Laclau para compreender como os movimentos no campo educacional influenciam a produção de políticas, bem como de transformações nos códigos culturais. Esse aspecto está interligado com as aprendizagens propiciadas pelo movimento em sua dinâmica interna, tal como aponta Gohn em seus escritos sobre educação não-formal e movimentos sociais. Nesse sentido, o texto aponta as contribuições do MIEIB na construção de documentos da política e de circulação de uma concepção de educação infantil. Esse processo produz diferentes formas de aprendizagem desenvolvidas no seu interior, em seus vinte anos de existência, e criação de um campo-ético político que produz um discurso fundamento no direito à educação das crianças de 0 a 6 anos. Palavras chave: Educação Infantil, MIEIB, movimentos sociais, educação não-formal

GT03 - Movimentos Sociais
O OBSERVATÓRIO SOCIAL DO BRASIL COMO ARTICULADOR DE UMA DIMENSÃO DA POLÍTICA EDUCACIONAL SOB A FORMA DE REDE

Maria do Socorro Vasconcelos Pereira | UFPA - Universidade Federal do Pará

O OBSERVATÓRIO SOCIAL DO BRASIL COMO ARTICULADOR DE UMA DIMENSÃO DA POLÍTICA EDUCACIONAL SOB A FORMA DE REDE RESUMO O texto decorre das primeiras incursões sobre o controle social realizado por meio do Observatório Social (OS). Objetiva fazer algumas interlocuções à atuação do Observatório Social do Brasil (OSB) como articulador de uma política de controle social sobre as políticas educacionais com atuação em rede, de forma similar com a dos Organismos Internacionais. Fizemos uso de pesquisa bibliográfica em autores como Shiroma (2011; 2014) e assumimos as concepções da autora sobre a perspectiva de articulação em redes na elaboração de políticas. Assim como diálogos em autores como Caetano e Peroni (2015) e Araújo (2017) para compreendermos as relações entre o público e privado e seus laços no cenário nacional. Concluímos que o OSB se configura como um novo sujeito em uma dimensão da política educacional brasileira – controle social e representa uma face da relação público-privada na educação que se refina a cada ano desde a reforma do Estado brasileiro em 1995 na qual os sujeitos da esfera privada são tidos como os mais capacitados para gerir o que é público. Palavras-chave: OBS. Política educacional. Relação público-privada. Redes de políticas.

GT05 - Estado e Política Educacional
O OLHAR ECOLÓGICO DAS CRIANÇAS SOBRE O SEU PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO NOS PRIMEIROS ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

Marcia Soares da Silva | FURG/PPGEA - UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE

RESUMO: As crianças expressam suas vivências dentro do ambiente escolar e através dessa manifestação, algumas demonstraram um “olhar ecológico”. Por meio desse olhar, as crianças podem conhecer o mundo. O presente estudo teve como objetivo perceber a percepção e interpretação das crianças acerca do processo de escolarização e os sentimentos perante a aprovação e reprovação nos primeiros anos do Ensino Fundamental. Foi realizada uma pesquisa qualitativa com vinte e três crianças do terceiro ano, através de estratégias lúdicas e conversas gravadas. Os resultados dessa pesquisa apontam que: As crianças percebem as adversidades enfrentadas no processo de escolarização e sabem expressar os sentimentos de sucesso diante da aprovação ou frustração com a reprovação, no primeiro ciclo dos anos iniciais do Ensino Fundamental. As crianças compreendem que a reprovação pode se ocorrer pela falta de esforço e estudo do educando, assim como problemas e/ou ausência de apoio dos familiares. Diferentemente do que muitos adultos acreditam, as crianças, têm um olhar e constroem expectativas a respeito da situação na qual estão imersas e sabem apontar o que pode ser melhor para elas. Palavras-chave: Educação Ambiental – Olhar Ecológico – Escola – Pesquisa com Crianças.

GT22 - Educação Ambiental
O PAPEL DO PROFESSOR NAS PRÁTICAS DE LEITURA, ESCRITA E ORALIDADE EM CONTEXTO DE APRENDIZAGEM ATIVA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM ENGENHARIA

Otilia Lizete de Oliveira Martins Heinig | FURB - Fundação Universidade Regional de Blumenau

O PAPEL DO PROFESSOR NAS PRÁTICAS DE LEITURA, ESCRITA E ORALIDADE EM CONTEXTO DE APRENDIZAGEM ATIVA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM ENGENHARIA RESUMO Os letramentos acadêmicos são constituídos por especificidades e a inserção nesse meio demanda a apropriação de um novo conjunto de funções e funcionamentos da linguagem. O professor tem o papel de mediador na relação entre sujeito e objeto de conhecimento. Este trabalho objetiva discutir o papel do professor como agente de letramento em contexto de aprendizagem ativa na engenharia. São analisadas entrevistas com docentes do Mestrado Integrado em Engenharia e Gestão Industrial da Universidade do Minho. Por meio de projetos curriculares, os acadêmicos são inseridos em empresas para estágio e, assim, transitam entre as práticas de linguagem características das esferas acadêmica e profissional. As análises se pautam em três correntes teóricas: a) Novos estudos do Letramento; b) Círculo de Bakhtin; c) Teorias da Aprendizagem Ativa. Os dados sinalizam que os professores fazem um trabalho processual em relação à escrita e à oralidade dos estudantes. Nesse contexto, atuam como agentes de letramento, embora não deixem esse reconhecimento explícito em seus dizeres. Palavras-chave: Letramento acadêmico. Escrita. Aprendizagem ativa.

GT10 - Alfabetização
O profissional de apoio/monitor: contextualizando o serviço no município de Santa Maria/RS

Manoela da Fonseca | UFSM - Universidade Federal de Santa Maria

O presente artigo objetiva produzir uma leitura sobre o serviço do profissional de apoio/monitor no Município de Santa Maria, no contexto das Redes Municipal e Estadual de Ensino. As questões que dão origem ao trabalho são produzidas a partir do aumento significativo do número de profissionais de apoio/monitores nos último anos no contexto das duas redes, e isso traz um efeito em termo de relação pedagógica no contexto da sala de aula. A pesquisa é de abordagem qualitativa, de caráter exploratório, e para fins de análise,utilizou-se informações obtidas junto à Secretaria Municipal de Educação e à 8ª Coordenadoria Regional de Educação e documentos específicos destas Redes de Ensino. Destacamos as diferentes configurações de ambas as Redes devido às traduções que cada uma faz sobre as legislações vigentes que norteiam o trabalho do profissional de apoio/monitor. Os resultados apontam para um aumento considerável de profissionais de apoio/monitores em relação ao pouco aumento de matrículas de alunos público-alvo da educação especial, principalmente na Rede Municipal de Ensino; funções de caráter pedagógicos; e poucas produções acadêmicas, a nível nacional, sobre este serviço.

GT15 - Educação Especial
O projeto Saberes Indígenas como um instrumento de formação e capacitação dos professores indígenas

Alceu Zoia | UNEMAT - Universidade do Estado de Mato Grosso

Resumo: O presente trabalho é resultado do processo de discussão desenvolvido a partir do projeto de pesquisa e extensão: Ação Saberes Indígenas na Escola, que visa a elaboração de materiais didáticos/pedagógicos específicos para cada povo e elaborado pelos próprios professores indígenas, com a participação dos seus alunos em atividades de pesquisa com os sabedores de cada comunidade. Nesse trabalho foi possível perceber que a produção de materiais didáticos com significado e que reflete a realidade de cada povo contribui no aprendizados escolar. Palavras Chave: Materiais didáticos; Saberes tradicionais; Escola.

GT21 - Educação e Relações Étnico-Raciais
O QUE AINDA PRECISAMOS APRENDER PARA ENSINAR CRIANÇAS DAS CLASSES POPULARES

Margarida dos Santos | UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO DE JANEIRO

O QUE AINDA PRECISAMOS APRENDER PARA ENSINAR CRIANÇAS DAS CLASSES POPULARES RESUMO Muitos são os saberes construído ao longo da formação inicial de professores e professoras e da sua vida profissional. No entanto, existem docentes que suspeitando do modo aprendido de ensinar, assumem para si, não a culpa, mas a responsabilidade de imaginar outras possibilidades de organização do ensino considerando os estudantes das classes populares como sujeitos de conhecimento. Este texto constitui uma (re)aproximação do tema, a partir do desdobramento das seguintes questões: Existiriam saberes necessários para exercício da docência nas classes populares, na Educação Básica? O que ainda precisamos aprender para alfabetizar crianças das classes populares? Poderíamos aprenderensinar no exercício da docência, com os estudantes? Para tanto, resgatamos o diálogo com as contribuições teóricas de Garcia(2001) no campo da Alfabetização das classes populares, entre outros autores e autoras que dedicam suas pesquisas a Educação popular. PALAVRAS CHAVE classes populares ; saber docente; alfabetização de crianças

GT06 - Educação Popular
O que expressam as reclamações registradas nas Diretorias Regionais de Educação contra a escola e seus profissionais?